Índia: 7 motivos para um choque cultural

Índia: 7 motivos para um choque cultural

Acredite: nada vai te preparar para a Índia. Lotada, caótica, suja e confusa. Ao mesmo tempo, diferente, interessante e bela. Por ali, os contrastes estão por todos os lados. Se apenas visitar o país já causa um tremendo choque cultural, imagina morar lá? Pois é. Quem acompanha o blog há mais tempo sabe que nós vivemos na Índia entre 2011 e 2012.

Selecionamos aqui algumas das primeiras impressões que tivemos do país, coisas que fazem muitos viajantes desejarem sair correndo de lá. Se isso acontecer com você, tenha calma. Superado o susto inicial, a Índia se revela um lugar incrível. Uma experiência que certamente muda a vida das pessoas, embora não exatamente do jeito que elas esperavam.

Sujeira e poluição

Nós nem tínhamos pisado na Índia quando tomamos o primeiro susto. Segundos antes do avião pousar no aeroporto de Nova Délhi, capital do país, eu olhei pela janela da aeronave. Eu esperava ver um país exótico, cheio de tuk-tuks, elefantes e vacas andando pelas ruas. O que eu vi? Absolutamente nada. É que a poluição impedia que tuk-tuks, vacas (e um ou outro elefante) estivessem visíveis. Também não consegui ver o aeroporto até que a roda da aeronave tocou o solo.

A Índia é suja, a ponto de invalidar completamente aquela regra dos seis segundos de tolerância para comer algum alimento que caiu no chão. Há lixo por todos os lados. Muitos lugares fedem a merda e mijo  – não, nada de fezes e urina. O cheiro é de bosta mesmo, sem eufemismos. E o pior: nem sempre de origem animal. A culpa não é das vacas, mas da falta de banheiros que assola o país, problema considerado uma humilhação nacional até mesmo pelo governo.

lixão em chandigarh - India

Do aeroporto, nós seguimos até a rodoviária de Nova Délhi, uma unanimidade entre os estrangeiros que conheci por lá: todos concordavam que aquele era o pior lugar do mundo. Paredes quebradas, escuridão, odores nada agradáveis e lixo. Muito lixo. Era tão sujo que nós nem queríamos colocar as mochilas no chão. Ficamos com elas nas costas mesmo, até o ônibus partir. Conselho número um: Vai visitar a Índia? Ande com um pouco de álcool em gel. E prepare-se para deixar de ser fresco  mudar alguns padrões.

Trânsito indiano

Enfim, o ônibus partiu. O motorista era alto, magro e tinha uma barba enorme. Ou seja: era a cara do Bin Laden. Com o Osama ao volante, começamos a viagem até Chandigarh, cidade onde iríamos morar. Na estrada, minhas impressões do país começaram a mudar.

– “Olha, aqui nem é tão sujo. Até se parece com o Brasil. Nem tem tanta… MERDA! A GENTE VAI BATER NAQUELA VACA!”.

Buzina. Mugidos. Num passe de mágica, o ônibus desviou da vaca, que ruminava calmamente na beira da estrada.

– “Ufa. Foi por pouco. O Osama é bom de roda. Nem sei como ele conseguiu desviar da… PUTA QUE PARIU, ele está dirigindo na contramão!!”

Buzinas. Gritos. Nosso motorista, ainda na contramão, mandava que os veículos no sentido contrário dessem passagem.

Trânsito indiano ruas

Qualquer pessoa que diga que o trânsito da Índia é o caos subestima o trânsito da Índia. Se o Caos em pessoa resolvesse dirigir na Índia ele certamente se envolveria num acidente nos primeiros cinco minutos. É preciso ter talentos extraordinários para dirigir ali, em meio a vacas, elefantes, carros, bicicletas, vacas, tuk-tuks, vacas, búfalos, camelos… e mais vacas.

Teoricamente o trânsito funciona na mão errada de direção, aquilo que os súditos da Rainha chamam de mão-inglesa. Na prática, essa regra pode ser abolida facilmente. Vi motoristas dirigirem por longos trechos no que seria a contramão, mesmo em avenidas movimentadas de grandes cidades. Conselho número 2:  Nem pense em alugar um carro e dirigir. (Temos um post inteiro sobre o trânsito indiano. Leia aqui).

Barulho

Dizem que a Índia é o pior país do mundo para acordar de ressaca. Além dos vários odores, é barulho que não acaba mais. Depois de ser atropelado por um cerveja com 8% de álcool, o cara acordada zonzo. Tenta ir para o trabalho, até que é quase atropelado por um tuk-tuk. BUZINA. GRITOS. “De onde você é?”, pergunta um. “Compre meu produto”, fala o outro. BUZINAS. GRITOS. “De onde você é?, perguntam cinco pessoas diferentes. Cambaleante, o cara continua a andar, mas até agora não percorreu cinco metros. BUZINAS. GRITOS. Dor de cabeça.

Nada me irritava tanto quanto o barulho. Em especial o da buzina. Se no Brasil uma buzinada um pouco mais longa equivale a pior das ofensas, na Índia nada mais é do que um “me dá licença, que agora eu vou passar”. Eles buzinam para tudo. Para pedir passagem. Enquanto fazem a ultrapassagem. Depois que ultrapassaram. Quando estão sozinhos na pista e não tem nenhum carro para ser ultrapassado. A buzina é um barulho tão inofensivo que letreiros dizem “Buzine por favor”, na traseira de vários caminhões. BUZINAS. GRITOS. Conselho número 3: Vai visitar a Índia? Leve um tapa-ouvidos.

trânsito indiano

Noção de espaço pessoal

Eu estava dentro de um trem, numa das várias viagens que fizemos pelo país. Era uma classe mais cara, que tinha ar-condicionado, camas confortáveis e cobertores. E o melhor: garantia de camas individuais, sem ninguém invadindo o seu espaço. Peguei meu computador para assistir a um filme.

“O que você está vendo?”, perguntou o indiano que estava na cama do outro lado.

Tirei os fones de ouvido. Pausei o vídeo. Olhei para ele. “Um filme”, respondi.

Coloquei os fones. Peguei o computador. “Qual filme?”, perguntou o indiano. Fingi que não ouvi.

Um segundo depois ele estava tentando se sentar ao meu lado, na minha cama-que-seria-individual, e perguntando insistentemente: “Qual filme? Qual filme? Qual Filme?

A noção de espaço é muito diferente por lá. Os homens andam perto uns dos outros, encostam uns nos outros. Invadem o tempo inteiro o que seria o seu espaço, pelo menos aqui no Brasil. E perguntam. O tempo inteiro, coisas que nós consideramos indiscretas. “Quanto você ganha? É casado? Qual filme? Qual filme? Qual… AHHHHHH!

trem-lotado-em-Mumbai-

Pra fora do ônibus índia

Como ter noção de espaço quando seu transporte público é sempre assim?

Calma. Conselho número 4:  Tente não se irritar com perguntas indiscretas ou com gente invadindo o seu espaço.  É um país com quase um bilhão e 300 milhões de habitantes. É claro que a noção de espaço é diferente. Seja compreensivo.

Comida indiana

Muita gente acha que o maior problema é não ter carne na alimentação diária. Engano: isso incomoda pouco. Além do mais, é possível achar carne na Índia. Em algumas cidades, de maioria muçulmana,  até mesmo carne de vaca. O problema mesmo é a pimenta. Se você não curte, aprenda o mantra: no salt, no massala, no chilli. E tenha certeza que mesmo a comida não apimentada será picante para você, embora o cozinheiro indiano jure que não tem pimenta nenhuma ali. E muito provavelmente a língua dele, acostumada com os temperos, não sentiria mesmo pimenta nenhuma.

Superado o problema com a pimenta, há a diferença da alimentação em si. Nada de lasanha congelada. Nada de comida para forno micro-ondas comprada no hipermercado. Na realidade, muito provavelmente nada de hipermercado para comprar comida. Para quem vai só visitar o país isso pode ser interessante, afinal conhecer a comida de um lugar é uma etapa importante na hora de turistar. Mas experimente ficar seis meses com essa alimentação. Você vai sentir mais falta do arroz com feijão do que da carne. Conselho 5: Quando se cansar da comida indiana tente a afegã. Ela salvou nossas vidas.

mercado especiarias india

Barganha

Se alguém te disser que o críquete é o esporte nacional da Índia, diga “truco”. Certamente o críquete lota estádios e causa uma comoção comparável a que temos com o futebol, mas todos sabem que o esporte nacional indiano é a barganha. Para os escolados funciona assim:

Você está numa feira quando vê um artesanato fantástico numa barraquinha. Se aproxima do local e, sem olhar para o produto e com cara de total desinteresse, pergunta –“Quanto é essa porcaria isso?”

“ É um produto raríssimo, original da caxemira. Três mil rúpias”, responde o proprietário.

“O que, meu amigo, eu moro aqui. Aquilo não vale nem cinco rúpias.”

E começa o jogo. Se comprador e vendedor saírem furiosos depois da venda, é a prova de que o preço foi o justo e deu empate. Caso raro. Ok, isso parece divertido num primeiro momento. Mas vai por mim: quando você tiver que barganhar para tudo, até para comprar uma garrafa d’água, você vai se cansar. O vendedor não, já que para ele isso é normal. Conselho 5: Treine sua sua capacidade de barganhar. Temos um guia completo sobre isso.

barganha-na-india

Roupas

Um estrangeiro chega na Índia e tenta se vestir como os locais. Para isso, ele usa sua melhor camisa indiana, comprada pela internet. O problema é que nós pensamos que os indianos costumam usar isto:

 roupa indiana

Mas na realidade eles usam isto:

Homem indiano

Família Indiana

Troll face. Você foi enganado pelos ocidentais, gente que acha que sabe o que a Índia é. A realidade é outra – mulheres indianas raramente usam roupas que deixem as pernas ou os ombros descobertos. Muitas delas usam o tradicional Sari. Homens quase nunca usam bermudas. E definitivamente não usam essas camisetas com elefantinhos. Na realidade, a vestimenta do homem indiano, pelo menos no norte do país, raramente varia do conjunto camisa social + mais calça. Quando muito, inclui uma camisa social dentro da calça. Assim:

Homens em praia de Goa - Índia

E isso até na moda praia, como você pode ver na foto. É claro que nada impede que você use sua camisa com elefantinhos – é até muito fácil achar esse tipo de roupa em cidades turísticas. Mas tenha em mente que essas peças são feitas pensando em você, caro ocidental, e nenhum indiano vai acompanhar a moda.

Além disso tudo, ainda existe a diferença religiosa, afinal a Índia está bem longe do mundinho cristão a que estamos acostumados. Tem maioria hindu, mas também milhões de muçulmanos e sikhs. Isso significa que sai o Cristo, entra o Shiva Redentor. Ou o Ganesha. E  outros costumes e crenças. Mas essas diferenças são bem menos impactantes, pelo menos diretamente. O pior mesmo é a buzina.

Quer mais informações sobre a Índia?

Precisa de mais informações? A gente pode te ajudar, afinal nós moramos na Índia e tivemos a oportunidade de conhecer o país de norte a sul. Todas as nossas dicas estão no “Roteiros da Índia”, um livro digital com 260 páginas que fala de 40 cidades, além de trazer informações gerais sobre o país, fotos e mapas. Ficou interessado? Clique aqui e saiba mais.

Roteiros da Índia

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

69 comentários em Índia: 7 motivos para um choque cultural

  1. Ilustre Sette Camara, infelizmente não aceitam qualquer cartão de crédito para compra de passagem de trens no IRCTC. Pelo menos conclui isso pelo email que recebi:
    Dear Customer,
    With regard to your mail, we wish to inform you that the facility to use international card for making payment is available with AMEX Payment Gateway.
    Further note that AMEX will allow cards issued only by following countries for Rail Ticket Booking-
    Australia,China,Cyprus ,France ,Germany,Greece ,Hong Kong,India,Italy ,Japan,Malaysia ,Netherlands ,Russia ,Singapore ,Spain ,Switzerland ,Turkey ,United Kingdom ,Vietnam
    Please ensure whether your card is issued by any of the above country then only it will be accepted on our website.
    Note-IRCTC should be accepting Amex Safe key
    transactions for countries covered on the link given below.
    http://network.americanexpress.com/uk/en/safekey/faq.aspx

  2. Haha ha Rafael me peguei rindo varias vezes sozinha com esse post,eu adoro e acompanho o blog e posso dizer que esse post foi o meu xodo,pois esta explicativo,realista sem susto apenas realista e uma pitade de comedia.aumentando ainda mas meu desejo de conhecer a “INACREDITABLE INDIA”como se refere o governo Indiano que por sinal nao e propaganda enganosa.Eu pretendo fazer o triangulo dourado “Dehli,Agra e Jaipur.rsrs esse post esta formidavel parabens um abraco carioca. Att Elaine Rangel

  3. Olá pessoal, sou fã de suas dicas e estou com passagem comprada para o mês de novembro. Fiz os procedimentos recomendados e me cadastrei no IRCTC (trem). Simulei uma reserva e reparei que, entre os inúmeros meios de pagamento, não tem cartão de crédito convencional, só os de lá mesmo: geralmente débito. Como você faziam para comprar com antecedência e realizar o pagamento? gd abç

    • Oi, Samuel. Fico feliz de saber que sua viagem está chegando! Olha, antigamente era possível pagar com cartão de crédito internacional. Alguns leitores até conseguiram. Vou pesquisar o assunto e vejo se consigo alguma resposta pra você, ok?

      Abraço.

  4. Boa tarde, gostava de ir para a India, ainda não sei se em trabalho ou em Turismo. Gostava que me indicassem (preço de vida, com quanto é possivel viver mensalmente nesse país); que cidade com melhor qualidade de vida, essas coisas.
    Obrigado

  5. Caro Rafael, gostei muito do seu livro. Tenho um pré-roteiro, entre 30/10 a 20/11. As cidades preferidas são (o que não quero perder coloquei entre parênteses): DELI (Bukhara); AGRA (Taj Mahal);Jaipur (?); Rishikesh (banho no Ganges); Khajuraho (Kandariya Mahadeo); Varanasi (passeio de barco); Amritsar (Golden Temple + troca de guardas na fronteira); Goa (?); Mumbai (?). Aceito sugestões. Qual seria a melhor ordem de uma cidade a outra? abç

    • Oi, Mac.

      Baita roteiro. Senti vontade de voltar só lendo seu comentário. hahaha

      Você pode fazer assim: Delhi – Agra (de trem ou ônibus)

      Agra – Jaipur (de trem ou ônibus) Jaipur não é a cidade mais interessante do Rajastão, embora seja a mais visitada. Udaipur, por exemplo, é bem mais interessante.

      Rishikesh – sei que existem ônibus diretos entre Agra e Rishikesh. Você pode comprar o ticket em várias agências na cidade. Também é possível ir de trem, partindo tanto de Jaipur quanto de Agra. Nesse caso, pare em Haridwar, que fica pertinho de Rishikesh – uma corrida de táxi te leva lá.

      De lá, creio que a saída é voltar para Delhi e pegar um trem. Ou então descer para Haridwar novamente e pegar um trem para Khajuraho. Também dá para seguir de trem até Varanasi.

      Mumbai e Goa, caso você resolva ir, ficam à parte: pegue um voo de Delhi para Mumbai. Você pode optar por um ônibus noturno entre Mumbai e Goa. Ou então pegar outro voo para o litoral.

      Amritsar é que está sobrando na logística do roteiro. Talvez o ideal seja encaixar depois de Rishikesh. Mas recomendo a visita – o Golden Temple é incrível.

      Dá uma olhada no mapa para se localizar melhor. Qualquer dúvida é só falar.

      Abraço.

      • grande Rafael, permita-me lhe alugar mais um pouco. . . Udaipur substitui Jaipur (cf. seu conselho). Vou adotar a sugestão do seu livro: roteiros maiores = avião ou trem noturno; roteiros menores = trem. Bombai = fim do roteiro e retorno para Guarulhos. Como chego em Deli dia 25 ou 26/out e retorno dia 25/nov, temos uns 30 dias para curtir. Como sou fã da culinária em geral, algumas dicas recolhidas: Bukhara em Deli; restaurante Khyber e A Reverie e lanchonete Bademya em Goa; The Mughal Room em Agra; Royal Theme Restaurant + jantar em Choki Dhani: Jaipur;
        Esteja livre para corrigir e modificar
        PS: escolha acima é coisa de coroa; detalhe: sem frescura 8/80= topo tudo . . .

        • Fico feliz que tenha gostado, MAC.

          Sobre as datas, procurei aqui e achei várias, mas na maioria das vezes para o período entre 18 e 25 de novembro.

          Uma ideia seria procurar por um hotel lá, tipo no booking, e mandar um email perguntando a data exata, para ter certeza mesmo.

          Qualquer coisa aqui é só falar!

          Abraço.

          • Já fiz exatamente isso e reservei um hotel em Pushkar durante a feira. Tem alguma sugestão quanto ao câmbio: levamos dolar/euro? aceitam fazer câmbio em R$? A viagem está praticamente confirmada. Faltam pequenos detalhes. gd abç

          • Melhores levar dólares, mas euros também são aceitos da mesma forma. Acho que Reais não são muito comuns não.

  6. Olá Rafael
    Adorei seu relato sobre a India, sonho em ir pra lá e em todo cantinho deste mundo, aos poucos (:
    Eu já conhecia esses problemas do país,mas nada que me assuste, ainda acho que por mais podre que seja o país, conhecer a cultura vale muito mais. A China, que visitei ano passado, também é um pouco assim, não chega a tanto, mas é… Cada lugar tem seus pontos ruins e bons, você mesmo deixou bem claro isso!
    Bom, como desabafo só queria dizer que as pessoas (amigos) não entendem quando eu falo sobre esses pontos ruins da India… eles acham que estou criticando e logo já começam a defender, e isso me irrita. Penso: vamos ser realistas e equilibrados, não uns cegos… Para acabar com isso já vou mandar o link desse post para eles, finalmente achei o que precisava!
    Eu estava planejando viajar pra India, mas o alto indice de estrupo foi a principal causa que me deixou com o pé atrás, afinal sou mulher.
    Valeu muito a visita, até uma próxima. Ótimo Blog.

    • Oi, Julie.

      Existem duas visões erradas sobre a Índia: a de que é um país horrível, inferior, que não merece uma visita.

      E a de que é um paraíso zen, espiritual, algo que precisa ser imitado.

      Na realidade a Índia é tudo isso. E muito mais. É uma viagem transformadora, mas cheia de desafios e problemas. :)

      Abraço e obrigado pelo comentário.

  7. Muito bom seu relato,só morando pra saber realmente como é o país que aliás n pretendo conhecer.É muita sujeira para o meu gosto apesar da riqueza cultural creio n valer a pena pisar “na merda”

  8. Olá Rafael (Sette Câmara era um advogado famoso tempos atrás, não lembro bem) gostei do seu site. Sou um peregrino de 74 anos sem frescura, mas gosto de apreciar boa comida. Pretendo ir à India em outubro (concorda com a época). Normalmente não contrato pacotes turísticos, mas na Índia . . . Pretendo ficar uns 15 dias na India (depois vou à Dubai saltar de paraquedas). Alguma sugestão?

  9. Véi, amei o texto! Muito divertido haha Parabéns pelo blog :) To indo pra Índia agora no fim de janeiro e vocês estão ajudando muito. Valeu!

  10. Ótimas descrições! Estive na Índia em fevereiro de 2014 e, apesar disso tudo, foi uma experiência maravilhosa! O motorista do tuc-tuc que usamos, apesar de dirigir por mais de 10 horas diárias no trânsito infernal de Delhi trabalhava de bom humor e cantando!

  11. uauhahuahu!!! Tô pirando com esse blog (não sei se isso é bom) Só sei que a mochila tá aqui… esperando pela próxima viagem….srrsrsrsrsrrsrsr!!!!!! Abçs!!!!

  12. Cara, adorei seu texto. Me peguei rindo sozinho muitas vezes. Gosto de viajar e conhecer lugares diferentes. Ainda estou me preparando para um dia conhecer a Índia, que faz parte dos meus projetos de viagem futuros. Uns amigos até me sacaneiam, me mandando imagens de bizarrices que só acontecem na Índia: “Veja se você ainda tem vontade de ir para a Índia”. Até meu filho de 10 anos é contra. “Pai, você quer ir pra Índia? Então vai sozinho, eu não vou…”.
    Gosto de comida indiana mas, como você fala, lá deve ser bem diferente do que a gente come aqui, mesmo que o dono do restaurante daqui seja indiano. Afinal, precisa adaptar ao gosto dos brasileiros.
    Sei que, se for para lá, vou ver coisas muito estranhas e me chocar com muitas outras (essa história de corpos boiando no rio, por exemplo). Mas tenho certeza que será uma experiência enriquecedora.
    Duas pergunta: com o idioma inglês dá para se virar numa boa por lá? Tem malandros ou batedores de carteira nas ruas?
    Abraços e parabéns pelo blog.

    • Oi, Marcello.

      Se você está aberto para coisas novas, acho que vai adorar a Índia. É uma experiência incrível e muito marcante!

      Sim, você se vira tranquilamente com o inglês por lá. Pode ser necessário fazer alguma mímica, mas é bem mais fácil se virar com inglês lá do que em países como Brasil e Rússia. Imagino, inclusive, que o idioma deve ser um problema e tanto para quem visita nosso país. hehehe

      Sobre os golpes, existem malandros em qualquer lugar do mundo. Vi casos de gente que perdeu a carteira lá, mas em geral esse não é o golpe mais comum. Eles tentam te levar é na lábia mesmo. Dá uma olhada nesse texto aqui:

      http://www.360meridianos.com/2013/01/os-golpes-mais-comuns-na-india.html

      Qualquer coisa volte a perguntar!

      Abraço.

  13. Adorei o texto!!!
    Estava comecando a arrumar a mala (mala ou mochila??). Estou embarcando dia 1/1 para 2 meses por la. Comeco por Rishikesh ficando la 2 semanas, num ashram. Depois 1 mes em Dharamsala voluntariando. E acabo com um tour desde Mumbai, Rajastao e acabando em Agra-Deli.

    Meu maioredo é a comida. De longe. Nao sou uma pessoa muito aberta a movidades (pra comer sou fresca mesmo). Outro medo a higiene e WCs. E pra ajudar sou canhota rsrs. Enfim. Acho que sera uma aventura e tanto!!!

    Ja li outros posts de vcs sobre la!
    Ajudaram mto 😉

    Abracos!

    • Muito legal sua viagem, Maria. Quero voltar lá só para fazer igual a você, ficando um tempo maior em Dharamsala, para trabalho voluntário, e Rishikesh.

      A comida é um desafio mesmo, principalmente se você não se dá bem com pimenta. No mais, prefira comer em restaurantes e tudo dará certo. Essas duas cidades (Dharamsala e Rishikesh) têm ótimos restaurantes, inclusive, todos muito baratos.

      Depois conta pra gente como foi sua viagem!

      Abraço.

      • Entao. Voltando pra falar um pouco!

        Depois de exato 1 mês por aqui só posso dizer: VENHAM! :)
        É diferente, sim, tem algumas dificuldades no caminho… mas o país é lindo, a comida é otima (e eu sempre fui meio chata pra comida!!), o aprendizado é incrivel!! Vale muito a pena!!!

        Estou colocando um pouco da minha visão e experiencia pessoal mo meu blog – adorogente.wordpress.com

        Namaste!

  14. Meu sonho sempre foi conhecer a India Rafael, mais minha familia me critica muito sobre isso. Dizem ser uma cidade suja e barulhenta, mas pra mim isso nao interessa! Depois que eu assisti a novela da globo que relatava a cidade e seus costumes eu me apaixonei! Espero ir pra India um dia e poder realizar meu sonho! Minha curiosidade tambem é saber o valor da passagem e o custo para ficar umas 2 semanas la e qual lugar é melhor ficar lá! Obrigado e aguardo a resposta! Um abraço…

    • Oi, Mayara.

      A Índia é um país desafiador e cheio de problemas, mas é uma viagem que vale muito fazer! É impossível ir ao país e não mudar um pouco. Por outro lado, a Índia real é bem diferente daquela que apareceu na novela, viu. =) Não que isso seja uma coisa ruim, claro.

      O preço da passagem varia, mas deve custar em torno de 3 mil reais, ida e volta. Pode ser um pouco mais que isso. Com sorte, dá pra ser menos também, mas vai depender de uma promoção.

      Já o custo de vida lá é bem baixo. Acho que com uns 40 dólares por dia dá para pagar todas as despesas.

      Espero ter ajudado! Qualquer coisa volte a perguntar.

      Abraço.

  15. Cara seu post é o mais realista que li até agora sobre a Índia, moro há mais de 7 meses na Índia e muitas pessoas tentam mostrar apenas o lado bom da viagem, para qualquer um que pretende visitá-la é importante saber o que vai encontrar, até para não ter uma decepção muito grande e voltar na primeira semana. Eu ainda acrescentaria mais alguns motivos, 1 a enorme burocracia do país, para quem acredita que o Brasil é campeão está enganado…kkkkkk. 2 alimentação, estando aqui há um bom tempo não conheço ninguém(estrangeiros) que ficou mais de 6 meses na Índia e não teve intoxicação alimentar. 3 cor da pele, existe uma preocupação absurda por parte dos indianos em usar cremes branqueadores, isso eu nunca imaginava que iria encontrar na Índia.

    Destes motivos acho que o pior é a comida, com exceção de alguns pratos, a maioria é muito apimentada e tem um péssimo sabor. Por isso sempre estou pedindo comida árabe pra aguentar o tempo que ainda ficarei por aqui.

    • Oi, Victor.

      Concordo com você! Passamos dificuldades com tudo isso que você falou, mas a comida era mesmo um problema. Não gostamos nada de pimenta, então era um sofrimento danado! hehehe

      Ficamos seis meses na Índia, em Chandigarh. Você está fazendo intercâmbio aí, ou é uma viagem mesmo?]

      Obrigado pelo comentário!

      abraço

  16. Rafael, estou de passagem pela a India nesse exato momento, em Chennai no sul da India. Cara, hoje passei por tudo o que você comentou no blog. Incrível! eu sou um cara tranquilo mas acabei brigando com um vendedor de uma loja de suvenir. No final eu sai com dor de cabeça e ele me xingando, mas comprei tudo por 1/3 do valor que ele me cobrou. kkkkk(obs: muito bom o texto, foi de grande ajuda)

    • Olá, Álvaro.

      Tá vendo? A lista de choques culturais é verdadeira! hehehehe

      Obrigado pelo comentário! Depois conta pra gente um pouco mais sobre sua viagem.

      Abraço!

  17. Rafa, e o que dizer das cusparadas roxas que os motoristas de tuk-tuk (principalmente eles) dão o tempo todo? Aquelas que quase respingam em quem fica com a cabeça para fora para ficar olhando o cenário urbano.
    Nojento demais, para nós pobres frescos ocidentais…

    • haha! Ainda tem isso. Uma vez um cara cuspiu do meu lado, com aquele barulho nada agradável. Eu imitei o barulho grotesco e fingi que cuspi no chão. Ele ficou sem entender nada. E ainda teve um vez que um deles cuspiu e acertou a perna da Naty, que atravessava a rua. Nada legal isso.

    • Pois é, Sylvia. Eu já ficava muito irritado na posição de pedestre ou passageiro. Imagina como seria se eu estivesse dirigindo no meio daquela confusão (e sem a paciência indiana). =)

    • Definitivamente não é fácil, Fernanda. Mas vale a pena. Eu acho que a questão fundamental é não fazer uma viagem econômica. Quando mais dinheiro você investir, menos vai enfrentar os problemas do país. O bom é que a Índia é muito barata, a ponto dos gastos mais caros de lá serem baratos para o padrão brasileiro. Só volto lá se for nesse esquema. =)

    • Olá, Luffi. Obrigado pelo comentário – e que bom que você se divertiu com o texto. É preciso muito estômago para visitar a Índia sim, mas definitivamente vale a pena. A experiência é fantástica!
      Abraço!

  18. A Índia é um soco no estomago mesmo.E cheguei em Varanasi, imagina. Lá você ganha de brinde um soco na cara também. No terceio dia depois de ficarmos cheios de dedos meu marido tomou um tombão no meio da bosta. Todo coberto de merda,hahaha. Ai meu Deus, só a Índia para proporcionar algo assim. Nós amamos e queremos voltar,mas para viver lá só sendo muito Highlander.

    • hahahaha! Liliana, essa história do tombo na bosta é fantástica! E sim, a Índia é um soco no estômago. A gente ama e odeia ao mesmo tempo. Enquanto eu estava lá, várias vezes pedi pelo-amor-de-Deus-quero-ir-embora. E não é que agora já até quero voltar? Vai entender…

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem