Intercâmbio no McDonald’s: meu Work and Travel

Intercâmbio no McDonald’s: meu Work and Travel

Todos os dias eu caminhava, às 5h30 da manhã, por um quilômetro inteiro de frio. Alguns escorregões ocasionais com o gelo no caminho eram acompanhados de muitas reclamações e tremores se estivesse chovendo. E todos os dias mesmo, inclusive no 1 de janeiro de 2009, virada da festa de réveillon peruana que eu deixei às 4h30. Como contei para vocês, eu fiz intercâmbio nos Estados Unidos quando estava na faculdade.

O M gigante amarelo era avistado de longe, quase desde a minha casa. Esse era o meu destino, um McDonald’s numa cidade de cerca de 1500 habitantes. Acontece que, apesar dos poucos moradores, a cidade recebe muitos turistas no inverno e no verão, por conta da Loon Mountain, montanha que faz parte da cadeia das White Moutains, além de um rio e um desfiladeiro, o Flume Gorge. E todo mundo, antes ou depois dos passeios, dava uma passadinha no McDonald’s para comer alguma coisa.

Vai fazer intercâmbio? Saiba como transferir dinheiro para o exterior com menos taxas

McDonalds EUA

A rotina do work and travel

Eu trabalhava seis dias por semana, entre sete e dez horas por dia. Meu turno era quase sempre de manhã cedo até a hora do almoço – o que era ótimo, porque trabalhar no horário da noite era bem pior: mais frio e ainda tinha que lavar banheiro. Sem contar que o gerente da manhã era muito mais legal e simpático que a do turno da noite.

E como era trabalhar no McDonald’s? Cansativo é a primeira palavra. Eu nunca antes tive que ficar quase o dia todo em pé, indo de um lado para o outro. O Mc tem uma política de que você nunca deve ficar sem fazer nada. Então não adianta bancar o espertão e terminar rápido o trabalho de limpeza para descansar, porque aí o gerente vai mandar você fazer outra coisa, como limpar bandejas ou repor o estoque de molhos e guardanapos.

Work and Travel no McDonalds

Vários norte-americanos de perfis bastante diferentes trabalhavam comigo. Tinha o pessoal na faixa entre 20 e 30 anos. Todos eles com pelo menos 2 filhos e odiando trabalhar ali, mas sem planos para mudar de emprego. Tinha o pessoal mais velho, acima dos 50, que trabalhava ali há mais de 10 anos e recebia muito mais que todo mundo pela hora de serviço. E também tinham os jovens de dezesseis anos que estavam ali para juntar uma grana, seja porque eles não ganhavam mais mesada, ou porque estavam juntando dinheiro para a faculdade. Fora isso, havia os chefes, os donos do restaurante e os chefes dos gerentes. E, claro, os quatro brasileiros que estavam lá por causa do intercâmbio.

E até que era divertido – talvez mais nas minhas lembranças que de fato era. Mas o que importa são as memórias, né? Não que eu queira fazer isso novamente na vida. Minha função principal era ficar no caixa e também atender o drive thru. Eu gostava muito do caixa e odiava profundamente o drive thru. Durante a manhã, os mesmos velhinhos iam tomar um café da manhã muito nojento, que incluía burritos, ovos, muito bacon e café descafeinado do Paul Newman – também conhecido como o maior erro do universo (ruim, fedorento e sem cafeína, por que, Senhor?).

Work and Travel nos Estados Unidos

Esses clientes frequentes eram uns fofos. E como pediam sempre a mesma coisa, enquanto eles estavam estacionando o carro a gente já deixava a comida preparada. Em compensação, o drive thru era um inferno porque toda vez que a janelinha abria vinha um frio do capeta e eu não podia gritar: CAPETAAA!, porque tinha que sorrir pro cliente e colocar minha mão para fora para pegar o dinheiro e depois correr para dentro, buscar a comida, correr para outra janela, abrir (pensar CAPEEETA!) e entregar a comida e dizer: Volte sempre!

Intercâmbio de trabalho nos Estados Unidos

Nos intervalos eu limpava o lobby, limpava bandejas, repunha o estoque e comia. Eu tomava sorvete ou milkshake todos os dias, na hora do almoço. Porque sorvetes e bebidas eram grátis para os funcionários (e também a máquina de café chique e nova que demorou uns dois anos para chegar no Brasil). A comida mesmo, teoricamente, não era de graça, mas isso só valia quando os chefões-donos estavam lá. Os gerentes não ligavam de nos dar o almoço em vez de cobrar metade do valor, como determinavam as regras. Engordar, eu engordei, mas só 5kg, o que naquela época não era muita coisa, já que eu passei de 48kg para 53kg (bons tempos).

Work and Travel - McDonalds

E você não enjoou da comida e nunca mais quis comer ali, porque viu ela sendo feita? Bom, não. Eu não trabalhava na cozinha, até tive algumas experiências mas sou muito-mega-desastrada e derrubei todo o pote de catchup no chão e nunca mais voltei lá (a foto acima é obviamente fake). Mas eu via como era feito e, apesar do McDonald’s não estar me pagando nada por isso, garanto que eles realmente seguiam padrões de limpeza e qualidade – pelo menos no restaurante onde eu trabalhava. Eu não quis comer hambúrguer por um tempo depois que voltei para o Brasil, mas passou rápido. Desde então, quando vou a um McDonald’s, dou uma avaliada no serviço e me lembro dos tempos em que eu merecia o quadrinho de funcionária do mês.

Sou jornalista, tenho 29 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

19 comentários em Intercâmbio no McDonald’s: meu Work and Travel

  1. Único sonho que ainda não realizei – conhecer outros países. Eu creio que sei um pouco sobre cada canto do mundo sem nunca ter estado lá. Mas não há nada que substitua a experiência de estar no local e conviver com os nativos, descobrindo coisas novas. Quantas histórias bacanas! Quantas experiências interessantes. Vocês me inspiraram a fazer isso o mais rápido possível. Obrigado.

  2. Olá Luíza Antunes, Gostei muito de ter lido sua experiência e ao mesmo tempo rí muito quando vc descreveu a vontade de gritar CAPETAA por conta do frio e não poder kkkkk
    mas gostaria de te fazer uma pergunta tenho vontade de viver no EUA e para isso a forma mais fácil para mim seria obter um visto de trabalho… agora lhe pergunto será que o Mcdonald´s contrata pessoas de fora ´´tipo BRASIL´´ para trabalhar lá sem pretensão inicial de fazer um intercambio ou é totalmente inviável ?!
    Outra coisa : É preciso ter um inglês 100% fluente para trabalhar no MC de lá ?
    Agradeço desde já 🙂

    • Oi Laine, tudo bem?

      Seguinte, sem intercâmbio é bem difícil de conseguir um visto de trabalho para os EUA. Esse é um dos vistos mais cobiçados por lá e em geral, é dado para quem trabalha em grandes empresas e cargos mais “sofisticados”.

      Não precisa ser 100% fluente, mas precisa conseguir se comunicar.

      abraço

  3. luiza, sou jornalista e estive trabalhando/estudando fora tbm. embora a experiencia seja mesmo fantastica, este tipo de trabalho eh visto como subemprego sim, ate mesmo para o americano. mas quem se importa com status quando se vive com dignidade e qualidade ainda que trabalhando nesses setores fora do pais. eu faria o mesmo aqui se o cenario politico do nosso amado pais colaborasse.
    adoro o blog.
    beijos e sucesso sempre

      • Oi Wallace,

        Infelizmente não tenho condições de dar atenção pessoal assim, mas deixa suas dúvidas aqui nos comentários que vou fazer o maior esforço para responder com muito cuidado!

        abraço

        • Olá Luiza,por coincidência temos o mesmo sobrenome, haha. Você como experiente da profissão saberia me dizer se com o salário de empregos como redes de fast food, supermercados e etc, dá para sobreviver feliz por lá?

          • Oi Adriano,

            Eu recebia 7 dólares por hora normal e 10 dólares a hora extra. Mas morava numa cidade minúscula, de mil habitantes.
            Ou seja, depende do que você chama de viver feliz.

            Dá para viver com dignidade, mas não é o melhor dos mundos e você definitivamente não vai ficar rico. E numa cidade grande acho que deve ser bem difícil

  4. Pow Luíza, vc eh uma guerreira mas como vc falou, o que vale eh a experiência neh…
    quero mto passar algum tempo nos eua e conhecer um pouquinho mais de td isso e quem sabe fazer o que vc fez…

    Abração y Parabéns!!!

  5. Olá, já li em outras postagens você falando sobre esse intercâmbio. Mas gostaria de saber se a única possibilidade de um Work and Travel é através de uma agência de viagens. Afinal, vocês mesmo falam que agências de viagens não são uma boa opção pra quem quer economizar e viajar mais.
    No seu caso foi através de agência? Sabe se tem como ser de outro jeito?
    E me desculpe se já tem algum post sobre isso aqui e eu estou apenas repetindo uma pergunta. É que eu conheci seu blog ontem a noite e ainda não deu tempo de olhar tudo rsrs

  6. Tenho 22 anos,sou gerente de plantão em um loja mc, e fasso faculdade de direito eu já estou mais de 4 anos na empresa mc donalds, sempre tive muita vontade de ir para o exterior.essa é uma oportunidade incrivel se desse serto eu ficaria muito agradicida e faria o máximo para não decepcionar vcs

    • Oi Bárbara,

      Não somos uma agência de intercâmbio, só um blog mesmo.

      Esse relato é sobre um intercâmbio que eu fiz durante a minha faculdade. Várias agências de intercâmbio oferecem esse tipo de trabalho durante as férias da sua faculdade. Procure uma na sua cidade e converse com eles sobre isso.

      bjs

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: