O que fazer com seu animal de estimação quando você viajar?

O que fazer com seu animal de estimação quando você viajar?

‘O whisky é o melhor amigo do homem, ele é o cachorro engarrafado’, explicou Vinícius de Moraes. Eu nem gosto tanto de whisky assim – bebi pouquíssimas vezes, experiências que quase sempre resultaram em ressacas nada amigáveis – mas adoro o Whiksy. O Whisky que é, de fato, um cachorro engarrafado. Ou melhor, um cãozinho salsicha de seis anos e mascote oficial do 360.

O Whisky é o animal de estimação da Naty, mas como eu que dei ele de presente para ela, também sou doido com esse cachorrinho. Por isso, esses blogueiros vivem um dilema: muitas vezes, quando vamos viajar, não tem jeito, precisamos nos separar momentaneamente dele. E não ter Whisky por perto é quase sempre uma péssima ideia.

Desde que alugamos um apartamento em Belo Horizonte, no ano passado, as coisas ficaram mais fáceis. O Whisky fica com a gente enquanto não estamos viajando. Se os dois viajam e ele não pode ir junto, então o Whisky vai passar uns dias na casa da mãe da Naty, lugar onde ele morou por bastante tempo e com o qual ele está mais que acostumado.

Whisky

Oi, Whisky

Como as casas brasileiras já têm mais cachorros que crianças (e isso para não mencionar os gatos e outros animais de estimação), uma questão tem se tornado cada vez mais comum: o que fazer com seu animal de estimação quando você viajar? Juntamos algumas dicas e conversamos com outros viajantes sobre o assunto. Quer contribuir com a discussão? Deixe um comentário. 🙂

Vai viajar? Que tal levar seu bichinho junto?

Nem sempre é possível, eu sei. Veja o nosso caso, que fazemos várias viagens a trabalho, e isso fica claro. Por outro lado, em algumas situações é possível levar o seu companheiro para viajar.

Como viajar de carro com animais de estimação

Se a viagem for de carro, não saia de casa sem um cinto de segurança para pets. Você prende o cinto ao do carro, que se encaixa normalmente, e prende a outra ponta à coleira do animal. Pronto! Ele não vai andar pelo veículo, garantindo a sua segurança, e não vai ter problemas em caso de paradas bruscas, o que garante a segurança dele. Você compra esse cinto em qualquer pet shop. Custa cerca de R$ 15.

Whisky - viajar com animais

Eita, sono. Me deixa dormir, vai. 

Além disso, vale estar atento ao Código de Trânsito Brasileiro. Três artigos podem render multas, caso o transporte de animais seja feito de forma errada:

Artigo 169: Dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança. Multa de R$ 53,20 e três pontos na carteira.

Artigo 235: Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados. Infração grave com multa de R$ 127,69 e cinco pontos na carteira. (Ou seja, nada de deixar seu cachorro colocar a cabeça para fora do veículo).

Art. 252: Dirigir o veículo transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas. Multa de R$ 86,13 e quatro pontos. (Leve o animal no banco traseiro, preso ao sinto. Alguns especialistas em direito no trânsito recomendam uma cadeira especial ou o transporte dentro de uma caixa própria).

Viajar com animais de estimação

Oi, Bigode

Além da segurança, fique atento ao próprio animal. O Fábio e a Luciana, nossos amigos de faculdade e que atualmente moram em São Paulo, de vez em quando viajam com o Bigode para Taubaté. O problema é que o Bigode não curte muito o balancê do veículo.

O Fábio dá dicas sobre isso:  “O Bigode vomita em cinco minutos dentro do carro. Então, o conselho número um pra viajar de carro com o cachorro: consulte um veterinário pra saber a medida de remédio contra enjoo. A gente dá Dramin para ele. Tem quer ser com antecedência, meia hora antes da viagem. E a dosagem varia conforme o peso do cachorro, obviamente.

E se a pessoa sabe que o cachorro enjoa, é bom forrar o estofado do banco com alguma lona ou outro material impermeável. E forrar bem, para não deixar o eventual vômito escorrer pelo vão entre o assento e o encosto. Leve água, toalha e papel higiênico, se tiver que secar o cachorro, e talvez algum brinquedinho. Não alimente o cachorro horas antes da viagem e programe paradas para ele descansar”.

Como disse o Fábio, conversar com um veterinário é fundamental, principalmente antes da primeira viagem do seu companheiro. Um especialista pode não só indicar o medicamento e a dosagem correta, mas também qual caixa de transporte usar (o animal precisa ser capaz de ficar de pé e se virar. Se optar pela caixa, garanta que o equipamento esteja preso ao cinto.

Bigode - viajar com cachorro

Como viajar de avião com seu animal de estimação

Algumas empresas aéreas permitem o transporte de animais na cabine, junto com você. Nós nunca fizemos isso – o Whiksy está, digamos, ligeiramente acima do peso para poder entrar na cabine. Mas estamos trabalhando nisso. 😉 Quando o transporte não é permitido na cabine, seja pelo tamanho do animal ou pelas regras da companhia aérea, quase sempre é possível levar o bichinho no compartimento de carga.

O medo, claro, toma conta de muitos donos, afinal casos de empresas aéreas que perdem animais de estimação não são tão raros assim. Fora o estresse que ser despachado pode gerar no animal. Se optar por fazer isso, algumas recomendações: escolha uma companhia aérea em que você tenha confiança e leia as informações disponíveis sobre transporte de animais. No Brasil, Gol, TAM, Azul e Avianca têm páginas com informações sobre a questão.

Embora as regras variem de empresa para empresa, algumas coisas são comuns. Para viajar com seu animal, na cabine ou não, você precisa chegar no aeroporto duas horas antes da viagem (para voos domésticos; chegue três horas antes em caso de voos internacionais). É preciso reservar o transporte com antecedência, serviço que é cobrado. Para voos nacionais e transporte na cabine, a Gol cobra R$ 150, TAM, Avianca e Azul cobram R$ 200.

Há um limite de animais que podem ser transportados por voo e normalmente cada passageiro só pode levar um bicho. Além disso, é preciso providenciar a documentação exigida, que costuma incluir comprovante de vacinação e atestado sanitário emitido por veterinário. Importante: leia atentamente as regras da empresa aérea e converse com um veterinário sobre esse assunto.

A caixa de transporte precisa seguir o regulamento da ANAC. O animal precisa conseguir ficar de pé e dar um giro completo dentro dela. A caixa e os fechos devem ser firmes e resistentes, para impedir a fuga dos animais ou a abertura acidental. A caixa não pode permitir que o animal morda ou arranhe um funcionário da empresa, mas deve garantir a ventilação para o bichinho. E o piso da caixa deve ser capaz de conter urina o fezes – seria ruim se isso vazasse, né?  Por fim, o óbvio: seu nome e o endereço que você estará durante a viagem devem estar na caixa, visíveis e bem afixados.

viajar com gatos

Se você optar por viajar com o animal no compartimento de carga, saiba que há uma área especial para eles no avião. Segundo as empresas, os bichos viajam na mesma temperatura e pressão que os passageiros. Mesmo assim, muitas empresas aéreas não fazem o transporte de algumas raças, como os cães e gatos braquicefálicos, que são os de focinho curto. É que os bichos podem passar mal durante o voo.  Também podem ocorrer restrições por conta da idade do animal.

Após o desembarque, o animal não será colocado na esteira de bagagens, óbvio, mas entregue num setor especial da sala. E outra coisa importante: se você for para outro país, verifique as regras para entrada de animais naquele destino. Alguns países sequer aceitam isso, enquanto outros podem exigir a instalação de um microchip ou um período de quarentena. No caso do Brasil, a burocracia também é maior para quem voa com animais até Fernando de Noronha.

Como conseguir hospedagem que aceite animais

Vários hotéis aceitam receber também seu animalzinho de estimação. E você pode encontrá-los até mesmo no Booking. Para isso, vá até a página principal de uma cidade. Na barra lateral, na parte da esquerda da tela, há uma série de opções. Clique na aba “Comodidades” e em seguida em “Aceita animais de estimação”. Pronto! O sistema filtra apenas por estabelecimentos que aceitam animais.

Se você quiser ainda mais tranquilidade, pode optar por buscar apenas por apartamentos, que dão mais liberdade para seu animal. Para isso, deixe a opção “aceite animais de estimação” selecionada. Em seguida, clique na aba “Tipo de propriedade” e selecione apartamentos. Agora o sistema exibe apenas apartamentos que permitem animais.

Atenção: Vale a pena entrar em contato com o estabelecimento, para verificar as condições do serviço. Alguns deles permitem animais, mas apenas se houver um pedido oficial nesse sentido. Outros podem exigir uma taxa extra, de limpeza, enquanto outros podem passar recomendações especiais para esses casos.

Não pode levá-lo? Então veja o que fazer

Peça para alguém de confiança ir até sua casa e cuidar dele

Qualquer pessoa que conviva com um cachorro ou gato sabe que animais gostam de rotina. Mudar a rotina do bichinho pode ser estressante para ele. Como sua ausência já vai ser uma mudança, a melhor saída é mantê-lo em casa. Mas isso só é possível caso você tenha alguém de confiança para cuidar do animal e, claro, caso a viagem não seja por períodos muito longos. Pode ser um amigo ou parente. O importante é que essa pessoa esteja disposta a ir à sua casa, todos os dias, para alimentar, fazer companhia, passear e brincar com o animal.

Se o pet não estiver acostumado a ficar muito tempo sozinho, pense nisso antes de optar por essa solução. Uma saída ainda melhor, mas nem sempre possível, é pedir para alguém se mudar para sua casa durante sua viagem, garantindo que os animais terão companhia frequente.

O House Sitting, modalidade de hospedagem gratuita, ajuda nesse sentido. Neste caso, os donos disponibilizam suas casas de graça para outros viajantes, no período em que os proprietários também estiverem viajando. Os visitantes ficam responsáveis por manter a casa em funcionamento e, em muitos casos, por cuidar dos animais de estimação. O Carlos e a Larissa, casal de blogueiros do Vida Cigana, viajam assim. Eles já explicaram pra gente como funciona o House Sitting.

House Sitting

O Carlos e a Larissa, do blog Vida Cigana 

Uma solução parecida (e mais, digamos, tradicional) é contratar o serviço de um dog sitter ou de um cat sitter, pessoa que fica responsável por ir à sua casa e cuidar do seus animais. Antes de mais nada, procure a indicação de um profissional qualificado. Para os que têm gatos, há um relato bem interessante sobre o assunto no blog A Vida Com Gatos, que diz que nem é preciso que o cat sitter passe na casa todos os dias.

Minha família sempre teve gatos e hoje eu só não tenho um para não complicar ainda mais a situação em caso de viagens. De qualquer forma, penso que pedir a ajuda de um amigo pode ser uma boa saída no caso dos bichanos. Pensando em cachorros – e sobretudo no Whisky, que não curte ficar sozinho por muito tempo e mora num apartamento -, acho que essa opção pode não funcionar.

viajar com gatos

Deixe o pet na casa de um conhecido

Como eu disse no começo do texto, essa é a opção que nós costumamos adotar com o Whisky. No caso dele, o que torna a adaptação mais fácil é o fato dele ter vivido na casa da mãe da Naty, onde ele costuma ficar em nossas ausências, até o fim do ano passado. Ele já conhece o local e até sabe as regras diferentes de um local para o outro. Por exemplo, lá ele não pode entrar dentro de casa, enquanto aqui, bem, ele vive dentro de casa – e deita no sofá pra ver TV com a gente.

Se você precisar deixar seu animal numa casa que é nova para ele, tome algumas medidas. A primeira, básica, é ter certeza que a pessoa que hospedará seu bichinho curte eles. Além disso, dê tempo ao tempo. Não chegue ao local e largue seu amigo lá, repentinamente. Deixe ele conhecer o local, fique lá por um tempo também, para só depois ir embora.

Quando nós tivemos que deixar o Whisky na casa do meu pai, onde ele nunca tinha estado, levamos junto a cama dele, as tigelas de comida e água e a ração que ele costuma comer. Ele estranhou no começo, mas logo se adaptou.

Deixe o animal num hotel apropriado

Existem hotéis só para animais – e alguns deles com ótima infraestrutura. Nós nunca adotamos essa saída, mas o Otávio, outro amigo dos tempos de UFMG que hoje vive em São Paulo, faz isso com o Legolas, um cachorro brincalhão e com mais de 30 quilos. Ele diz que as diárias desses hotéis ficam entre 50 e 60 reais (em São Paulo). E lembra que, segundo alguns estudos, cachorros também gostam de tirar férias. Veja o relato dele:

Legolas - o que fazer com seu animal de estimação quando viajar

Oi, Legolas 

“Eu nunca fiquei mais do que sete dias longe do Legolas. Mas o primeiro fim de semana que viajei depois que ele apareceu, deixei na casa de uma amiga, que já tem dois cachorros. Acontece que ele ainda era bem filhote, muito atrapalhado, com muita energia, e um dos cachorros não se deu bem com ele. Eles precisavam ficar separados ou sempre sob observação. Por isso, nunca mais pedi para amigos tomarem conta, porque sei o trabalho que um labrador de mais de 30 kg dá e não quero ter que arcar com as contas de um sofá destruído. Por isso, procurei outras formas.

Tem o dogsitter, mas pra mim não compensava. Porque o dogsitter iria uma ou duas vezes por dia na minha casa e o resto do tempo todo ele ficaria sozinho – o que é péssimo para um cachorro tão social. Fora que eu morava num apartamento pequeno, ele ficaria preso num cubículo. Então, na próxima viagem que fiz, também num fim de semana, deixei-o dormir no daycare que ele já frequentava uma vez por semana. Conheço bem o lugar, o pessoal lá trata dele bem, os cuidadores entendem de cachorro, e é perto de casa – o que facilita o transporte. Já o deixei lá várias vezes.

Mas das duas vezes em que eu fiquei mais do que três noites fora, resolvi tentar algo diferente. A adestradora do Legolas indicou o hotel de uma amiga que fica no interior, perto de Sorocaba. É tipo um sitiozinho, onde os cachorros ficam livres e soltos. E a tal amiga também é adestradora. Confiei e deixei lá. Como é no interior de SP, a diária é bem mais barata do que os hoteizinhos da capital. Só que eu pago o transporte. Fica 100 reais ida e volta. Uma das vezes, o motorista veio pra SP exclusivamente pra buscar o Legolas, então até o transporte é cuidadoso.

O que fazer com animais quando você for viajar

O Legolas, quando era filhote

No fim das contas, em questão de preço, dá elas por elas deixar na capital ou no interior. Mas no interior, por causa do espaço maior, fico pensando que o cachorro se diverte mais. Na primeira vez que ele foi para esse hotel de Sorocaba, ficou três dias seguidos sonolento depois que voltou, de tanta energia que gastou. Como o Legolas é grandão e se dá bem com qualquer cachorro, eu não tenho muitas exigências em relação ao lugar onde deixo – tipo se tem atividades ou piscina, porque sei que ele se vira. Mas é bom ver que o pessoal cuida dele.

Quando deixei o cachorro no hotel do interior, na semana em que fiquei longe, a dona do hotel me ligou dizendo que ele teve um problema de pele, disse que tinha encaminhado ele para o veterinário, que tinha cuidado com remédios, etc. E depois que ele chegou, ela mandou e-mail perguntando se ele tinha melhorado. Achei bem cuidadoso”.

====

E você? O que faz com seu animal de estimação quando resolve viajar?

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

20 comentários em O que fazer com seu animal de estimação quando você viajar?

  1. OI TENHO UMA VIRA LATA QUE PARECE YORK, ELA ESTA COM QUASE 2 MESES,VOU VIAJAR E FICAR 20 DIAS FORA EM AGOSTO E ELA ESTARÁ COM 4 MESES, VAI TER GENTE EM CASA A NOITE E TALVEZ MEU IRMÃO AO NA HORA DO ALMOÇO,MINHA MÃE TRABALHA DE MANHA E E CHEGA POR VOLTA DE MEIO DIA EM CASA, MAS VAMOS NÓS 2 VIAJAR, TENHO MEDO QUE ELA SINTA MUITA FALTA, PENSEI NA VIZINHA DE CIMA, DE DAR UMA ESPIADA,ATE QUE CHEGUE A NOITE E MEU PADASTRO CHEGUE.GOSTARIA DE ALGUM OUTRO CONSELHO E SUGESTAO GENTE, OBRIGADA

    • Eu acho que é por aí, Lucyane. Peça ajuda para amigos, vizinhos, parentes, etc. Mas garanta que eles irão mesmo lá.

      Abraço.

  2. Marinhera de primeira viagem!!! Temos o Otto a 3 meses! Um Spitz alemão. Na verdade elé é das minhas filhas de 9 e 11 anos. Mas já virei avó. Inevitável!!! Vamos viajar no carnaval e não tenho com quem deixa-lo. Ele é muito tranquilo, mas gosta de companhia. Não quero uma dogsister. Pode me indicar um hotel de boa infraestrutura! Obrigada

  3. Minha cadela ficou por duas noites fora de casa em uma amiga, essa minha amiga tem outro cão, se deram super bem, mas hoje que peguei ela, ela passou o dia inteiro muada e agora de noite tá chorando…

  4. Por favor preciso de ajuda, no ano retrasado viajei 9 duas e deixei minha cachorra que agora tem 7 anos na minha mãe, depois disso nunca mais viajei,agora resolvi ir pra praia, tenho a opção de uma casa que fica 700 metros da praia, pra levar junto fica difícil, no caso ela ficaria sozinha por um período na casa.
    Ontem minha mãe mora numa cidade cozinha de minha e resolvi fazer um teste, minha mãe tem mais 3 cachorras e ela se adptou em questão de horas com as outras,só que minha cachorra não desfrutou de mim, não comeu, deixei ela lá e fui dar uma volta, ela ficou embaixo do carro do meu irmão olhando o portão, segundo minha mãe ela fez isso no ano retrasado e depois ficou normal.Pessoal me ajuda não sei se levo ela, ela é um pouco agitada não sei se ele ficaria parada 5 horas dentro do carro mesmo parando uma vez Ela nunca viajou.estou desesperada

    • Oi, Cibele. É uma escolha complicada, eu sei. 🙁

      Eu sempre deixo o Whisky com parentes. No começo ele ficava triste me esperando, mas depois se acostumou e passou até a se divertir com os outros bichos da casa onde ele fica.

      Não acho que levá-la seja uma má ideia, mas é bom pensar se você poderá ser companhia pra ela em algum momento ou se ela ficará a maior parte do tempo sozinha numa casa estranha.

      Abraço e boa viagem.

  5. Eu irei viajar pro3 meses mas não tenho dinheiro pra levá-la para um hotel e muito caro ela é uma shiit zu cristal o nome dela posso deixar ela com os meus familiares durante 3 meses??

  6. Estou indo morar nos EUA por 1 ano e meio.. Tenho um Lhasa e nenhuma cia aerea transporta esse tipo de animal, na cabine ele pesa 10kg e ainda teria o kennel, ultrapassaria o peso… Estou vendo transportes de exportação carga viva, mas custa em torno de R$3.000,00.. é triste como não existam voo específicos para este tipo de caso…

    • Penso a mesma coisa. Animal doméstico deveria ser tratado como passageiro, não como carga. Mesmo que você tivesse que pagar uma passagem só pra ele ir na cabine, não importa se é um poodle um um cachorro maior.

      Eu pagaria pro Whisky ir na cadeira ao meu lado. haha

  7. Eu sempre digo que a minha maior preocupação ao viajar não é passagem, hostel, viajar sozinha e sim o Madruga. Meu cachorro há mais de 03 anos fica notavelmente triste quando me vê pegando minha cargueira, rsrsrs. Mas o meu caso é fácil pois moro com os meus pais e ele não passa pelo estresse de ter que ficar fora de casa. Na primeira viagem que fiz depois dele chegar em casa, eu ligava todos os dias e minha mãe colocava o celular no viva voz pra ele me ouvir… era ele chorando em casa e eu chorando no hostel… Em uma viagem desse ano passei quase duas horas só contando as histórias do Madruga pra um israelense que tinha acabado de conhecer no hostel, rsrsrs

    PS: O Whisky é uma fofura 🙂

  8. Oiii…esse texto chegou no meu feed bem na hora eu que eu estava chorando, pensando oque fazer com minha cachorrinha o dia em que eu viajar. Mas só que eu vou para Australia com um visto de dois anos e sei que não posso levá-la. Eu já morei fora do Páis deixando outros pets em minha casa com minha familia, etc. Morria de saudade mais deles, por eles não terem acesso as tecnologias que usamos com humanos, podia apenas ve-los pelo skype e eles não me viam direito né, ou o que é pior não entendiam minha ausência. Isso que me mata. Atualmente faz dois meses que mudei de casa com meu noivo deixando esta minha atual cachorrinha com minha vó, uma é companheira da outra e já estou passando por este processo de separação com ela. Vou lá 2x por semana, durmo com ela uma noite, na tentativa de sanar um pouco o vazio que eu possa ter deixado. A minha dor maior em relação a minha Fokinha (nome dela)é que desde bebe ela não foi da família e sim minha, minha filha, minha responsabilidade, dormia cmgo desde pqna,é uma ligação tão forte quanto as outras, porém tbm é comigo que ela tinha esse vinculo maior. Estou com o coração partindo pensando no que ela vai sentir qdo ficar dois anos sem me ver: (

    • Oi, Claudia.

      Nem sei o que te dizer. Vai ser complicado sim, mas o tempo passa e você vai voltar, vai visitá-la. E essa viagem é importante pra você. Tenta pensar nisso. 🙂

      Abraço.

  9. Minha casa reforça a estatística da reportagem citada: no kids x 2 dogs
    Nossa primeira preocupação pra viajar são eles, os cachorros. Dois. Grandes. Já planejamos a data das viagens de acordo com a disponibilidade da pessoa que cuida deles pra gente. Deixo estoque de ração, medicamentos de “primeiros socorros”, telefone da minha mãe, sogra, veterinária.
    Uma dica interessante é deixar pré autorizado com o veterinário consultas e/ou procedimentos que sejam necessários na sua ausência. Já aconteceu com a gente de precisar!

  10. A cada dia o 360 me conquista mais. Vocês reúnem uma variedade de assuntos e informações úteis, além de chamar a atenção dos leitores para problemas do mundo, tudo isso com muito bom humor e muito bem escrito. Abro mais o 360 do que o G1… rsrs.

    Quanto ao post, tenho uma chow chow de 3 anos e, por não ser um cão muito sociável, acabo tendo um certo receio quando viajo. Sempre deixo com o meu sogro, pois ela frequenta a casa dele desde que era pequena e adora todos lá, mas sempre penso no temperamento dela e torço para que dê tudo certo e ela não assuste ninguém… hehehe.
    Quanto a colocá-la no compartimento de carga, acho que eu não teria estômago pra isso não. Ia ser muito sofrido pra mim…rs

    • Ahhh, que felicidade bateu com esse seu comentário, Thayse. Obrigado! 🙂

      Olha, confesso que também tenho muito medo de compartimentos de carga de aviões. Ainda mais por conta dessas notícias de empresas que perdem os animais (e depois oferecem de dar outro, como se um cachorro fosse um item que pode ser trocado, sem problemas).

      Abraço!

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: