Por que usar o coletor menstrual em viagens: dicas

Por que usar o coletor menstrual em viagens: dicas

Já faz quase um ano e meio que eu escrevi aqui no blog sobre menstruação e viagens pela primeira vez e agora cá estou eu novamente para compartilhar com vocês a minha experiência com o copinho coletor menstrual. E dizer por que eu acho que essa é a melhor solução para mulheres que menstruam e viajam. Tem até vários relatos sobre isso na internet, mas como eu ainda assim vejo muitas meninas na dúvida ou mesmo rejeitando o copinho sem nem ter testado, resolvi contribuir também.

Obs.: Se você já usa e ama seu copinho, mas só quer dicas de como lidar com ele durante uma viagem, pode pular direto para o tópico quatro.

Leia também: Como lidar com a depilação em viagens longas

Vaidade no mochilão é possível?

Saúde do viajante: doenças para ficar de olho

Minha primeira experiência com o coletor foi numa viagem complicada. Eu estava num hostel e tinha que dirigir sozinha de uma cidade para outra para fazer entrevistas do mestrado. Ou seja, teria que lidar com a dificuldade de estar num banheiro que não era privativo e também o medo do negócio vazar comigo dentro do carro, sozinha, numa estrada no meio do nada.

coletor menstrual viagem

Isso foi em abril de 2016. Desde então já viajei com o meu copinho para diversos lugares e com situações variadas de troca. E, garanto, nunca mais abandonarei. Há menos de duas semanas, por conta de uma série de fatores, tive que usar absorvente comum durante a menstruação. E, sério, gente: que pavor! Depois que eu descobri que a minha menstruação não era mais sinônimo de me sentir suja, molhada, coceira, agora não existe qualquer justificativa para não adotar o coletor menstrual para a vida.

1. Mas não incomoda ou dói?

Essa é a principal pergunta. Na noite de Réveillon, por exemplo, passei quase uma hora conversando sobre isso com uma amiga. Não, não dói. Nem incomoda. Você nem sente o negócio lá dentro e, se sentir, é porque está mal posicionado. A única coisa que pode ser que incomode é o cabinho do coletor – que muitas meninas acabam cortando. Tenho outra amiga que odeia absorvente interno porque ela sente o negócio escorregando do corpo dela. Não acontece isso com o coletor menstrual porque ele cria um vácuo e fica lá paradinho. Não dá para sentir, seja na praia, na trilha, no avião ou dirigindo.

coletor menstrual viagem

Lembrem-se que tem coisas maiores que o coletor menstrual que cabem no seu canal vaginal. Realmente, não dá para sentir e às vezes eu até tenho que colocar um alarme para me lembrar de tirá-lo de lá.

2. Não vaza?

Só vaza se você não souber colocar direito. Eu demorei uns três ciclos para aprender. Porque às vezes eu acertava e às vezes eu errava e não conseguia descobrir porque diabos. Depois de passar raiva, fui atrás de vídeos no youtube e descobri um fantástico mundo de informações sobre meu colo do útero, músculos da vagina e diferentes formas de dobrar o copinho. Eu, com meus 28 anos nas costas, estava lá assistindo o vídeo de uma menina de 15 anos (juro) explicando coisas que eu nem sabia sobre meu próprio corpo.

coletor menstrual viagem

Aliás, uma das coisas que eu descobri com o coletor menstrual é que ficar menstruada não é essa coisa horrível que me deixava suja e incomodada. Tipo entender o real volume do meu ciclo (é bem menor do que eu pensava), que não tem cheiro estranho, até as cores ao longo do processo. Sério, é muito interessante. Hoje em dia eu nem ligo mais de ficar menstruada. E antes, para viajar, era toda aquela tensão de como evitar.

Dicas de informações: sobre diferentes dobras, sobre como facilitar para colocar, sobre o que fazer se o copo não abrir para formar o vácuo.

3. Não é sujo ou anti-higiênico?

Muita gente pode pensar: eca, mas eu vou ficar colocando o mesmo copo sempre em mim? Ou, pior: mas eu tenho que colocar o dedo lá dentro? Ou sei lá qual nojinho cada pessoa tem.

Não, o coletor menstrual não é sujo e nem anti-higiênico. Ele é feito com silicone hipoalérgico e antibacteriano, um material que impede a formação de bactérias – ou seja, ao contrário do absorvente interno, não há risco daquela doença bizarra chamada Síndrome do Choque Tóxico. E também, ao contrário do absorvente comum, não abafa a vagina e impede a transpiração normal do corpo.

Você pode ficar no máximo 12 horas com o coletor e nesse período o sangue que fica ali armazenado está no vácuo, sem contato com o ar. O que quer dizer que nenhuma daquelas bactérias que em contato com o sangue fazem ele começar a “apodrecer” vão ter ação. Por isso que não fica aquele cheiro meio estranho quando a gente usa o copinho.

coletor menstrual viagem

Claro, ele pode causar alguma infecção, tal como os absorventes, se você manusear com a mão suja ou limpar com uma água contaminada. Mas, fora isso, é um dos métodos mais seguros e práticos que existe. E ainda tem o bônus de ser ecologicamente correto (menos lixo produzido) e a economia de não ter que comprar sei lá mais quantos absorventes por ano – o copinho dura de 5 a 10 anos.

4. Dicas de como trocar o coletor menstrual numa viagem

No parágrafo anterior eu disse que a questão da limpeza do coletor pode ser um problema, principalmente para quem está viajando. Para quem não sabe, enquanto estamos menstruadas não é necessário esterilizar o coletor a cada uso. Basta jogar fora o sangue acumulado e limpar com água limpa.

A média de trocas para quem tem fluxo regular é de 12 em 12 horas. Mas pessoas com fluxo intenso – como eu – vão precisar trocar mais vezes. Nos dois primeiros dias, eu preciso trocar a cada cinco horas, mais ou menos.

Tem muita gente que troca somente durante o banho. Definitivamente não é o meu caso. Já troquei no banho. Já troquei no banheiro normalmente, na minha casa, no hotel, num Airbnb, num Couchsurfing… O problema mesmo começa quando: a) O vaso sanitário e a pia são em lugares diferentes; b) Não tem água no banheiro ou a água é de qualidade duvidosa e c) Não tem nenhum banheiro disponível (exemplo, numa trilha ou acampamento).

coletor menstrual viagem

Então, vamos às soluções:

a. O vaso sanitário e a pia são em lugares diferentes

A primeira é um caso bem comum, não só num hostel, mas também se você estiver, sei lá, num restaurante, bar ou shopping, e precisar trocar. Já aconteceu comigo mais de uma vez. Nesse caso, a técnica que melhor funcionou foi a seguinte: lavei minha mão antes de entrar no banheiro. Uma vez na “casinha”, separo já um pouco de papel higiênico numa mão enquanto uso a outra para retirar o copinho com cuidado e despejar o conteúdo no vaso. Uso o papel já separado para limpar o resto de sangue no coletor. Depois limpo a minha mão com mais papel e saio do banheiro, lavo a mão normal e pronto. Na próxima troca, com mais facilidade, limpo com água mesmo.

Caso você esteja viajando para um lugar que não costuma ter papel higiênico, leve sempre com você lenços de papel (sem ser umedecidos, porque eles podem irritar sua vagina).

b. Não tem água no banheiro ou a água é de qualidade duvidosa

Além da opção dada acima, sobre o papel higiênico, você pode ter sempre uma garrafinha de água mineral. É super prático, relativamente barato e não vai precisar de muita água. Só o suficiente para retirar o excesso de sangue mesmo.

c. Não tem nenhum banheiro disponível (exemplo, numa trilha ou acampamento)

Bom, eu nunca passei por isso. Mas essa seria uma junção dos dois métodos acima. Você vai precisar de um rolo de papel higiênico ou lenços de papel e uma garrafa d’água. Despeje o conteúdo do coletor no mesmo lugar que, sei lá, você despejaria suas necessidades fisiológicas e depois limpe tal como explicado acima. Não se esqueça, claro, de sempre lavar bem as mãos antes de manusear o coletor.

5. Dicas de como higienizar o coletor menstrual após o uso numa viagem

Essa para mim é a parte mais complicada, apesar de não ser nenhum grande drama. É que após o ciclo é preciso uma limpeza mais efetiva, para esterilizar o coletor menstrual. Para isso, a recomendação é que você ferva o copinho com água, seja numa panela própria para isso, seja no micro-ondas. Quando estamos em casa, é um processo bem simples: separe um recipiente de vidro específico para isso e leve ao micro-ondas por uns 3 a 5 minutos (dependendo da potência do seu) ou compre uma panela esmaltada e deixe o copinho na água fervente por 5 minutos – cuidado para não esquecer lá para sempre e o negócio derreter.

Mas e numa viagem? Dá para levar na bagagem uma panelinha específica pequena, tipo daquelas canecas esmaltadas, ou um recipiente de vidro ou plástico mais resistente, próprio para micro-ondas. O problema é: nem todo lugar por aí vai ter um fogão ou micro-ondas disponível para você. Ou nem sempre vai dar para levar um pacote extra na bagagem.

Eu encontrei uma terceira solução na internet, obviamente. Trata-se de um copo retrátil, também de silicone. Você enche ele com água e o seu coletor e tampa. Daí pode tanto colocar o copo no microondas, como numa panelinha qualquer – sem ser aquela que foi separada para esse fim, já que o copo externo vai impedir que o coletor entre em contato direto com o material da panela e ainda assim vai ser esterilizado, como se estivesse em banho maria.

6. Onde comprar?

coletor menstrual viagem

Eu comprei o meu copinho numa loja natureba em Portugal por €18. Aqui no Brasil, você acha em vários sites e algumas farmácias, os valores variam entre 40 a 100 reais.

Sou jornalista, tenho 28 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo.

9 comentários em Por que usar o coletor menstrual em viagens: dicas

  1. Uso o coletor há 1 ano e não consigo mais viver sem. Também já tive que usar o coletor em vários momentos, inclusive morando em uma van na Nova Zelândia e tendo que utilizar banheiros públicos. Também passei por um mês que tive que usar absorvente comum e achei terrível. Uma dica que eu dou e que usei muito em viagem é usar álcool gel na mão para higienizar.

  2. Oi Luiza, confesso que eu tenho um pouco de dificuldade de usar meu coletor em viagens. Eu viajo muitas vezes com um motorhome que não tem banheiro e é muito difícil saber a condição dos banheiros que eu vou encontrar. De qualquer forma, eu vou tentando encontrar soluções e tentarei algumas que você disse. Sobre a parte de higienizar, aqui na Espanha, quando eu comprei o meu, além desse copinho que você comentou, vinha com umas pastilhas que você coloca na água e pode funcionar para higienizar sem precisar ferver água.São essas: http://www.copasmenstruales.com/40-pastillas-de-esterilizacion-para-copa-menstrual.html
    Eu achei que são bem úteis para viagens.
    Beijos

  3. Coletor é vida, Luiza! Eu confesso que o meu vaza um pouco no dia de ciclo mais forte. Agora eu vim aqui para te contar uma coisinha. Tem um treco aí, que eu comprei por pura curiosidade, que não é eco friendly como o coletor, mas que é bem diferente. Uma esponja, que voce pode usar para tudo, inclusive pode ter relação sexual com ele. Dizem que ele incomoda ainda menos que um coletor normal, e apesar de ser mais complicado para retirar, eu vou testar só pq amo essas novidades. Chama soft tampon em ingles. Enfim, não quero mais saber de absorvente comum! Minha vida é outra depois do coletor.
    Falei sobre ele no snap e desde então 3 meninas disseram que começaram a usar por causa do meu depoimento e amaram!

    • Ei Liliana!

      Não conhecia essa esponja não. Bom saber, parece uma ideia bem útil. Também tem a tal da calcinha que absorve. Eu não sinto nenhum incomodo com o coletor, até gosto de menstruar com ele hahaha

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: