“Deveria estar em casa cuidando da neta, fazendo tricô e não ficar por aí viajando”

“Deveria estar em casa cuidando da neta, fazendo tricô e não ficar por aí viajando”

Claudete Roth Trojbicz completa 72 anos este mês. Viúva, mãe de três filhos e avó de três netas, quando tinha 66 anos, ela embarcou para sua primeira viagem totalmente sozinha. Já Florisbela Cordeiro Intagliata tem 63 anos, mora com a filha recém-divorciada e a netinha de um ano. Começou a viajar sozinha em 2011, quando ficou viúva.

Conheci as duas – entre várias leitores da mesma faixa etária – em comentários aqui no blog. Claudete contou – muito animada – que tinha passado sozinha seu aniversário de 70 anos, no Japão. A Florisbela está sempre presente nos posts, relatando suas aventuras de ficar hospedada em hostel e completar o Caminho de Santiago, duas vezes. E sozinha.

“Tenho muitas histórias, mas precisaria de muito tempo para contá-las”, diz Claudete. “A melhor consequência das viagens foi o amadurecimento e independência que elas trouxeram. E também a satisfação em realizá-las com toda a segurança, no meu ritmo, horário e orçamento. Sem depender de ninguém, sem perturbar meus filhos”. Os filhos, aliás, têm muito orgulho de contar para os amigos sobre a viagem. “Eles só têm o trabalho de me levar e buscar no aeroporto”.

Leia também: 7 relatos de mulheres para te estimular a viajar sozinha

Por que viajar sozinha é tão libertador?

Por que viajar sozinha não é o oposto de ir acompanhada?

5 reflexões sobre viajar sozinho

viagem sozinha idosa claudete 5

Claudete na fila para assistir o teatro Kabuki

Sua primeira viagem solo foi para Portugal. Planejou o roteiro cuidadosamente por um ano e embarcou para Lisboa, Sintra, Cascais, Queluz, Coimbra e Évora. Dois anos depois, a Espanha foi o destino escolhido para mais uma jornada solo: Madrid, Toledo, Barcelona e  Granada. A escolha de Claudete para comemorar seus 70 anos de idade foi nada mais, nada menos, que o Japão, completamente sozinha. Esteve em Tóquio, Quioto, Nara, Hiroshima, Takaiama, Shirogawa e Nikko.

Para ela, a única preocupação mesmo foi deixar os dois cachorros em casa sozinhos. “Meus filhos, minha nora e minhas netas se revezaram para dar comida”. Ela confessa também que o Japão foi motivo de preocupação da família: “Um dos meus filhos ficou muito apreensivo, com medo de que eu fosse me perder. Não domino muito tecnologia, não comprei chip local e a informação que tive no Tourist Information quando cheguei é que o sistema do meu celular poderia não ser compatível”.

A solução encontrada por ela foi o velho método de anotações: “Na estação de metrô, escrevia em letras latinas aonde queria ir e me informavam qual a cor da linha, qual trem tomar, qual estação fazer baldeação, número da plataforma e do trem a prosseguir. Tenho a cadernetinha guardada junto com todos os folhetos da viagem. Não me perdi nenhuma vez! Precisão japonesa.” Também conta que, com a tecnologia de hoje, fica muito mais fácil se comunicar: “Falei com meus filhos quase todos os dias pelo Whatsapp”.

viagem sozinha idosa claudete 4

Uma japonesa pediu para tirar foto com a Claudete, em Tóquio

Já para Florisbela, a ideia de liberdade, de sair por aí sozinha sempre existiu. “Nunca antes tinha visto alguém falar sobre o Caminho de Santiago de Compostela, nem tinha a mínima ideia do que seria. Então, fiquei sabendo por intermédio de uma amiga sobre esse roteiro mágico e de muita energia. Me interessei imediatamente pesquisando no Google. Mas, pra iniciar esse sonho, eu teria que ter um preparo físico, psicológico e din din também. Comecei a preparar-me comprando livros, pesquisando na internet e assistindo palestras sobre o Caminho.”

E lá foi ela: de Sain-Jean-Pied-de-Port, na França, atravessando a Espanha até Santiago de Compostela, um trajeto de 890 quilômetros, com uma mochila de 6,3kg nas costas. “Fiz com toda intensidade possível: não tive medo, controlei minha ansiedade. A paixão não terminou por ai, e em 2016 voltei novamente e refiz o trajeto”.

viagem sozinha idosa florisbela 4

A Florisbela no início do Caminho de Santiago de Compostela, nos Pirineus, em 2016 

Florisbela tem a resposta na ponta da língua quando perguntam porque decidiu fazer o caminho duas vezes, sempre sozinha: “Pelo interesse artístico e histórico existente ao longo do Caminho. Descobrir coisas, vilas, aldeias, pessoas, culturas, de tudo mesmo. Nessas minhas caminhadas descobri que para ser feliz não é preciso depender de alguém, um lugar, um momento ou bens materiais”.

Depois da primeira viagem, anos atrás, ela sempre se programa para um novo destino no verão. “Por enquanto continuo indo sempre pra Europa. Já estive em Portugal, Itália, Espanha, Inglaterra e outros…. Acredito que eu tenha encontrado um diferencial em mim, nas minhas viagens, tenho interesse no conhecer e não visitar somente. Faço o roteiro, um destino e as cidades que me interessam e fico pelo menos uma semana em cada uma. Vasculho tudo, tenho curiosidade pela gastronomia, pelos nativos, festas regionais, museus, igrejas, parques, mercados, etc”.

viagem sozinha idosa florisbela 3

Flora em Salamanca, Espanha – Piazza Mayor

Sem medo de estar sozinha

Ao contrário da história da Claudete, a Florisbela não teve tanto apoio da família para seguir nas suas jornadas. Relata que vem de uma família bem tradicional e sempre foi considerada fora dos padrões: “Sempre tive, desde a minha infância, essa vontade de conhecer o mundo afora. Nunca me contentei com esse mundinho fechado em quatro paredes, obedecer ordens, me submeter a pessoas e não ter o direito de sonhar. Fui um pouco rebelde sim. Uma mulher de caráter forte, batalhadora, curiosa, cheia de sonhos e que correu sempre atrás dos seus objetivos”. 

Florisbela conta que assim que sua neta entrou no berçário, aos seis meses, ela já estava novamente com o pé na estrada. “Já tinha conversando com minha filha que sou avó e não mãe, tenho minha vida e nada muda com a chegada desse anjinho em nossas vidas. E mesmo espantada com a minha decisão – aceitou! Assim ela teve que se adaptar a nova vida e se adequar a nova realidade que é ser mãe”.

Já o resto da família não aprovou a decisão, julgaram Florisbela por deixar a filha desamparada. “É julgamento sem fundamento. Quando julga sem conhecer a causa. Ou talvez o receio, o medo, do que pode acontecer. Ou mesmo aquelas coisas que dizem: nessa idade deveria estar em casa cuidando da neta, fazendo tricô e não ficar por aí viajando. Escuto muito isso”.

viagem sozinha idosa florisbela

Florisbela em Miranda do Douro, Portugal

Mas nenhum desses julgamentos compensa a melhor coisa que ela sente nessas viagens: “A liberdade, realização pessoal, a descoberta que sou capaz. Uma mistura de felicidade e medo, tudo junto. Pensam que falo vários idiomas, nadinha: somente o italiano e entendo um pouco o espanhol, nada mais! Mesmo assim nada me amedronta”, conta Florisbela. 

A única vez que Claudete temeu a solidão foi no Ano-Novo em Coimbra, seu primeiro sem companhia: “Pensei que me sentiria muito só”.  No fim das contas, se divertiu muito: “Encontrei um programa de variedades formidável – dança, comédia, mágicas, entrevistas, transmitido por uma televisão francesa e foi um ótimo divertimento. Em outro 31 de dezembro – em Quioto/Japão – assisti pela NGK um concerto em homenagem aos 80 anos do maestro Seiji Osawa. Fiquei admirada com o talento de cantores líricos japoneses e orquestra formada só por japoneses tocando música erudita ocidental numa perfeição impressionante. Um programa invejável para fechar o ano. Foi uma felicidade!”

viagem sozinha idosa claudete 1

Claudete no Parque dos Bambis, em Nara, Japão

O estilo de viagem de Claudete é tranquilo: “Sempre saí cedo do hotel e voltei cedo também, para descansar, me preparando para explorar o dia seguinte. À noite ficava bem sossegada no meu quarto de hotel, lendo um pouco: carrego livros para minhas leituras antes de dormir”. Ela gosta de viajar no próprio ritmo, visitando as atrações que considera importantes, nos seus horários, sem depender de ninguém. Seu maior receio de estar sozinha ocorreu duas vezes, na Espanha, quando teve que sair durante a noite em Barcelona para pegar um voo e em Granada para fazer um passeio. Mas, nas duas ocasiões, nada de mau lhe aconteceu. 

Florisbela também conta que na estrada passa por situações curiosas, de homens a vendo com um mapa pela cidade e que questionam o porquê de uma mulher da idade dela andar tão longe. E sozinha. Ainda, num dos albergues do Caminho de Santiago, foi sua aparência que entrou em questão: “uma albergueira Italiana me julgou pela aparência, achou que eu andava muito bem arrumada. Por ser uma peregrina, se estava a procura de namorando pelo caminho. Respondi que sou sempre eu mesma em todos momentos, sou vaidosa, não importava em que circunstâncias, gosto de me sentir bem para mim mesma, e por ser uma peregrina nada mudava meu estilo e comportamento. Mas se aparecesse um fidanzato (um homem interessado) seria bem-vindo…rs”.

A única dificuldade mesmo, diz Florisbela, é tirar fotos viajando sozinha: “Sim, esse é um perrengue real. Não tem ninguém para registrar o momento tão especial para você. Saio pedindo um e outro ‘por favor me faça uma foto…’. Estou treinando selfie pra evitar tais transtornos negativos”. 

viagem sozinha idosa florisbela 2

 Florisbela nas ruínas de um antigo castelo em Castrogeriz, Espanha

Sobre seu estilo de estilo de viagem, Florisbela não define: vai de mochileira ao tradicional. O que importa é que é uma viajante independente. “Organizo minhas viagens por conta própria, dando ênfase ao conhecimento e diversão. Geralmente utilizo meios de hospedagens mais econômicos e costumo fazer viagens mais longas”. Assim, costuma sempre se hospedar em hostels, por terem preços acessíveis e poder preparar a própria comida.

Já me deparei com franceses e alemães tomando banho sem roupas tranquilamente. Quase morri de susto, mas fiz como se fosse natural! Ufa! Outra vez, na Espanha, em Toledo, perdi o trem de retorno a Madri e tive que me virar. Fui procurar um local para dormir e tudo correu bem. Nesses casos, uso sempre essa técnica de respirar fundo e acabo tomando a decisão certa. Em viagem devemos sempre manter a calma!”

Suas dicas de organização para viagens são: “primeiro vejo o pais de destino e inicio a consultar passagens em promoções, pesquiso hostels com preços acessíveis. Sempre bem localizados, por exemplo: centro histórico, próximo a metro, ônibus, estação de trem, bares, restaurantes e casas de shows. Então, dou sequência a um roteiro bem detalhado, nada feito com pressa. Gosto de permanecer no mínimo uma semana em cada cidade. Não gosto de conhecer 5 a 10 países em 15 dias, é uma viagem muito superficial e cansativa”

Claudete também dá dicas de como se organiza: “Estudo muito bem a viagem, pesquiso as atrações e lugares que imagino que gostaria de visitar, pesquiso muito na internet, junto informações de viajantes e pronto. Levo pouquíssima bagagem, uma mala pequena que despacho na bagagem, uma mala de mão na cabine. Dentro da mala despachada, levo outra para os presentes para meus dois filhos, filha, genro e netas – que compro sempre na última cidade visitada”. 

viagem sozinha idosa claudete 2

Claudete em Hiroshima no primeiro dia de 2016

E qual é o próximo destino dessas duas aventureiras? Florisbela seguirá explorando a Europa: “Estou planejando agora Paris, já com roteiro pronto. E depois novamente Espanha, dessa vez para conhecer melhor o restante de algumas cidades do norte, em Asturias. E depois San Sebastian, Sevilha e Granada”. 

“Depois do Japão, criei coragem para a China”, afirma Claudete. “A ida já está marcada – 16 de dezembro de 2017. Também já estão marcados os hotéis em Xangai e Zhangjiajie (onde foi filmado o filme Avatar). Estão em meus planos Pequim, a cidade proibida e a muralha da China.” Também quer ir para Hong Kong e talvez outras cidades, mas ainda não planejou. “Viajar é maravilhoso, já estou curtindo antecipadamente”.

Sou jornalista, tenho 29 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

73 comentários em “Deveria estar em casa cuidando da neta, fazendo tricô e não ficar por aí viajando”

  1. Muito boa a reportagem, eu comecei antes delas, e não pretendo parar tão cedo, pela experiência da Claudete, tenho bastante chão, que a matéria encante outras a se tornarem viajantes como nós!

  2. bn Claudete! Li sua historia de viagens e e´bem parecida co a minha. Tb já sai por ai sozinha e sem falar outra lingua.mas gostaria muito de conhecer a China, mas fico receosa pela diferença na lingua e cultura. Seria possivel saber mais sobre essa viagem? Adoraria juntar sua coragem com a minha . Obrigado desde já. Rose Ramos.

  3. Obrigada a todos que participaram dessa maravilhosa matéria. Quero viajar a Portugal em junho/2017 e estava meio insegura de ir sozinha. Muito inspirador e encorajador. Creio que agora to pronta pra viajar comigo mesma…rs

    Linda semana a todos!!

    Bj no coração e na alma

    Abraços
    Cristina Alonso

  4. Adorei o post, alem de inspirador é significativo, mostra como as mulheres sensíveis e fortes não tem idade!
    Parabens, gostaria de conhecer a todas, um encontro seria maravilhoso, talvez até já tenhamos nos encontrado em algum lugar desse vasto e maravilhoso mundo das viagens!

  5. Adorei conhecer vocês! São incríveis as suas histórias. Também já fiz algumas viagens sozinhas pelo Brasil e exterior. É uma sensação de Liberdade indescritível. Tenho um Blog o Navegar é preciso onde compartilho fotos e momentos de viagens. Boa viagem para todas vocês pois “Navegar é Preciso”

  6. Já viajei tanto, tanto que perdi a conta dos lugares e países.
    A vontade continua.
    Tenho que me conter, agora com 79 anos…
    Tenho viajado nas viagens que fiz, enquanto planejo outras.

  7. Estou viajando sozinha desde novembro de 2016. Escolhi não ter mais casa e morar onde minha mala está. Vendi tudo que me pesava e hoje carrego apenas 8 quilos de bagagem. Até agora tenho ficado no Brasil, mas já estou de viagem programada para Lisboa no próximo mês. Vou ficar 3 meses pela Europa. Está no meu roteiro Paris, Londres, Milão e Zurich. Estou aposentada com 57 anos e uma vontade imensa de me jogar no mundo. Tenho uma página no Facebook – Jô morando onde a mala está. Lá registro um pouco das minhas andanças.

    • Q bacana Jô!!! Estou na mesma situação!
      Adoro viajar. O que ainda me prende em SP são meus cachorrinhos que amo muito e minha mãe.
      Mas sempre que posso faço longas e lindas viagens.
      Ainda não posso “vender tudo” e carregar apenas os “8 kgs de bagagem”…. mas é meu objetivo!!!
      Mande me sua programação de viagens quem sabe poderemos fazer algumas juntas nesse mundo maravilhoso!

      Abs.

  8. Olá!!! Meu nome é Ingrid e a Claudete é minha prima !!!! Adorei as histórias e acho que viajar é um mal de família kkkk
    Tenho 69 e sou viúva a 19 anos….fiz minha pro.eira viagem sozinha e pra a Europa em 2010 e daí em diante não parei mais….Italia,Portugal, Espanha, França, Holanda e Açores
    Conheci um italiano na internet e me apaixonei…desde então viajamos juntos e sozinhos para nos encontrar…amor de adolescentes….ele com 76 e eu com 69.Daqui um mês iremos pra Itália de navio….no momento estamos em Santos. Viajar é a melhor coisa da vida!!!!

    • Iguinha,minha priminha querida!!!Que emocionante surpresa saber que você leu este post!!Muito obrigada!Sua história também é inspiradora!!!Muitos beijos!!!

  9. Luiza-parabéns e muito obrigada pelo post.Parabéns à Florisbela que só conheci por aqui – continue assim,você é uma menina!Fico muito feliz em saber que é possível estimular outras mulheres!Afinal ,o mundo é o limite!Viajei muito com meu marido.Depois que ele faleceu,passei anos sem viajar,até tomar a decisão .Uma caminhada começa com o primeiro passo.Vale a pena começar!!Muitos beijos e boa sorte a todas vocês!

  10. Adorei as histórias!!!! Tenho 57 anos, sempre viajei pelo Brasil e em 2014 fiz minha primeira viagem ao exterior, com meu filho para Portugal. Ficamos 20 dias, só em Portugal e muita gente me disse que daria para conhecer uns 5 países. Eu não gosto de apenas visitar e sim explorar e entender um pouco as cidades, as pessoas.
    Agora em abril vou para Itália sozinha, vou ficar um mês. Muitos não me incentivam, pois falo poucas palavras em inglês e estou tentando aprender um pouco de italiano. Reservei as hospedagens e alguns hotéis simples, ainda fico receosa com os hostels.
    Alguma dica?????

  11. Amei ler tudo isso . Eu já viajei sózinha num voo do Brasil , até Madrid , dormi num trem uma noite inteira dividindo a cabine com 3 outras mulheres desconhecidas em cabine com 4 beliches , morrendo de medo , masss deu tudo certo. Depois me encontrei com meu marido em Paris e saimos a viajar… muito bom . Isto foi em 1990 , no tunel do tempo , hoje estou com mais coragem para viajar sózinha .Estou com 72 anos . Vamos que vamos ! bjos.

  12. Sou viuva 78 anos e tambem adoro viajar só!

    No meu aniversario de 75 anos, fui para Portugal, sozinha para comemorar.

    Fiz Lisboa, Coimbra, Porto, Braga e Faro, foram 20 dias, me hospedei nesses

    lugares e dai, ia para cidades proximas de trem, foi a melhor viagem que fiz.

    Agora com 78 pretendo voltar, pois aprendi muito!!!

  13. Claudete e Florisbela, sei bem o que é isso, as críticas, as admirações, os questionamentos, tipo se não tem medo, se não é ruim viajar sozinha e etc etc.Tenho 56 anos e viajo só há mais de 20 anos, para o exterior minha primeira viagem solo foi aos 39 anos,no Brasil foram muitas aventuras ótimas. Também gosto de planejar bem minhas viagens, sou bem econômica, para ficar o maior tempo possível e gosto de degustar o local, não apenas passar por ali e tirar uma foto para comprovar. Até o fato de você ficar muitos dias em um local gera críticas. O importante é se sentir feliz, quer seja apreciando uma linda paisagem, uma obra de arte inesquecível, tomando uma cerveja ou vinho, comendo um prato típico, papeando com a companheira do trem, ônibus ou avião. Viajar é se sentir livre.

  14. Olá Luíza:
    Quanta inspiração!!! Adorei as duas histórias. Fiquei encantada com a Claudete.
    E a Forisbella?….Deu a resposta perfeita para a filha!!

    Eu já fiz 5 viagens, sendo 4 delas, sozinha. Foi maravilhoso e fiz muitas amizades.

    Estou até pensando mandar minhas histórias para Luíza publicar. rsrsr

    Abraço e parabéns!!

  15. Meninas, aí vou eu! Em abril saio do Rio para o mundo! Eu e Deus. De preocupação real, meus bichinhos, mas o ex-marido vai cuidar. ADOREI todos os relatos. Também avó, mas não de tempo integral, vou sair pela primeira vez só. “Quase” só fui para a África do Sul, mas tinha 40 anos, a vida era outra, a companhia eventual… Agora, 20 e tantos anos depois, lá vou eu. A primeira de muuuuuitas!!!! Sucesso e CONTINUEM!!!!!!

  16. O que dizer dessas mulheres que mal conheço e já considero pacas? hahaha
    Que histórias inspiradoras! Uma mulher viajando sozinha já causa reações de espanto, mas depois dos 60 anos imagino surgem novos absurdos que as pessoas usam como argumento, coisas do naipe “isso não é idade bancar a aventureira, isso é coisa de gente jovem”.
    (Aliás, fiquei de cara com a mulher que perguntou se a Florisbela estava procurando namorado. Gente, e se estivesse, o que essa desconhecida curiosa tinha a ver com isso? Eu hein.)
    Estou com 30 anos e estou me preparando para mês que vem fazer minha primeira viagem, sozinha, para a Europa. Tenho a expectativa de que vai ser uma experiência incrível, e agora com esse post tenho também o desejo de que ela se repita por vários anos. Claudete e Florisbela, vocês são um exemplo e uma inspiração!

  17. Parabéns Luiza pela postagem e repercussão. Um parabéns tbm mais que especial para estas duas lindas mulheres, coragem e liberdade são as palavras-chaves para descreve-lás.

    P.S.: Mãe a idade nunca vai te definir!!!!!!

  18. Luiza o post ficou sensacional, só tenho que te agradecer pelo convite e a minha participação. O impacto foi fantástico, recebi msg de todo Brasil por mulheres na nossa faixa etária me parabenizando pelos relatos, e se identificando totalmente com a minha experiência, sentindo fortalecidas e também o quanto o ajudei, pois tinham sonhos de viajar mas medo do desconhecido. Lendo nossas histórias sonham em colocar o pé na estrada….. Essa sua abordagem foi muito importante pras avós, aposentadas, viúvas ou solteiras que não tenham com quem viajar e acham que viajar sozinha não é coisa recomendável. Mais feliz ainda quando recebo comentários que meu exemplo lhes fortaleceram e que acha que também são capazes. Beijo carinhoso!

  19. Nossa adorei ler sobre vcs !!! Eu tbêm nunca tinha viajado sozinha e foi uma experiência que jamais esquecerei . Sempre viajei com minha mãe e no ano de 2015 e 2016 minhã mãe ñ pode ir e aí pensei será que consigo !!!! Planejei o roteiro para Paris , Roma e portugal pois fiz algumas cidades e foi incrível . Sei que agora consigo ir sozinha porque sou muito familia e moro com minhã mãe . Quem planeja viajar sozinha têm que exprementar porque sempre têm primeira vez . Aproveite e curtam que tudo dara certo .

  20. Nossa que lindo a história de vcs , pois eu sempre viajei com minhã mãe e nesses 2 anos eu tive a experiência de viajar sozinha e pensei será que consigo !!!! Escolhi Paris , Roma e Portugal que fiz algumas cidades e foi uma experiência unica pois nunca imaginei ir sozinha . Vale a pena !!!!!

  21. Lindo! ! Para meninas! ! Podíamos reunir em umanexo mídia para saber onde estamos Quem sabe tomarmos um café aí pelo mundo? Fiquei três meses França Granada França vaqueyras Português Avilon Montpellier Brasil beijos aos 65 anos

  22. Flor ficamos felizes por você partilhar está sua alegria. Que muitos caminhos continui iluminando sua vida.
    Claudete você inspira muitas pessoas. Temos opções de ser feliz ou ficar se lamentando.
    Vocês sejam luz para muitas mulheres e homens nas escolhas de bons exemplos.
    Rita Andrade. Associação dos Amigos do Caminho de Santiago. Salvador -Bahia

  23. Florisbela e Clau,quando eu crescer quero ser igualzinha a vcs !!!! É chego já,tenho 5.2 e já fiz 2 vôos solos sozinhas no Br mas vcs são minha aspiração. É este post veio me ajudar a solucionar uma dúvida,se eu entraria em um empreendimento ou iria viver minha aposentadoria! Tão simples a resposta.

  24. Que post inspirador e necessário!!!
    Lindos relatos e experiências, e verdadeiros exemplos do que chamamos de espírito livre!
    Que delícia saber que sim, tem muita mulher viajando sozinha e tem mulheres maravilhosas e mais velhas explorando esse mundão!!
    Obrigada por me fazer tomar conhecimento dessas histórias! <3

  25. Tenho 65 anos. Sou avó de uma linda menina e aguardo a chegada de um neto. Amo viajar, mas, sempre com meus filhos e marido. Sempre sonhei fazer uma viagem sozinha, mas, tenho medo. Não falo nenhum outro idioma
    Fiz o caminho de Santiago na companhia de 3 amigas. Foi maravilhoso. Quero muito ter a coragem de ir sozinha.

  26. Que histórias!!!!
    E que vcs continuem e continuem essas viagens e tudo o mais!
    E que sigam como exemplo para várias outras mulheres mais vividas 😉
    Tô com quase 35 e quero ser assim quando tiver a idade de vcs 😀

    Luiza, obrigada e parabéns pelo post!!!

    • Iara sou uma das personagens dessa linda história. Amiga, da sempre um jeitinho, o inglês seria o ideal mas não o essencial. A mimica funciona….Rsssss! O negócio é não deixar de viajar pelo idioma, habla o parla e ai vai, eles entendem o turista perfeitamente, e com um sorriso e simpatia tudo funciona. Beijo grande.

  27. Caramba… fico alguns dias sem acessar o blog e quando volto sempre me deparo com posts incríveis e histórias inspiradoras!
    Parabéns as duas viajantes, sensacional!
    Quando crescer quero ser como vocês… hahaha

  28. LUIZA! Essa matéria só me inspirou. A Flora sou EU. Só que sou solteira sem filhos e sen netas.rs OBRIGADA Luiza por uma abordagem importantíssima da dita “melhor idade.”

Deixe um comentário