O projeto que transformou os campos de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

O projeto que transformou os campos de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

José recebe pessoalmente os visitantes do Mae Klang Luang Coffee. É ele também quem seleciona, passa os grãos no moedor e serve o café arábica fresquinho aos clientes que esperam nas rústicas mesas de madeira dispostas no local. O produto cresce com o uso de técnicas orgânicas ali mesmo, na vila de Mae Klang Luang, uma pequena comunidade da etnia Karen descendente de povos nativos na Birmânia que migraram para o norte da Tailândia séculos atrás.

A vila, que fica dentro do Doi Inthanon National Park, nas proximidades de Chiang Mai, é um dos muitos exemplos de assentamentos tribais que foram beneficiados pelo Royal Project, um projeto idealizado pelo rei Bhumibol Adulyadej nos anos 1970 e que ajudou a transformar essa região do país.

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

José serve café a clientes na pequena loja em Mae Klang Luang Coffee

Hoje cobertos de flores e de plantações orgânicas dos mais diversos tipos, os campos que se estendem entre as idílicas montanhas do norte da Tailândia já foram muito diferentes. Até a segunda metade do século 20, a região conhecida como Triângulo Dourado, que abrange a área fronteiriça com o Laos e Myanmar, na província de Chiang Rai, era famosa pela produção de ópio e pela miséria de suas comunidades tribais.

Ainda que o consumo do narcótico tenha sido proibido no país nos anos 1950, estima-se que, em 1970, as tribos produziam juntas cerca de 200 toneladas de ópio por ano. A plantação de papoula e a extração de seu suco foi, por décadas, a principal fonte de renda dessas populações, mas a maior parte do lucro acabava nas mãos de traficantes, que deixavam para trás pobreza e o solo devastado pelas sucessivas queimadas usadas para abrir espaço de cultivo.

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

Foi durante uma visita a seu palácio de inverno que o rei resolveu investigar mais de perto essa situação. Ele se deu conta de que pequenas plantações de pêssego resistiam ao lado dos campos de papoula. A fruta, perfeitamente adaptada ao clima das montanhas, podia ser vendida a uma boa margem de lucro. Foi o gatilho para a criação do Royal Project, que consistia no incentivo à substituição das plantações de ópio pela produção de alimentos orgânicos e na recuperação do ecossistema devastado por anos de atividade predatória, criando assim uma fonte sustentável de renda, aumentando o lucro das famílias e livrando a população da dependência dos traficantes.

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

O primeiro centro de desenvolvimento do Royal Project foi implantado em Doi Ang Khang em 1969, com o objetivo de desenvolver e educar agricultores sobre técnicas de cultivo e conservação. O projeto foi expandindo para todo o norte e nordeste do país e hoje conta com 38 centros de desenvolvimento espalhados pelas províncias de Chiang Rai, Chiang Mai, Mai Hong Son, Lamphun e Phayao, além de programas de expansão para outras regiões da Tailândia.

Estima-se que cerca de 170 mil pessoas em 288 vilas foram beneficiadas pelo Royal Project. A agricultura ainda é o principal motor das economias locais, mas os incentivos relacionados ao projeto também foram aplicados no artesanato, saúde, educação, pesquisa, preservação de cursos d’água e revitalização de florestas.

Todos os produtos do Royal Project são certificados pelo controle nacional de qualidade e recebem um selo de identificação quando postos à venda. O governo oferece incentivo aos restaurantes que optam por utilizar os produtos, o que fortalece o projeto e desenvolve a economia local e garante o escoamento da produção.

Visitando uma fazenda do Royal Project na Tailândia

Assim como o café de Mae Klang Luang, outras comunidades beneficiadas pelo Royal Project encontraram no turismo uma fonte alternativa de renda. De pequenas lojas para comprar e consumir os produtos cultivados nas comunidades até a venda de artesanato e a possibilidade de se hospedar em casas típicas – essa é uma oportunidade para viajantes que gostariam de ter contato mais próximo e aprender sobre a cultura, língua e modo de vida tribais.

Royal Project - O projeto que transformou plantações de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

Por estarem localizadas em zonas rurais, muitas delas só são acessíveis de carro alugado ou tours privados de agências de viagem. Mas não se preocupe, visitantes em Chiang Mai não terão dificuldades em encontrar operadores que oferecem esse tipo de passeio.

A visita ao Royal Project em Inhanton e Mae Klang Luang, por exemplo, costuma fazer parte do bate-volta aos templos de Doi Inthanon, o ponto mais alto da Tailândia. A viagem, que é repleta de paisagens verdes e campos floridos, inclui um almoço em restaurantes participantes do projeto.

A blogueira viajou à convite da Embaixada da Tailândia no Brasil

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma.

Siga @natybecattini no Instagram

Um comentário em O projeto que transformou os campos de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: