Mercado Municipal de Aracaju: comida e artesanato

Mercado Municipal de Aracaju: comida e artesanato

Sentado numa mesa no terraço do Mercado Municipal de Aracaju e com vista para o Rio Sergipe, eu almoçava num restaurante típico – e barato. Só aquilo já valeu a visita ao centro e antiga zona portuária da capital sergipana. Mas teve mais.

Não sei você, mas acho que mercados públicos são algumas das grandes atrações de capitais mundo afora. BH, minha terra natal, tem o Mercado Central, enquanto Belém tem o fantástico Ver-o-Peso. Desde minha recente viagem pelo Sergipe passei a acrescentar o Mercado de Aracaju na listinha dos grandes brasileiros, aqueles que merecem uma visita, custe o que custar. Como o passeio é de graça, a parte boa é que o custo é somente o de trocar um dia de praia por um dia perambulando por feiras diversas.

Veja também: Onde ficar em Aracaju: dicas de hotéis, pousadas e praias

Praia do saco: passeio pelo litoral sul de Sergipe

Mercado Municipal de Aracaju

Mercado Antônio Franco

Não estamos falando de apenas um mercado, mas de três, todos na mesma área. O primeiro é o Antônio Franco, criado em 1926 e certamente o mais interessante. Ali você vai encontrar lojas de artesanato de tudo que é tipo.

mercado de aracaju

É no terraço deste prédio que ficam os restaurantes. Há opções em cada uma das quatro pontas, mas o melhor é o Caçarola, que funciona no esquema de comida a quilo ou de pedidos do cardápio. Fomos no buffet a quilo mesmo e não nos arrependemos: comida incrível por preço justíssimo. E isso que é almoço com vista do Rio Sergipe, da área portuária e do próprio mercado, com o icônico Relógio Central do vizinho Thales Ferraz. E por falar nele…

vista do mercado de aracaju

Mercado Thales Ferraz e Albano Franco

Saia pela lateral do Mercado Antônio Franco, pela Passarela das Flores, que, como o nome diz, é um corredor que funciona como floricultura. Do outro lado dele estará o Mercado Thales Ferraz, construído em 1948, com objetivo de auxiliar no mercado principal. Nele você achará alguns produtos típicos da mesa sergipana, como queijos, cachaças, mel, doces e tapiocas. Uma ou outra barraquinha de artesanato também pode ser encontrada por ali.

mercado de artesanato em Aracaju

O próximo mercado do complexo é o Albano Franco, o mais novinho e menos turístico. Ali são vendidas frutas, verduras, peixes, enfim, é uma feira de hortifrutigranjeiros frequentada pelos moradores de Aracaju. Entre o Thales Ferraz e o Albano Franco está uma praça, a Hilton Lopes. É ali que ocorrem alguns dos eventos mais tradicionais da cidade, como o Forró Caju, uma das maiores festas juninas do país e que dura duas semanas.

mercado de Sergipe

Mercado Municipal de Aracaju: a reforma

Se hoje visitar a Praça dos Mercados é um passeio recomendadíssimo, não era assim no final da década de 90, quando a região estava tomada por barracas em condições insalubres. Com o crescimento da cidade, os mercados não davam mais conta da quantidade de feirantes, que tomaram as ruas. Na época o apelido do local era outro, que dá ideia de como era a situação por ali: Feira de Lona.

Como os mercados ficavam no antigo porto de Aracaju, a muvuca e o movimento de pessoas acabaram criando outro tipo de negócio, também lucrativo. Boates e cabarés começaram a surgir na região, que ganhou o apelido de Vaticano.  “Era uma ironia do povo com relação à santidade do que acontecia naquele local durante as noites”, conta o historiador Luiz Antônio Barreto, numa entrevista para o site da Prefeitura de Aracaju.

A prostituição foi reprimida nos anos seguintes, mas o espaço continuava em péssimo estado. A reforma começou em 1998, comandada pela arquiteta Ana Libório. Barracas foram removidas, prédios antigos foram demolidos e a área foi revitalizada. Por dois anos, os feirantes ficaram sem ponto e só voltaram a trabalhar por ali no ano 2000.

Por falar neles, os feirantes são parte fundamental dos mercados de Aracaju. Tanto é que o Museu da Gente Sergipana tem uma sala dedicada somente a eles. No Mercado Municipal de Aracaju há feirantes com um currículo de décadas no mesmo local, pessoas que são parte da cultura e do patrimônio da cidade. Se quiser conhecer essa história, leia o Mercado de Aracaju, um site com reportagens sobre o Mercado, todas produzidas por alunos do Curso de Comunicação Social da Universidade Tiradentes.

mercado aracaju

Como chegar e roteiro

O Mercado fica na Rua José do Prado Franco, sem número, no centro da cidade. Funciona de segunda a sábado, das 8h às 17h; e domingo, das 8h às 11h30. Uma corrida de uber a partir da Orla do Atalaia dá cerca de R$ 25.

O ideal é combinar a visita do Mercado, de preferência na hora do almoço, com uma tarde no Museu da Gente Sergipana, que fica ali pertinho. Depois você ainda pode ir caminhando até a Praça Fausto Cardoso, onde fica o Palácio Museu Olímpio Campos, antiga sede do Governo do Sergipe e hoje um museu, além de outros órgãos públicos.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

4 comentários em Mercado Municipal de Aracaju: comida e artesanato

  1. Realmente Aracaju deve ser lindo… Vontade em conhecer esse local, explorar sua cultura e beleza…

    Gostei por de mais do artigo.

    Parabéns…

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: