Sabará: o que fazer na cidade histórica mais próxima de BH

Sabará: o que fazer na cidade histórica mais próxima de BH

É só cruzar a esquina para ficar difícil de segurar o queixo – prova que o cartão-postal mais famoso de Sabará, a Igreja de Nossa Senhora do Ó, tem o nome correto. Ela é pequenina, tem uma torre só e está na parte antiga dessa cidade colonial que foi fundada em 1675. E que está pertinho de BH: são apenas 25 quilômetros, distância que pode ser percorrida de ônibus urbano, com tarifas de R$ 4,05, ou até mesmo de Uber ou Cabify.

Tanta facilidade torna difícil explicar por que eu, belo-horizontino desde sempre, demorei 31 anos para colocar os pés em Sabará. E se o povo de BH faz isso, imagina o restante do Brasil? A consequência é que Sabará, que foi transformada em vila em 1711, com uma ajudinha do Bandeirante Borba Gato, ainda é desconhecida pelo viajante nacional, pelo menos na comparação com cidades históricas como Ouro Preto, Mariana ou Tiradentes.

Veja também: 8 cidades próximas de BH para passear

Onde comer comida mineira em Belo Horizonte

Inhotim, Ouro Preto e Belo Horizonte: roteiro de quatro dias

roteiro cidades históricas mineiras

Igreja de Nossa Senhora do Ó

A proximidade com a capital trouxe uma urbanização desordenada, o que faz com que casarões coloniais dividam espaço com construções modernas. Sabendo disso, confesso que eu nem esperava muito do centro histórico da cidade, o que rendeu um fator surpresa ótimo. Foi só descer na Rua Pedro Segundo (os dois imperadores do Brasil visitaram a cidade e se hospedaram ali) para me deparar com um monte de casarões, várias igrejas e ruas de pedra. Ó:

Sabará, Minas Gerais

Percorremos Sabará sem pressa e com zero intenção de fazer um checklist. E foi assim que, uma a uma, as principais igrejas da cidade apareceram pela frente. A Igreja de Nossa Senhora do Rosário foi planejada e erguida pelos escravos, que desejavam um local para sua fé. Embora uma capelinha tenha surgido ali em 1713, a construção do templo mesmo começou só em 1768, sendo interrompida vinte anos depois, com a abolição da escravatura.

Outra igreja importante é a de Igreja Nossa Senhora do Carmo, da irmandade de mesmo nome. Aleijadinho, símbolo máximo da arte barroca brasileira, trabalhou no coro, no púlpito e na decoração em pedra-sabão da fachada do templo, entre outras coisas.

Destaque também para a  Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, erguida entre 1714 e 1720 – essa é uma das que vale a pena você entrar, por conta da decoração. Por fim, vale citar as igrejas de Nossa Senhora das Mercês, de São Francisco e da simpática Capela do Senhor Bom Jesus.

igrejas de sabará, mg

Se já estiver cansado da caça a igrejas, pode ser a hora de começar a busca por chafarizes. O mais famoso é o Kaquende, que desde 1757 abastece a cidade com água de uma nascente do  Morro de São Francisco. Como toda cidade tem sua lenda, tá aqui a de Sabará: é beber da água desse chafariz e garantir que você voltará ali um dia. Outros chafarizes importantes são o do Rosário e da Confraria.

Ao passear sem rumo pelas ruelas não deixe de prestar atenção nos casarões. Alguns deles têm função no comércio – viraram farmácias e lojas de eletrodomésticos, conservando as fachadas e pintura originais. Outros são usados como espaços públicos e que recontam a história de Sabará.  Tipo a antiga Casa de Intendência e Fundição do Ouro, que, no período colonial, era para onde todo o ouro extraído na região deveria ser levado. Lá, o metal era fundido e, claro, taxado. Hoje funciona ali o Museu do Ouro.

Na Rua Dom Pedro II está o Solar do Padre Correa, erguido nas últimas décadas do século 18 e onde mais tarde se hospedou o imperador. A Casa de Borba Gato, o Sobrado de Dona Sofia e a Casa Azul são outras famosas, mas, numa boa, tem um monte de casarão anônimo e bonitão por ali. Por falar nisso, anote o horário de funcionamento padrão para as atrações de Sabará: em geral as coisas abrem das 09h às 17h, mas fecham para almoço (11h às 13h). Muitas cobram entrada de R$ 2.

Ainda nessa parte da cidade está o Teatro Municipal, que dizem ser lindo e ter um acústica impressionante, além de ser o segundo mais antigo do Brasil que ainda está em funcionamento. Mas quando eu fui o Teatro estava fechado e passando por obras de revitalização. A previsão é que o Teatro volte a funcionar em 2018.

sabará turismo

Mas o ponto alto da cidade está mesmo na Igreja de Nossa Senhora do Ó, construída no século 18 e apontada por alguns historiadores como um dos grandes exemplos do barroco mineiro. O interior da igreja guarda uma das curiosidades de Sabará, presente também em outros templos da cidade: a influência chinesa na decoração, como pinturas e painéis. Uma das explicações para isso seria a presença de artistas de Macau, que na época, assim como Goa, na Índia, era controlada por Portugal.

Dois festivais também movimentam a cidade. O da Jabuticaba ocorre em novembro, enquanto o de Ora-pro-nobis, de gastronomia, é sempre em Maio, num distrito de Sabará chamado Pompéu.

roteiro cidades históricas de Minas

Como chegar e onde ficar em Sabará

O ônibus 9030, que passa na Rua dos Caetés, no centro de Belo Horizonte, deixa em Sabará. A passagem custa R$ 4,05. Outra opção é o 4986, que custa R$ 6,30, passa por várias ruas do centro e para na rodoviária.

Como eu disse no começo do texto, também dá para ir e voltar de uber/cabify. Pode valer a pena principalmente para quem viaja em grupo. Foi o meu caso: pagamos cerca de R$ 40 por trecho, um ótimo custo/benefício. Quem optar por ir de carro precisa apenas seguir pela Avenida Cristiano Machado e depois pela BR-262, sentido Vitória. Espere gastar entre 30 e 40 minutos na viagem.

Sabará, MG

Exceto durante festivais, onde pode compensar ficar mais tempo, acho que Sabará é o caso ideal para um bate-volta. Se preferir ficar mais tempo, porém, há opções de hospedagem por lá. Você acha uma lista com algumas das pousadinhas de Sabará aqui.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: