Visita ao Museu Nacional de Antropologia, na Cidade do México

Visita ao Museu Nacional de Antropologia, na Cidade do México

As 24 toneladas já deixam óbvio que a Pedra do Sol é grandiosa, mas nem por isso é fácil absorver o impacto de vê-la pela primeira vez. Esculpida no começo do século 16, a peça de 3,58 metros de diâmetro foi enterrada nas ruínas de Tenochtitlan, antiga capital dos astecas, logo após a conquista desta pelos espanhóis, em 1521.

Tenochtitlan veio abaixo e assim nasceu a Cidade do México, ali, naquele mesmo lugar, com a Catedral ocupando o endereço de um antigo santuário asteca. A Pedra do Sol dormiu por 269 anos, enterrada embaixo de uma civilização que nascia. Sua redescoberta, por causa de escavações naquela região, teve tanto impacto quanto o causado nos europeus que viram a grandeza de Tenochtitlan pela primeira vez. Hoje, nos resta imaginar essa sensação. O painel do artista Diego Rivera ajuda a imaginar o que foi aquela época.

Veja Também: Onde comer na Cidade do México: dicas de restaurantes

Luta Livre Mexicana, esporte e espetáculo na Cidade do México

Onde ficar na Cidade do México: dicas de hotéis e bairros

P

Tenochtitlan vista do oeste, em painel de Diego Rivera. Nesse local hoje está a Cidade do México

A grandiosidade desse povo pré-colombiano fica evidente em todos os artefatos guardados na sala Mexica – como os astecas eram conhecidos -, no Museu Nacional de Antropologia, que fica na Cidade do México. Ali, no centro da sala, a Pedra do Sol é a principal atração. Enquanto dezenas de visitantes tiram fotos, outros tantos tentam entender as inscrições nessa escultura, que, ao contrário da crença popular, não é exatamente um calendário, embora os ciclos daquela civilização estejam representados ali.

No centro da imagem está Tonatiuh, o Deus Sol, que segura um coração humano em cada mão e cuja língua é uma faca cerimonial. Para alguns arqueologistas, isso mostra que a pedra era usada em cerimônias religiosas que envolviam sacrifícios humanos, e não para funções astronômicas.

museu nacional de antropologia

Pedra do Sol

A Pedra do Sol pode até ser o ponto alto, mas é apenas um dos motivos para você reservar um dia inteiro para visitar o Museu Nacional de Antropologia. E de preferência faça isso nos seus primeiros dias no país, uma introdução para visitar ruínas dos vários povos pré-colombianos que viveram ali, como Chichén Itzá, Palenque, Uxmal e, claro, Teotihuacán, as mais próximas da Cidade do México.

Teotihuacán, México

Teotihuacán, que hoje está a 50 km da Cidade do México

Inaugurado em 1964, o Museu fica colado com o Parque de Chapultepec e com a Avenida de la Reforma. O prédio do museu é uma atração por si só, com uma estrutura enorme no centro, que lembra um guarda-chuva, e de onde cai água.

O museu está dividido em duas partes: Arqueologia, onde estão artefatos e obras de povos como os maias e os astecas e que ocupa 11 salas em todo primeiro andar; e Etnografia, que fala do estilo de vida desses mesmos povos nos dias de hoje. Este setor ocupa 12 salas no segundo andar do museu.

museu de antropologia

Comece sua visita pelo primeiro andar e só suba as escadas depois de ver todo setor de arqueologia, que é o mais importante. Caso contrário, você corre o risco de gastar muito tempo na parte de Etnografia, forçando com que você tenha que correr justo na hora que a coisa fica mais interessante.

As duas primeiras salas da parte de arqueologia, à direita da entrada, são Introducción a la Antropología Poblamiento de América, uma preparação para o que vem pela frente. Ali você vai encontrar fósseis, artefatos e reproduções que contam a história dos primeiros homens, mas o destaque por ali são os restos de um grande mamute que viveu há 15 mil anos e que serviu de alimento para um grupo de caçadores primitivos.

museu do méxico

As salas seguintes são Preclásico Altiplano Central e Teotihuacán. Vale prestar bastante atenção nas explicações desta última, já que o passeio de bate-volta até as ruínas de Teotihuacán, que estão a cerca de uma hora da Cidade do México, é um dos pontos fortes da viagem ao país – e assim sua visita terá muito mais sentido. Por ali, destaque para o Disco de la muerte, descoberto em 1963, durante escavações na Pirámide del Sol, a maior de Teotihuacán e terceira maior do mundo, com 65 metros.

Disco de la muerte Clásico

Disco de la muerte

Seguindo com a visita, as próximas salas são Los Toltecas y el Epiclásico e a Mexica, a maior delas e que ocupa posição de destaque no Museu. É lá que está a Pedra do Sol, além de outras peças interessantíssimas, como a  Piedra de Moctezuma, uma enorme escultura circular que era usada em combates cerimoniais.

Guerreiro inimigos, que tinham sido capturados por astecas, eram presos pelo pé nessa pedra e tinham que lutar contra soldados muito mais bem equipados. Por conta de objetos assim, a sala Mexica é talvez a mais importante do museu – se você tiver pouquíssimo tempo, aconselho que vá direto lá.

Museu de Antropologia

Piedra de Moctezuma

As salas seguintes são Culturas de OaxacaCulturas de la Costa del GolfoMayaCulturas de OccidenteCulturas del Norte. Na área reservada para os habitantes do Golfo fica a Cabeza colosal, esculpida entre 1200-600 a.C.

visita ao museu de antropologia

Já na Maya, um ponto alto é a Máscara de Pakal, feita com jade e obsidiana, para o funeral de K’ihnich Janaab’ Pakal, que governou dos 12 aos 80 anos e viveu no século 6, o que faz do reinado dele o mais longo do hemisfério ocidental. A tumba de Pakal, o Grande, foi redescoberta em 1948, nas ruínas de Palenque. Uma reconstrução dela se encontra no Museu de Antropologia.

mascara de pakal

E por falar em reconstruções, por ali há várias, afinal não é possível (e nem desejável) remover ruínas inteiras de lugar. Várias salas estão interligadas com jardins, onde os arquitetos reconstruíram modelos de templos e locais importantes de vários povos.

Depois de visitar toda a área de Arqueologia, suba, enfim, para a de Etnografia. No final, uma lojinha de souvenirs aguarda os turistas e vende alguns itens interessantes. É possível fazer um lanche nas barraquinhas em frente ao museu e continuar o dia no Parque de Chapultepec.

Visita ao Museu Nacional de Antropologia: informações úteis

O Museu funciona de terça a domingo, entre 9h e 19h. A entrada custa 70 pesos e pode ser paga no cartão de crédito (à esquerda, do lado oposto aos guichês, há totens em que você pode fazer a compra por conta própria e que costumam ter filas menores). É possível pagar por um audioguide, mas há visitas guiadas gratuitas em determinados horários. Detalhes aqui. Há guarda-volumes no local e boa estrutura de acessibilidade para pessoas com capacidade de locomoção reduzida.

As estações de metrô mais próximas são a Auditorio (Linha 7) e Chapultepec (Linha 1) – a passagem do metrô da Cidade do México custa apenas cinco pesos, o que é baratíssimo.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: