Para que serve uma coluna LGBTQI+?

Para que serve uma coluna LGBTQI+?

Há lugares nesse mundo que são sem-par, e a Turquia é um deles. Tem um pé na Europa e um pé no Oriente Médio. Um flerte progressista daqui, um abraço conservadorista dali. Ora o pêndulo se inclina para uma democracia estável e cheirosa, ora aponta pro autoritarismo mais empoeirado. Para um viajante LGBTQI+, um mistério: como devo me comportar? Acredito nas juras de amor para a União Europeia, e estou liberado para ser pintosa? Ou me lembro de episódios homofóbicos, como a repressão policial contra uma parada do orgulho, e faço o machinho?

coluna lgbt 360meridianos

Parada LGBTQI+ em Istambul, 2016. Crédito: Shutterstock

Lembro que já pousei em Istambul com meu ex-namorado pisando em ovos, a começar pelo guichê da imigração. Estão juntos? Qual é a relação? Devemos mentir? E se nos descobrem? Será que viram as últimas bitocas inocentes que trocamos no avião? “Somos amigos”, respondemos oficialmente, e o guarda carimbou satisfeito nossos passaportes sob seu bigode grosso, como se tivéssemos acertado a resposta de um milhão.

Perdidos feito dois bons turistas pré-smartphone, rodamos pelo bairro de Sultanahmet em busca do nosso hotel. No caminho, cruzamos com homens de braços entrelaçados, até de mãos dadas. Seria a descoberta da cura hétero? “Ó lá, talvez aqui seja mais tranquilo do que pensamos”, disse. “Eles não parecem gays, deve ser cultural”, fui alertado. O check-in no hotel logo tiraria a prova.

Depois das burocracias mais longas do que a inscrição para receber a carteirinha gay, subimos, exaustos, ao nosso quarto. Duas camas de solteiro. Murchamos feito dois bonecos de posto em fim de expediente. Buscamos a reserva, um pedaço de papel amarfanhado, onde constava, sem o menor espaço para dúvidas: cama de casal. Discutimos se deveríamos descer e brigar, nos colocando em riscos desconhecidos, e decidimos que valia a tentativa. Poxa vida, era uma semana de hospedagem (que incluía o réveillon) e achamos que tínhamos o direito de dormir juntos como fazíamos todos os dias em casa. Não estávamos sequer preocupados com o sexo, porque a prática não exige leito, sabemos todos.

Voltamos tensos à recepção e perguntamos da forma mais evasiva. “Há um problema com nosso quarto, como ele consta na reserva?” A mulher revirou seus arquivos, olhou, e cravou: “está correto”. “Tem certeza?”, argumentamos, “dá uma olhadinha no que fala a respeito da cama”. Ela murmurou reafirmando sua posição, com cara de poucos amigos. Nós nos entreolhamos e achamos melhor deixar para lá. Nos dias seguintes faríamos o mesmo ritual: jogávamos o criado-mudo que as separava para o canto e juntávamos as duas camas, com um pequeno vão entre elas. A governança arrumava o quarto e lá estavam separadas novamente pelo bendito móvel. Sete vezes.

Quando o 360meridianos me convidou para escrever uma coluna sobre viagem LGBTQI+, eu fiquei refletindo se havia necessidade de ela existir. Me parece que os destinos estão preparados para receber esse nicho de turistas. Mais do que isso, estão mesmo é almejando o tal do “pink money”, que já movimenta US$ 3 trilhões ao ano no mundo. Ouso dizer que, em cidades como Berlim ou Amsterdã, divisão de gênero e orientação sexual já é assunto do passado. Consultei amigos viajantes gays e a resposta foi unânime: quando caímos na estrada, geralmente pesquisamos como qualquer pessoa. Talvez umas festas, onde rola o nosso agito, perigos, mas no fundo somos mais comunzinhos do que se imagina. Quase enfadonhos.

coluna lgbt 360meridianos

Casal na Parada LGBTQI+, em Istambul, 2014. Crédito: Shutterstock

Redescobri a urgência em escrever esta coluna ao lembrar da emblemática história do quarto em Istambul. E percebi quantos assuntos ainda pedem para ser discutidos dentro do tema. Escrevo a primeira edição torcendo para que um dia a coluna se torne obsoleta e deixe de existir. Mas, enquanto houver um criado-mudo entre duas camas, estarei por aqui.

Meu pai sempre me disse que a melhor coisa da vida era viajar. Eu acreditei. Misturei as formações em Turismo e Jornalismo para viver de viajar e contar tudinho. Parti de uma cidadela de 30 mil habitantes para morar em SP, EUA e Alemanha, visitar mais de 40 países (e contando) e acumular as histórias mais malucas. Estou também no Instagram @vi_gouvea

25 comentários em Para que serve uma coluna LGBTQI+?

  1. Muito bom ler isso. Afinal as dúvidas são recorrentes. Mesmo assim nao espero que ela setorne obsoleta no futuro, mss que apenas os assuntos sejam tratados com ttant naturalidade, que um csso como o seu ds Turquia nem apareça num post. Quem sabe um dia seremos considerados apenas mais uns no meio da multidão…. Nesse sentido, adoraria isso.

  2. Oi, Victor. Parabéns pela coluna. O pessoal do 360 é demais e seus textos só vão agregar mais e mais. Tive os mesmos pensamentos que você quando tirei o Viaja Bi! do armário em 2014. Será que ele é necessário? Tomara que um dia não seja mais. Mas mesmo com 3 anos de história, ele se prova, (in)felizmente, cada vez mais urgente. Assim como seu espaço de fala. Um exemplo disso é que esse post, de janeiro de 2015 (https://viajabi.com.br/os-20-paises-mais-homofobicos-do-mundo/) ainda se faz relevante hoje. Uma pena. Obrigado por compartilhar suas histórias. 🙂
    bjs

    • Oi, Rafael! Que legal poder trocar experiências sobre o tema com você, que sabe melhor do que ninguém onde moram as resistências. Obrigado pela visita e vamos seguir trocando figurinhas. Abraço!

  3. Ótima ótima ótima coluna! Temos que ser vistos, ouvidos e, principalmente, respeitados.

    Minha primeira viagem internacional foi pra Turquia. Tirei aliança, não andávamos de mãos dadas, éramos só “amigas”. Veio medo de apanhar, de ser perseguida e sabe-se lá mais o quê. A cama era de casal, mas o medo (de ser mulher, lésbica e estrangeira) falou mais alto.

    Já no Uruguai (pasme!), tive que brigar em alto e bom tom com um recepcionista homofóbico que claramente não queria nos receber no hotel. Cheguei um dia depois da reserva e, mesmo assim, ele me colocou num quarto triplo. Briguei. Ele disse que não havia outras camas. Vários casais, que faziam check out, alertaram a ele que estavam saindo e, portanto, havia quarto sim. Ele não queria ceder. O hotel ficou indignado com a postura autoritária e nada arbitrária desse funcionário. Depois de algumas horas e muito grito, ele cedeu. Mas é assim, uma luta por dia. Enquanto houver preconceito, haverá medo. Mas enquanto houver coragem, estaremos aqui, lutando para sermos vistos e respeitados, como qualquer outro ser humano!

    Se já amava o 360,agora amo ainda mais!
    😉

    • Oi Natalia! Obrigado pelo comentário. É legal quando as nossas histórias reverberam nos outros. Parabéns pela sua postura no Uruguai, é todo dia uma pequena luta, mas que vale a pena se as próximas gerações não precisarem mais passar por esses dilemas. Continue visitando a coluna =)

  4. Pois comigo aconteceu o contrário, reservei duas camas e colocaram eu e minha amiga num quarto com cama de casal.
    Embora eu disesse que constou na reserva que eram duas camas que eu queria, e na foto também serem duas, eles escareceram que, por aquele preço que paguei, só era possível cama de casal. Paguei a diferença de preço e mudei de quarto, simples assim.
    Já pensou na possibilidade de eles separarem as suas camas todos os dias porque o quarto ficava mais arrumado e fácil de limpar assim?

    • Oi Denise, obrigado pelo comentário. Há casos e casos, sem dúvida, e há milhares de possibilidades. Seja lá qual for o caso, um hotel hoje em dia precisa estar atento a essas questões de gênero para não ser preconceituoso (independentemente do motivo deles). Para quem é LGBTQI+ isso ressoa de maneira diferente do que para você, pode acreditar. Que venham boas discussões adiante, um abraço.

  5. Ameia nova coluna. Realmente é um assunto que deve ser abordado, falado, comentado exaustivamente. Já recebi olhares feios por pedir cama de casal em alguns hotéis, não me deixei abalar e sacudi a poeira. Parabéns 360 meridianos! Parabéns Victor.

  6. Esse texto aqueceu meu coração quando me dei conta que vocês insistiram sete vezes para as camas continuaram juntas, mesmo a gerência mandando arrumar. É uma analogia da própria vida. Todos querendo separar as camas, e a gente tirando força para juntar todo santo dia (ou noite).

    Estou ansioso para ler os outros textos dessa coluna. Obrigado. 🙂

    PS: pelo menos o Reveillón valeu a pena?!

    • Oi Leandro! Fico feliz de ter aquecido seu coração com o texto. Às vezes os detalhes importam tanto ou mais e os atos de resistências podem ser mínimos. A maneira como se vive já é um ato político, li essa semana. O reveillón foi médio, viu. Os países do norte cruzam os anos abaixo de zero, difícil acompanhar nossa alegria caliente. Um Abraço!

  7. Fiquei muito feliz de ver o 360 com uma coluna LGBT
    Parabéns 👏🏽👏🏽👏🏽
    Representatividade importa e LGBTs passam por coisas diferentes nas pesquisas e viagens
    Começou muito bem Victor!
    Quero pedir posts sobre a Ásia e como são os países de lá

    • Oi Rodolfo, obrigado pelo comentário! Eu já escrevi um sobre LGBTQI+ e Ásia, está no forno, logo menos aparece por aí. Sempre que tiver algum tema pertinente pode comentar que eu vou tentar falar sobre tudo. Um abraço, volte sempre.

  8. Meu filho… é muito bom saber que vc está sempre pronto para viajar fisicamente ou viajar pelas memórias que não são poucas. Realmente é como a Fenix que se renova sempre e sempre com capacidade de se renovar e criar. Parabéns pela nova jornada e parabéns sempre por todas empreitadas desafiadoras (ou não), mas sempre caracterizadas pela dedicação, responsabilidade e capacidade. Felicito então essa “mais uma” dentre tantas investidas em benefício de esclarecer e “ajudar” o próximo com um potencial invejável que naturalmente, com maestria nos brinda com seus escritos fáceis,muito envolventes e elucidativos. De seu pai que o ama de verdade e incondicionalmente.

    • O que dizer né, pai? Que privilégio poder ser apoiado assim pela família, e rodeado de tanto amor. Que sirva de exemplo pro mundo, amar também é resistir. Obrigado por tudo <3

  9. Dizer o que diante dessa sua nova empreitada que já começa contando uma história dessas. 2017 e, como diz você um criado mudo no meio. Vi, sei do seu potencial, dom, criatividade e capacidade, então, felicidades.

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: