Tags:
Atlas: Bruxelas, Bélgica

Atentados em Bruxelas: por que não desmarquei minha viagem

Eu já tinha minha terça-feira toda planejada. Fui à médica cedo, depois iria passar o dia na biblioteca escrevendo para minha dissertação. Mas enquanto estava na sala de espera, olhando desatentamente meu feed de notícias, um comentário me chamou a atenção: alguém mencionava alguma coisa sobre atentados em Bruxelas. Corri para a melhor fonte de informações instantâneas da internet, o Twitter, e lá já descobri que não só havia explodido uma bomba no salão de embarque do Aeroporto de Bruxelas, como surgiam as primeiras notícias sobre a explosão na estação de metrô Maelbeek.

Senti meu estômago cair no chão enquanto lia os poucos relatos até então sobre mortos e feridos. Já se desconfiava, e mais tarde veio a confirmação, de que os ataques estavam relacionados de certa forma com a prisão do responsável pelo terror em Paris, em novembro. Na cabeça não saia o pensamento: “Poderia ter sido eu”.

atentados em bruxelas homenagens

atentados em bruxelas estação maalbeek

Sim, porque a minha passagem para Bruxelas estava comprada. Eu embarcaria no domingo bem cedo para passar 3 dias da cidade. Já tinha comemorado esse mini descanso na nossa newsletter. De repente, a viagem, motivo de alegria, parecia ficar nebulosa.

O que fazer nessas horas? Enquanto eu lia compulsivamente sobre os atentados, começaram a chegar as primeiras mensagens de amigos e família que lembravam que eu iria para Bruxelas, mas não tinham certeza se eu já estava lá ou não. “Vocês não vão mais ir, né?” foi uma pergunta que rolou.

Difícil responder. Logo eu, que ano passado zuei muito o meu primo, que, desavisado, foi para Bruxelas bem no dia da ação policial que parou toda a cidade. Tudo fechado, nada funcionando. Para mim, agora, além do medo de novos atentados, também havia o medo de que fosse estar tudo fechado, parado. Como eu não ia sozinha, sentei para conversar sobre o que faríamos. Resolvemos ficar ligados nas notícias até sábado, mas não desistir da viagem.

A Naty já escreveu um post que resume bem a minha vontade de não desistir, mas vou repetir aqui: em primeiro lugar, dificilmente existem dois atentados seguidos, em datas tão próximas, numa mesma cidade. O policiamento é reforçado, aumenta o cerco contra os terroristas e, além disso, uma violência assim, dessa magnitude, não é planejada da noite para o dia.

E se pensarmos nos objetivos do terrorismo, eles são exatamente gerar medo e afastar as pessoas do lugar. E uma das nossas formas de lutar contra isso no mundo é não cortar uma cidade da lista de passeios porque ela sofreu um atentado. Foi assim com a Naty em Istambul, em fevereiro, e assim comigo em Bruxelas, em março.

E por fim, infelizmente, há uma certa inevitabilidade na vida. Às vezes, estaremos na hora errada e no lugar errado. Espero que eu nunca dê esse azar. Mas se eu for pensar em questão de probabilidade, dependendo de onde eu estiver no Brasil corro tantos riscos quanto em cidades europeias ameaçadas por terrorismo.

Claro, podemos tentar nos proteger. Nós, por exemplo, por conta da localização do flat alugado em Bruxelas, decidimos não pegar metrô: andamos muito a pé e, quando necessário, de ônibus. O que foi uma boa decisão, uma vez que os horários de funcionamento dos transportes ainda estavam meio confusos.

Place de Bourse atentados em bruxelas

Homenagens em frente ao Place de la Bourse

atentados em Bruxelas rua fechada

Boulevard Anspach com trânsito fechado para carros

atentados em bruxelas comissão europeia

Exército reforçando a segurança na região do Parlamento Europeu

Felizmente, dessa vez, não rolou o tal “lockdown“. Está tudo aberto e funcionando por lá – com exceção de algumas estações de metrô e da avenida que dá acesso ao Place de la Bourse, onde está o maior memorial às vítimas. A vida segue na cidade. Atrações turísticas estão abertas, as pessoas estão nas ruas, tomando cerveja nos bares, comendo suas batatas fritas e seguindo suas vidas.

bruxelas bélgica

bruxelas bélgica pub cafe

Conversei com minha amiga belga (ela não mora em Bruxelas, mas a irmã dela sim) e também com o cara que nos recebeu via Airbnb. Estavam muito tristes com o que aconteceu, mas também com a sensação de que não queriam se deixar levar por isso. Bruxelas é uma cidade linda, das mais lindas que já visitei. Muito diversa também.

Tive a chance de circular em diferentes bairros e ir além só do centrinho turístico: ouvi diversas línguas, cores, credos, estilos. Sei que muito do terrorismo se alimenta dessas diferenças – e o preconceito contra elas – para ganhar terreno. Ainda assim, torço para que momentos como esse, de alguma forma, nos tragam forças e muita reflexão para que haja menos medo e menos preconceitos. Só assim o terrorismo perde.

Se você, como eu, está se perguntando se deve ou não ir a Bruxelas por agora, fica aqui minha reflexão. Passei três dias incríveis na cidade e, mesmo neste momento delicado, fiquei feliz em não ter me rendido ao medo e desistido da viagem. É uma decisão pessoal e cada um sabe de si.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comentários sobre o texto “Atentados em Bruxelas: por que não desmarquei minha viagem

  1. Bom dia!

    Pretendo conhecer Bruxelas em outubro, em um bate e volta Paris/Bruxelas. Alguém poderia me informar se vale a pena esse bate-volta e quais os principais pontos que devo conhecer?

    Agradecida.

    Suzete Galvão

  2. Fui pra Bruxelas dia 01 de abril. o metro ainda nao funcionava tudo normal, e passei pela estaçao Maalbeek. Tinha homenagem as vitimas na frentee realmente da pena.
    Mas alem disso, adorei conhecer a cidade. Ela e linda, limpa, organizada y tem um ambiente legal. Nao acho que seja uma cidade sem graça como alguns falam. Fui so um dia em bate volta e vou voltar pra ficar mais dias. Parabens pela nota.
    Elvis do Paraguai 🙂

  3. Fiquei em Bruxelas por uma semana, há coisa de um mês atrás. Detalhe: fiquei hospedado em Molenbeek e tudo correu bem.

    É muito difícil imaginar isso acontecendo em uma lugar que mais parece uma cidadezinha interiorana da Europa. Quando li sobre os atentados, a ficha não caiu… até hoje, parece impossível que algo assim aconteça por lá. Mas aconteceu… 🙁

    Tomara que seja algo temporário e pontual. É uma BAITA de uma cidade bacana. Fora que os waffles, cervejas e chocolates são excelentes. 🙂

    Abraço!

    1. Pois é Rodrigo.
      É uma pena mesmo.

      E qual foi a sua impressão de Molenbeek? Eu já li muito sobre o preconceito que a população que vive lá sofre, mas não vi nenhum turista falando nada!

      1. Olha, se nada disso tivesse ocorrido e a “fama” do lugar não tivesse sido disseminada, creio que seria mais um bairro de maioria imigrante de uma cidade europeia. Lembrei-me de Ottakring, em Viena, se pudéssemos falar de bairros-irmãos da mesma forma que se faz com cidades.

        Não explorei muito as entranhas do bairro, pois as atrações principais da cidade ficam na direção oposta, no centro, e Molenbeek é um lugar mais residencial. Talvez por isso, achei até pacato o lugar.

  4. Luiza, eu também dificilmente cancelaria uma viagem por causa disso. Mas tenho que discordar que um atentado dificilmente vem seguido de outro. Isso acontece bastante!É que um segundo ataque pode ter menos sucesso porque o policialmento aumenta realmente. Mas acho que em cidades seguras como Bruxelas por exemplo, esse é um problema muito pontual para estragar uma viagem inteira! Eu sempre repito aos meus familiares que estou mais segura aqui que eles no Brasil, mesmo com todo o problema de terrorismo atual. Isso é muito verdade e é meu mantra quando me dizem para ter cuidado. E também não me rendo. No dia seguinte às bombas de 07/07 de Londres eu trabalhei e fui a um show, mesmo morrendo de medo. Porque a vida tem que seguir, e essa é a melhor resposta!

    1. Oi Liliana,

      Realmente não tinha pensado por esse lado do segundo ataque. Mas é isso, o reforço policial aumenta demais.

      Em Londres deve rolar preocupação o tempo inteiro – eu bem me lembro a evacuação do metrô atoa na minha primeira visita a cidade, eu Rafa e Naty nos desesperamos e o povo do lado reclamando que era a quinta vez na semana. O jeito é sempre seguir a vida e de certa forma, na Europa ou no Brasil, contar com a sorte.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.