Tags:

O que é a bolha de informação online e por que você deve ter cuidado com ela

“Eu queria viver no mundo encantado da minha timeline”, eu disse uma vez, perto das eleições de 2014. De esquerda que sou desde criancinha, eu julgava ter feito um ótimo trabalho no meu Facebook tirando todos aqueles com visões conservadoras ou que deixavam comentários que eu julgava sem embasamento político (não necessariamente de quem votava diferente de mim). A tarefa foi fruto de uma promessa de ano novo que eu tinha feito meses antes: parar de arrumar treta online, e estava funcionando muito bem. Timeline limpa, eu só recebia as atualizações dos meus amigos que pensavam mais ou menos como eu.

Mas essa limpa me fechou em uma bolha. Eu perdi completamente o contato com as ideias de quem estava “do outro lado”. Embora eu estivesse mais feliz ao não ter que ler comentários que me irritavam, eu também estava mais enterrada em um círculo onde todos concordavam entre si. Era um festival de likes e elogios. Só que era um monte de gente pregando para convertidos.

Bolha de infromação

Na vida real a gente já se relaciona com quem tende a ser mais parecido com gente, que compartilha valores e interesses similares, mas a internet deveria ser um espaço de debate público, um lugar para se conectar com gente com a qual você não se conectaria normalmente e ter contato com conteúdos e informações que não chegariam a você de outra forma.

Só que isso está se perdendo, e não é apenas por causa dos unfollows da vida. As próprias redes sociais, o Netflix, o Spotify e até o Google estão desenvolvendo algorítimos cada vez mais eficientes em mostrar pra gente apenas aquilo que a gente quer ver. E isso é um problema: para o debate, para a democracia, para a construção da nossa visão de mundo e opiniões e para o nosso crescimento pessoal.

O problema se agrava quando temos em conta que 60% dos usuários da rede se informam através das redes sociais. Isso quer dizer que para mais de metade das pessoas, as notícias que chegam até elas são as notícias que elas querem ler, não necessariamente o que é importante saber.

Nesse TED Talk, o pesquisador Eli Pariser, autor do livro “The Fitler Bubble: What the Internet Is Hiding From You”, explica os problemas de vivermos fechados nessa bolha. Para ele, essa tendência pode fazer com que questões relevantes caiam em um limbo de invisibilidade apenas porque não atraem o interesse imediato da maior parte das pessoas.

Além disso, a falta de confronto de ideias que desafiam nossa forma de pensar ajuda a fortalecer posições radicais e criar uma forte polarização entre a população. Sabe quando você sente que a política se tornou uma grande disputa entre torcidas de futebol? Pois saiba que a tal da bolha pode ter contribuído e muito para isso. Quanto mais somos expostos a ideias e opiniões que confirmam a nossa forma de pensar, mais nos agarramos a elas e nos fechamos às ideias contrárias.

Para Pariser, essa polarização tem consequências que ameaçam, inclusive, o processo democrático: “A democracia demanda que as pessoas sejam capazes de se colocar no lugar do outro, mas em vez disso nós estamos mais fechados dentro de nossas bolhas. Democracia demanda que dependamos daquilo que compartilhamos com os outros; em vez disso, estão nos oferecendo universos paralelos, separados”.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comentários sobre o texto “O que é a bolha de informação online e por que você deve ter cuidado com ela

  1. Natalia ótimo texto. Eu não gosto muito desses novos algorítimos desenvolvidos, porque eles nunca vão realmente saber o que queremos ver. Eu que moro na Austrália perco atualizações de amigos e familiares justamente porque as redes sociais acham que sabem o que quero ver e me mostram coisas que não são relevantes para mim. Porem e o caminho que a nova tecnologia esta seguindo. Adorei o tema!!
    Abraços.

    1. Obrigada, Giulia! Também não sou fã dos algorítimos. Detestei as mudanças no Instagram e no Twitter.

      Abraços!

  2. Ola Nathy!
    Essa é uma otima discussão. Eu sinceramente tenho minhas dúvidas se realmente temos ter acesso a todo momento com opiniões diferentes. Não assisti o vídeo, mas o argumento de que a democracia estaria ameaçada não me parece muito coerente, pois o acesso à informação da forma que existe hoje não existia há poucos anos, porém a democracia está aí há muito mais tempo.
    Eu tb fiz essa limpa na minha timeline, na verdade até andei saindo de algumas redes sociais e sinceramente me deu muito mais paz de espírito depois disso. Não penso em voltar atrás.
    Acho que opiniões contrárias às nossas sempre aparecerão, seja de amigos, familliarres, colegas de trabalho, meios de comunicação e mesmo redes sociais.
    De qlqr forma parabéns por trazer essa discussão à tona!
    Abs
    Anderson.

    1. Ei Anderson, mas é exatamente porque antes a informação não era selecionada da forma como é hoje que o argumento é válido! A gente se sentava para ver tv e via o que o editor escolhia mostrar pra gente, com base em critérios de noticiabilidade (que podem ser questionados também, claro) e não com base no que a gente queria ver. Eu tento tirar gente ignorante da timeline, gente com visões preconceituosas e tal, mas pessoas que pensam diferente de mim, porém são inteligentes e tem bons argumentos eu gosto de deixar.

      Abraços!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.