fbpx

O que é Empreendedorismo Social? Um jeito diferente de pensar “negócios”

Quando eu conheci a Sawa World, ainda não sabia muita coisa sobre empreendedorismo social, apesar de já estar na metade do primeiro semestre do Mestrado. Talvez por isso a professora propôs esse trabalho desde o princípio: conhecer, analisar e avaliar a atuação do empreendimento social no mundo.

A Sawa World é uma organização em Kampala, Uganda. A empresa foi criada por uma holandesa filha de diplomatas que cresceu na Tanzânia. Em seu percurso profissional em organizações de ajuda internacional e governos, ela observou que a dinâmica de combate à pobreza destas instituições era extremamente ineficaz. Ao mesmo tempo, ela percebeu a capacidade criativa com que muitos líderes locais resolvem problemas em diversas comunidades pobres com recursos escassos. Só que ninguém dava ouvidos ao que essas pessoas tinham a dizer sobre os próprios problemas.

Saiba mais: Uma experiência de intercâmbio em Uganda

A empresa faz um trabalho fantástico: sua premissa é buscar “soluções que vem de dentro”. Ou seja, o que eles fazem é identificar soluções práticas e efetivas de combate à pobreza criadas por líderes em comunidades pobres. Essas soluções são documentadas em vídeos e cartazes por jovens, os Sawa Youth Reporters, que normalmente também são pobres e desempregados e são contratados pela Sawa World.

O objetivo da confecção desse material de divulgação é explicar o funcionamento de uma solução e divulgá-la em escolas e centros comunitários, onde se encontra o público-alvo da organização, jovens pobres de 17 a 25 anos, para que eles possam ter acesso a essas ideias e se sintam inspirados a replicá-las em suas próprias comunidades.

empreendedorismo social

Leia também: O que é Turismo Comunitário?

De empreendedorismo, todo mundo já ouviu falar e até sonha em empreender. Empreendedorismo é a criação ou recriação de um negócio que gera valor para os empreendedores ou sociedade e que aposta na inovação para aproveitar as oportunidades existentes e mobilizar recursos. O que diferencia um empreendedor de uma pessoa que simplesmente abre um negócio é a capacidade dos primeiros de usar dessas oportunidades para criar mudança. O termo empreendedorismo é muito antigo, usado desde o século 19, mas é nos anos 1950 que um autor chamado Shumpeter identifica o empreendedor como agente de mudança econômica e uma pessoa capaz de mobilizar recursos e ultrapassar riscos para inovar e gerar valor.

O empreendedorismo social segue mais ou menos a mesma linha, mas ao mesmo tempo é muito diferente. Basicamente, essa noção de inovação, de aproveitar as oportunidades, de vencer os desafios, ser criativo, corajoso, essas características estão todas lá. A questão é que a finalidade da mudança, do valor gerado, é outra. Não se trata de acumular riqueza ou lucro, mas sim gerar valor social. Como a ideia para a criação da Sawa World – e muitas outras ideias que surgem mundo afora.

Gregory Dees, professor da Universidade de Duke, explica melhor sobre essa ideia de empreendedorismo social: “combina a paixão de uma missão social com a imagem de uma disciplina de negócios, inovação e determinação normalmente associada, por exemplo, com os pioneiros tecnológicos do Vale do Silício. Estamos num momento certo para abordagens empreendedoras para problemas sociais. Muitos esforços governamentais e filantrópicos acabaram ficando abaixo das expectativas. Grandes instituições do setor social são comumente vistas como ineficientes, inefectivas e pouco responsivas. Empreendedores sociais são necessários para desenvolver novos modelos para o nosso século”.

empreendedorismo social

Dees descreve, ainda, quais são as características ideais dessa figura do empreendedor(a) social, tais como adotar uma missão de criar e gerar valor social, além do simples valor privado; reconhecer e procurar novas oportunidades para servir a essa missão; se empenhar na busca pela inovação, adaptação e aprendizagem; ser ousado e não se limitar aos recursos disponíveis no momento; e ser transparente e responsável sobre as contas e resultados obtidos.

Ou seja, trata-se de pensar iniciativas que não precisam necessariamente ser não-lucrativas. Mas pensar em ideias e projetos que podem funcionar como um negócio, mas que são capazes de gerar mudanças com impactos positivos para a sociedade. Aqui no blog já demos alguns exemplos interessantes, como a Happee, a Visit.org e a GAdventures.

As iniciativas de empreendedorismo social podem cobrar taxas por seu serviços, como qualquer empresa, e também podem buscar doações, necessitar de voluntários e outros recursos. É muito difícil medir esse tal valor social criado, mas, ao mesmo tempo, essa é a missão central dos empreendedores sociais.

O empreendedorismo social pode surgir em qualquer área.  E apesar do termo ser relativamente recente, o fenômeno não é. A nossa sociedade sempre conviveu com empreendedores e empreendedoras sociais, que criaram muitas da instituições que hoje nós consideramos comuns.

Se você se identificou com o tema, pode pesquisar mais sobre o assunto por meio de iniciativas que apoiam empreendedores sociais, como a Ashoka Brasil ou a Endeavor. Também é interessante ler esse artigo que as coordenadoras da Ashoka escreveram, com dicas para quem quer se tornar um empreendedor social.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.