fbpx
Tags:

Flexibilidade vale muito mais que dinheiro

O assunto nas mesas de bar é quase sempre igual: demissão. Mesmo no meio da crise, mesmo com a baixa perspectiva de recolocação no mercado de trabalho, muitos dos meus amigos e vários conhecidos sonham com o dia que em que entrarão na sala de seus chefes e dirão que não querem mais fazer parte daquilo tudo.

E vários deles vão além do sonho. Já começaram a juntar dinheiro para aguentar os meses de readaptação, já repensam o orçamento, cortam gastos e traçam planos e projetos que permitirão que o dinheiro continue entrando mesmo após a saída da empresa. Quase todos garantem que o dia da demissão vai chegar. E não tardará. E isso sem falar daqueles que já passaram por esse processo, saíram de bons empregos e repensaram a vida profissional – eu estou neste segundo grupo.

Em todos os casos, sem exceção, o motivo é o mesmo. E a infelicidade profissional. Gente que trabalha nas maiores empresas da área, que tem bons benefícios, salários compatíveis com a carreira e idade, mas é profundamente infeliz, pelo menos na carreira. O problema é que o danado do emprego toma pelo menos oito horas diárias, sem contar o deslocamento, então ser infeliz na profissão significa ser infeliz durante a maior parte do dia. “A tristeza começa quando estou no metrô, a caminho do trabalho, e só acaba quando volto para casa”, diz um. “Não suporto nem estar ali, me dá uma vontade absurda de chorar”, diz outra.

Todos querem tempo. E topam ganhar menos para alcançar isso. Não querem passar o dia inteiro no escritório; sonham em ter tempo para os amigos, filhos, parentes, cachorro, gato, para eles mesmos. O mantra perseguido por todos é a tal da flexibilidade. Poder montar seu próprio horário de trabalho, não ter a obrigação de ficar oito horas no escritório, sentado na frente do computador, mesmo que a demanda profissional do mais duro dos dias, com toda a procrastinação possível, não passe de quatro ou cinco horas realmente produtivas. São prisioneiros, pessoas que torcem para o dia acabar, para a semana acabar, para o mês acabar, até que chegue o melhor mês do ano, o das férias. E assim, entre meses de sofrimento e 30 dias de alento, torcemos pela aposentadoria.

Como muitos dos meus amigos são jornalistas, vejo outro fenômeno comum, mas que não sei dizer se está limitado a esse campo profissional. Não tenho um amigo sequer que pretenda continuar trabalhando com jornalismo nos próximos anos. Trabalho na redação de algum veículo tradicional? Nem pensar! Emprego que tenha plantão aos finais de semana e direitos trabalhistas repetidamente desrespeitados? Não quero. E foi assim que muitos dos meus colegas deixaram a área profissional para qual foram treinados, durante anos, para assumir. Num grupo de 20 amigos e conhecidos que se formaram comigo e começaram a carreira trabalhando em redações, acho que só dois ou três continuam nesse caminho. Mas até esses prometem sair.

Veja também: Vamos conversar sobre empreendedorismo? 

O mito da síndrome da geração Y

tempo é mais importante que dinheiro

Comigo não foi diferente. A insatisfação profissional começou em 2010, época em que eu trabalhava numa emissora de TV, em Belo Horizonte. A empresa, para os padrões de meus pais, avós e tios, era ótima, mas não me lembro de ter sido tão infeliz profissionalmente em nenhum outro lugar. Eu passava a maior parte do tempo sem ter nada para fazer, o salário não era dos melhores, não via perspectiva de crescimento – e se via o caminho não era na direção que eu gostaria de seguir – e não tinha qualquer desafio além de não surtar ao entrar no escritório da firma. Surtei várias vezes.

Depois de muito relutar, resolvi dar um tempo do trabalho e viajar pelo mundo. Vendi meu carro, juntei todo dinheiro que consegui e passei meses fazendo frilas e até trabalhando num segundo emprego, num cursinho de inglês. O quanto eu odiava trabalhar no meu emprego principal ficou claro ali: logo comecei a gostar mais do trabalho no cursinho, onde eu ganhava um salário mínimo, que do meu trabalho dentro do jornalismo.

Viajei, voltei e tive um choque de realidade. Era preciso voltar para o mercado de trabalho. Logo surtei novamente. E pedi demissão. Três vezes em menos de dois anos, sempre pelo mesmo motivo – eu era infeliz num trabalho que não me desafiava e sentia que estava apenas perdendo horas preciosas de vida. Foi nesse momento, lá em 2013, que este blog, então um projeto paralelo, virou uma profissão de três jornalistas. Empreender foi a saída para minha infelicidade profissional porque não encontrei uma única empresa que tivesse um modelo de trabalho minimamente parecido com aquele em que eu acredito, em que a felicidade dos envolvidos pesa até nas pequenas decisões. Em que o escritório não é uma prisão, mas liberdade.

Veja também: Como ganhar dinheiro com um blog de viagem

Por que ninguém respeita o home office?

flexibilidade no trabalho

Já contamos essa história várias vezes aqui no blog e, por mais que isso tenha dado certo no caso do 360, sou o primeiro a dizer que essa – viver de um blog de viagem – não é a saída para todo mundo. E, das saídas existentes, passa longe de ser uma das mais fáceis. O movimento do “largue tudo para viajar”, que tomou a internet a partir de 2012, mascarou uma questão importante. A maioria das pessoas não queria largar o emprego para viajar, mas porque estava insatisfeita. Uma multidão que sonhava em largar seus empregos porque seus empregos eram ruins. Nada mais.

E não pense que o problema é, como já ouvi várias vezes, que essa geração é mimada, acha que merece a vitória e, ao se deparar com as dificuldades do mercado de trabalho, faz birra e resolve torrar o dinheiro dos pais pelo mundo. Não. O que muita gente dessa geração quer é satisfação profissional e mais tempo, mesmo que para isso tenha que ganhar menos.

E note que o “geração” aqui é uma parcela da população que sim, cresceu cheia de privilégios, ainda mais num país tão desigual como o Brasil. Mas por mais que passe longe de representar a maior parte da juventude brasileira, que ainda luta para pagar as contas básicas do dia a dia, colocar comida na mesa e só depois disso poderá realmente lutar pela felicidade profissional, os  jovens que agora chegam aos 30 e poucos e acumularam cursos, idiomas e experiências no currículo não deixam de ser um componente importante do mercado de trabalho.

Gente que não sonha em subir posições numa grande empresa, mas em ter uma vida simples, porém satisfatória. Gente que troca a carreira dos sonhos dos vinte e poucos pela tranquilidade dos 30. Que se descobriu feliz trabalhando com comida, embora seja formado em engenharia; cuidando de cachorros e gatos, embora antes fosse gerente de marketing de alguma multinacional; que resolveu fabricar cerveja, mas antes era servidor público.

Há alguns meses, conversando com profissionais bem mais velhos que eu, com carreira consolidada no mercado, esse assunto voltou ao centro das atenções. Eles – que tinham filhos com 20 anos e que já mostravam objetivos profissionais incompreensíveis para os pais – queriam saber como tinha sido o meu percurso. E voltou a mesma ladainha de sempre: as grandes empresas de hoje não querem profissionais com esse espírito livre, diziam eles, não querem nem ouvir falar de flexibilidade – a não ser, claro, que seja flexibilidade na legislação trabalhista, não entendem que as demandas dessa “geração” sejam válidas, afinal o mundo sempre foi assim, as pessoas sempre foram infelizes no trabalho. “Ou você acha que eu faço o que sempre quis?”, perguntou um deles.

Mesmo convivendo com esse assunto há anos, fiquei perplexo. Se chefes e gestores de grandes empresas assumem que tem um monte de gente que simplesmente não quer trabalhar para eles – ou que só faz isso infeliz e porque todo mundo precisa pagar as contas -, como é possível que ainda culpem a geração?

O mundo mudou e, nos mais variados sentidos, nada é mais como antes. O assustador não é o profissional que prefere ganhar metade do salário, mas ter tempo para ficar com a família, ler um bom livro e curtir a vida da forma que achar melhor. O assustador não é a advogada com mestrado e fluente em três idiomas, mas que recusa uma multinacional e prefere vender yakisoba na praça no bairro; não é o jornalista que, aos 30 e poucos, pretende abrir uma empresa e fazer pães e bolos, mesmo assumindo que abrir a próprio negócio consome muito tempo, mas pelo menos quem vai determinar a rotina será ele.

Não. O assustador é perceber que a maioria das grandes empresas escolhe fechar os olhos e dizer que todo esse movimento é birrinha geracional.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

18 comentários sobre o texto “Flexibilidade vale muito mais que dinheiro

  1. Muito bom o texto!! Eu aprendi na pratica, tive a coragem de chutar uma carreira de 34 anos para começar outra do ZERO!

  2. Muito bom texto , trbaralho com orientação de carreira e vejo isto todos os dias. Antes de pedir flexibilidade no trabalho e importante assumir ser flexível consigo mesmo.Obrigada pela reflexão.

  3. Que demais seu texto, Rafa!

    Estou nessa categoria de salário OK, mas infeliz de segunda à sexta. É muito difícil conversar sobre isso com algumas pessoas ( não apenas as de outras gerações). Já ouvi indiretas de que não gosto de trabalhar, que reclamo de barriga cheia, que tenho um bom salário, que estamos em crise e que tenho que agradecer ao meu maravilhoso cargo, e a velha de que também não faço o que gosto, mas tenho contas pra pagar ( como se eu não tivesse as minhas ).
    Acho que algumas pessoas não se incomodam tanto com empregos em que não evoluem ou que não as satisfazem desde que sejam bem remunerados. Já eu, vivo nessa luta de acordar e não ter vontade alguma de ir para aquele lugar, muito menos falar sobre trabalho nas minhas horas livres há alguns anos.
    O livro “Como encontrar o trabalho da sua vida” do Roman Krznaric (coleção do The School of life ) nos leva a boas reflexões a esse respeito. Recomendo pra quem está nessa de se questionar tb!
    Enfim, coloquei uma data na cabeça e estou juntando dinheiro para o tão esperado dia, o dia de pedir demissão. o/
    Só resta ter paciência de ir seguindo com o foco dia após dia esperando o próximo fds, feriado ou férias ( e hj é sexta, que felicidade! rs) .

    Obrigada por compartilhar!
    Abraços

    1. Não conheço o livro. Obrigado pela indicação, Camila. Vou procurá-lo. E boa sorte nos planos. Eu sei que quando a gente está no olho do furacão parece que o problema nunca vai passar. Eu tinha a impressão que seria infeliz no trabalho pra sempre. É assim com todo mundo que passa por isso. Mas, com planejamento, coragem e persistência, dá para resolver isso. Uma hora a situação muda.

      Então é isso: coragem. E não desista de ser feliz profissionalmente. 🙂

      Abraço.

  4. Você não sabe o quanto é aliviante ler esse texto, ver alguém compartilhar das mesmas frustrações que você. Frustrações essas extremamente mal compreendidas pela maioria das pessoas (seja pela rotina anestésica, por realmente (?) gostar de viver esses “Tempos Modernos”). Enfim, é bom saber que não é o único que gostaria de ter mais da vida. E Parabéns pelo texto.

    1. Obrigado pelo comentário, Matheus. Teve o mesmo efeito por aqui, de saber que outros pensam o mesmo.

      Abraço.

  5. Palavras precisas, parabéns pelo texto!Eu mesma apliquei em minha vida os preceitos de que tempo é a verdadeira riqueza: deixei um cargo de gestão para ganhar metade do que eu ganhava, mas trabalhando menos e no que amo (atendimento clinico como psicóloga), o que me deixou com tempo para meus luxos: família, afetos, literatura e cultura em geral, viagens, ócio criativo… E ainda posso me dedicar ainda mais a uma outra paixão, a escrita, tanto que lanço nessa semana meu primeiro livro de poemas.

  6. Parabéns, Rafael!

    Teu texto/depoimento é libertador!

    Obrigado por compartilhar tamanha vivência. Sorte nossa!

    Abraço

  7. Parabéns Rafael. Eu fiquei com vontade de ler esse texto para todas as pessoas do mundo. Já que uma parte delas apenas existe, não vive, não ama, não sente. Eu amo esse site. Por favor, continuem com esse conteúdo riquíssimo. Abraço.

  8. Ótimo texto Rafael, como sempre

    Há pouco mais de um ano também fiz essa transição, mas no meu caso foi da profissão de arquiteto para algo que eu não entendia nada, escrever para um veiculo de comunicação, no caso meu blog.

    Nunca fui tão feliz profissionalmente, mesmo que eu ainda não esteja ganhando o suficiente para me manter, esteja trabalhando meio que 24 horas por dia e tendo que fazer freelas em separado. Mas acho que to no cominho certo.

    Abraços

    1. Boa sorte nessa empreitada, que sei que é difícil, mas é recompensadora, Flávio!

      Abraço e obrigado pelo comentário.

Comentários estão fechados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.