Os templos gregos e as ruínas romanas de Paestum, na Itália

Os templos gregos e as ruínas romanas de Paestum, na Itália

Nem todo mundo que passa por Nápoles ou pela Costa Amalfitana sabe que além de poder visitar as ruínas de Pompéia pode viver também a emoção e o encantamento de entrar e ver de pertinho um templo grego bem preservado. Sim, grego. Em plena Itália. Mais exatamente em Paestum, cidade italiana que é o título e tema deste post, onde você vai ver três templos gregos e alguns artefatos, tudo melhor do que você encontrará em Atenas.

Essa história começa na Magna Grécia, as antigas colônias gregas no sul da Itália, no século 8 a.C., que se estenderam pelas regiões da Campania, Puglia, Basilicata, Calabria e Sicilia. Por volta de 600 a.C, Poseidonia foi fundada – e seu nome é uma homenagem ao Deus dos Mares, Poseidon. Ali eles construíram distritos residênciais e áreas públicas centrais com templos e também outros espaços sagrados e políticos. Tudo isso ficava no espaço chamado de Ágora.

paestum italia vista area arqueologica

O primeiro povo que tomou o poder dos gregos foi o Lucano, por volta do século 5. Eles mudaram o nome da cidade para Paistom, mas não mudaram quase nada na cidade em si – mesmo o idioma continuou sendo o grego. Em 273 a.C, os romanos transformaram a cidade e com isso vieram as verdadeiras mudanças. A área da Ágora precisou se alterada para a construção de um Fórum. Várias alterações também foram necessárias para apagar as memórias de uma cidade grega: o heroom, um túmulo simbólico e sagrado, foi coberto por uma construção e enterrado. O ekklesiasterion, que era dedicado a reuniões políticas, foi simplesmente coberto.

paestum italia forum romano ruinas

paestum italia ruinas heroon

paestum italia ekklesiasterion

Os templos, porém, tiveram mais sorte. O culto a Atena, que é a deusa Minerva para os romanos, por exemplo, continuou. E os demais grandes templos foram mantidos e adaptados. E, por fim, o nome da cidade passou a ser Paestum.

No fim das contas, toda a área da antiga cidade de Paestum ocupa 120 hectares, mas somente 25 desses, a área que hoje é visitável com os três templos e algumas ruínas romanas do fórum e de residências, foi escavada. O resto são terras privadas. Também está de pé parte das muralhas de defesa: cerca de 4,750 metros.

paestum italia muralhas

Área Arqueológica de Paestum, Itália

A visita a Paestum inclui a entrada na área arqueológica e ao museu. Na área arqueológica, o grande destaque, sem dúvida, são os três grandes templos gregos.

paestum italia templo e arvores

O mais antigo deles é conhecido como Basílica. É um templo dedicado a Hera e sua construção começou a ser feita em torno de 560 a.C. É um dos poucos templos desse período arquitetônico preservado em tão boas condições. Há algumas inscrições que sugerem que esse era um templo dedicado a Apolo.

paestum italia templo hera basilica

paestum italia dentro templo hera

O templo de Atena, ou Templo de Ceres, é o único que se tem certeza sobre qual a deusa era dedicado. Fica sozinho no ponto mais alto da cidade e é o primeiro que você verá quando entrar na área arqueológica. Foi construído por volta de 500 a.C. e não é permitido entrar nele.

paestum italia templo atena

paestum italia templo atena de lado

O maior templo de Paestum é o que está localizado no meio dos outros. Construído na metade do século 5, tem todas as características de um templo grego clássico. O templo a Zeus na Grécia foi construído ao mesmo tempo, mas está bem mais destruído. Por volta do século 18, muitos pensavam que esse templo era dedicado a Netuno/Poseidon, por conta do nome da cidade. Porém, poderia também ter sido dedicado a Hera ou Apolo.

Dentro do museu há um filme que mostra como seria o templo na época dos gregos: paredes brancas, pinturas vermelhas e azuis. Tudo muito diferente das colunas que sobreviveram em pé.

paestum italia templo neturno luiza

paestum italia templo apolo e hera

Do final da Idade Antiga até o início da Idade Média, os Templos de Paestum foram transformados em lugares para celebrar a fé cristã. Porém, com o avanço da Idade Média a população abandonou essa região e foi para a área das montanhas.

paestum italia templo por dentro

paestum italia templo dentro pessoa

A partir de meados do século 18 as ruínas foram redescobertas e ao longo dos séculos seguintes outras áreas arqueológicas, como cemitérios e artefatos, também foram encontrados.

Museu Nacional Arqueológico Paestum

paestum italia museu arqueologico

É no Museu Arqueológico de Paestum que dá para entender boa parte da história das ruínas, além de uma coleção de artefatos que vão desde a pré-história até a Idade Média, todos escavados em Paestum e arredores, principalmente de cemitérios milenares.

paestum italia museu arqueologico vasos

É um museu pequeno e bem montado. A parte mais interessante são alguns túmulos de pedra pintados, tudo do tempo dos gregos e lucanos. O mais famoso deles é a “Tumba do Mergulhador”, uma tumba construída em algum ponto entre 480/470 a.C. e que é a única evidência de uma pintura grega do século 4, para além de vasos. O homem nu mergulhando no oceano representa uma transição da vida para a morte.

paestum italia tumba mergulhador diver paestum italia diver tomb

A entrada no museu é obrigatoriamente combinada com a das ruínas (a não ser que um dos dois esteja fechado) e custa 9 euros. Para checar horários de abertura confira o site oficial do Museu e área Arqueológica de Paestum.

Como chegar em Paestum, Itália

paestum italia ruinas residencia romana

A estação de trem de Paestum fica a uns 10 minutos de caminhada da área arqueológica. É um caminho fácil de fazer. Basta sair da estação e seguir reto. Você vai passar pelas antigas muralhas da cidade e seguir por uma estradinha com árvores.

Saindo de Salerno e Nápoles há trens regionais para Paestum bem baratinhos. Você pode comprar o bilhete diretamente na estação de trem, mas dá para checar os horários no site da Trenitalia.

Se resolver alugar um carro, recomendamos que faça a comparação na Rentcars, maior site do mercado, que compara os preços em dezenas de locadoras e está presente em mais de 60 países – assim você pode garantir valores abaixo dos oferecidos no balcão. A Rentcars é parceira do 360, então reservando por aqui você ainda ajuda o blog (e a gente agradece).

Sou jornalista, tenho 29 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

4 comentários em Os templos gregos e as ruínas romanas de Paestum, na Itália

  1. Reportagem completa em todos os sentidos. Parabéns Luiza!
    Ah! Também sou jornalista, fotógrafa e…Arqueóloga!
    Beijos
    Sylvia Volpi – São Paulo – Brasil

  2. Olha, excelente! Completíssimo!

    Sou Italiano nascido no Rio de Janeiro. Moro justamente no sul da Itália.
    Conheço Paestum, que fica a 4 paradas de trem da minha casa. (Sim! Sou um felizardo! )
    Ainda não encontrei um texto tão completo e do jeito que eu diria ” Puxa! Melhor descrição não li ainda!”

    Só completaria que HERA, conforme a mitologia Grega, é a deusa da FERTILIDADE e do MATRIMONIO.

    Sou fotógrafo de Wedding Destination e Destination Photographer.
    Buscava justamente um texto ou blog que desse informações detalhadas sobre o local.
    Encontrei aqui!
    Recomendadíssimo.

    Ah POSSO aproveitar e fazer propaganda minha?
    -> Em PAESTUM, casais que desejarem fazer ensaio fotográfico exclusivo, só me chamar. http://www.italia.angelvideoart.com

    Arrivederci!

    • Oi Arturo,

      Obrigada pelos elogios!

      Normalmente não deixamos links em comentários, mas como Paestum é um lugar tão especial, acho que é uma boa informação para os leitores =D

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: