Longa vida ao Rei: os incertos rumos da monarquia na Tailândia

Longa vida ao Rei: os incertos rumos da monarquia na Tailândia

A Tailândia está de luto. Um luto prolongado que começou há quase um ano. No dia 14 de outubro de 2016, morreu o rei Bhumibol Adulyadej, aos 88 anos, deixando para trás um legado que envolve centenas de projetos sociais e súditos devotos, que sentiram profundamente a partida do monarca.

Nas ruas, cartazes imensos com fotos do rei estão por todas as partes, sempre adornados por metros e metros de tecido preto. Nos hotéis e estabelecimentos de todos os tipos, fitas negras são distribuídas para que os turistas se juntem ao luto, e tailandeses de todas as regiões do país visitam o Grande Palácio de Bangkok para prestar respeito ao corpo do rei. No fatídico dia de outubro, quase mil pessoas se reuniram do lado de fora do hospital onde Adulyadej estava internado para chorar o fim de um reinado de 70 anos, o mais longo do mundo na época de sua morte.

Monarquia na Tailândia

Na Tailândia, é crime difamar ou ridicularizar a imagem do rei e da família real e a pena pode chegar a 15 anos de prisão. Uma regra que sem dúvidas preocupa mais os turistas que a maior parte da população, que trata Bhumibol Adulyadej com a mesma devoção e amor de uma santidade. Tamanho respeito se deve em parte à cultura local, que dá grande valor para a hierarquia e coloca os reis em posição de semi-deuses; e à história do país, que sempre se desenrolou tendo a monarquia como elemento central. Mas a popularidade do Rama IX – título real de Adulyadej –  era algo sem precedentes, a ponto de ser considerado o rei mais amado entre todos que formam o panteão de monarcas tailandeses. E saber disso é fundamental para entender o processo pelo qual o país passa desde seu falecimento.

Leia também: O projeto que transformou campos de ópio em fazendas orgânicas na Tailândia

O trono ainda está vago. Até que termine o luto oficial de um ano, em outubro, a Tailândia permanecerá no limbo político no qual foi jogada e que aprofundou ainda mais a instabilidade que assola o país há oito décadas, desde a revolução que tirou os poderes absolutistas das mãos da monarquia. No período, o reino já passou por 19 golpes de estado e teve 19 constituição diferentes, seguidas por uma sucessão de primeiros ministros civis e militares. A monarquia, no entanto, sempre esteve acima desses conflitos.

Morte do rei da Tailândia

O Rama IX, apesar de constitucionalmente não exercer funções políticas, interviu no governo do país sempre que o cenário pedia e era figura central para manter a unidade de uma nação com profundas desigualdades entre as áreas rurais e urbanas. Ajudou a promover a democracia nos anos 1990 da mesma forma que incentivou governos totalitários antes disso, abafou e deu gás a vários desses golpes, de acordo com sua vontade.

Poucos anos antes de sua morte, uma nova turbulência política balançou o país, com o golpe que colocou outra vez os militares no poder e que levou a uma divisão política extrema entre os apoiadores do novo regime e os que estavam ao lado do governo antigo. Nesse contexto, a figura de Adulyadej foi um fundamental fator de equilíbrio e, embora não faltem teorias que afirmam que ele estava por trás do ocorrido, não dá para negar que sua figura trabalhava como uma âncora que ajudava a manter o país no lugar apesar das instabilidades.

Luto pelo rei da Tailândia

E foi essa âncora que a Tailândia perdeu. O sucessor ao trono é Maha Vajiralongkorn, único filho homem de Adulyadej, que deve assumir o lugar do pai no próximo ano, sem nem de longe conquistar a mesma simpatia de seus súditos. A antipatia por ele cresceu na década de 1970, quando foi nomeado príncipe herdeiro no lugar da irmã, Maha Chakri Sirindhorn, que apesar de ter melhor reputação e competência para o trono, é impedida de governar pelas leis do país.

Com fama de mulherengo, irresponsável, excêntrico e gastador, possui forte rejeição entre a população local e coleciona histórias absurdas para contar, como a de quando nomeou o poodle Foo Foo major-general da Força Aérea Tailandesa. Quando o cachorro morreu, em 2015, o futuro Rama X organizou um funeral repleto de ritos budistas que durou quatro dias. O mesmo poodle apareceu comendo um bolo de aniversário em um polêmico vídeo no qual o futuro rei aparece com sua companheira semi-nua, o que horrorizou a conservadora opinião pública tailandesa.

Enquanto a coroa não passa definitivamente para Vajiralongkorn, ele e a junta militar preparam o terreno para seu reinado. Foi deles o pedido para adiar a posse, sob o argumento de que nada se podia fazer em um país que passava por tão profunda dor. Segundo David Streckfuss, historiador especializado na Tailândia, disse para o Globo, tanta demora já é sinal de uma transição atípica. Resta saber se as duras leis lesa-majestade, que se encontram entre as mais rígidas do mundo e são o único escudo que protege Maha Vajiralongkorn da antipatia de seu povo, serão suficientes para sustentar o equilíbrio frente as adversidades políticas sem mergulhar o país no caos.

A blogueira viajou à convite da Embaixada Tailandesa no Brasil

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

5 comentários em Longa vida ao Rei: os incertos rumos da monarquia na Tailândia

  1. Ótimo post

    A devoção da população é mesmo impressionante. No último ano vivemos na Tailândia e acompanhamos de perto tudo isso. Por mais que o filho ainda não tenha assumido o trono, cartazes, faixas e até o hino nacional com sua figura é exibida antes de começar um filme no cinema.

    • Realmente é bem interessante a forma como as pessoas se relacionam com a monarquia lá, não é? É quase uma devoção religiosa. Vamos ver como será com o filho dele no trono!

      Abraços e obrigada por comentar!

    • Pois é, Altier! Tava uma loucura lá, o país em luto. Vamos ver o que acontece com a coroação do novo rei!

      Abraços e obrigada por passar aqui!

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: