Tags:

A noite da matança

O zumbido começou longe. Pá! Um tapa na orelha fez o barulho parar por exatos 5 segundos. Um afastamento calculado antes que ele retomasse a busca pelo local perfeito para conseguir o que queria. Sangue.

A escolha, antes de dormir, era simples. Ou deixavam a janela aberta, ou morreriam de calor. Na verdade, havia uma terceira possibilidade: pagar 5 euros extras, todas as noites, para ligar o ar-condicionado. Mas um casal com sérios problemas de rinite – e alguns problemas de bolso – preferiu não dormir com o ar gelado e artificial ligado. 

As duas primeiras noites transcorreram sem tantos distúrbios. Foi na terceira que a convivência humano-inseto tornou-se impossível.

O corpo coberto com um fino lençol não estava protegido o suficiente. Essas pequenas pragas com asas são seres capazes de adentrar pelos menores espaços ou até mesmo, dizem as más línguas, perfurar através dos fios para chegar até a pele: “os mosquitos, em geral, se guiam pelo calor, odor e CO² que emana da pele e buscam regiões mais expostas do corpo humano para picar. Se não encontram, podem perfurar tecidos e alcançar a pele em busca de vasos sanguíneos.”

pernilongo ataque

Foto: Shutterstock / frank60

Logo, não era só barulho o incomodo. Em pouco tempo, a coceira desesperada também se tornou um dos motivos para o despertar fora de hora.

Os relógios, naquela calma ilha grega, marcavam entre 3h e 4h da manhã quando, cansados de claramente perder a guerra, o casal partiu para o ataque. Fecharam as janelas e acenderam as luzes. Com as próprias mãos, desajeitados e sonolentos, iniciaram a caçada.

O barulho das palmas e tapas nas paredes talvez tenha acordado os vizinhos. Mas isso não impediu o casal de seguir com sua missão. Algum tempo depois, que pode ser calculado em muitos minutos ou verdadeiras décadas, a matança estava concluída. O céu, a essas horas, já começava a ficar mais claro e os primeiros contornos do sol nascendo no mar Egeu se desenhavam.

slide nascer do sol ilha de cos grecia

Exaustos, dormiram as duas horas que lhes restavam.

Acordaram mal-humorados e coçando. As testemunhas da batalha na madrugada não se resumiam aos pequenos calombos na pele. Nas paredes, estava a prova maior da matança que ocorrera. Não só os corpos amassados de pernilongos, mas manchas de sangue do casal se acumulavam, nas paredes e até no teto. Contaram. No total, mais de quinze manchas vermelhas e corpos despedaçados pela suite.

Sem ter o que fazer, fugiram da cena do crime. Arrumaram as malas e partiram, deixando para trás, e na própria pele, as marcas da matança na madrugada.

Nunca souberam como reagiu a pobre dona da pousada ao entrar no quarto mais tarde, naquela manhã, para se desfazer dos corpos.


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “A noite da matança

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.