Passeio de barco na Tailândia: evitando roubadas

Pensou na Tailândia, imaginou uma praia. Boa parte disso é culpa daquele filme com Leonardo DiCaprio, o mundialmente famoso “A Praia”, lançado em 2000. Além de um processo milionário contra a Fox, que na época foi acusada de destruir a tal praia, o filme impulsionou o turismo nas Ilhas Phi Phi, onde fica a faixa de areia mais famosa do sudeste asiático. 

Só que tem um problema: a gente já te contou aqui que a May Bay Beach fica em Phi Phi Leh, uma ilha que não é habitada e, ainda bem, atualmente conta com proteção ambiental. Ou seja, para chegar lá, só mesmo de barco, seja partindo de Phi Phi Don, que é habitada, ou de Phuket, também uma ilha e um dos destinos turísticos mais famosos do país. E ainda tem a James Bond Island, outra parte da Tailândia que ficou famosa graças ao cinema. A causa da fama foi o filme 007 contra o Homem com a Pistola de Ouro, de 1974.

Portanto, pensou em praia na Tailândia, pensou em passeio de barco. E isso pode ser um problema, afinal lugares turísticos são um prato cheio para roubadas e a pegadinha para turistas fica ainda pior se vocês estiver em alto mar. Aconteceu com a gente.

Ilhas da Tailândia

Os passeios de barco eram nossa prioridade na costa tailandesa. Assim que desembarcamos em Phuket, começamos a procurar opções. Nosso grupo tinha cinco pessoas – os três blogueiros do 360, uma amiga e um norte-americano que conhecemos em Phuket. Como o grupo era grande, negociamos bastante o preço. Por fim, fechamos um tour de um dia com a Phi Phi Cruiser, por intermédio do nosso hostel, o Sea Blue Phuket Hostel & Guesthouse.

Parecia uma boa alternativa. Ficou combinado que uma van da Phi Phi Cruiser nos pegaria no hostel, por volta de 8h da manhã e nos levaria ao porto. O barco contava com café da manhã a bordo, com frutas, sucos, e refrigerantes. Aí era só esperar os 45 minutos até a primeira parada, que seria na Maya Bay, para depois seguirmos até um ponto onde teríamos tempo para fazer snorkeling.

Na sequência, o barco iria para Phi Phi Don, onde almoçaríamos e teríamos tempo para ficar de bobeira numa das praias da ilha. Foi garantido que tudo estava incluído – até o equipamento para fazer snorkeling. O único dinheiro a mais que gastaríamos seria para entrar na Ilha Phi Phi Don, que cobra uma taxa de 20 baths.

O preço? Bom, não me lembro exatamente quanto paguei, afinal essa viagem foi em 2012, durante nossa volta ao mundo. Mas o site diz o valor atual: 1500 baths, ou 45 dólares. Vale dizer que em dois anos a descrição do passeio no site praticamente não mudou – há a garantia de que todos os passageiros têm direito a café da manhã e croissants, para o caso de não terem tido tempo de comer no hotel. Tudo isso com paisagens espetaculares, tipo essa aqui, ó:

A pegadinha

A van nos pegou no hotel na hora marcada. Como teríamos café da manhã no barco, não nos preocupamos em comer. Só que o café da manhã não existia – era uma mesa com pouquíssimos biscoitinhos, comida que durou cinco minutos. Reclamamos com os funcionários da Phi Phi Cruiser, mas não adiantou.

Mas, beleza, né? Estávamos na Tailândia. Vamos seguir com a vida, afinal é melhor estar na Maya Bay Beach com fome do que não estar lá, certo? Furada número 2, caro leitor. Não sei se você reparou, mas a única foto que temos na famosa praia é do sentido contrário, do ponto de vista de quem está no barco, não na areia. Pois é, o cruzeiro não desceu na praia – eles alegaram que, por causa da maré, isso não seria possível naquele dia. Sei lá se o motivo alegado era verdadeiro, mas você imagina a frustração de não ter pisado no maior cartão-postal da Tailândia.

Turismo na Tailândia: Ilhas Phi Phi

Nós nem passamos perto daqui (Foto: Diego Delso, Wikimedia Commons, CC-BY-SA 3.0)

Depois de uma rápida parada para fotos, o barco seguiu viagem. Era hora do snorkeling! E do terrorismo, claro. A tripulação distribuiu um papel com informações de segurança. Nele, a surpresa, o equipamento de snorkeling era fornecido pela metade, sem os pés de pato.

“Beleza, vou sem os pés de pato”, falei.

“Vai mesmo? É perigoso, você pode machucar seus pés em pedras ou em ouriços”, disse um membro da tripulação.

“Ahh, isso nunca deve acontecer”, respondi.

“Acontece sim. Todo dia. Olha as fotos”.

Em todos os bancos do barco, dezenas de fotos mostravam turistas com os pés machucados, no melhor estilo imagem de embalagem de cigarro. Sério isso. Ó:

snorkeling na Tailândia

Mas então não dava pra fazer snorkeling? Claro que dava, caro leitor. O pessoal da Phi Phi Cruiser (guarde esse nome) era muito eficiente. Havia pés de pato para todos, mas para usá-los era necessário desembolsar mais 80 baths. O que todo mundo fez, claro.

Terminado o período do snorkeling, seguimos para Phi Phi Don. Acho que você consegue imaginar que meu humor com a tal empresa não era dos melhores.

Eles prometeram um café da manhã farto. Não tinha.

Eles prometeram sucos e refrigerantes. Necas.

Aquele deveria ser um tour que iria na Maya Bay. Nada disso.

Falaram que todo o equipamento para snorkeling estava incluído no preço – até hoje, o site da empresa diz que você só precisa levar um filtro solar para o tour. Isso, é claro, se você não quiser perder seus pés num ataque de ouriços.

Nessa altura nós já tínhamos concluído o óbvio: não haveria almoço. O jeito seria jejuar até a hora da janta. Pensa pelo lado positivo, pelo menos assim ninguém ia vomitar durante a viagem de volta, que tem a fama de ser um balancê só. Chegaríamos em Phuket com fome, mas intactos.

snorkeling na Tailândia

Pausa para snorkeling

Para nossa surpresa, teve almoço. E até que foi bem razoável. Depois disso, tivemos um tempinho para apreciar as praias de Phi Phi Don e tomamos a decisão mais importante da viagem pela Tailândia: no dia seguinte faríamos check out no hostel em Phuket e seguiríamos para Phi Phi, esse sim um lugar bacana. Teria sido o ponto alto da viagem. Não foi. Uma chuva intensa, de quatro dias e quatro noites, mal permitiu que a gente saísse do hostel para almoçar. Pegar um barco e seguir para Phi Phi? Com aquele tempo, só mesmo em nossos sonhos. E o barco teria que parar na porta do hotel.

Mas e aí? Como evito as roubadas?

Por mais que eu acredite no potencial de pessoas (e empresas) corrigirem seus erros, eu não daria uma segunda chance para esse tour. Portanto, minha primeira dica é bem simples: faça com outra empresa. Mas isso não basta. Antes de escolher o tour, faça o que eu não fiz – descubra tudo que for possível sobre a empresa em questão. Leia resenhas na internet, procure informações em blogs, revire sites como o TripAdvisor. Se fechar um tour presencialmente, pergunte, nos mínimos detalhes, o que está incluído e o que não está. De preferência, tenha isso por escrito.

No mais, saiba que sim, existem passeios de barco na Tailândia que são muito profissionais. O Hugo, leitor do 360, narrou aqui no blog uma experiência que ele teve por lá. E a Sut-Mie, do blog Viajando com Pimpolhos, também teve uma ótima experiência no tour para a Ilha do James Bond.

Phi Phi, Tailândia

Tomou todas as precauções, mas o passeio de barco se mostrou uma cilada? Bem, Bino, nesse caso só há uma saída: use seu bom humor e ignore os problemas. Não vai ser difícil fazer isso, afinal você está de férias na Tailândia. E tem uma coisa que passeio de barco nenhum deixa de oferecer: as paisagens, que são mesmo espetaculares.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países e importante em qualquer viagem. Na Tailândia, onde as coisas são bem diferentes em relação ao Brasil, ele é indispensável. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “Passeio de barco na Tailândia: evitando roubadas

  1. Rafa,
    Obrigada pela dica.
    Vamos um grupo de 5 amigos dos dia 29/04 a 17/05, e todo lugar consta que as monções para a costa oeste começa justamente nesse mês…
    Como só compramos as passagens por em quanto, podemos por exemplo ir primeiro para a praia para tentar assim evitar esse problema.
    O que você faria se fosse a gente? Rs
    Iria mesmo correndo o risco para a costa oeste?
    Iria mesmo correndo o risco para a costa oeste, mas iria logo que chegarmos? Começo de Maio.
    Ou independente do dia que destinarmos as praias, ir para a costa Leste?
    Agradeço demais sua informação e ajuda.

  2. Olá. No dia 1/2/2017 irei à Malásia, pretendendo sair de lá para Chiang Mai, de trem. Depois irei a Bangcoc, também de trem. São 2 semanas na Malásia, e 3 na Tailândia (na última semana, em março, farei um curso de massagem tradicional tailandesa). Pergunto se, de Chiang Mai, dá pra fazer uma excursão até Phi Phi, ou se é melhor ir de Bangcoc? Todos os hotéis já estão pagos, portanto estou meio presa. Obrigada.

  3. Olá Rafael,tudo bem?

    Estou planejando ir à Tailândia em fevereiro de 2017.

    Tenho opção de ir a Mae Hong Son,para conhecer uma tribo de mulheres girafas.Acha que vale a pena?

    Como o pacote não inclui praias,fico na dúvida entre essa visita a Mae Hong Son e ir conhecer as praias.

    Fico no aguardo de comentários.

    Obrigada.

  4. Olá Rafael, bom dia!
    Estou planejando minha viagem para Tailândia. Fiquei com uma dúvida. Ao ir para Phuket você recomenda passar 1 dia lá para fazer este passeio de Barco que falou acima e depois ir para Phi Phi? Certo?
    Parabéns pelo blog, estou montando toda minha viagem com muita ajuda sua.

  5. Estamos viajando para Phuket , em Fevereiro de 2017 e gostaria de saber se alguém poderia por favor , informe-nos da maneira mais fácil , mais seguro e mais barato para transferir do aeroporto de Phuket para o hotel e aproximadamente quanto baht tailandês nos custará . Alguém já reservado com https://www.airporttransferphuket.com ? Muito obrigado por ler este e qualquer conselho é apreciado. Sharlene

  6. Oi !!! amei suas dicas, seu blog é ótimo, minha irmã está indo pra Taiandia e aproveitei pra passar pra ela suas informações que achei mega válidas.

    Abraços e tudo de bom sempre !!!!

  7. Passei 10 dias na Tailandia entre dez/janeiro desse ano.Fiquei em phuket 3 dias e o restante em phi phi island.
    Fiz esse passeio a Maya Bay beach,negociando com pescadores locais,no porto de Phi Phi,e eles nos avisaram que a mare sobe rapido e por isso teriamos que sair muito cedo da ilha.O nosso acordo teve snorkeling (equipamento:somente oculos e colete)e como tinhamos combinado ate o meio dia,ele nos levou pra conhecer outras paisagens,com direito a parada em lugar magnifico,que parecia uma piscina lado dos rochedos.
    Foi tudo perfeito e custou 2100 baths (estavamos em 3 amigos),levamos nosso proprio lanche e bebidas.
    Nao gosto muito de contratar servicos de grandes companhias,parece que eles so querem ter vantagem,enquanto os locais sao pessoas simples,que tem orgulho e prazer de que tenhamos um belo passeio,e que sempre podemos negociar.A gorjeta foi merecida 🙂

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.