Tags:
Atlas: Argentina, Córdoba

Córdoba e a ditadura militar na Argentina

Penduradas no melhor estilo bandeirinhas de festa junina, fotos em preto e branco chamam atenção de quem passa pela Calle San Jerónimo, uma ruela no centro de Córdoba, na Argentina. É impossível não se chocar com tantos rostos, todos seguidos por datas. São alguns dos argentinos que foram sequestrados e mortos durante a ditadura militar que controlou o país.

Ditadura das mais violentas, que ocorreu entre 1976 e 1983. Operários, funcionários públicos, professores, estudantes universitários e até alunos de ensino médio foram torturados e mortos. O regime chegou a usar campos de concentração e foi inovador na hora de sumir com seus opositores. Os militares argentinos colocavam as vítimas dentro de aviões, sobrevoavam o Rio da Prata e atiravam as pessoas para a morte. Cerca de cinco mil argentinos perderam a vida assim, enquanto o número total de mortos pela ditadura gira em torno de 30 mil pessoas.

Veja também:
Onde ficar em Córdoba
O que fazer em Córdoba

Córdoba, Argentina

Uma época triste. Como era esperado, o principal cenário para essas atrocidades foi Buenos Aires, capital e maior cidade do país. A história das mães da Praça de Maio, que há quatro décadas lutam para saber o paradeiro de seus filhos, ganhou o mundo. Mas a ditadura também afetou outras cidades da Argentina. Em Córdoba, segunda maior cidade do país e repleta de universidades, o rastro sangrento deixado pelos militares está por toda parte.

O clima universitário fez com que a cidade fosse um centro de resistência em outras ditaduras. O Cordobazo, um grande protesto que ocorreu em maio de 1969, apressou a saída do governo de Juan Carlos Onganía e, anos mais tarde, ajudou na volta da democracia. Pena que durou pouco. Quando os militares tomaram o poder, em 1976, era claro que Córdoba daria problemas.

Para o jornalista e escritor argentino Ceferino Reato, Córdoba foi o laboratório onde a ditadura de 76 começou – e também onde os primeiros conflitos ocorreram. “Essa província sempre teve um poder de antecipar e de alguma maneira mostrar o que depois ocorreria em todo o país”, diz ele, numa entrevista ao site Ellitoral.

Logo no início do regime, Córdoba testemunhou os fuzilamentos de 29 presos políticos. Anos mais tarde, vários militares foram condenados por esse ato, entre eles o ex-presidente Jorge Rafael Videla, um dos ditadores do país. Ele morreu no presídio, aos 87 anos, enquanto cumpria a pena de prisão perpétua. Os fuzilamentos ocorreram numa Unidade Penitenciária da cidade.

E esse não é o único lugar marcado pela ditadura em Córdoba. No coração da cidade, exatamente naquela rua citada no começo do texto, ficava o Departamento de Inteligência, uma divisão da polícia que tinha a função de sequestrar e torturar opositores do regime. Os filhos deles eram sequestrados e dados para outras famílias, muitas vezes de militares, que criaram os filhos dos opositores como se fossem seus. Até hoje, estima-se que centenas de argentinos vivam sem saber que foram sequestrados pelo estado, o mesmo governo que também matou seus pais.

Hoje o prédio onde ficava o Departamento de Inteligência, também conhecido como D2, virou um espaço dedicado às vítimas da ditadura. É o Museu da Memória, que está repleto de fotos das vítimas e conta a história do regime. Vale a pena visitá-lo.

O que fazer em Córdoba - Museu da Memória

Do lado de fora da cidade fica La Perla, um centro clandestino de detenção que era controlado pelo exército e que tinha a função de auxiliar no desaparecimento de opositores da ditadura. Em resumo, nada muito diferente dos campos de concentração nazistas.

Chamada de “o inferno cordobés”, lá ocorreram torturas, estupros e assassinatos. Segundo a Wikipédia, todas as prisioneiras do sexo feminino eram estupradas frequentemente. A internet está repleta de depoimentos de pessoas que foram torturadas em campos como esse. Um deles, contado por um sobrevivente, diz o seguinte: “Por vários dias fui submetido a todos os tipos de tormentos. Soco, chute, pancadas com borracha e varas, asfixia com água ou sacos de nylon, tudo fruto do engenho sinistro dos torturadores. Várias vezes eu fui pendurado num poste. E fiquei cinco noites amarrado nu à uma cama de metal, enquanto tomava choques elétricos por todo o corpo”.

Em 2007, o antigo campo de La Perla foi desmilitarizado e entregue para organizações de direitos humanos. O objetivo é cuidar da memória, garantindo que a história não se repita.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Córdoba e a ditadura militar na Argentina

  1. Ei Rafael! Na Argentina e Chile há uma transparência muito maior q no Brasil, né. Em Santiago visitei o Museo de Los Derechos Humanos tb e me impressionei. É chocante, estive lá quatro vezes para vc ter ideia. Realmente vale a pena a visita.
    Bjs

    1. Verdade, Carla. A gente ainda caminha lentamente nessa direção.

      Em BH começaram a surgir memoriais sobre a ditadura militar, mas tudo ainda é muito tímido.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.