Fanesca, uma tradição de semana santa no Equador

Doze tipos diferentes de grãos cozidos em uma sopa espessa. Cada grão representa um apóstolo. A fanesca, um dos pratos mais característicos da gastronomia equatoriana, tem forte conotação religiosa e está sempre presente na mesa das famílias do país durante a quaresma e a Semana Santa. “O peixe representa Jesus”, explica o dono do restaurante no centro de Quito, quando lhe perguntei sobre a simbologia por trás da sopa.

Além da mistura de grãos, que incluem dois tipos de milho, favas, variedades de feijão, ervilha e tarwi, entre outros, a fanesca também inclui ovos cozidos, legumes como a abóbora, leite, queijo ralado, amendoim, banana da terra e empanadinhas fritas de farinha. A carne pode variar entre bacalhau e outros peixes, preparação mais comum, mas também há receitas com camarões, frango e carne seca. Um verdadeiro banquete em forma de sopa.

Fanesca - Prato típico do Equador

Assim como o cristianismo, a simbologia por trás da fanesca chegou com os espanhóis. Há registros, no entanto, de que a sopa com diversos grãos já era consumida pelas populações originárias do Equador desde o século 12, como uma forma de agradecer pela boa colheita durante o Pawkar Raymi, uma festa colorida celebrada até hoje pelos indígenas da região de Imbabura, no norte do país. Por isso, o prato é considerado um importantíssimo patrimônio alimentar nacional e o que há de mais autêntico em termos de gastronomia equatoriana.

Com a colonização, os outros ingredientes trazidos pelos europeus foram incorporados, como o queijo, o leite e o bacalhau, assim como a técnica de preparação. Até mesmo os árabes tiveram influência no prato, já que a preparação das pequenas bolinhas de farinha frita foi uma herança da ocupação moura na Espanha. O caldo espesso e cremoso que forma a sopa ganha um novo sabor a cada colherada, a depender dos ingredientes pescados cada vez. Há quem afirme que, assim como os povos antigos celebravam a fartura da colheita, ainda hoje a fanesca é um tributo à riqueza do solo equatoriano.

Fanesca, Gastronomia equatoriana

A preparação da fanesca foi documentada pela primeira vez no livro El manual de la cocina (1850-1860), do arquiteto Juan Pablo Sanz. Apesar disso, não se reconhece uma receita padrão. Os ingredientes exatos variam em cada região do país, de acordo com a disponibilidade e os costumes gastronômicos entre as populações da costa e da serra.

Mas mais que um ritual religioso, o prato é um elemento da identidade do povo do Equador, que todos os anos se reúne com seus familiares para preparar e comer a fanesca. E, assim como é comum nos pratos tradicionais, cada família tem o seu toque especial, transmitido de geração para geração, desses que fazem cada equatoriano afirmar que não existe fanesca como a que prepara sua avó.

Crédito Fotos: Shutterstock


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.