Tags:

A Sobrevivência dos Vaga-lumes: os pequenos brilhos da resistência

Não sei bem quando foi que alguém me fez reparar pela primeira vez: “Você percebeu? Os vaga-lumes estão sumindo”. Tendo passado a maior parte da minha vida sob as luzes duras da cidade, o sutil piscar dos bichinhos nunca fez parte do meu cotidiano. Ainda assim, como se fosse algo óbvio, percebi que o autor da frase tinha razão. Nem nas idas ao sítio, nem nas estradas à noite: faz tempo que não os vejo.

O desaparecimento dos vaga-lumes é, claro, uma consequência da ação humana. A poluição luminosa das cidades tornou inviável a vida desses insetos, invadiu seu habitat e ofuscou seu brilho, impedindo-os de chamar a atenção de um parceiro diante da claridade brutal e infindável das lâmpadas, interrompendo seus ciclos. Os que restaram foram se esconder nos mesmos lugares que as abelhas, borboletas e mariposas: bem longe de nós.

Leia também:
A Revolução dos Cravos e as comemorações do 25 de abril
Por quem os sinos dobram: as lições do melhor livro de Hemingway

Eu não sou dada a ler filosofia, mas desde o dia em que trombei com o livro Sobrevivência dos Vaga-lumes, de Georges Didi-Huberman, em uma oficina de escrita, não descansei até chegar à última página. Nele, o autor se propõe a analisar a obra de Pasolini, cineasta e escritor italiano com quem eu também não tinha a menor intimidade.

Pasolini percebeu muitos anos antes de mim que os vaga-lumes estavam sumindo. Ele viveu na Europa no auge do nazifascismo. Em uma crônica publicada em 1975, compara a luz ofuscante dos projetores da propaganda fascista com as pequenas luzes de resistência, de arte e beleza, de momentos cheios de humanidade, tão frágeis quanto autênticos, que ele chama de vaga-lumes. Discretos, fugazes, mas insistentes, incansáveis.

Esses momentos de inspiração, de brilho cotidiano, nos lembram que podemos assumir o controle de nossas narrativas, que somos resilientes e criativos. E não podem ser bem observados quando nossa atenção está unicamente atenta aos holofotes espetaculares do sistema e da política.

São luzes tão frágeis quanto os próprios vaga-lumes, ou como as lagoas de bioluminescência que só brilham fosforescentes em noites de lua nova. Ou as estrelas, que embora sejam astros muito maiores que nós a recrutar mundos inóspitos e infinitos para suas órbitas, daqui de onde estamos são apenas luzinhas frágeis, ofuscadas pelos postes de iluminação pública.

A Sobrevivência dos Vagalumes, Didi-Huberman

Povos astecas acreditavam que a luz dos vaga-lumes sinalizava instantes de perspicácia e de conhecimento, uma ação combativa onde antes havia a escuridão. Na obra de Pasolini, os vaga-lumes aparecem como personagens “‘erráticos, intocáveis e resistentes’ em momentos de alegria e furor” (Didi-Huberman, 2011), resistindo ao mundo opressor no qual viviam.

As luzes, quando emitidas pelos astros ou pelos corpos, tem algo de mágico e impossível que nos fazem perguntar como pode ser tão fantástica a natureza por enviar fótons em nossa direção. Por isso a alegria de encarar o brilho de uma estrela cadente em vez de um letreiro luminoso, ou o desapontamento de perceber que aquilo que admirávamos não era a lua, mas sim um poste de iluminação. As luzes, quando emitidas por pessoas comuns tentando apenas sobreviver da melhor forma e, entre um momento e outro, se permitem um instante de inspiração, genialidade e euforia carregam em si a mesma mágica.

Mas estariam esses vaga-lumes desaparecendo também? Daqui do futuro, do meio dessa distopia tecnológica na qual os fantasmas do fascismo voltaram a assombrar nossas mentes e corpos, na qual somos levados a acreditar que nossas identidades são limitadas e esculpidas em nossos hábitos de consumo, escondidos de uma ameaça invisível que nos tirou o direito aos nossos brilhos coletivos e incapazes de agir para impedir a fotografia superexposta das nossas riquezas sendo reduzidas a produtos, destruídas em fogo para transformar tudo em pasto e trocando a diversidade pela monocultura, por aquilo que é exclusivamente lucrativo, funcional. Daqui, dessa década que começa meio apocalíptica, na qual lidamos com ímpetos genocidas, com a banalização de mortes e da violência, diante de todas as incertezas do que vai vir e daquela vozinha dentro de nós que sempre nos diz que sim, ainda é possível piorar, estamos realmente fadados a ver se extinguirem os vagalumes, as abelhas e as mais sublimes expressões humanas?

Em seu ensaio, Pasolini nos lembra de que o estado de exceção no qual vivemos é a regra. E é justamente esse o contexto em que se faz mais importante procurar por esses brilhos, capturá-los em essência, refletir sua luz.

Os vaga-lumes não desapareceram, apenas migraram para outras partes, fugindo dos holofotes que os confundem: “Alguns estão bem perto de nós, eles nos roçam na escuridão; outros partiram para além do horizonte, tentando reformar em outro lugar sua comunidade, sua minoria, seu desejo partilhado”, diz Didi-Huberman.

Cabe a nós saber encontrá-los.

“voava a luzinha verde, vindo mesmo da mata, o primeiro vaga-lume. Sim, o vaga-lume, sim, era lindo! Tão pequenino, no ar, um instante só, alto, distante, indo-se. Era, outra vez em quando, a alegria”
– Guimarães Rosa, Primeiras Estórias

 

“o instante-já é um pirilampo que acende e apaga, acende e apaga. O presente é o instante em que a roda do automóvel em alta velocidade toca minimamente no chão. E a parte da roda que ainda não tocou, tocará num imediato que absorve o instante presente e torna-o passado. Eu, viva e tremeluzente como os instantes, acendo-me e me apago, acendo e apago, acendo e apago”. 

– Clarice Lispector, Água Viva

A Sobrevivência dos Vaga-lumes, Didi-Huberman

A partir do famoso artigo dos vaga-lumes, escrito por Pier Paolo Pasolini em 1975, Didi-Huberman defende a sobrevivência da experiência e da imagem, em um texto que representa uma grande guinada na história da arte. Sobrevivência dos vaga-lumes analisa a obra de Pasolini, estabelecendo conexões com o pensamento de outros intelectuais, especialmente o de Giorgio Agamben.

Os vaga-lumes representam as diversas formas de resistência da cultura, do pensamento e do corpo diante das luzes ofuscantes do poder da política, da mídia e da mercadoria. A visão apocalíptica de Pasolini, expressa em sua afirmativa “não existem mais seres humanos”, e a de Agamben, segundo a qual o homem contemporâneo está “desprovido de sua experiência”, constituem um dos eixos da discussão estabelecida por Didi-Huberman. O autor recorre ao trabalho de Walter Benjamim, “Imagem Dialética”, para demonstrar que a experiência ainda é possível no mundo contemporâneo. Link: https://amzn.to/30ZQYcw

 

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “A Sobrevivência dos Vaga-lumes: os pequenos brilhos da resistência

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.