Tags:
Atlas: Índia

Semi-vegetarianismo forçado ou um guia para comedores de carne na Índia

Um indiano que visitava os Estados Unidos pela primeira vez entrou num McDonald’s e pediu um simples cheeseburger. Ao provar o lanche, achou o sabor maravilhoso. Mais tarde, contou para um colega de trabalho americano como o tempero do sanduíche no país era bom – pouco picante, mas bom. O indiano ouviu então, chocado, que tinha acabado de provar carne pela primeira vez.

O problema é que na Índia o cheeseburger é um sanduíche vegetariano, inclusive no Mcdonald’s. O burger de lá é feito com um mix de legumes, principalmente batata, temperados e fritos. Essa história é real, contada por um dos nossos colegas de trabalho quando reclamamos que o Big Mac indiano era feito com frango e chamado de Chicken Maharaja Mac.

Você sabe que a vaca é sagrada na Índia, certo? Bem, ela é sagrada para os povos hindus, que são maioria no país. O motivo não é bem claro. Uns dizem que o boi era o meio de transporte do Deus Shiva. Para outros é porque o Deus Krishna era pastor, em uma de suas formas. Além disso, a vaca é um animal que fornece o leite, produto muito importante na alimentação indiana. Assim as vacas assumiram o papel de um dos animais mais puros na cultura hindu, símbolo de humildade e fertilidade.

O resultado é que para eles é proibido comer carne bovina. Existem leis hindus, chamadas Dharmaśāstras, que definem como deve ser a alimentação. Nem todos os hindus são vegetarianos, mas a maioria costuma ser. Eles acreditam na não-violência contra animais, na ingestão de comidas puras e que comer carne faz mal para o desenvolvimento da mente e do espirito. Eles não estão sozinhos: jainistas, budistas e sikhistas também pensam assim e costumam adotar dietas vegetarianas.

Mas claro que isso não vem sem uma dose de polêmica. Existem vários estados indianos que simplesmente proíbem os consumo de carne bovina, mas não têm nenhuma restrição contra o consumo de frango ou carneiro, por exemplo. É possível encontrar jornais indianos com falas de especialistas na religião hindu argumentando que as escrituras na verdade não proíbem o consumo de carne, que isso depende da interpretação e da decisão de cada um.

Churrasco indiano

Uma versão de churrasco indiano – com frango, cordeiro e vegetais – que comemos em Chandigarh

Vegetarianismo na Índia é coisa muito séria. Existem diferentes jeitos de ser vegetariano: tem quem não coma carne nenhuma. Tem quem não coma nenhum produto de origem animal. Tem quem evite alguns produtos de origem vegetal, como cebola, alho e batatas – porque esses não seriam puros. Enfim, num pais de 1.3 bilhão de pessoas e tantas religiões, é necessário tentar respeitar essas diferenças.

Por isso, quando você vai ao mercado na Índia, encontra indicações de verde para veggie e vermelho para non-veggie. E isso em todos os produtos: pão, leite, queijo, biscoito e até pasta de dente. Ou seja, a indústria alimentícia tem que contar para os consumidores se usou qualquer coisa de origem animal em determinados produtos. E até o McDonald’s teve que se adaptar ao contexto indiano.

Para adicionar mais uma camada de confusão nas regras alimentares, os muçulmanos, que são a maior minoria religiosa da Índia, comem carne bovina sem problemas, mas passam longe do porco. Então, assim como em alguns estados é proibido comer carne de vaca, em outros – de maioria muçulmana –  você vai encontrar esse tipo de alimento com mais facilidade.

Em Calcutá, onde há muitos muçulmanos, tem até açougue. Mas, como esse costume não é comum por lá, os corpos dos animais ficam pendurados e expostos para todos verem (parece até provocação). Quando estivemos lá, alguns amigos decidiram fazer um bife para a gente. Compraram picanha por preço de coxão duro, simplesmente porque o açougueiro indiano não faz ideia de quais as diferenças entre as partes nobres das de menor qualidade. O cara deixou inclusive um menino – no caso, um gaúcho que entendia tudo de carne – cortar as peças que ele queria comprar.

No estado de colonização portuguesa, Goa, também é fácil achar carne bovina. Em Mumbai ou Delhi, grandes metrópoles, dá para encontrar hambúrguer tranquilamente em restaurantes ocidentalizados.

Tandoori Chicken_comida indiana

Tandoori chicken (Foto: kspoddar – CC BY-SA 2.0)

Além disso, carnes de frango, cordeiro e peixe estão em praticamente todos os lugares, com exceção de cidades muito religiosas, como Rishikesh e Amritsar – nesse caso, é tudo vegetariano e álcool e tabaco também são proibidos.

tandoori chicken, por exemplo, é uma espécie de churrasco de frango marinado no iogurte e coberto com especiarias, uma comida muito popular no norte da Índia. Diferentes tipos de peixe são encontrados em todo o sul da Índia – lá,  os temperados com manteiga e alho eram meus favoritos.

Peixe em Goa_comida indiana

Só ver essa foto me dá fome. Um peixe em Arambol, Goa

Ainda assim, comer carne de vaca é tabu. Na nossa casa tinha um cartaz com quadrinhos educativos que mostravam ursinhos dizendo quais eram os bons e maus comportamentos para uma criança. Um deles mostrava o ursinho mau comendo comida non-veggie.

Vale dizer também que reforçar os hábitos vegetarianos entre as populações mais jovens tem se tornado mais difícil com a abertura do país aos costumes ocidentais. Comer carne, para alguns, é um ato de rebelião contra as tradições que, por vezes, são opressoras. Em outros casos, comer carne é um símbolo de status e educação para membros da crescente classe média no país.

Mas de qualquer forma, a Índia continua sendo o país com menor consumo de carne bovina no mundo: em 2013, foram consumidos apenas cerca de 4 kg por pessoa, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). A título de comparação, no Brasil o consumo foi de mais de 80 kg per capita.

Seguro

Vai viajar? O seguro de viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável nas férias. Não fique desprotegido na Índia. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício para o país – e com cupom de desconto.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “Semi-vegetarianismo forçado ou um guia para comedores de carne na Índia

  1. Mas se eles não diminuirem o rebanho deles, matando essas vacas , não adianta nada para o planeta eles não comerem carne, compensam um erro com outro erro. A maioria das religiões estão erradas e não merecem respeito como disse o Blog.Então temos que ter Vegetarianos e ateus, senão não resolve o problema!!!!

  2. Que O SENHOR JESUS , te ajude a realizar seu projeto, e vcs enriqueçam ainda mais esse blog, ajudou no meu trabalho, valeu. Deus abençoes vcs!!!

  3. Acho que a coisa de não saberem a diferença entre partes diferentes da carne é o que mais complica. Aqui, tudo é ‘beef’, e, na maioria dos restaurantes que servem, eles não sabem preparar a carne direito… Encontrei só um restaurante com um bife digno! – e olha que já experimentei carne de todos os tipos e preços. Em Mumbai, pra quem estiver interessado: é um café integrado a uma biblioteca de quadrinhos, chama Leaping Window.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.