Sobre desapego e lavanderias self-service

Sobre desapego e lavanderias self-service

Eu bem me lembro da primeira vez que vivi numa casa em que não havia máquina de lavar roupa. Foi na Índia. Lá, ainda muito mais do que no Brasil, esse eletrodoméstico é um extremo privilégio. Eu me lembro de ficar com alguns machucados nos dedos de tanto esfregar calças jeans e peças mais pesadas. Algumas semanas depois, descobrimos que havia uma lavanderia próxima de casa, mas era daquela que você entrega suas roupas para a pessoa e ela devolve tudo passadinho e dobrado com cuidado.

Ou seja, a minha primeira experiência com uma dessas máquinas de lavar roupas gigantes de self service foi num mochilão pela Europa, onde não ter máquina de lavar roupas costuma ser uma escolha. Eram 40 dias de viagem. Uma mala de 17 kg. Daí vocês podem calcular que ou eu lavava as roupas ao longo do caminho, ou eu ia ficar sem ter o que usar.

Depois disso, em praticamente todas as viagens que eu faço, essa é a minha política. Minhas malas cada vez mais ficam menores e minhas idas a lavanderias são estrategicamente calculadas ao longo do trajeto. Eu e minha mãe, na Itália, até decidimos por uma cidade ao invés de outra por conta da bendita lavanderia self service.

lavanderia na europa

Porém, eu nunca tinha parado para refletir o quando jogar todas as suas roupas numa máquina de lavar e depois numa de secar é um exercício de desapego. Até eu, novamente, não ter máquina de lavar roupa em casa aqui no Porto. Talvez a reflexão veio só agora porque, durante as viagens, trata-se de um número limitado de roupas. Ou porque eu acabei de voltar do Brasil e por lá a minha mãe sempre tem a tendência de olhar para minhas roupas e dizer: “como estão velhas”.

Enfim, enquanto um monte de peças minhas de tipo e cores diferentes giravam sem divisão naquela maquina enorme, eu pensei: é, realmente, sou bem desapegada com minhas coisas mesmo.

Eu lembro de uma colega de faculdade que lavava todas as suas roupas delicadas a mão para durar mais. Quando eu perguntei para ela quais eram as roupas delicadas (pensando em lingerie), ela me explicou que também eram camisetas, sueters e vestidos. E fiquei com uma cara de pena dela ao invés de pensar em fazer o mesmo com as minhas.

Outra amiga, essa que morou comigo, estava sempre preocupada se numa roupa aparecia um furinho ou manchinha. É bem provável que você sempre vá me encontrar com uma roupa com algum furinho, ou que perdeu algum botão, ou que um fio está soltando, ou umas bolinhas engraçadas – e por aí vai. E sempre, mas sempre, espere me ver amarrotada.

Enquanto alguns de vocês estão lendo isso chocados, tenho certeza que vários estão se identificando. Pois é, desleixados, desapegados e desorganizados, uni-vos. Demorei anos para parar de me sentir mal e admitir que sim, sou uma mulher desleixada e desorganizada – oh, que crime! Se as coisas estão limpas e cheirosas, tá ótimo.

luiza em ouro preto

Prefiro poupar meu tempo e os nós dos meus dedos do que andar impecável. E ainda economizo nas moedinhas pagando uma máquina só. E antes que venham me falar: mas assim suas roupas não duram. Garanto que duram sim: tenho roupa, calça e casaco que já devem até andar sozinhos depois de existirem há quase dez anos no meu armário.

P.S. Para não dizer que meu tempo na lavanderia não foi produtivo, gastei meus 40 minutos esperando a máquina bater escrevendo este post. Porque hoje em dia as lavanderias self service na Europa costumam ter wi-fi. Desapegada sim, desconectada nunca.

*Imagem Destacada: Shutterstock

Sou jornalista, tenho 28 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo.

17 comentários em Sobre desapego e lavanderias self-service

  1. Morei 3 anos em NYC e nunca passei uma peça de roupa sequer… rsrsrs… Minha mãe reclamava que eu estava sempre com as mesmas roupas nas fotos… Mas o lugar era sempre diferente!

  2. “Desleixados, desapegados e desorganizados, uni-vos!!!!” hahahaha
    Semana passada o Facebook mostrou em minha timeline uma foto de 6 anos atrás. E a coisa que mais me chamou atenção na memória ressuscitada foi que eu estava com uma camisa que uso para ir trabalhar até hoje! Vou tentar não engordar pra que ela dure até a minha aposentadoria rsrs.

  3. Luiza, já sou desapegada de roupas passadas. Mas me dá calafrios pensar que uma blusa de seda vai para uma maquina de lavar ou correr o risco de todas as minhas roupas brancas ficarem rosas por uma peça vermelha que foi junto pra maquina. Talvez porque nao sou eu que lavo minhas roupas ahahaha em breve saberei que estou disposta a perder os nós dos dedos. Por enquanto sou feliz com a mágica que acontece na casa dos meus pais: coloca a roupa no balde branco do banheiro e em menos de uma semana ela está linda no meu armario!

    Beijos!

    • Oi Isabel,

      Pois é, a grande questão mesmo, o desapego, vc só descobre se lava as próprias roupas!
      Minha mãe sempre cuidou das minhas melhor do que eu.

      beijos

  4. Luiza!
    Super me identifico, já tá mais que na hora da sociedade aceitar que as roupas não precisam ser passadas….rs.
    Desapegada, desleixada e amarrotada sempre, deixar de viajar nunca!

  5. Olá Luiza!

    Parabéns pelo seu desapego. Pena que minha esposa não pensa assim e costuma levar, a cada viajem, um guarda-roupa inteiro.
    Em uma viagem à Itália – quatro malas, ela com bengala e somente eu para carregar. Que sufoco! Em terra costumamos fazer os deslocamentos por trem e, nem todas estações tem elevador para acessar as plataformas. Haja força para subir e descer escadas.

    • Oi Valdir,

      Manda uns posts do blog para ela ler. Temos vários que ensinam a levar mala mais enxuta!

      Ou negocie com ela que ela só pode levar o que der conta de carregar.

  6. Super identifico kkkkkk.

    Vou ficar 30 dias na Europa e já programei levar apenas uma mochila com meia duzia de roupas e uma visitinha na lavanderia 1 vez por semana, e seja o que Deus quiser!!! kkk Sem frescura e aproveitar a viagem claro e ainda economizo tempo e dor de cabeça sem despachar bagagens e ficar arrastando malas toda vez que mudar de cidade.
    Adoro as dicas! Bjss

  7. Sensacional! Super me identifico! Depois que a gente se joga na estrada, começa mesmo com uns desapegos! E o desapego de manicure, cabeleireiro, etc ? É a gente aprendendo a se virar ainda mais sozinha! 🙂
    A propósito, estou com o meu marido fazendo um mochilão e o blog de vocês tem sido o nosso companheiro de viagem! Parabéns pelo excelente trabalho!

    • Oi Isa,

      Sou bem desapegada da unha tb. A única coisa que eu gosto bastante de cuidar é do cabelo e maquiagem (mas nada perto de blogueiras desse segmento que levam uma mala inteira de maquiagem quase…kkk)

      obrigada e bjs

Deixe um comentário