fbpx

Turismo acessível: viagens possíveis para todos

É muito fácil, de uma posição de privilégio, não perceber como às vezes pequenas coisas podem mudar a vida de outras pessoas para muito melhor. Uma das coisas mais legais deste blog é que com os comentários de vocês eu aprendo muito sobre questões que antes eu ignorava. Foi graças a um comentário, por exemplo, que nós deixamos de justificar os textos. Nem sei se todos vocês repararam isso, mas certamente os leitores com dislexia nos agradecem. Foi um deles que sugeriu essa mudança, que nós acatamos.

Também foi graças a um comentário de outro post que tive a ideia de escrever este texto. Eu fiz uma lista com pequenas alegrias do mundo viajante, coisas simples que nos fazem muito felizes. Você pode ler esse texto aqui. O comentário foi o seguinte:

turismo acessível placas

Crédito: Shutterstock

“Luiza, três pequenas alegrias que você descreveu têm a ver com acessibilidade. A da acessibilidade para pessoas com deficiência, a das placas bilíngues (acessibilidade linguística) e a porta do banheiro que abre pra fora. E eu queria dizer apenas que toda acessibilidade facilita o mundo de todo mundo. Um mundo pensado de maneira acessível recebe e acolhe as pessoas em suas pequenas necessidades. Pensar num mundo acessível é tentar enxergar o outro e as necessidades dele. Obrigada pelo post. Abs, Sônia”

Acesso. Uma palavra tão simples e tão complexa ao mesmo tempo. Outro dia eu ouvi um professor especializado em linguagem gestual afirmar que o problema é que a sociedade cristaliza como normal apenas uma “categoria” de pessoas e por isso é tão difícil criar condições mais acessíveis a quem é tão normal quanto nós, só que com uma ou outra capacidade limitada. Afinal, para mim a porta do banheiro que abre para fora é uma facilidade por conta da mala. Mas, para uma pessoa cadeirante, é essencial que para que consiga utilizar o banheiro sozinha.

Essas pessoas não precisariam ser vistas como quem vence obstáculos se a sociedade não impusesse muitos deles a elas. Mas, infelizmente, o mundo ainda não é tão acessível como deveria.

Para escrever essa reflexão, fui atrás de algumas das coisas que torna viajar de fato um direito de todos e uma possibilidade real para todas as pessoas, sejam elas idosas, cegas, surdas, cadeirantes, obesas, com mobilidade reduzida, entre outras. Eu encontrei essa lista do site Turismo Acessível, desenvolvido pelo Governo Brasileiro, com coisas que precisamos nos preocupar (e que estabelecimentos e governos precisam fazer) ao procurar um destino turístico acessível.

turismo acessível cadeirante

Crédito: Shutterstock

  • Existem vagas de veículos reservadas perto do acesso?
  • As calçadas são antiderrapantes e antitrepidantes? Possuem inclinações aceitáveis e não possuem obstáculos?
  • Há rebaixamento do meio-fio (rampa) nas calçadas?
  • A rampa de acesso possui inclinação aceitável e corrimões em 2 alturas?
  • As portas de acesso estão livres de barreiras?
  • Os corredores são acessíveis e livres de barreiras?
  • Os pisos da edificação são antiderrapantes?
  • A escada possui corrimão dos dois lados e piso antiderrapante?  A escada possui faixa contrastante nos degraus, braile e anel nos corrimões?
  • Existe elevador para cadeira de rodas ou plataforma elevatória? O elevador possui braile na botoeira e anúncio verbal?
  • Há piso tátil de alerta nos obstáculos suspensos, desníveis, escadas, rampas e elevadores? Existe piso tátil direcional até o local de informações ou pontos relevantes?
  • Os balcões de atendimento são acessíveis, incluindo caixas, guichês e bilheterias? Os balcões de auto-serviço (buffet) são acessíveis?Os equipamentos de auto-atendimento são acessíveis?

turismo acessível vaga cadeirante

Crédito: Shuttestock

  • Existem sanitários de uso público acessíveis?
  • A área de lazer é adaptada (piscina, brinquedos, quadras, etc.)?
  • Existem assentos para obesos? Existem assentos reservados para pessoa com mobilidade reduzida?  Há espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas com seu acompanhante?
  • Existem mesas reservadas e com altura adequada?
  • Existem dormitórios acessíveis? O banheiro do dormitório é acessível? O mobiliário do dormitório é acessível?
  • Há dispositivo de chamada nos sanitários para casos de emergência?
  • Existe vestiário acessível?
  • Existe fraldário infantil?
  •  Há sinalização de emergência luminosa nas áreas comuns? Há sinalização de emergência sonora nas áreas comuns?
  • Há sinalização luminosa nos apartamentos? Há sinalização sonora nos apartamentos?
  • Há sinalização dos locais e equipamentos acessíveis com os símbolos internacionais?
  • Há sinalização em braile e auto-relevo nas áreas comuns e junto a informações relevantes? Há sinalização em braile e auto-relevo nos apartamentos?
  • O site é acessível para leitores de telas?
  • Existe cardápio em braile?
  • Todo material impresso está disponível em formato digital para leitores de tela ou em braile?
  • Há intérprete de LIBRAS disponível?
  • Possui pessoal treinado para atendimento à pessoa com deficiência ou mob. Reduzida?
  • Oferece produto ou serviço turístico customizado para a pessoa com deficiência?
  • Existe telefone com transmissão de texto?
  • Possui áudio-guia? Possui vídeo-guia?
  • Possui mapa tátil ou maquete?

*Crédito Imagem Destacada: Shutterstock

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

7 comentários sobre o texto “Turismo acessível: viagens possíveis para todos

  1. Paaaaaarabéns maravilhosos! Muita alegria em ler um texto como este num site, blog, que eu amo tanto. Vocês, e no caso, especialmente você, Luiza mostram o quanto são sensíveis e especiais. Porque, não só por dedicar um post inteiro para esse assunto, mas também por, de verdade, ouvirem seus leitores! Sou cega e faço uso de leitor de tela para ler todos os conteúdos na internet, em fim, no computador. E quantas vezes já deixei comentários referente a algo que pudesse ser modificado na comunicação de tantos sites e nunca houve, se quer uma resposta, que dirá uma modificação na forma como os autores pensavam ou executavam o site. Mais uma vez meus parabéns e muita gratidão. com certeza com atitudes como estas teremos um mundo verdadeiramente melhor para todos.

  2. Ei Luiza. Mais uma vez mto bacana o tema abordado aqui.

    Tenho pensado muito sobre as pessoas que usam cadeiras de rodas e o acessos às cidades históricas (MG, RJ, BA, por exemplo), elas não direito de irem nestas cidades? O acesso às ladeiras, às ruas de pedra é praticamente impossível para cadeira de roda. E na maioria dos museus ou igrejas as adaptações não são permitidas por causa do tombamento. Alguma coisa precisa ser feita. E não to dizendo que precisamos reconstruir os lugares, mas precisamos começar a pensar: quem é o turista que visita nossa cidade? Nosso museu? Nosso cinema?

    Muitas pessoas não sabem, mas o surdo não lê e não escreve a língua do país como um nativo. A língua do surdo, em geral, é a língua de sinais (no nosso caso a Libras). E quando ele acessa o português (para lê ou escrever) o faz como um estrangeiro. Portanto, a leitura deste blog (que eu tanto adoro) pode não ser acessível para este público (e olha que eu conheço muitos surdos que tem tanto wanderlust quanto eu), não sei se eles conseguem entender as dicas, orientações, e os comentários do 360°. Mas ficar atenta às diferenças e tentar contemplá-las é um grande começo.

    Mais uma vez, ótimo post.

    Abraços,

    Sônia

  3. Muito legal esse texto!
    Estive no México recentemente e, em Playa del Carmen me chamou muito a atenção de que Playa havia se tornado a primeira praia acessível para deficientes (em 2013).
    Tem rampa de acesso até a praia, chuveiros acessíveis e cadeiras de rodas à prova d’água.
    Felizmente não tenho nenhuma restrição desse tipo, mas achei a iniciativa super legal.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.