Tags:

Quando não estamos no controle, inventamos algo para controlar

Todo mundo tenta, uma vez ou outra, estar no controle de cada aspecto da vida. É isso que deduzo da garrafa pet cheia d’água que descansa, há semanas, no muro de um prédio da minha rua – logo acima do relógio de luz. E não é a única da vizinhança, resquícios de um boato que se espalhou pelo Brasil no começo do século, que garantia: colocar uma (ou duas) garrafas cheias acima do padrão de luz deixa a conta baratinha. Se não dá pra controlar o gasto apagando as luzes e diminuindo o tempo de banho, que seja então com uma garrafa no lugar certo.

Óbvio, não há base científica para o procedimento, o que não significa que ele dê errado. Fosse assim o Brasil não teria visto, na primeira década do século 21, garrafas acima de relógios de luz em praticamente toda grande cidade. Fosse assim a técnica não teria sobrevivido, mesmo que em menor intensidade, até 2018. Que funciona, funciona, mas não da forma que muita gente pensa, que seria uma maneira de adulterar a contagem do relógio. Na realidade, a conta fica mais barata porque o morador, ao sair de casa e se deparar com a geringonça acima do relógio de energia elétrica, se lembra de voltar e apagar as luzes da casa, garantem pesquisadores. Ou seja, em teoria é melhor apagar tudo de uma vez e mandar a garrafa pra reciclagem, mas quem se importa?

Essa história me fez pensar em como tentamos, de formas pouco ortodoxas, controlar o incontrolável, tipo a contagem feita pela companhia de energia elétrica. No meu caso, tentativas semelhantes surgem em dois momentos: em jogos de futebol e dentro de aviões. Comecemos pelos últimos. Como já contei aqui, eu, bem, eu me cago de medo de viajar de avião. Não literalmente, espero, mas em caso de turbulência forte quem sou eu para garantir.

Passagens aéreas baratas

E olha que nunca passei por situações realmente assustadoras. O momento mais complicado que já enfrentei foi uma arremetida num voo entre Brasília e Belém. Nada de incomum, procedimento padrão e simples para pilotos, mas que foi piorado pela presença de duas dezenas de deputados dentro da aeronave. Muitos deles gente do bem, aquele tipinho que só não lota o inferno porque esse lugar não existe. Enclausurado com uma galera tão agradável e no meio da primeira arremetida da minha vida, pensei o lógico: “só falta o juízo final começar justo por esse voo”.

Pousamos em segurança na segunda tentativa, com todos os passageiros claramente aliviados no final do voo – inclusive parte do Congresso Nacional. O que só confirma que a aviação é o transporte de massa mais seguro que existe e que certos deputados também são humanos, mesmo que muita gente duvide das duas afirmações.

Para algo dar errado num voo, muita coisa tem que falhar, o que não acontece, por exemplo, com aventuras rodoviárias. Em resumo, uma viagem de avião é estaticamente mais segura que uma feita de ônibus, mas eu sou de humanas e não entendo nada de números, o que faz com que eu tenha medo de voar, não de estradas.

A questão central envolvendo o medo de avião – não só o meu, mas o confessado por muita gente – é que nos ares nós não temos nenhuma falsa sensação de controle. A gente se senta na cadeira e torce pra dar certo, enquanto numa viagem de carro é possível viver a ilusão de que, ao volante, temos o controle de tudo ao nosso redor. O mesmo vale para o ônibus: se não estamos dirigindo, pelo menos pensamos que poderíamos fazer isso, se fosse necessário. Ao menos entendemos a lógica de funcionamento daquela máquina, algo bem mais complicado em aeronaves. A sensação de estar sem controle de nada, entregue aos responsáveis pelo voo, é desesperadora.

É aí que entra a artimanha da garrafa pet no relógio de luz. Ao longo dos anos, fui adquirindo costumes que se tornaram obrigatórios a cada voo. Tipo rezar, algo que só faço, confesso, em aviões – já está tão comum que fiz dos voos as minhas missas, meus cultos, meus momentos com o divino. Depois de afivelar os cintos e me segurar na cadeira, não tente falar comigo. Meus olhos podem estar abertos, mas minha cabeça está no céu, em todos os sentidos possíveis.

Além da recuperação da fé há muito perdida, faço outras coisas que, garanto, são tão importantes para a segurança do voo quanto as feitas pelos engenheiros e pilotos. Tipo mandar e receber as mesmas mensagens e me sentar mais ou menos no mesmo lugar. Se nunca deu errado, quer dizer que deu certo, tipo a garrafa pet. Já voei depois de me esquecer de uma ou outra técnica, claro, mas o voo foi bem mais tenso, mesmo que só para mim – o piloto e até os outros passageiros não diriam isso.

Tenho um comportamento parecido sempre que vou ao estádio ver o América jogar e estou convencido que, se meu time perde, não é pela falta de eficácia dos atacantes, mas porque eu deixei de fazer alguma coisa do ritual sagrado. Diga o que você quiser, mas este ano o América só perdeu quando eu estava a centenas de quilômetros de distância. A explicação poderia ser a de que coincidentemente só não fui aos jogos contra adversários mais complicados, mas acreditar nisso seria assumir que não tenho o controle, o que não é tarefa fácil.

Estrada Argentina

Crescer, aprendi com muita terapia, envolve assumir que não temos o controle de tudo. Nem de voos, nem de jogos, nem de tudo que ocorre durante uma viagem, por exemplo. E muito menos de cada aspecto de um relacionamento ou de cada coisinha, boa ou ruim, que acontece nas nossas vidas ou nas vidas de quem amamos. E, muitas vezes, por medo de assumirmos que não temos como controlar os resultados de algo importante, preferimos a saída fácil dos rituais e superstições. Por medo de não estarmos no controle de algo, inventamos algo para controlar.

Saber disso eu sei bem. Mas, pelo sim ou pelo não, melhor colocar aquela garrafa no relógio de luz.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comentários sobre o texto “Quando não estamos no controle, inventamos algo para controlar

  1. Que belo português. Não dá vontade de parar de ler.

    Sobre o contexto, você tem toda a razão! Ter o controle de algo, mesmo que irreal, nos faz sentir melhor. A vida é assim e não reclamo, aliás gosto! rs…

  2. Nesse mundo atual,o que mais aparece,são pessoas controladoras,querem passar qualquer tarefa,mais rápido possivel,para poder ficar sem fazer nada, pede e pede toda hora,Excelente Artigo,Abraços Palestrante Flavio Peralta

  3. Rafa,muito massa teu texto 🙂 sempre me lembro dessa história se não estar no controle quando entro em um avião. Bom saber que não sou a única haha

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.