Tags:
Atlas: Brasil, Itália

Imigrações: quando viajar é partir pra não voltar

Meu bisavô Niccola Becattini tinha 15 anos quando saiu de Rocca San Casciano, uma pequena comune italiana a poucas horas de Florença. Os detalhes dessa história eu nunca soube muito bem. Só passei a me perguntar sobre essa trajetória quando, recentemente, entrei em contato com documentos que contavam, entre carimbos e firma de cartório, fragmentos de sua vida.

Eu não o conheci, mas me lembro de quando escutei pela primeira vez, fascinada, minha avó contar que ele havia cruzado o oceano de navio e viajado por muitos e muitos dias para chegar ali. Para uma criança de apartamento dos anos 1990, aquela era uma aventura inimaginável. Foi depois que sua mãe Pia faleceu que ele embarcou com o pai, irmãos e outros parentes rumo ao Novo Mundo. Fugiam da fome e da crise implacável que assolava a Itália em fins do século 19 – e a América era, naquela época, uma terra repleta de oportunidades. A esperança de uma vida melhor foi o que motivou esses milhares de italianos que, como ele, cruzaram o oceano sem passagem de volta.

Sem grandes registros da trajetória do meu bisavó, passei a procurar informações sobre essa onda migratória. Descobri que a primeira viagem era feita dentro da Itália, de carroça ou a pé, até os portos de Gênova ou Nápoles, de onde partiam. O governo brasileiro pagava as passagens em navio a vapor, terceira classe, e que a viagem podia durar até 40 dias, em condições insalubres que facilitavam a proliferação de doenças como sarampo e cólera. Não eram poucos os que não resistiam. Quem aceitava os termos viajava no escuro: só descobria o destino ao desembarcar. Do porto de Santos ou do Rio de Janeiro, não sei, a família do meu antepassado viajou ainda até o interior de Minas Gerais. Em Curvelo, aprenderam português, casaram-se, tiveram filhos e ganharam a vida com construção civil.

Imigrantes italianos em São Paulo

Imigrantes italianos em São Paulo. Foto: Fundação Patrimônio da Energia de São Paulo – Memorial do Imigrante

Niccola sempre sonhou em retornar à sua terra. Aos sessenta anos perdeu a visão, consequência do glaucoma. Quando se deu conta de que nunca mais voltaria a ver a Itália, disse que então já podia morrer. Viveu ainda algumas décadas, mas a Itália permaneceu um sonho impossível.

Parei para pensar sobre tudo isso quando fazia o caminho inverso. De como o mundo ficou pequeno. De todas as vezes que cruzei o mesmo oceano em um espaço tão curto de tempo. Sentada em uma cadeira incômoda de avião, decidindo se comeria frango ou massa quando o carrinho de comida passasse por mim. Pensei nos meus planos de me assentar por um tempo do lado de cá, sabendo que sempre terei o Brasil para chamar de casa quando quiser voltar. Que meus amigos, família e as ruas em que passei minha infância sempre estarão a alguns cliques e oito horas de voo de mim, e nos meus planos de estar com eles todo natal.

Eu não sei detalhes de como era a vida do meu biso na Itália, se eles viviam bem ou se passavam dificuldades ou quais foram as razões que tornaram a travessia suportável, mas sempre pensei nessa onda migratória em geral como uma busca por refúgio humanitário. E que, mesmo tendo se passado 140 anos desde que os primeiros imigrantes italianos chegaram ao Brasil, tanta gente ainda enfrenta viagens tão parecidas com a dele, e tão diferentes da minha.

Pessoas que deixam suas casas e cruzam mares e terras em jornadas de vida ou morte. Que precisam lutar para se adaptar em um país desconhecido sem saber se algum dia voltarão a colocar os olhos no lugar que chamam de casa, não porque assim o escolheram, mas porque era preciso. Imigrar sempre é assustador e difícil e um caminho cheio de incertezas, mas, mesmo em um mundo em que a tecnologia driblou a distância, ainda somos privilegiados por poder escolher entre ir e ficar e a certeza de voltar quando a saudade bater.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

14 comentários sobre o texto “Imigrações: quando viajar é partir pra não voltar

  1. Incrível hoje mesmo estava vendo um vídeo sobre a imigração italiana e fiquei pensando sobre isso. Realmente os imigrantes continuam passando pelos mesmos problemas que os antepassados italianos, espanhóis e outros enfrentaram no passado. O importante sempre é poder valorizar o passado e fazer dele um aprendizado para o que temos no presente. Obrigada por compartilhar este lindo artigo.

    1. Ei! Obrigada pelo comentário, fico feliz que tenha gostado. Pouca coisa mudou para uma parcela da população migrante e hoje nossos privilégios ficam ainda mais evidentes que naquela época, né?

      Abraços e obrigada!

  2. Minha vó nasceu num território, antes, japonês e que agora faz parte da Russia. Ou seja, nunca voltará a sua terra natal. E mesmo que volte só para uma breve visita, nada mais é a mesma coisa. Histórias de guerra são sempre tristes e tem mto a ensinar. Os brasileiros que pensam em fugir daqui deveriam saber que não há melhor lugar no mundo que sua própria casa, mesmo desarrumada. Gosto mto dos seus textos!

    1. Olá Renata, com certeza, ir embora nunca é fácil. Sempre seremos estrangeiros em um novo lugar. Que triste a história da sua avó…

      Abraços e obrigada pelo comentário!

  3. Natália,
    Também sou descendentes de italianos – meus trisavós vieram de lá – e chorei lendo seu texto. O trecho “Quando se deu conta de que nunca mais voltaria a ver a Itália, disse que então já podia morrer” me tocou profundamente.

  4. Pesquisei bastante para descobrir a história da minha família e quanto mais descubro mais fascinado fico! Realmente penso muito que quando nossos antepassados chegaram era isso e pronto, sem volta, sem choro… até chegar em nós nos dias de hoje. Ótimo texto 🙂 me inspirou a escrever também

  5. Emocionante Natália, seu texto, muito bem escrito, transcende para as coisas da alma. Vai além de cada palavra, cada pesquisa, enquanto conjunto e usando a sensibilidade, nos toma e nos transporta para os cenários que descreve e para as circunstâncias. parabéns

  6. Ah Natália, meu pai português fez essa mesma viagem em 1930, com 19 anos, acompanhado de sua irmã, tinha algumas vantagens sobre seu biso, falava o idioma, e já tinha parentes aqui no Brasil.
    Ele assim como seu biso, nunca mais voltou, mas, não queria, acho que a vida era muito difícil, não tive oportunidade de saber, eu o perdi quando era jovem, a curiosidade e os questionamentos vieram muito depois…
    Hoje sou cidadã portuguesa, já visitei a aldeia em que ele nasceu e viveu. Não sou mais uma menina, em breve adentro a terceira idade, mas pretendo residir em Portugal, ao menos por um tempo.
    Compartilho de seus sentimentos, quando comparamos o que viveram e o que vivemos.
    Foram herois, seu biso e família, e meu pai! Amor eterno!

    1. Olá Miriam, obrigada por compartilhar a história do seu pai. Espero que você realize o sonho de viver em Portugal!

      Abraços e obrigada por comentar!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.