fbpx
Tags:

Como escolher uma mochila de viagem

Eu entrei numa loja e vi um mochilão enorme e barato. Pronto. Saquei meu cartão e fiz a compra, sem nem pensar. Aquele mochilão, o primeiro da minha vida, me acompanhou na África, visitou a Europa, morou comigo na Índia, conheceu as praias paradisíacas da Tailândia e deu uma volta completa ao globo. Mochilão de sorte.

Mas quando voltamos para casa, um ano depois, ele já estava rasgado, sem uma das alças e condições de uso. Agradeci pelo serviços prestados, mas eu já sabia o óbvio: eu tinha comprado uma mochila ruim. Se ela deu conta da missão – mesmo com o transporte, err, carinhoso comum em aeroportos – foi por acaso. Só isso. Eu podia ter ficado sem mochila no meio da viagem.

Um bom planejamento de viagem começa bem antes de você sair de casa e não envolve apenas o destino. Entre outras coisas, é preciso escolher bem a sua bagagem. E, antes de comprar um mochilão, vale responder uma pergunta: eu preciso mesmo de um? Essa é a melhor opção para mim?

Quando a mala é uma escolha melhor

Vou deixar uma coisa clara: você não precisa ter um mochilão para ser mochileiro. Na realidade, o que menos importa é o tipo de bagagem que você vai escolher. Eu já viajei o mundo com uma mochila nas costas. E já passei três meses na Europa com uma mala de rodinhas.

Atualmente, com minhas viagens sendo mais curtas e pelo Brasil, estou adotando a tática da mochila comum (onde vai o computador e a câmera) + uma pequena mala de rodinhas (para as roupas). Com essa configuração, ideal para viagens de até 15 dias, eu normalmente nem despacho bagagem. Já cheguei a viajar também só com a mochila comum, até para fora do país. Só não repito isso porque levo sempre uma quantidade grande de eletrônicos e material fotográfico, o que deixa a mochila muito cheia.

Portanto, o que mais pesa na hora de escolher seu tipo de bagagem é o seu conforto. O mochilão é ideal para viagens mais longas, em que você vai usar muito transporte público e caminhar bastante, ou por regiões onde o calçamento é ruim. A Lu já puxou uma mala de rodinhas pelas ruas de Varanasi, na Índia, e sabe bem a dificuldade que foi. E eu já puxei uma mala de rodinhas pelas ruas da Europa, numa viagem em que eu usava muito transporte público e tinha que escalar as escadas do metrô diariamente, e também não recomendo a experiência para ninguém.

Por outro lado, se sua viagem envolver pouco uso de transporte público, lugares com boa estrutura, não for muito longa ou se você sofrer de dor nas costas, simples: vá de mala de rodinhas. Será mais confortável e suas roupas não vão amassar. De preferência, compre uma mala com quatro rodinhas, daquelas que você nem precisa inclinar para empurrar. Isso tem nome: felicidade.

Como escolher a mala

Foto: Murgermari / Shutterstock.com

Como escolher a mochila de viagem

Tamanho

A primeira coisa é básica: o tamanho da mochila. A não ser que você queira tentar o combo mochila + malinha de rodinhas, é provável que estejamos falando de um mochilão. Mas cuidado com o “ão”. A experiência me mostrou que o melhor é não comprar um mochilão muito grande.

O problema é a chance de você cair em tentação. Se você tiver espaço de sobra na mochila, provavelmente tenderá a enchê-la até o talo. E, não importa o tamanho da sua viagem, isso é sempre um erro. Você pode ficar um ano na estrada. Se levar roupas para duas semanas, você estará bem. Basta usar as lavanderias que você encontrará pelo caminho. Levar mais do que isso é sempre sinônimo de arrependimento e dor nas costas.

O tamanho das mochilas é medido em litros. O mochilão normalmente começa com 40/45 litros e termina com mochilas de 90 litros. Hoje eu tenho uma Quechua de 60 litros. Eu gosto da marca, mas acho que a de 50 litros seria ainda melhor. A Naty tem uma desse tamanho e nunca teve problemas em levar as coisas dela. Se faltar espaço, basta ter uma mochila de ataque.

escolher mochila

A mochila de ataque

A mochila de ataque é uma mochila pequena que você usará no dia a dia. Você chega no hotel, deixa o mochilão lá e coloca as coisas importantes – câmera, documentos e uma garrafa d’água, por exemplo – na mochilinha. Se você tiver que despachar a mala, como normalmente acontece com os mochilões, é na mochila de ataque que irão os itens que não podem ser despachados, tipo os seus eletrônicos.

Quando ela for inútil, é só deixá-la vazia e guardá-la dentro do mochilão. Alguns mochilões já vêm com uma mochila de ataque, que pode ser acoplada à mochila maior. Pode valer a pena verificar produtos assim, mas não faça questão de comprar uma que já venha com a mochila de ataque. Qualquer mochila comum (ou bolsa) faz a mesma função. A única diferença é que ela não será acoplada ao mochilão, mas eu raramente uso esse recurso. Normalmente levo a mochilinha na minha frente, pendurada na minha barriga, estilo canguru. E isso em viagens realmente longas ou em que ela é indispensável.

Mochila de viagem

Compartimentos são úteis

Meu primeiro mochilão, aquele que deu a volta ao mundo comigo, tinha poucos compartimentos. E isso era um problema. Quanto mais compartimentos, mais fácil fica separar as roupas. Uma abertura que te permita tirar os itens que estão no fundo da mochila, mesmo sem ter que esvaziar tudo, também é útil. E bolsos laterais, claro, são sempre indispensáveis.  O mochilão não precisa ter mil compartimentos, veja bem, mas uma quantidade razoável ajuda.

Invista direito

Produto bom tem o seu preço. E esse preço não é baixo. Não adianta escolher a mochila mais barata da loja e querer um produto da melhor qualidade. Fora que esse tipo de economia porca quase sempre dá prejuízo, com o produto durando menos que você esperaria e a consequente necessidade de comprar outra mochila. Talvez até no meio da viagem.

Portanto, não tenha medo de gastar. Eu sei que o orçamento de viagem já pega boa parte das suas economias. Por isso mesmo, vale comprar a mochila bem antes da viagem, de forma que ela não se torne um peso no orçamento na véspera da partida (trazendo de volta a danada da tentação, nesse caso para economizar com um produto ruim).

Quer saber se uma marca é boa? Veja a garantia que ela dá.  Bons produtos costumam ter garantia longa.

Os itens opcionais. E bons.

Existem alguns itens que podem tornar sua vida mais fácil. A barrigueira, alça que prende o mochilão à sua barriga e ajuda na distribuição do peso, é um dos mais importantes (e também um dos mais comuns). Antes de comprar, veja se o mochilão pode ser regulado para sua altura e peso. Alças de compressão, que ajudam na organização das roupas, também são úteis. Eu parei de usar depois que conheci os sacos a vácuo, essa maravilha do mundo mochileiro que diminui o tamanho da bagagem, fato útil para aqueles casacos enormes para inverno rigoroso.

E vários mochilões vêm com capa de chuva. Eu não acho que seja tão importante assim, mas tem quem só compre a mochila que vem com esse item. Para mim, no entanto, acaba sendo mais útil para envolver a mochila na hora de despachá-la. E esse é certamente um ponto a favor, já que alças de mochilas se perdem numa frequência enorme, durante o transporte entre o avião e a esteira de bagagem. Outra saída é ver se a mochila permite que as alças sejam guardadas na hora do embarque – nesse caso a mochila fica com a aparência de uma mala.

Por fim, devo dizer que este texto não é pensado para trilheiros, que têm outras demandas. É para o mochileiro urbano.

E você? Qual mochila usa? O que recomenda?

*Fotos do post: Shutterstock.com

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

57 comentários sobre o texto “Como escolher uma mochila de viagem

  1. Eai brother beleza?
    Quero uma mochila versatil coringa, pois eventualmente usaria em trilhas além também de viagens ai de 1/2 meses. Oque acha da Guepardo Vancouver 45L?

    Valeu abraço

  2. Ola Rafael!! Tudo bem?? Vou fazer intercambio na Espanha e gostaria de levar uma mala grande e uma mochila de bordo confortavel e que tivesse rodinhas, para não não ter que arrastar as duas malas e poder usar essa mochila nas viagens mais curtas. Terias alguma dica de modelo? As que encontro são desconfortáveis..
    Muito obrigada!!!!

  3. Fala ae. Postei há pouco tempo que iria comprar uma de 70l pra dividir e viajar com minha esposa. para Argenitna e depois para a Bahia.

    Contudo, pensei melho e achei que valeria mais a pena comprar duas mochilas de 50l.

    Achei essa daqui da T&R. https://www.360meridianos.com/2015/09/como-escolher-mochila-de-viagem.html#comment-438508

    Ela ta saindo bem em conta. Mas fica a pergunta: Vale a pena? Eu vi em outros sites, pelas fotos, que ela tem abertura na parte de baixo. Mas nao estou conseguindo ver o ziper pelas fotos desse.

    De qualquer forma, pra viagens curtas com alguns deslocamentos, ela atenderia bem? O que eu devo ficar atento na compra de mochila dessa marca?

      1. Cliquei despretensiosamente no seu link e acabei me deparando com a mesma mochila que eu já tive.

        Então, essa mochila ai aguentou uma viagem para o Canadá e rasgou na volta. A parte onde as alças são costuradas simplesmente rasgou. AS DUAS ALÇAS! E não estava na full capacidade hein.

        Aconselho comprar outra. Mas respondendo sua pergunta, o zíper embaixo abre bem ali, entre a parte preta do fundo e a parte de cor da mochila (acima do logo de caminhada 50). É um ziper que circula todo o mochilão.

        Se vc reparar a terceira foto desse link da Centauro, a parte que rasgou é exatamente a da foto, na junção das alças.

  4. Olá! Legal o post!
    Estou para fazer a Patagônia desde Buenos Aires em janeiro e tenho um mochila de 70+15.
    Na verdade, nunca entendo esse 15, o que é este 15?
    Mochila é meio exposta para efeito de despachar a mala, o que acha?
    Na sua opinião, esse tamanho de mochila e suficiente para 16 dias na Patagônia? Temperatura de mínimas de 8 graus… trilhas… não vou levar a mochileira em trilha, mas preciso levar dois casacos. Não sei…
    Penso que a vantagem do mochilao é quando se tem muitos deslocamentos no roteiro, porque ficar se deslocando de rodoviária pra hospedagem e de hospedagem para rodoviária de mala de rodinha deve ser bem chato. Mochila é mais dinâmico.
    O ponto ruim e caber menos e amarrotar tudo. O que acha?
    Valeu!

    1. É exatamente o que você falou, Victor. Amassa sim, mas te dá mais mobilidade também. E isso vale a pena. Até fiz um mochilão recente com mala de rodinhas, pelo México, mas era uma viagem bem mais leve e tranquila que a sua. Acho o mochilão a melhor ideia nesse caso.

      O 70 + 15 indica que alguma coisa na mochila faz com que ela se expanda, se necessário (em geral é na tampa superior).

      Acho uma boa capacidade sim, ainda mais se você não vai levar coisas pra acampar nas trilhas.

      Abraço.

  5. Boa tarde.
    Em Janeiro irei fazer duas viagens com minha esposa:
    A primeira, 9 dias pro Buenos Aires, Punta del Este e Montevideo.
    Assim que voltar, farei 10 dias para Porto Seguro, Arraial D’Ajuda, Trancoso e Caraíva.

    Na primeira viagem, andarei a maior parte do tempo, fazendo travessia e translados por balsa e ônibus, prioritariamente, alugando carro somente para ir a Punta.

    Na segunda, alugaremos carro junto com outro casal, e faremos os deslocamentos sempre que possível por esse meio de transporte.

    Minha idéia era comprar uma mochila grande para as viagens (principalmente para a segunda), pois ficarei poucos dias em cada cidade e acho que a mochila facilitaria meu deslocamento.

    Aí surge a dúvida: Queria comprar uma mochila que atendesse a mim e à minha esposa e levaríamos uma de ataque para compor as nossas necessidades.
    Fazer isso seria furada? Qual tamanho compro? 70l é ok, ou preciso de uma maior?

    Obrigado!

    1. Oi, Felipe. Não acho furada não. Sobre o tamanho da mala, isso depende basicamente da capacidade de vocês de levarem pouca coisa. Tem gente que acharia 70l pra duas pessoas pouca coisa. Eu confesso que acho até muita. Vai de cada um. Mas que dá, dá, ainda mais que são duas viagens curtas.

      Abraço.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.