Tags:
Atlas: Belém, Brasil, Pará

Ilha do Combu, a Amazônia vizinha de Belém

Sua cidade muda completamente em menos de dois quilômetros? Belém, capital do Pará, sim. Basta entrar num barco e atravessar o rio Guamá. Pouco mais de 10 minutinhos de travessia e… pronto! Você pode ter sua primeira experiência amazônica, ao andar de barco pelos igarapés da Ilha do Combu, conhecer uma fauna riquíssima e de quebra almoçar num dos restaurantes que funcionam na ilha. Ilha amazônica com vista privilegiada para Belém.

Com 2,5 milhões de habitantes em sua região metropolitana, Belém passa longe de ser uma cidade pequenininha: é a 13° maior zona urbana do Brasil e uma das 200 maiores do planeta. Tanta gente traz efeitos colaterais, assim como ocorre em qualquer grande cidade. Trânsito, poluição e barulho são alguns deles.

É por isso que a travessia para a Ilha do Combu – e talvez nenhuma outra palavra expresse tão bem essa experiência quase mística – é tão impactante. Pegamos o barco na Praça Princesa Isabel, no bairro da Condor. Não dá nem tempo de pensar direito: a selva de pedra vai ficando para trás e a Amazônia, com toda sua grandiosidade, começa a encher o horizonte.

Combu

A Grande Belém conta com cerca de 50 ilhas. A do Mosqueiro, que tem praias fluviais com ondas e esportes náuticos, é uma das mais famosas, mas o acesso à ilha do Combu é bem mais simples. Cerca de 200 famílias ribeirinhas vivem por ali, vivendo da pesca, do cacau, açaí e dos restaurantes, entre outras atividades. Nos finais de semana, quando os restaurantes abrem, a população da ilha aumenta: cerca de 700 pessoas cruzam o rio para almoçar lá.

Ilha do Combu, Belém

Fui uma dessas pessoas em agosto do ano passado, no meu último dia de viagem pelo Pará. Valeu cada minuto. Se você passar por Belém, garanta pelo menos uma refeição na Ilha do Combu. Com direito a banho de rio amazônico.

Veja também: Onde comer em Belém, no Pará 

Onde comer em Belém

Ilha do Combu, Belém

O restaurante mais tradicional é o Saldosa Maloca – assim mesmo, com L, um erro da época de criação do restaurante, há mais de 30 anos, que acabou virando marca do lugar. Eu já fui também em outro, o Combu da Amazônia. O barco te deixa no restaurante que você quiser e, de tempos em tempos, passa para buscar os clientes já satisfeitos.

Ilha do Combu, Belém

A estrutura é simples, com cadeiras de plástico e deck de madeira para entrar no rio. Há também uma trilha pela mata, para quem quiser se afastar ainda mais de Belém. Eu preferi não fazer a trilha e fui logo comer.

Ilha do Combu, Belém

Os pratos da casa? Os frutos do rio. Por exemplo, o famoso caranguejo no toc-toc (cinco caranguejos por R$ 35). Vale dizer que o preço da refeição fica quase sempre nessa faixa. Justo.

Ilha do Combu

Depois de matar o calor amazônico com um banho de rio, comer e beber, é hora de voltar para Belém. É só esperar o barco. E a Amazônia dá lugar aos encantos da capital do Pará.

Ilha do Combu, Belém, Pará


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

30 comentários sobre o texto “Ilha do Combu, a Amazônia vizinha de Belém

  1. Minha decepção:
    Sou viajante independente, fiz um roteiro de 11 dias pra Belém, de 10 a 21/11/2017, no domingo dia 12/11 tinha programado conhecer a ilha do Combú e seus restaurantes.
    No dia anterior estando próximo (no Mangal das Garças) e o Portal da Amazônia estando ocupado com uma montagem de evento, decidi ir até a Praça Princesa Isabel, para conferir a travessia para a ilha do Combú que seria no dia seguinte (domingo).
    Lá encontrei uma grande precariedade, tanto no local quanto nas embarcações. Estas são pequenas e não usam nenhum equipamento de segurança. Quando questionei sobre coletes, a moça saiu para perguntar para a dona da embarcação e não retornou mais com a resposta. Também me fiquei em dúvida se são embarcações licenciadas e fiscalizadas.
    Por ali ser o único lugar para a travessia à Ilha do Combú, fiquei muito indignada com a condição que encontrei lá.
    Conversando como o pessoal na praça, constatei que fazem travessia casada com os restaurantes. Isso pra mim já seria outro problema, porque havia decidido que iria para o restaurante que eu escolhesse da minha lista. Também tinha em mente navegar passeando no em torno da ilha, para conhecer melhor a ilha e todos os outros restaurantes. Só não contava que não havia um transporte independente e seguro para isso.
    A praça também é um lugar inóspito, assim como o caminho até lá. A partir do Portal da Amazônia, seguindo pela Av. Bernardo Sayão, é de dar medo.
    Mesmo tendo garagem para deixar o carro, resolvemos não ir, pois estavam comigo mais 6 pessoas e não quis colocar nossas vidas em risco.
    Abortei a ilha do Combú do meu roteiro! Fiquei muito frustrada pelo tempo que dediquei pesquisando todos os restaurantes e pela dificuldade de material disponível na internet.
    Abomino esse tipo de turismo casado, gosto de ser livre, por isso dedico muito tempo antes da viagem à pesquisa.
    Que se invista em melhores condições naquela praça ou que possamos tomar embarcações no terminal hidroviário para o deslocamento.

    1. Oi, Marlene. Obrigado pelo seu relato.

      De fato, os barcos em geral são pequenos, mas me lembro de terem coletes. Há passeios mais caros, feitos com agências, que levam para um tour pela Ilha mesmo.

      Abraço e obrigado mais uma vez.

  2. Que passeio incrível, fiquei com vontade de ir aí visitar, Belém é cercada ilhas lindas amei conhecer um pouco melhor da cidade, cultura e gastronomia.

  3. Nossa quantos lugares lindos em nosso Brasil, obrigada por compartilhar conosco vou me programar para um dia fazer uma viagem para esta ilha em Belém.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.