Tags:
Atlas: Argentina, Ilhas Malvinas

Ilhas Malvinas (Falklands): o que fazer, roteiro e outras dicas

Um lugar com 3.200 habitantes, mais de 400 mil ovelhas e uma população de 1 milhão de pinguins. Isso mesmo UM MILHÃO DE PINGUINS para 3.200 habitantes. Ilhas Malvinas para os sul-americanos ou Falklands, para quem acredita que o território é de domínio britânico.

Visitamos o polêmico local no novo voo que, uma vez por semana, sai de São Paulo para o desconhecido aeroporto de Mount Pleasant (MPA). Tão desconhecido que na hora do meu check-in, em Belo Horizonte, o atendente da Latam me perguntou o destino e quando informei Mount Pleasant, ele fez uma careta, perguntou de novo e depois perguntou onde era o local. Quando eu falei Ilhas Malvinas a pergunta foi: “mas a gente voa pra lá?”.

Um voo pouco divulgado, mas que existe. A gente teve a oportunidade de experimentar e agora te contamos como é passar uma semana nas Ilhas Malvinas, rodeados de pinguins, leões marinhos, ovelhas e muita tranquilidade!

Personalidades mais famosas das Ilhas Malvinas. São cinco espécies diferentes vivendo nas ilhas

Ilhas Malvinas: onde fica

Situadas no Atlântico Sul, as Ilhas Malvinas ficam a aproximadamente 643 quilômetros do continente e a 1.367 quilômetros ao norte do Círculo Polar Antártico. Você pode conhecer como Malvinas, mas o pessoal que mora lá só aceita se você chamar de Falklands ou Falkland Islands.

O arquipélago é formado por duas ilhas principais, Falklands Oriental e Ocidental, além de outras 778 ilhas menores. Com população de aproximadamente 3.200 pessoas de mais de 60 países, 90% dos moradores são britânicos.

ponte em goose green falklands

Ponte em Goose Green

Muitos dos nativos da ilha têm antepassados que estão lá há até nove gerações, ou quase 200 anos. É uma democracia autônoma, com exceção das relações exteriores e de defesa, que ficam por cargo do Reino Unido. Ele é dirigido por uma assembleia legislativa composta de oito membros eleitos. As Malvinas são economicamente auto-suficientes e com fortes indústrias de pesca, agropecuária e de turismo, além de indústrias do setor privado.

A guerra das Malvinas: como o conflito transformou a ilha

A Guerra da Malvinas, em 1982, mudou a vida dos moradores nas ilhas para sempre. O conflito durou 74 dias, e deixou mortos 265 soldados britânicos e 649 argentinos. Apesar dos horrores, para a população da ilha o período que se seguiu foi de reconstrução e de mudanças.

É que o próprio governo das Falkland acredita que, após a guerra de 1982, as ilhas passaram a ter um desenvolvimento maior. Talvez, muito disso se dê ao fato de que após a guerra, o Reino Unido passou a dar mais atenção para as Falklands.

helicóptero argentino abatido pelo exército britânicoHelicóptero argentino abatido pelo exército britânico na guerra de 1982, nos arredores de Stanley

Com o fim da guerra, teve início o processo de reconstrução econômica, política e social. As terras foram divididas e foram vendidas ou arrendadas, passando dos grandes fazendeiros para agricultores locais. Esses territórios, que antes da guerra pertenciam, em sua maioria esmagadora, a proprietários ausentes, passou para as mãos de trabalhadores e moradores das Ilhas.

Por lá, existe um sentimento muito forte de agradecimento aos que estiveram na guerra. Eles costumam dizer que todo o crescimento econômico que eles têm vivido desde 1982 se deve aos esforços daqueles que perderam a vida no conflito. Entretanto, a descoberta de petróleo por lá, em 2010, alimentou novas disputas entre britânicos e argentinos.

Por muito anos, várias minas terrestres instaladas durante a guerra ainda estavam ativas, principalmente nas proximidades de Stanley. Atualmente, os campos minados estão desativados e as bombas foram todas retiradas. Ainda é possível encontrar as placas de advertência, mas eles garantem que tá tudo limpo. Eu, por precaução, não ousei nem chegar perto.

Cemitério em Blue Beach, onde estão enterrados alguns dos 255 militares britânicos que morreram na guerra de 1982

 

Como conhecer as Malvinas

  • Passagem

Nós visitamos as Falklands à convite da Latam Airlines e do governo de lá e estivemos no primeiro voo direto do Brasil para as Ilhas Malvinas.

O voo LA8210 sai de São Paulo todas as quartas-feiras, às 9h30, chegando a Mount Pleasant às 14h35. O mesmo avião retorna, também às quartas-feiras, saindo das Malvinas às 16h50, chegando em SP às 21h35.

O Boeing 767 tem capacidade para 191 passageiros na classe econômica e 30 com assentos na classe executiva Premium. A tarifa média é calculada em 800 dólares, mas é bom ficar de olho em promoções. O preço promocional já chegou a R$1.850.

  • Seguro de viagem para as Malvinas

O seguro de viagem é opcional para as Malvinas, mas nossa recomendação é que você nunca viaje sem, porque no caso de qualquer emergência médica, roubo, extravio de bagagem ou necessidade de interromper a viagem por conta de algum grande imprevisto, você estará tranquilo.

Além disso, se você pretende fazer caiaque ou outras atividades mais radicais por lá, é importante que você escolha um plano que contemple acidentes e eventualidades nesse tipo de esporte, uma vez que você estará se expondo a riscos. Lembrando que o tratamento lá é em libras, o que pode sair caro.

Para cotar o seu seguro, nós recomendamos a Seguros Promo, um buscador que compara os melhores preços e coberturas do mercado e te ajuda a encontrar o melhor custo/benefício para a sua viagem. Clique aqui para descobrir como gastar menos de R$10 por dia e garantir um cupom de desconto para os leitores do blog ou utilize a caixa abaixo:

Seguro Viagem: América do Sul
Affinity 15 + Telemedicina Affinity 15 + Telemedicina Assistência médica USD 15.000 Bagagem extraviada USD 1.000 (SUPLEMENTAR) R$ 14/dia*
AC 35 MUNDO (Exceto EUA) + TELEMEDICINA AC 35 MUNDO (Exceto EUA) + TELEMEDICINA Assistência médica USD 35.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 15/dia*
Intermac 15 Turístico Internacional Intermac 15 Turístico Internacional Assistência médica USD 15.000 Bagagem extraviada USD 350 (SUPLEMENTAR) R$ 16/dia*
  • Clima nas Malvinas

O clima nas Malvinas é temperado, com uma média de 10 graus e inverno bastante gelado. É o que podemos esperar por estar tão perto da Antártica.

Então, se pretende visitar as Malvinas, já pode começar a separar a roupa de inverno e o guarda-chuvas, pois além de tudo, a chuva é bem comum. Só não mais comum que os ventos, que vêm com força, durante boa parte do ano.

Mas não desanime, os dias ensolarados existem e, quando isso acontece, as paisagens são de tirar o fôlego.

Em dias de sol, você poderá ter vistas como esta, em Gypsy Cove

  • Como é a imigração nas Falkland

O aeroporto fica situado na base militar britânica, 40 minutos distante de Stanley, a principal cidade das Malvinas. Na chegada, ainda dentro do avião, você vai receber um formulário para preencher e entregar na imigração, que é feita logo no desembarque, sem precisar de visto prévio.

É preciso preencher dados básicos: de onde veio, o que pretende fazer por lá e a direção que você está indo nas ilhas. Há uma taxa de visitação de 25 libras, que você terá que pagar no desembarque e apresentar o comprovante na hora de deixar o país. Não perca esse papel.

  • Internet nas Ilhas Malvinas

Para mim, esse foi o maior ponto baixo da viagem. As ilhas são praticamente isoladas do restante do mundo. Grande parte disso se deve por conta da guerra com a Argentina. Alguns moradores explicaram que os argentinos impuseram algumas restrições para as Falkland e uma delas foi que não poderiam passar a fibra óptica pelos mares da Argentina.

Com isso, a internet que chega nas Ilhas Malvinas vem de satélite, que é muito mais caro e limitado. Isso faz com que internet por lá seja produto de luxo.

praia em stanley

Praia em Stanley

Não há wi-fi gratuito em lugar algum da ilha. Em alguns pontos há a placa de wi-fi, mas é para quem tem o cartão da internet pré-paga. Apenas 100 minutos de internet custam 10 libras. E para não perder os seus preciosos minutos de internet, você precisa fazer logoff toda vez que terminar de usar.

No Hotel Malvina, há a opção de comprar 5 horas de internet por 15 libras, mas a internet só poderá ser usada nas dependências do hotel.

  • Como se locomover nas Ilhas Falkland

A Figas é a empresa governamental que faz o transporte aéreo entre as ilhas e as fazendas em todo o território das Ilhas Malvinas/Falkland. São cinco aeronaves com capacidade para oito passageiros. A empresa funciona desde 1948 e foi evoluindo desde ambulância aérea, correio e transporte de funcionários para passageiros, carga, patrulha de pesca e voos panorâmicos. Os voos são uma caixinha de surpresas, a rota é traçada no dia anterior da viagem, pois o horário de chegada e saída pode variar de acordo com os ventos.

Duas pessoas do nosso grupo, que foram para uma das fazendas no interior para ficar um dia, tiveram que ficar por três, pois o clima não possibilitava pousos e decolagens. Por conta da quantidade limitada de lugares, é preciso reservar com antecedência.

As reservas podem ser feitas pelo site da Figas ou por email: [email protected]

placa localidades stanley

A curiosidade nesse transporte fica por conta de alguns dados que você precisa passar. Eles perguntam até o seu peso, pra poderem equilibrar a distribuição dos passageiros na aeronave, que é pequena. Se prepare para uma experiência única, com pousos em pastos e até mesmo na rodovia.

Em Stanley, você vai encontrar serviço de táxi para te levar pelos locais mais próximos. Para os passeios, é preciso contratar um guia, já que as estradas de lá não são fáceis. Na maioria das vezes, você passa mais tempo off-road do que na estrada. Por isso, aluguel de carro não é a melhor opção se você quiser sair de Stanley.

  • Comer e beber em Stanley

Eu, particularmente, sou a maior fã do café da manhã britânico. A combinação de feijão, ovos, bacon, linguiça e pão é o que eu preciso para começar o dia bem. Talvez seja a herança da época do meu intercâmbio na Irlanda. Minha maior saudade! No café da manhã, além do tradicional English Breakfast, você também encontra croissants e uma variedade de geleias e cereais. Para almoço e janta, o cardápio é de sanduíches, massas, saladas, peixes e carnes.

Lembre-se que as Ilhas Malvinas ficam distantes do restante do continente e, por isso, a grande maioria dos produtos de lá são importados. O preço é alto e a oferta é limitada.

Como todo bom território britânico, não poderia faltar um bom pub. No caso de Stanley, alguns. E, como em qualquer cidade pequena, os pubs são as atrações locais, tanto para os moradores quanto para os turistas. São três boas opções pra quem quer se divertir: The Globe, The Rose e o Victory Bar.

  • Onde ficar nas Ilhas Malvinas

Hospedagem não é o item mais econômico da ilha. Na verdade, quase nada por lá anda em conta. Ainda mais com a alta cotação da libra, então vá preparado.

Na capital, Stanley, há três opções de estadia:

A mais procurada é a Malvina House Hotel, com diárias em torno de R$700. O mais interessante sobre esse hotel é que, apesar de se chamar Malvina, não tem nada a ver com a Argentina. O nome se dá por conta de uma garotinha que morava na casa.

A confusão é tão grande que, logo após o final da guerra, o proprietário do hotel fez uma votação com os moradores locais pra saber se eles iriam manter o nome original ou não. Quase 40 anos após o final da guerra, o nome continua o mesmo.

fachada malvina house ilhas malvinas stanleyFachada do Hotel Malvina House, em Stanley

Outra opção, na mesma rua, é o The Waterfront Boutique Hotel. Ele fica mais perto do local onde as embarcações chegam, é bem menor do que o Malvina e com preço mais alto. Uma diária lá sai por mais de R$1000. A vantagem desses dois hotéis é que eles também têm os principais restaurantes da cidade. Então é mais do que comum você encontrar com moradores no restaurante na hora do almoço ou no happy hour.

A terceira opção, mais afastada do centro de Stanley, é a Tu Guesthouse, uma casa de temporada com diárias por R$1100.

Turismo nas Ilhas Malvinas: roteiro de uma semana

O principal atrativo de quem desembarca por lá é visitar os pinguins em Volunteer Point, mas há muito mais coisas legais pra fazer. Veja aqui a lista com alguns passeios que você pode fazer em uma semana na Ilhas Malvinas. Dá tempo de aproveitar bastante, descansar e apreciar a paisagem.

  • O que fazer em Stanley, a capital das Malvinas

A cidade de Stanley é bem pequena, com cara de interior. Andar nas ruas, quando o vento e a chuva deixam, é um ótimo programa. Uma caminhada na beira do rio é um passeio que acalma, além de ter uma bela vista.

Você também pode visitar em um raio de 300 metros de caminhada:

  • o Museu das Falklands;
  • a redação do jornal local, o Penguim News;
  • a prefeitura;
  • o centro de informação ao visitante e o porto, de onde chegam os vários cruzeiros que atracam por lá

Também é no centrinho da cidade que está a Christ Church Cathedral, a Catedral de Stanley, igreja anglicana mais ao sul do mundo. Consagrada em 1892, o que chama a atenção é uma escultura bem no jardim. São dois ossos de baleia azul que formam um arco e, junto com a igreja, um dos cartões-postais das ilhas.

monumento na porta da igreja de stanley, nas ilhas malvinasMonumento na porta da Christ Church, com dois ossos de baleia azul

Ali pelo centro há um museu a céu aberto, no quintal de uma casa. Nele, há carcaças de baleias e outros animais marinhos. Além de um arpão que era utilizado para matar as baleias na região. A placa já diz: “20.000 baleias foram mortas por esta arma entre 1937 a 1965”. Antigamente, a caça de baleias era muito comum na ilha, servindo de sustento para várias famílias. Hoje em dia, é terminantemente proibida.

museu stanley arma baleiaMuseu a céu aberto em Stanley. Na placa, a informação de que a arma já matou mais de 20.000 baleiras entre 1937 e 1965

Na mesma rua, mais pra cima, você poderá ver um pequeno souvenir de um morador da ilha: um canhão da época da guerra. Uma lembrança do que eles viveram, bem no quintal.

canhão guerra de 1982 no quintal de casa em stanleyCanhão da época da guerra de 1982, no quintal de um morado. Um lembrete do pior momento da história de Stanley

  • Museu de Falklands

O Historic Dockyard Museum ou Falklands Museum fica na principal rua da capital das Ilhas Malvinas, bem em frente ao Malvina Hotel, em um espaço bonito onde funcionava um antigo estaleiro datado da fundação da cidade, em 1840.

Na parte de fora há bancos, lojinhas e espaços onde é possível ver um pouco mais sobre como era a vida no local há mais de 100 anos. Na parte de dentro, são dois andares. No segundo piso você vai descobrir sobre a vida marítima das ilhas, sobre os pinguins e outras espécies, além de como eram as casas, roupas e costumes na ilha.

parte exterior do museu de stanley mesas Parte de fora do Museu de Stanley. Antigamente era um estaleiro.

No primeiro piso, logo na entrada, várias mobílias e objetos históricos. Há um espaço que é a remontagem de uma vendinha antiga, daquelas que comercializam de penico a biscoitos. No primeiro piso há também um memorial sobre a guerra, com vídeos e outras coisas. Você vai poder ler cartas de crianças falando sobre como foi a guerra na visão deles. É bem impactante.

Para eles, o museu é o único lugar onde “você vai vivenciar o verdadeiro sabor e essência das Falklands Islands”. Valor da entrada: 5 libras para os adultos e de graça para quem tem menos de 16 anos. Preço que pagamos em novembro de 2019. Vale a visita.

museu stanley pinguins museu stanley guerra 1982 memorial
Partes do museu de Stanley. Memorial da guerra de 1982 e os tipos de pinguins que existem na ilha

  • Passeio de helicóptero

Quando eu vi na programação um passeio de helicóptero, a minha vontade foi de chorar. Eu tenho pavor de avião e tenho mais pavor ainda de helicópteros, que caem com uma frequência muito maior do que os boeings. Mas como uma boa mulher empoderada que sou, enfrentei meus medos e tive uma das experiências mais incríveis de viagem. Ver as Ilhas Malvinas, de cima, em um dia de céu aberto, foi maravilhoso!

É claro que esse não é o passeio mais barato do roteiro, pelo contrário. Para o voo panorâmico pela cidade, com 20 minutos de duração, 100 libras por pessoa. Há um tour completo de 2h de passeio por 349 libras por pessoa. Nesse passeio mais longo, o turista vai para Volunteer Point, em um voo de 25 minutos, bem mais rápido e confortável do que o passeio de 4×4, que dura 3h30 cada trecho, balançando o caminho inteiro.

O passeio sai do aeroporto de Stanley, de onde decolam os aviões pequenos, que fazem o deslocamento entre as ilhas menores e o interior das Malvinas. Quem fez o passeio com a gente foi o pessoal da Falklands Helicopter Service.

sobrevoo stanley helicoptero ilhas malvinasSobrevoo de helicóptero de 20 minutos por Stanley, capital das Ilhas Malvinas

  • Volunteer Point

O Volunteer Point é, definitivamente, o passeio mais procurado da ilha. É lá que você vai ver dezenas de espécies de pinguins. A maioria dos turistas que vem de cruzeiro, ao longo do ano, aproveita o dia para pegar a estrada e ir ver os bichinhos.

O valor do passeio para ver pinguins nas Malvinas vai depender do mês de visita e da quantidade de pessoas dentro do 4×4. A média é entre 85 a 100 libras. Vale lembrar que esse passeio é para um dia inteiro, visto que são 3h30 pra chegar e mais 3h30 para voltar. A distância de Stanley até lá não é longa, mas como a maior parte do percurso é feita off-road, isso faz com o tempo dobre. Espere ficar em Volunteer Point entre 1h a 1h30. Eles têm banheiros e uma infraestrutura com alguns bancos.

Como é um passeio longo, você precisa levar a sua água e alguma coisa para comer. Os hotéis costumam providenciar um sanduíche para a viagem, é só deixar avisado na noite anterior.

vário pinguins em vonlunteer point ilhas malvinas falklandsEm Volunteer Point, um pinguim amigo avisando que dali pra frente, só pinguins podem passar

É preciso alguns cuidados ao visitar a área: manter uma distância de 6 metros entre você e qualquer animal; os animais têm preferência de passagem, sempre. Também não pode fumar ou fazer fogueiras; não pode ficar muito perto da água ou um leão marinho pode te atacar sem querer.

Entre os meses de outubro e dezembro, é a temporada de reprodução dos pinguins. É preciso um cuidado ainda maior dos turistas com a área, pois os pinguins tendem a abandonar o ninho se eles se sentirem ameaçados.

A gente fez o passeio com a Estancia Excursions. Fomos com Elsa, uma guia muito extrovertida e que foi explicando tudo sobre as ilhas e sobre Volunteer Point pra gente.

  • Passeio de caiaque

Esse foi, sem dúvidas, uns dos passeios mais legais que eu fiz. Quem levou a gente para andar de caiaque em mar aberto foi o Daniel Biggs, da Kayak Adventure. A aventura sai por volta de 80 a 90 libras, por 3h30/ 4h de tour. A gente foi no período da tarde, saindo às 13h e voltando às 16h30.

Chegando na praia, nos arredores de Stanley, tivemos uma breve instrução de como utilizar o caiaque, o que fazer em caso de virar na água e quais animais a gente iria ver pelo caminho. Daniel nos forneceu roupas especiais de neoprene e nos disse que iríamos ficar no mar por aproximadamente 2 horas.

Éramos em 4, ele e 3 mulheres. Tivemos que tirar tudo do barco e carregar o caiaque morro abaixo. Fica a dica: esse é um passeio que exige um pouco de força. Tanto para descer e subir com o caiaque da praia, quanto para manejar os remos dentro da água.

Todo o esforço valeu a pena! Vimos leões marinhos de perto, pinguins e uma foca. Para descansar, paramos em uma pequena ilha e fizemos um lanche, tudo incluído no passeio.

preparação aula caiaque stanley roupas e instrutorInstrutor nos preparando para a aula de caiaque. Roupas especiais e orientações para a prática do esporte

  • Whale Point

Whale Point é o lugar perfeito pra quem quer encontrar com leões marinhos, ovelhas, pinguins e elefantes marinhos. É um passeio muito interessante e completamente diferente do que estamos acostumados. O tamanho e o barulho dos leões marinhos são de deixar qualquer um impressionado.

Para chegar nesse ponto da Ilha, são 1h30 em 4×4, por dentro de vastos terrenos, sem cruzar com uma alma viva sequer pelo caminho. O nome do Whale Point é por conta dos inúmeros ossos de baleia encontrados na região. É só descer do carro, andar um pouco e você vai encontrá-los.

Além disso, graças ao clima nessa área, é possível avistar várias espécies de aves por lá.

Eu fiz o passeio com o Andy Pollard, que, assim como a maioria do pessoal que leva os turistas para os tours, tem outra profissão. Ele é um fotógrafo que é apaixonado pela vida selvagem da região. Se quiser aprender tudo sobre esses moradores da ilha, certamente ele terá o maior prazer em ir contando pelo caminho.

Whale Point leão marinho e elefantes marinhosEm Whale Point, leões marinhos e elefantes marinhos convivem com ovelhas, pinguins e outras aves

Como é o voo da Latam para as Ilhas Malvinas

O aeroporto internacional Mount Pleasant (MPA) foi inaugurado em 1985 e passou a ligar as Ilhas Malvinas ao restante do mundo, criando uma nova rota comercial, uma forma mais rápida para quem busca algum tratamento médico e uma força maior para o turismo. Ele fica na base militar britânica, é utilizado para aviões militares que levam suprimentos e soldados para a ilha, além de ser a pista de pouso dos dois voos comerciais que chegam nas Ilhas Malvinas.

A expectativa é que com a nova rota e a divulgação, o número de passageiros desembarcando por lá cresça. Vale ressaltar que o voo regular, que vem do Chile, está sempre cheio segundo a Latam.

Primeiro voo semanal da Latam, em Guarulhos, a caminho das Ilhas Malvinas

A grande novidade e burburinho desse voo é que em toda segunda quarta-feira do mês, ele tem uma escala em Córdoba, na Argentina, na ida. E em cada terceira quarta-feira do mês, a escala em Córdoba é na volta.

Para um mero viajante, esse pit-stop pode ser visto como apenas mais uma escala normal, mas para a maioria dos argentinos, soou como uma afronta. Tanto é que quando pousamos em Córdoba, parecia que éramos um avião pirata. Ficamos bem longe do terminal, apesar do aeroporto estar vazio. Os jornalistas argentinos que embarcaram lá, disseram que foram tratados de forma especial, separados dos demais passageiros do aeroporto.

O motivo de tanto suspense e mistério? É que a relação entre Argentina e as Falkland Islands não é das mais amistosas, desde a guerra de 1982. Mas, apesar de toda essa história, esse não é o único voo que faz escala por lá a caminho das Ilhas Malvinas.

O primeiro voo comercial que pousou nas Ilhas Malvinas, em 1999, veio de Punta Arenas, no Chile e, uma vez por mês, tem escala na cidade argentina de Rio Gallegos. Essas escalas em solo argentino são uma forma de tentar uma conciliação diplomática entre Reino Unido e a Argentina, que reclama para si o território ainda que o domínio seja oficialmente britânico.

Chegada do voo no aeroporto Mount Pleasant, nas Ilhas Malvinas. Muito vento, frio e a proibição de tirar fotos. Foto: Andrew Ferguson

Afinal, qual a necessidade de um novo voo para as Ilhas Malvinas?

Oficialmente, a resposta é: abrir uma nova rota de turismo entre o principal hub sul-americano, o aeroporto de Guarulhos, e as ilhas Falkland. Afinal, o turismo é responsável por movimentar 10 milhões de libras por ano. Para um território com 3.200 habitantes, esse valor é bem considerável.

Mesmo com um voo regular por semana, o turismo ainda depende muito de quem chega nos cruzeiros. Para ter uma ideia, segundo dados do governo das Malvinas, em 2017, mais de 57 mil turistas desembarcaram por lá, vindos dos vários cruzeiros que passam por ali, a caminho da Antártica.

Com o novo voo comercial, a ideia é a de que esse número cresça ainda mais e atraia pessoas que realmente estejam ali para conhecer as ilhas e passar mais tempo, já que os cruzeiros não costumam demorar mais do que um dia por lá. O voo de São Paulo também vem com oportunidades de estadias mais curtas nas Malvinas.

Agora, o passageiro pode chegar no sábado, vindo do Chile, e ir embora na quarta-feira, por SP. Não é mais obrigatório ficar pelo menos uma semana por lá, antes do próximo voo aterrissar. Além de ser uma forma mais rápida e barata de fazer conexão com a Europa e América do Norte, é claro.

Eu fiquei uma semana por lá e depois de muito conversar com os nativos, o que ficou bem claro é que, além de turistas, a importância maior do voo é trazer suprimentos para as ilhas e, assim, quem sabe, conseguir valores mais baixos nos produtos. Principalmente nos perecíveis. Para se ter uma ideia, um quilo de pimentão custa 9,99 libras, o que na cotação atual, é mais do que R$60.

Preço de 1kg de pimentão em um supermercado de Stanley. Valor superior a R$60

O que todos eles concordam e esperam é que o novo voo coloque as Ilhas Malvinas no radar do mundo de um vez.

A viagem para as Ilhas Malvinas foi um convite do governo de Falklands e da Latam Airlines

Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Fernanda Pádua

Tenho BH como meu ponto de partida e o meu porto seguro. Entrei pela primeira vez em um estádio de futebol aos 10 anos e ali descobri que queria ser jornalista. 20 anos depois, me tornei repórter esportiva e viajante nas horas vagas. Fiz intercâmbio na Irlanda em 2016/2017, pra estudar inglês. Tenho um objetivo de visitar todos os estados brasileiros e metade dos países do mundo e já percorri boa parte do trajeto, mas várias histórias e paisagens legais ainda estão por vir.

  • 360 nas redes
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

5 comentários sobre o texto “Ilhas Malvinas (Falklands): o que fazer, roteiro e outras dicas

  1. Boa Noite,

    Talvez eu tenha que passar por Malvinas, voltando de Madrid e SP para Córdoba, durante aproximadamente 2 horas.
    Deixam tirar fotos duarnte a estadia no Aeroporto ? O Aeroporto é pequenho e tem locais comerciais ?

    Embora sejam 2 horas, para mim, pisar as Ilhas Malvinas tem um significado muito grande: Vivi muito de perto essa Guerra quando era um menino de 10 anos e lembro cada fato daquela guerra. Alem disso, considero que é territorio argentino.

    Vou te agradecer a resposta e teus comentários.

    Abraço,
    Raul

    1. Olá, Raul, tudo bem? A base militar fica bem isolada do restante da ilha, tem um quiosque de café lá dentro que é usado como o freeshop do aeroporto. Em todos os locais dentro do terminal tem placas com a advertência de que é proibido tirar fotos.

      Você pode tirar as fotos de dentro da aeronave, mas não em solo.

      Qualquer outra dúvida, estou à disposição!

    1. É um lugar realmente muito bonito! Completamente diferente do que estamos acostumados aqui no Brasil. É uma viagem que dá pra descansar e aproveitas belas paisagens (e ver muiiiiiiiiiiiitos pinguins). Se você for, planeje uns dias no interior também, eles chamam de ‘farms”. É uma vida bem pacata e sossegada.

      Espero que você vá e que goste!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.