Tags:
Atlas: Inglaterra, Londres, Reino Unido

Histórias sombrias das ruas de Londres

Quando George Luskse apalpou o objeto que estava dentro do envelope, na noite de 16 de outubro de 1888, ele não sabia o que estava por vir. Nem mesmo tudo o que ele tinha visto ao longo de quase meio século de vida – principalmente os incidentes sombrios que tomaram conta de Londres nos meses anteriores àquele fatídico dia – o ajudariam a entender o sadismo daquelas cinquenta e seis palavras.

Tremendo, o chefe do comitê de segurança de Whitechapel passou os olhos na carta e instantaneamente descobriu o que era o volume que estava no envelope recentemente aberto. “Eu te enviei metade do rim que tirei de uma mulher. A outra parte eu fritei e comi. Está gostoso. Prenda-me quando você puder, Senhor Luskse”, dizia parte da mensagem. Aquela não era a primeira carta supostamente enviada pelo serial killer que assinava como Jack, o Estripador – muitas outras, centenas, chegavam todos os dias aos jornais e autoridades envolvidas no caso.

Números que faziam muitos duvidar da autoria dos documentos: não faltava quem estivesse pronto para colocar mais lenha na fogueira no caso das mortes de prostitutas. Dessa forma, nem mesmo o nome – Jack, o Estripador – deveria ser realmente levado a sério. Como saber se aquilo não era mais uma estratégia da imprensa para vender jornais?

Mas aquela carta era diferente. Era a primeira que tinha sido enviada com uma prova. Apreensivo, George Luskse enfiou a mão dentro do envelope e retirou metade do rim de Catherine Eddowes, assassinada duas semanas antes. Todos os londrinos sabiam: com um corte cirúrgico o assassino tinha removido o rim esquerdo da vítima.

Leia também: Onde ficar em Londres: os melhores bairros para se hospedar  

londres big ben

George Luskse morreu sem ver a prisão do culpado por aquelas mortes. Jack, o Estripador – o mais famoso serial killer de todos os tempos – nunca foi identificado. O que George Luskse não imaginaria é que, passados cem anos, a vida (e os assassinatos) de Jack virariam atração turística. Para o turista, Londres é o Big Ben, a London Eye, o Tâmisa. Mas não dá pra negar que Londres é também uma das cidades mais sombrias da Europa, num nível que nenhum Dostoievski ousaria colocar defeito.

Histórias das ruas de Londres

O tour “The Jack the Ripper” acontece todos as noites, às 19h30, e custa 8 libras. Não é preciso comprar com antecedência. Basta aparecer no ponto de encontro – a estação de metrô Tower Hill. No roteiro estão os lugares dos assassinatos. E o turista pode se aventurar a comer fish and chips no pub que era frequentado por muitas das vítimas do estripador.

E olha que esse não é o único tour, digamos, não exatamente convencional de Londres. Uma cidade cheia de assassinatos não desvendados oferece várias oportunidades do tipo. Existe até um mapa de todos os assassinatos cometidos na terra da Rainha desde que o Jack andou por lá. Aos mais ousados basta começar a rota. Pra quem acha isso tudo macabro demais, um conselho: evite o metrô de Londres. Coisas estranhas também acontecem ali.

 Espíritos underground

Usamos o metrô de Londres diariamente. Como todos os turistas, tínhamos só uma preocupação: como pegar a linha certa para voltar pra casa? Numa dessas, quase não percebemos os avisos sonoros que diziam que a estação King’s Cross, onde tentávamos entrar, precisava ser evacuada imediatamente. Por sorte, notamos que todos os londrinos seguiam em sentido contrário. Escapamos.

king's cross londres

Londres está acostumada com alarmes falsos e quase atentados. Isso, é claro, partindo da suposição de que tudo não passou de uma suspeita de bomba. Inúmeras razões mais corriqueiras podem levar ao fechamento de uma linha do metrô: uma pane elétrica, uma simulação de incêndio ou a aparição de um fantasma. De fantasmas o metrô de Londres está cheio. Não acredita? Vejamos alguns casos.

British Museum Station

Fechada desde 1933, a estação do British Museum é hoje um túnel vazio. Ou não. Inúmeras testemunhas viram, no começo do século XX, aparições do fantasma de uma múmia egípcia. Um jornal chegou a oferecer recompensa para quem topasse ficar uma noite inteira na estação. Ninguém quis, lógico. A lenda chegou ao cinema em 1935, com o filme Bulldog Jack. Fontes altamente confiáveis garantem que duas mulheres desapareceram na região, no dia do lançamento do filme.

Convent Garden

Um fantasma alto e bem vestido tem sido visto na estação Convent Garden desde 1950. E teve empregado do metrô que, depois de se deparar com o espectro, pediu transferência do local e nunca mais mostrou a cara por lá. Especialistas dizem que se trata do ator William Terriss, que morreu esfaqueado em 1897.

londres metrô

A maldição do cemitério

Você pode achar que tudo não passa de um monte de bobagens (o cara que viu um vagão cheio de fantasmas passar pela estação South Kensington, em 1928, com certeza não concordaria com você). Mas não faltam explicações para o fenômeno – de doidera das pessoas ao famoso “tem um cemitério enterrado debaixo desse metrô”. E sim, isso é fato comprovado e indiscutível. O metrô de Londres é o mais velho do mundo: começou a funcionar em 1863. Um dos maiores desafios para sua construção foi evitar, durante as escavações, as tumbas das vítimas da Grande Peste, que matou quase 100 mil londrinos, 1665.

Assim como os passos do Jack, tours levam turistas para um verdadeiro safari no metrô: é hora de caçar os fantasmas do underground londrino. O Ghost walk – que também custa 8 libras – acontece todas as noites, às 19h30. O ponto de encontro varia, em cada dia da semana a rota começa por uma estação diferente.

Sim, Londres é cheia de mistérios – não é sem motivo que tanto Hercule Poirot, como Sherlock Holmes fizeram sucesso por lá. Talvez seja hora de procurar um novo endereço: 221B, Baker Street. “Quando você elimina o impossível, o que restar, mesmo que improvável, é a verdade”.

Fachada do Museu do Sherlock Holmes

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “Histórias sombrias das ruas de Londres

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.