O que fazer em Porto Alegre: os passeios imperdíveis

Museus, uma infinidade de centros culturais, vários parques e um povo simpático. Confesso que eu não esperava muito de Porto Alegre, mas voltei fascinado pela capital do Rio Grande do Sul. E garanto: vale a pena passar pelo menos dois dias lá, mesmo que sua viagem seja para Gramado e Canela. Para te ajudar no planejamento, é hora de descobrir o que fazer em Porto Alegre.

Roteiro e turismo em Porto Alegre: o centro histórico

Aproveite seu primeiro dia em POA e corra para o centro histórico. Pegue um mapa na recepção do hotel e vá em frente – se você estiver na Cidade Baixa, principal região hoteleira, uma caminhada de 15 minutos te levará até lá. É muito provável que o primeiro ponto turístico que você encontre seja o Viaduto Otávio Rocha, que passa por cima da Avenida Borges de Medeiros. Esse viaduto é um marco na paisagem da cidade e foi erguido na década de 1930.

Vire à esquerda, logo depois do viaduto, e você estará na Praça Marechal Deodoro, também chamada de Praça da Matriz. Essa praça é o coração da cidade desde o século 18, quando POA passou a ser capital do Rio Grande do Sul. Ali fica a Catedral Metropolitana, erguida no lugar da antiga Igreja Matriz e concluída somente na década de 1980. Também na Praça estão o Palácio Piratini, sede do governo gaúcho, e o Palácio Farroupilha, sede do poder legislativo.

Catedral Metropolitana de Porto Alegre

Catedral Metropolitana

Completando a presença da trindade governamental, na outra ponta da Praça está o Palácio da Justiça. Ao lado dele fica o Theatro São Pedro, inaugurado em 1958. Depois de um período de abandono, o Theatro foi revitalizado e voltou a receber espetáculos e concertos. No site oficial há a programação cultural e informações sobre visitas.

Está observando o Theatro? Se você descer a rua entre ele e o Palácio da Justiça, a General Câmara, você irá parar na Rua dos Andradas, também conhecida como Rua da Praia. Quando a cidade foi fundada, essa rua ficava exatamente de frente para o Guaíba, o que explica o seu apelido. Ao longo dos séculos 19 e 20, houve vários aterramentos, empurrando o Guaíba pra longe da Rua da Praia. Hoje, um dos pontos centrais dessa rua é  Praça da Alfândega, que fica onde antes estava o porto da cidade.

Veja também: Comida gaúcha – 7 pratos típicos do Rio Grande do Sul
Aeroporto de Porto Alegre: – como chegar e onde ficar
Passeio de barco no Guaíba, em Porto Alegre
Mercado Público de Porto Alegre – história e comida boa

Ao redor dessa praça estão prédios importantes, como o Museu de Arte do Rio Grande do Sul (de terça a domingo, das 10h às 19h, entrada gratuita), o Memorial do Rio Grande do Sul (de terça a sábado, das 10 às 18h;  domingos e feriados das 13h às 17h, entrada gratuita) e o Santander Cultural (também de graça; funciona de terça a sábado, das 10h às 19h; domingo, das 14h às 19h. Fecha em feriados) Essa é a antiga sede do banco que foi transformada em Centro Cultural. Lá você encontra exposições e programações culturais, que são pagas, como cinema e apresentações de música. O café do Santander Cultural também merece uma visita –  fica onde antes era o cofre do banco!

Mas voltemos para a rua: você tem duas opções. Seguindo pela Rua da Praia, de um lado estará o cruzamento com a Avenida Borges de Medeiros. Desça a avenida para encontrar a Prefeitura de Porto Alegre, a Praça 15 de novembro e, o melhor, o Mercado Público.

Está com fome? Os preços não são absurdos e o lugar passa longe de ser frequentado só por turistas. Se preferir ficar só com um cafezinho e a conta, a dica é procurar pelo Café do Mercado. O Mercado de Porto Alegre funciona de segunda a sexta, de 7h30 às 19h30. Aos sábados o fechamento é uma hora mais cedo e o local não abre aos domingos. Dica extra: é da praça em frente ao mercado que sai o Free Walking Tour de POA. Basta procurar pelo guia aos sábados, 11h, em frente ao chalé.

Mercado de Porto Alegre

Mercado Público de POA

Passando pelo Mercado você encontrará, aí sim, o cais e, claro, o Guaíba. A empresa Cisne Branco oferece passeios diários de barco. Custa R$ 35 e dura pouco mais de uma hora, com direito a vistas incríveis da cidade.

Cais Mauá, Porto Alegre

Cais Mauá

É que os barcos saem todos os dias, às 10h45min, 15h e 16h30, mas só o de 15h tem garantia de saída – nos outros horários é preciso que pelo menos 20 adultos comprem passagem para o passeio ser confirmado. Eu fui lá numa quinta, às 16h30, e não apareceu mais ninguém. No sábado, contudo, o barco saiu lotado. Há ainda barcos no happy hour, às 18h30, que são um pouco mais caros. Detalhes aqui.

Quanto custa um mochilão pela América do Sul

Se não rolar de fazer o passeio e você ainda tiver tempo, uma alternativa é voltar para a Rua da Praia e seguir para o outro lado. Essa parte do tour por Porto Alegre eu fiz com um guia, o blogueiro Gabriel Britto. Passamos pela Casa de Cultura Mário Quintana, um antigo hotel que guarda diversas exposições e até o quarto onde morou o escritor que hoje dá nome ao prédio. Abre de terça a sexta, das 9h às 21h, e sábados e domingos, de 12h às 21h. A entrada é gratuita. O café no topo da Casa de Cultura é bem concorrido e tem uma vista bacana do Guaíba (não abre às segundas-feiras).

Casa de Cultura Mário Quintana, Porto Alegre

Casa de Cultura Mário Quintana

Seguindo a Rua da Praia você encontrará a Igreja Nossa Senhora das Dores, que é bonitona e vale uma parada rápida até para quem não é católico, nem que seja só pela foto mesmo. Essa é a Igreja mais antiga de POA. Foi erguida em 1813.

Igreja das Dores, Porto Alegre

Igreja Nossa Senhora das Dores

Continuamos pela Rua da Praia até o fim, finalmente alcançando outro cartão-postal de Porto Alegre: a Usina do Gasômetro. Essa antiga usina termoelétrica foi abandonada em 1970 e por pouco não virou escombros, dando lugar para algum arranha-céu. Permaneceu de pé e virou um Centro Cultural. Além disso, é ao redor dela, aos domingos, que a população se reúne para presenciar o pôr do sol no Guaíba. A Usina funciona todos os dias, de 10h às 19h. A entrada também é de graça.

Usina do Gasômetro, Porto Alegre

Usina do Gasômetro

Nesses dias, quem tem fôlego costuma ir caminhando ou de bike até a Fundação Iberê Camargo (sábados e domingos, de 14h às 19h, também gratuito). É um prédio icônico e – mais um – centro cultural da cidade. Se a caminhada de seis quilômetros for muito grande para você, vá de ônibus (saiba como aqui) ou pegue um Uber/99/táxi, que fica baratinho. E sabe aqueles bikes patrocinadas por um banco? Porto Alegre é cheia delas. Aproveite.

Porto Alegre além do Centro

E por falar nisso, outro programa legal para os domingos é dar um pulinho na Redenção, também conhecido como Parque Farroupilha. Fica pertinho da Cidade Baixa, mas em outra direção. Além de ser a mais tradicional área pública de POA, é ali que ocorre o Brique da Redenção, uma feira de artesanato que é considerada patrimônio da cidade.

Brique da Redenção, Porto Alegre

Antiguidades no Brique da Redenção

Aproveitando que eu já estava por ali, peguei meu mapa, atravessei o parque e entrei na Rua Santo Antônio. Segui por quatro quarteirões, até a Rua Gonçalo de Carvalho, também conhecida como a mais bela do mundo. Se o título é real eu não sei, mas a rua é muito bonita. Percorra toda a rua, olhando sempre para cima. Em 2017, uma chuvarada derrubou parte das árvores, mas a visita segue valendo.

Rua Gonçalo de Carvalho

Rua Gonçalo de Carvalho

Por fim, você pode dar um jeito de olhar para baixo, mais isso depende da sua cara de pau para pedir para um dos moradores a chance de ver a rua do alto. Outra alternativa é fazer o mesmo no hospital que fica no fim da rua. Foi do décimo andar desse prédio que eu tirei a foto abaixo.

Rua Gonçalo de Carvalho vista

Ao sair do hospital, eu segui a pé até o bairro Moinhos de Vento, que antigamente tinha mesmo um monte de moinhos, usados para moer trigo. Hoje, além dos bares das ruas Padre Chagas e Fernando Gomes, vale a pena conferir os Jardins do DMAE, uma estação de tratamento de água que tem jardins lindos e estátuas históricas de Porto Alegre, que já ficaram no centro da cidade.

estátuas Porto Alegre

Jardins do DMAE

Não deixe de passar também pelo Parcão, cujo nome oficial é Parque Moinhos de Vento. Para fazer valer o nome, lá você vai encontrar uma réplica dos antigos moinhos, embora esse não tenha nada a ver com a produção de trigo.

Caiu a noite? O Moinhos de Vento, com seus bares e restaurantes interessantes, é uma ótima alternativa, assim como a Cidade Baixa, que tem uma infinidade de estabelecimentos. Basta escolher o seu.

Parcão, Porto Alegre

Parcão

O que fazer em Porto Alegre: outras atrações

Se você me seguiu até aqui, então percorreu todos os pontos básicos da cidade. Mas é claro que POA tem muito mais. Eu não fui, mas o Museu de Ciências e Tecnologia da PUC aparece em primeiro lugar na listagem de atrações do TripAdvisor.

Também é possível fazer uma visita à Arena do Grêmio, que ocorre todos os dias e custa R$ 38 ou R$ 48 (incluindo o museu). As visitas são em vários horários do dia, mas que mudam conforme a época do ano e o calendário de jogos. Por isso, confira detalhes no site oficial.

E ainda tem o Beira-Rio, a casa do Inter, cujas visitas ocorrem de terça a domingo, entre 10h e 17h, e custam R$ 30. Não há visitação em dias de jogos do Inter em casa.

Arena do Grêmio

Mas, na boa, a melhor dica de viagem é simples: curta Porto Alegre sem pressa. Vá aos centros culturais, passe um tempo de bobeira nos parques, tome boas cervejas nos bares, perca algumas horas observando o pôr do sol e curtindo a cidade. Você vai embora, mas doido para voltar.

Dicas de hospedagem

O centro hoteleiro de Porto Alegre é a Cidade Baixa. Por ali, já fiquei no Porto Alegre Eco Hostel. Se você procura hospedagem econômica, outra boa opção é o Solar63 Hostel. Já no Moinhos de Vento, outro bairro muito bom, destaque para o Quality Porto Alegre, enquanto o Ibis Styles Porto Alegre Centro está perto do Mercado Público, da rodoviária e do parque Farroupilha.

Veja também: Onde ficar em Porto Alegre – melhores bairros e hotéis
6 bares em Porto Alegre – onde beber

Bares e restaurantes em Porto Alegre

O Mercado Público é a primeira parada, mas não se limite a ele. Se puder fazer só uma boa refeição na cidade, o Atelier de Massas, no Centro Histórico, aparece como opção (não abre aos domingos e feriados). Para beber, gosto do Brechô do Futebol, boteco esportivo na Cidade Baixa. Outra boa pedida é o A Virgem.

Preciso alugar um carro em Porto Alegre?

Se for só por Porto Alegre, não. É mais simples e econômico se deslocar a pé, de ônibus ou usando os aplicativos de transporte. O carro é um facilitador para quem segue viagem para o interior do estado, tipo a Serra Gaúcha. Se resolver pegar a direção, neste texto aqui explicamos como alugar um carro com o melhor custo/benefício.

De Porto Alegre para onde?

Porto Alegre está a 130 km de Gramado, percurso que pode ser coberto em cerca de duas horas. E ao lado está Canela. Mais 110 quilômetros, via RS 235, separam Gramado e Bento Gonçalves, cidade base para conhecer o Vale dos Vinhedos. Outra possibilidade é conhecer os cânions do Parque Nacional Aparados da Serra, em Cambará do Sul, que estão a 124 km de Gramado. Ou seja, o carro pode ser dispensado até se a viagem for só para uma cidade no interior, mas começa a ser fundamental para um roteiro maior pelo Rio Grande do Sul.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

14 comentários sobre o texto “O que fazer em Porto Alegre: os passeios imperdíveis

  1. Baita texto sobre a amada Porto Alegre!
    Infelizmente um temporal no final de janeiro mudou um pouco o cenário da Gonçalo de Carvalho. 🙁
    Vale lembrar que o Cisne Branco também sofreu danos neste mesmo temporal, e deve retornar seus passeios somente em setembro.

  2. Adorei o blog, acabo de conhecer e achei tri!
    Que bom que gostaste de Porto Alegre!
    Volte logo para conhecer outras cidades encantadoras bem próximas à nossa capital, e quem sabe fazer um tour pela Rota Romântica?! Você vai adorar conhecer cidades como Ivoti, Morro Reuter, Picada Café, Nova Petrópolis e claro, não deixe de conhecer em Novo Hamburgo a Fundação Ernesto Frederico Scheffel.

    1. Opa! Valeu pela dica!

      Eu ainda como carne, mas pretendo parar definitivamente em breve. Por isso rodízio não é muito minha praia. Mas vale pros leitores. 🙂

      Abraço.

  3. Baita texto Rafa, que bom que viestes a Capital dos Gaúchos e gostastes, POA tem muitas coisas legais para se fazer, e da para incluir nesta sua lista a orla de Ipanema, dar uma volta na Zona Sul, o clima de interior é forte naqueles lados é praticamente outra cidade, fiquem atentos a agenda do Bar Opinião, a casa do Rock em Porto Alegre, todas as noites tem algum show interessante, atração é o que não falta aqui e receberemos todos de braços abertos 😀

    1. Que bom que você gostou, Ricardo. Obrigado!

      Fiquei com muita vontade de voltar. Quem sabe não vejo esses lugares que você falou em breve?

      Abraço.

  4. Bah! Tri legal esse post.

    Conheço uma galera muito gente boa entre POA e PEL.
    E tomastes uns mates por lá? Conheceu o Ponto do Chimarrão? 😀

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.