fbpx

O que fazer na Avenida Paulista, o corredor cultural de São Paulo

Na semana passada uma pesquisa feita por uma empresa de cartões de crédito indicou que São Paulo é a oitava cidade mais visitada da América Latina. Atrás de Cancún, Punta Cana, Riviera Maia, Cidade Panamá, Santiago, Buenos Aires e Lima, a maior cidade da América do Sul atrai cerca de 1,92 milhões de visitantes por ano.

Diferente do Rio ou Salvador, que tem belezas naturais e são lar de muitos acontecimentos marcantes da história do Brasil, São Paulo, com sua história relativamente recente e tradição comercial e industrial, foi durante décadas um lugar de turismo de negócios. E ainda é: boa parte dos turistas que visitam São Paulo a cada ano chegam para participar dos eventos que a cidade oferece.

Mas São Paulo tem tido vitórias quando o assunto é turismo cultural. A Pinacoteca do Estado (ou Pina) foi eleita em 2017 o melhor museu da América Latina pelos usuários do TripAdvisor. E nos últimos dois anos a Paulista ganhou mais três espaços culturais de respeito: o IMS, o SESC Paulista e a Japan House. A Avenida Paulista tem cerca de vinte espaços culturais de diferentes perfis.

Só de livrarias são cinco: a Cultura e sua irmã Geek-Etc (ambas dentro do Conjunto Nacional), a FNAC (na frente do Edifício Gazeta), a loja do Reserva Cultural e a Martins Fontes (perto da Estação Brigadeiro) — sem contar as livrarias dos museus e shoppings. E daí tem os cinemas: 24 salas, começando com as sete do Shopping Paulista e seis do Cidade São Paulo (onde ficava a Mansão Matarazzo, lembra?). O Reserva Cultural (onde não se pode comer pipocas!) tem mais quatro, o CineArte, ao lado da Cultura do Conjunto Nacional, tem mais duas e (ufa!) o PlayArte Bristol tem outras cinco salas.

Leia também: A história da Avenida Paulista, coração de SP
Onde ficar em São Paulo: dicas de hotéis perto da Paulista
Um rolê pelo Museu da Diversidade

o que fazer na avenida paulista

Avenida Paulista de noite, Gaía Passarelli, 2018

Isso faz com que a avenida, que já foi lar da elite paulista e coração financeiro da capital, seja hoje um movimentado corredor cultural. E nem é preciso colocar na lista as atrações culturais da região, como o Belas Artes, o circuito de cinemas da Augusta e as livrarias e galerias de arte dos Jardins.

O que fazer na Avenida Paulista: museus e centros culturais

O guia abaixo segue a numeração em ordem crescente da avenida. Ou seja, vai do começo da Paulista (que fica na Praça Oswaldo Cruz com a Rua Treze de Maio, que desce em direção à Bela Vista) até o final (Praça do Ciclista, com a Rua da Consolação, que desce para em direção à República).

  • Japan House

Avenida Paulista de noite, Gaía Passarelli, 2018

Bamboo Art Sculpture Japan House. Crédito: Gregorio Koji – Shutterstock

Essa residência da cultura nipônica em São Paulo é presente do governo japonês para divulgar as tradições e inovações culturais do Japão no Brasil, estratégia ligada às futuras Olimpíadas de Tóquio e celebração do forte vínculo entre os dois países. Gratuita e aberta diariamente, a casa tem exposições temporárias, um excelente restaurante japonês, lojas e um café. Há mais duas Japan Houses no mundo: em Londres e Los Angeles. Site oficial

  • Casa das Rosas

Crédito: Alf Ribeiro – Shutterstock

Um sobrevivente dos tempos dos casarões da Paulista, a Casa das Rosas foi residência da família Ramos de Azevedo até meados dos anos 1980. O que a salvou da demolição foi sua capacidade de se adaptar aos novos tempos: na parte do terreno que dá acesso para a Alameda Santos foi construído um prédio comercial, enquanto a casa foi reformada, mantendo suas características originais, e transformada em espaço cultural com foco em literatura, poesia e música. A inauguração da Casa das Rosas nesse formato foi no ano do centenário da Avenida Paulista: 1991. Site oficial

  • SESC Paulista

o que fazer na avenida paulista sesc

Crédito: Thiago Leite – Shutterstock

O SESC Paulista foi aberto em 1978 para abrigar a administração do SESC e, entre outras coisas, tinha um espaço de exposições no último andar. Fechou em 2010 e só reabriu ao público em abril deste ano. Todos os seus 17 andares são dedicados a atividades culturais, cursos, oficinas e serviços como odontologia e especialidades de medicina. O mais concorrido é o 16º, onde fica a comedoria: é o lugar mais instagramado de São Paulo. Site oficial

  • Itaú Cultural

o que fazer na avenida paulista itau cultural

Crédito: Alf Ribeiro – Shutterstock

É no quinto andar do Itaú Cultural que está um dos meus lugares preferidos na cidade: a Coleção Brasiliana do Espaço Olavo Setúbal, um dos mais completos acervos da produção artística sobre o Brasil desde o descobrimento (há mapas do século XV!) até o começo do século passado, com vasto material dos modernistas brasileiros. Essa exposição é gratuita e permanente, mas não deixe de ver a programação das ocupações, sempre no primeiro andar, que prestam homenagem a artistas de diferentes áreas. A cartunista Laerte, a cantora e compositora Inezita Barroso, o linguista Antônio Cândido e o compositor Cartola, entre outros, tiveram retrospectivas de suas carreiras exibidas ali. A Ocupação atual é dedicada ao arquiteto Paulo Mendes da Rocha. Site oficial

  • FIESP/SESI

o que fazer na avenida paulista fiesp

Crédito: Diego Grandi – Shutterstock

O Centro Cultural da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo ocupa um dos edifícios mais icônicos da avenida: é aquele prédio preto triangular que fica perto do MASP e que de noite tem projeções eletrônicas coloridas na fachada. Está lá desde 1964 e nos anos 2000 passou por reforma conduzida pelo escritório de Paulo Mendes da Rocha, que rendeu prêmios ao arquiteto. Independente da programação de teatro, shows e arte que ocupa o espaço — no momento está no local a exposição “Rafael e a Definição da Beleza”, com obras renascentistas de coleções italianas — o edifício e seu jardim interno valem a visita. Não deixe de ver a fachada de concreto da parte detrás do prédio, na Alameda Santos.

  • MASP

o que fazer na avenida paulista masp

Crédito: f11photo – Shutterstock

Um dos cartões-postais de São Paulo e prédio-símbolo da Paulista, o Museu de Arte de São Paulo guarda a mais importante coleção de arte europeia do Hemisfério Sul e reúne mais de 10 mil obras de diferentes períodos, além de organizar exposições contemporâneas de temas relacionados a gênero, raça e sexualidade. Uma coisa que pouca gente sabe é que nem sempre o MASP, fundado pelo empresário Assis Chateaubriand em 1947, esteve na Paulista: seu primeiro prédio foi na Rua Sete de Abril, perto da Praça da República. A construção icônica com vão livre com vista para o Vale do Anhangabaú e colunas vermelhas, projeto da ítalo-paulistana Lina Bo Bardi, foi inaugurada em 1968 e é considerada um marco na história da arquitetura. Os dias de gratuidade do MASP são terças e quartas. Site oficial

  • Conjunto Nacional

Foto de Conjunto Nacional na Avenida Paulista em São Paulo

Crédito: Alf Ribeiro – Shutterstock

Visto por milhares de pessoas em trânsito todos os dias, o Espaço Cultural do Conjunto Nacional fica no térreo do complexo e exibe de tudo numa programação que muda a cada mês: de obras de iniciantes a trabalhos de foto-jornalistas consagrados. Mas o maior motivo para visitar o Conjunto, esse edifício imponente na esquina da Paulista com a Augusta pro lado dos Jardins, é o próprio prédio com lojas, restaurantes, livraria, academia, cinema e teatro. É possível agendar uma visita monitorada gratuita para conhecer a história e detalhes do projeto arquitetônico do espaço e também ter acesso ao terraço onde já funcionou o restaurante Fasano. Site oficial

  • Instituto Moreira Sales

o que fazer na avenida paulista instituto moreira salles

Crédito: Tony Monti – Shutterstock

Mais novo dos espaços culturais da Paulista, o IMS fica em um prédio de arquitetura impactante e foi pensado para ser um museu vertical. Em seus nove andares, todos com pé direito duplo, funcionam três espaços para exposições, uma extensa biblioteca sobre fotografia, e mais livraria, café, restaurante e cine-teatro. Site oficial

6 comidas típicas de São Paulo: a culinária paulista

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Gaia Passarelli

Gaía Passarelli, 42, tem longa careira no jornalismo cultural brasileiro, foi apresentadora de televisão e hoje escreve para diversas publicações. Tem no currículo trabalhos para companhias internacionais como Avianca, Eurail e Intercontinental Group. Seu livro de crônicas de viagem "Mas Você Vai Sozinha?” foi lançado pela Globo Livros em 2016. Acompanhe pelo Instagram em @gaiapassarelli

  • 360 nas redes
  • Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.