Roteiro completo na Serra da Capivara + Petrolina ou Teresina

A maior mentira que contam por aí é a de que a Serra da Capivara, no Piauí, é um destino muito difícil de ser visitado. Eu acreditei nessa por anos, e com isso fui adiando a viagem. Não há voos para a região do Parque Nacional e por isso chegar ali envolve cinco horas de estrada, é verdade, mas nessa você ganha outros destinos para compor as férias. E vale a pena colocar a Serra da Capivara no roteiro de viagem, viu.

Esse é o endereço da maior quantidade de sítios arqueológicos das Américas e um Patrimônio da Humanidade segundo a UNESCO. Não bastasse isso, as pesquisas feitas ali pela arqueóloga Niède Guidon (guarde esse nome) questionaram uma das mais importantes teorias do século 20 e deram outra resposta para uma pergunta difícil: afinal de contas, quando o ser humano pisou nas Américas? Segundo a Niède Guidon, já havia gente morando no Piauí há 110 mil anos.

Veja também: A história da Serra da Capivara e os verdadeiros descobridores do Brasil

Criado em 1979, o Parque Nacional Serra da Capivara ocupa a área de quatro municípios, sendo que os mais importantes – e onde os turistas ficam – são Coronel José Dias e São Raimundo Nonato.

Passarela no sítio do Boqueirão da Pedra Furada

Passarela no Boqueirão da Pedra Furada (Foto: Fellipe Abreu)

Começando o planejamento da viagem

O Parque Nacional Serra da Capivara tem estrutura de dar inveja a praticamente qualquer outro por aí, mas poucos visitantes – são cerca de 25 mil por ano. Ao contrário do que o senso comum indica, esse não é um passeio apenas para os mais aventureiros e que afaste os sedentários.

Muitos dos 204 sítios arqueológicos abertos para visitação são facilmente acessíveis e envolvem caminhadas curtíssimas; outros são acessíveis até para idosos e cadeirantes. Quem busca aventura, porém, pode investir em trilhas de horas e que levam para sítios e mirantes mais afastados.

Como contratar o serviço de guia

A entrada no parque já foi cobrada, mas no momento é de graça. Por outro lado, é obrigatória a contratação de um guia/condutor, uma medida importante para a conservação dos sítios e também para segurança dos próprios visitantes. E não adianta chegar numa das guaritas do parque sem guia e tentar contratar o serviço por lá – você precisa agendar antes. A diária sai por R$ 150, mas o valor é para grupos de até oito pessoas.

Nós fomos com a Eliete de Souza Silva (89 98126-1435, número de Whastapp), que tem um conhecimento gigantesco sobre a Serra da Capivara e dos sítios arqueológicos. Ela é formada em Ciências Naturais e participou de várias escavações com a Niède Guidon e sua equipe. Já combine, antes da viagem, quais sítios visitar e o roteiro que você gostaria de fazer, de acordo com seu perfil.

Se a Eliete não tiver disponibilidade ou se você quiser mais opções, o site do ICMBio tem uma lista com os contatos de todos os condutores credenciados.

Galeria do Museu da Natureza

Galeria do Museu da Natureza: (Foto: Fellipe Abreu) 

Quanto custa uma viagem para a Serra da Capivara?

Além dos gastos com o condutor, coloque no orçamento as diárias dos hotéis (de R$ 150 a R$ 200, no quarto duplo simples), o deslocamento até São Raimundo Nonato, seja de carro ou ônibus, e as refeições. Até mesmo pela falta de restaurantes mais elaborados, o custo com alimentação é baixo, sendo possível comer muito bem por algo entre R$ 20 e R$ 30 por refeição.

Os únicos passeios pagos são os dois museus, que valem muito o investimento: o Museu do Homem Americano, que fica em São Raimundo (R$ 15), e o Museu da Natureza (R$ 30), em Coronel José Dias. Também há uma taxa para fazer a visita noturna no Boqueirão da Pedra Furada – mas de dia, quando todo mundo vai, é de graça.

O gasto total do 360meridianos, numa viagem de cinco dias pela Serra da Capivara e para duas pessoas, foi:

  • R$ 560 com hospedagem (quatro diárias no quarto duplo do Hotel Serra da Capivara).
  • R$ 909 no aluguel do carro (sete diárias de modelo intermediário, com condutor adicional e seguros).
  • R$ 600 com combustível, incluindo os deslocamentos nos dois dias que ficamos em Petrolina.
  • R$ 750 com o serviço de guia no parque Nacional (cinco dias)
  • R$ 110 de entrada dos dois museus e da visita noturna ao Boqueirão da Pedra Furada.
  • R$ 550 com alimentação e água

Com isso, o custo total da viagem foi de R$3479, ou R$1739 por pessoa. Note que alguns valores diminuem se os grupos forem maiores, como o serviço de guia ou mesmo o aluguel do veículo. E lembre-se que esse valor não inclui os gastos nos dias de chegada e volta, seja em Petrolina ou em Teresina, e nem as passagens aéreas. Também não inclui bebidas alcoólicas, lembrancinhas ou programas noturnos – há muitas opções de forró pé de serra na região.

Dezenas de pinturas rupestres num paredão da Serra da Capivara

O que levar?

Protetor solar, repelente e calçados e roupas confortáveis, por mais que não seja necessário fazer trilhas longas para chegar em vários sítios. Vale levar também um boné ou chapéu, para se proteger do sol, que castiga. E tenha muita água e lanchinhos sempre com você, pois em sítios mais afastados não há opções para comprar comida. Por isso, leve uma mochila ou bolsa menor, para carregar os itens necessários para um dia de caça a pinturas rupestres.

Este texto faz parte do Origens BR, um projeto do 360meridianos que vai investigar a história – e a pré-história – do Brasil. Do período imediatamente anterior ao desembarque dos conquistadores até milhares de anos atrás. O Origens BR conta com o patrocínio da Seguros Promo e da Passagens Promo, empresas que tornaram essa investigação possível.

Serra da Capivara: quando ir

Não há um período do ano em que a viagem seja desaconselhada. A questão é só se você vai enfrentar pouco ou muito calor – e se há riscos de chuvas ocasionais te atrapalharem. O período de chuvas vai de novembro a abril, já a estação seca vai de maio a outubro. Nós estivemos lá no final de março e começo de abril e o clima estava ótimo. Enfrentamos uma ou outra chuva leve nos cinco dias que passamos lá, mas que não atrapalharam em nada.

Quantos dias ficar

Fique três ou quatro dias inteiros para conseguir ver as principais atrações com calma. Se tiver mais tempo, não tenha dúvidas: gaste por ali. Principalmente se você for o típico nerd, digo, fã de pinturas rupestres. Uns dias a mais também caem bem para os que gostam de programas mais aventureiros, como trilhas longas para acessar sítios mais distantes.

Como chegar ao Parque Nacional

São Raimundo até tem aeroporto, mas não tem avião. Construído durante mais de uma década, o lugar foi inaugurado só em 2016. E por um curto período até recebeu voos comerciais, mas de aviões pequenos, para até nove passageiros. Não demorou para o voo ser cancelado e hoje a rota para a Serra da Capivara é necessariamente por terra.

arte rupestre num caverna

Serra da Capivara via Petrolina

Até poderia ser mais fácil, mas a falta de voos para São Raimundo Nonato passa longe de ser algo impeditivo. Basta voar para Petrolina (PE), que está a 380 km da Serra da Capivara, por estradas asfaltadas; ou a 300 km, numa rodovia que inclui 40 km de terra. Há voos diretos para Petrolina a partir de Recife, Salvador e São Paulo – e que, se comprados com antecedência, têm preços interessantes.

  • Como ir: trecho todo asfaltado (380 km, BR 470 e PI-459 e PI-465)

Foi o que nós fizemos. Atenção para as pegadinhas do GPS se você quiser o caminho sem estradas de terra, porque a rota não necessariamente é a que vai ser sugerida pelo sistema.

Nesse caso, deixe Petrolina pela BR 470, sentido Afrânio (119 km). O GPS pode sugerir que você entre à esquerda, sentido Queimada Nova, já em Afrânio, o que é um erro – esse caminho inclui um trecho de estrada de terra. Para evitar isso, passe Afrânio. Cerca de 10 km depois você vai ver uma placa indicando a divisa entre Pernambuco e o Piauí; mais 10 quilômetros e você chegará ao posto fiscal da comunidade de Pipocas. É nesse posto que você entra à esquerda, numa estrada que segue para Queimada Nova.

A partir desse ponto são mais 163 km até São João do Piauí. O problema é que são estradas estaduais (PI-459 e PI-465), o que quer dizer buracos. Quando nós fomos eram muitos. Há também uma quantidade enorme de animais na pista, principalmente bodes, cabras e vacas, então esse não é um trecho para percorrer rapidamente. Por tudo isso, também não é um trajeto que eu faria à noite.

Um pouco antes de São João do Piauí você voltará para uma BR e os buracos desaparecem – a quantidade de bichos na pista também diminui bastante. De São João do Piauí até São Raimundo Nonato são mais 99 km. Verifique se é necessário abastecer o carro antes de encarar essa parte da viagem, já que boa parte corta ao meio o Parque Nacional e não há postos no caminho. Espere gastar entre 5h30 e 6h em todo o deslocamento.

Vista de drone da formação geológica da Serra da Capivara

Imagem de drone da Serra da Capivara (Foto: Fellipe Abreu)

  • Como ir: trecho com 40 km de estradas de terra (300 km no total). 

Deixe Petrolina pela BR 235, sentido Casa Nova, na Bahia. São 206 km até Remanso, outra cidade baiana. A partir dali são mais 95 km, pela BR-324. É esse trecho que inclui cerca de 40 km de rodovias de terra. Há obras no local e a promessa é que o asfalto logo esteja em toda a via.

Evitei esse caminho após ler diversos relatos de que, por enquanto, a estrada é muito ruim. Mas é o percurso usado pela maior parte da população de São Raimundo. Se ficar com dúvida do que fazer, peça dicas do estado da estrada para seu guia ou para o hotel onde você vai se hospedar na Serra da Capivara. O deslocamento entre Petrolina e São Raimundo leva entre 4h30 e 5h via Remanso.

pintura com formas humanas na serra da capivara

Serra da Capivara via Teresina

Também é possível ir para a Serra da Capivara a partir de Teresina, que está a 500 km de distância. Você perde Pernambuco e a Bahia, mas conhece a única capital nordestina que não está no litoral. Nesse caso a escolha de rota é simples: são 522 km pelas rodovias BR-343, PI-140 e BR-324, passando pela cidade de Floriano.

Alugo um carro ou não?

Você vai precisar de um carro para conhecer todos os sítios arquelógicos da Serra da Capivara, que estão distantes entre si. A boa notícia é que não é necessário ser 4×4, já que é possível chegar em São Raimundo Nonato por estradas asfaltadas. E, uma vez lá, os sítios mais importantes do parque também podem ser visitados usando carros de passeio.

Eu aluguei um carro em Petrolina e fui dirigindo. Essa é a opção mais cômoda – e provavelmente a mais barata, a não ser que você esteja viajando sozinho. Se optar por alugar um veículo, a dica é reservar com antecedência, já que os preços das locadoras sofrem alterações de oferta e demanda da mesma forma que as passagens aéreas. Nesse texto aqui nós explicamos como reservar um carro garantindo o melhor custo/benefício.

Não quer ou não pode dirigir? Sem problemas. Vários guias topam te levar aos sítios nos carros deles, o que aumenta o preço da diária em cerca de 30%, já incluindo o combustível. A rota de ônibus entre Petrolina e São Raimundo Nonato é feita pela Viação Gontijo – as passagens custam R$ 77. Só fique atento, porque há apenas uma saída diária (às 14h10, de Petrolina; e às 10h55, de São Raimundo Nonato).

Se ir de ônibus tem desafios de logística e deve diminuir seu tempo útil na Serra da Capivara, já que você não pode sair e chegar na hora que quiser, a vantagem é incluir mais uma cidade no roteiro. Basta, para isso, comprar as passagens aéreas separadas ou para múltiplos destinos: ida por Petrolina e volta por Teresina (ou o contrário). A viagem entre a Serra da Capivara e Teresina é feita pelas empresas Líder, Transpiauí e Expresso Princesa do Sul e custa R$ 100 – são três ônibus diários.

Duas sugestões de roteiros pela Serra da Capivara, com e sem carro

Roteiro de 7 dias: Serra da Capivara + Petrolina

A grande vantagem de descer em Petrolina é o 3 em 1: você investe numa viagem para o Piauí, onde está a Serra da Capivara, e ganha uns dias também em Pernambuco e na Bahia. Essa é uma região recheada de vinícolas – oi, enoturismo – plantações de frutas, praias e ilhas. É que Petrolina, mesmo no meio do sertão, está no Vale do Rio São Francisco. Do outro lado do rio, cruzando uma ponte curta, já é Juazeiro, na Bahia.

Petrolina e Juazeiro vistas do alto, com o rio São Francisco no meio

Petrolina e Juazeiro – e o Rio São Francisco (Foto: Fellipe Abreu)

Já no Parque Nacional os sítios se dividem em quatro regiões: Serra Vermelha, Serra Talhada, Serra Branca e a Serra da Capivara. O parque funciona todos os dias, de 06h às 18h. O nosso roteiro ficou assim:

  1. Petrolina e Juazeiro. Aproveitamos para conhecer a orla do São Francisco, o Museu do Sertão, uma oficina de artesãos e o Bodódromo.
  2. Deslocamento para a Serra da Capivara e visita ao Baixão das Andorinhas, na Serra Vermelha.
  3. As tocas dos maniçobeiros e os sítios arqueológicos em Serra Branca. Parada na comunidade Novo Zabelê e depois visita ao Museu do Homem Americano, em São Raimundo Nonato.
  4. Boqueirão da Pedra Furada, o sítio mais famoso. Pedra Furada, o cartão-postal. Visita ao Museu da Natureza.
  5. Toca do Paraguaio e mirantes para ver a beleza da serra. Cerâmica Serra da Capivara e visita noturna ao Boqueirão da Pedra Furada.
  6. Mais um mirante, com direito a revoada de papagaios. Em seguida voltamos para Petrolina, onde chegamos no fim da tarde.
  7. Dia nas vinícolas e praias da região de Petrolina e Juazeiro.

Parreirais cheios de uvas verdes em vinícola no sertão

Vinícola Terranova, na Bahia e pertinho de Petrolina (Foto: Fellipe Abreu)

Os sítios mais importantes da Serra da Capivara

É impossível ver todos os sítios arqueológicos da Serra da Capivara. Para decidir quais visitar, converse com a pessoa que guiará você, explicando quais os interesses e o perfil dos viajantes – assim vocês vão determinar os sítios que são mais interessantes e que cabem no roteiro. Há alguns lugares, porém, que estão naquela categoria dos que não podem faltar.

  • Boqueirão da Pedra Furada

Esse é o sítio mais famoso, primeiro pela quantidade absurda de pinturas num mesmo lugar: são mais de mil, todas protegidas por um enorme paredão que há milhares de anos era cercado por duas cachoeiras. Ali estão algumas das pinturas mais famosas da Serra da Capivara, como os dois veados, que são símbolos do parque, e a cena do beijo. “O parque tem duas tradições de pinturas. A nordeste, que está sempre representando movimento, data de 12 mil a 6 mil anos. E a tradição agreste, que representa figuras humanas, tem pinturas que datam de 10 mil a 3500 anos”, explica a Eliete de Souza Silva, que nos guiou pelo parque.

Veados Serra da Capivara

Pinturas no Boqueirão da Pedra Furada: Foto: Fellipe Abreu

E a polêmica que o Boqueirão da Pedra Furada representa é outro ponto que torna esse sítio obrigatório no roteiro. É que começaram ali os estudos que contestam a Teoria de Clóvis, que diz que as Américas foram ocupadas pelo homem em algum momento entre 13 mil e 17 mil anos atrás, pelo Estreito de Bering e durante a última glaciação.

No Boqueirão da Pedra Furada a arqueóloga Niède Guidon encontrou provas de presença humana que datavam, num primeiro momento, de 26 mil anos. Muito contestados, sobretudo por pesquisadores norte-americanos, os resultados foram mais tarde confirmados por outros estudiosos – e datações ainda mais impressionantes foram encontradas nos anos seguintes. A polêmica, no entanto, está longe de acabar.

cena do beijo, Serra da Capivara

Cena do Beijo (Foto: Fellipe Abreu)

O Boqueirão da Pedra Furada tem ótima estrutura turística, com uma passarela que permite ver os desenhos de pertinho e um quiosque que vende lanches diversos. É também o único sítio que permite visita à noite. Para isso, é preciso agendar (converse com seu guia). Uma taxa de R$ 50 é cobrada para ligar a iluminação noturna, mas esse valor é dividido entre todas as pessoas que fizerem a visita. Se aparecer só você, a conta é toda sua.

  • Pedra Furada

O Boqueirão da Pedra Furada é onde as pinturas estão num paredão. Já a Pedra Furada em si fica ali pertinho. Mesmo sem pinturas rupestres, esse é o principal cartão-postal da Serra da Capivara. Ali foi montado uma espécie de teatro ao ar livre e que recebe alguns eventos.

Pedra Furada com a caatinga ao fundo

  • Baixão das Andorinhas, Serra Vermelha

Pinturas rupestres, uma vista belíssima da Serra Vermelha e o espetáculo do pôr do sol. Perto do fim do dia, centenas de andorinhas mergulham em alta velocidade para as cavernas do cânion, produzindo uma cena linda – o barulho é impressionante. É possível fazer uma trilha pela caatinga e visitar outros sítios nos arredores, mas o destaque por ali é mesmo se sentar e curtir o pôr do sol. E as andorinhas.

Vista aérea da Serra da Capivara

Área do Baixão das Andorinhas (Foto: Fellipe Abreu)

  • Serra Branca e os maniçobeiros

Até meados do século 20, o Piauí viveu o Ciclo da Maniçoba, uma árvore da caatinga e que pode ser usada na extração de borracha. Os maniçobeiros passavam semanas vivendo em tocas – abrigos construídos junto a paredões naturais – e extraindo borracha. Em muitas dessas tocas existiam pinturas rupestres, como na Toca de Extrema 2. Outras que valem a visita são a Toca do Vento, a Toca do Veado, a Toca do João Arsena e a Toca do Pica-Pau. Cenas de caça e de guerra são comuns na arte rupestre de Serra Branca.

Toca dos Maniçobeiros

Uma das tocas dos maniçobeiros (Foto: Fellipe Abreu)

  • Toca do Paraguaio

Chama atenção pela beleza: há milhares de anos, um grande rio passava por ali, formado o cenário encontrado hoje. Foi o primeiro sítio escavado pela Niède Guidon, ainda nos anos 1970. “Aqui ela encontrou dois sepultamentos em fossa, sendo que um data de 7 mil anos e outro de 8500 anos. Tem pinturas da tradição nordeste, que representam o cotidiano desse grupo”, explica a Eliete. Destaque para a pintura de um veado-galheiro, animal que não existe na caatinga. “Mas tem só 10 mil anos que essa região se tornou semiárida”, completa ela.

arte rupestres na serra da capivara

Pintura na Toca do Paraguaio (Foto: Fellipe Abreu)

A Toca do Paraguaio faz parte do Desfiladeiro da Capivara, que tem outros pontos altos, como a Toca Nova da Estrada, a Toca da Entrada do Pajaú, a Toca do Barro, a Toca do Inferno e a Toca da Entrada do Baixão da Vaca.

  • Museu da Natureza

Um museu extraordinário no meio da caatinga. Com grande acervo e muita tecnologia e interação, esse é o tipo de museu que poderia estar em qualquer capital do mundo. E ainda bem que não está, assim tudo que é encontrado na Serra da Capivara acha um lugar nas comunidades do entorno do parque. “A exposição mostra como era região, que um dia já foi mar, fala de todo o movimento tectônico, das diferentes épocas climáticas”, explica Niède Guidon. Ali estão os ossos de animais da megafauna que foram escavados da Serra da Capivara, de tatus e preguiças gigantes até as presas de um tigre-dentes-de-sabre. Funciona de quarta a segunda, das 13h às 18h.

Museu da Natureza, vista aérea, cercado pelo verde da caatinga

Museu da Natureza (Foto: Fellipe Abreu)

  • Museu do Homem Americano

O primeiro museu da Serra da Capivara, também incrível. Se no Museu da Natureza o foco é a história, a fauna e a flora da região, o Museu do Homem Americano guarda o crânio de Zuzu, um dos mais antigos encontrados no Brasil, com 10 mil anos, além de múmias e ossadas de diferentes períodos. Como o nome indica, esse é o local para aprender sobre os primeiros seres humanos que andaram no território brasileiro e saber mais sobre a arte rupestre do Parque Nacional.

Crânio de Zuzu, encontrado na Serra da Capivara

Crânio de Zuzu, Museu do Homem Americano (Foto: Fellipe Abreu)

  • Cerâmica Serra da Capivara

Criada por inciativa da Fundação do Homem Americano, co-administradora do parque junto com o ICMBio, a Cerâmica Serra da Capivara hoje emprega 31 pessoas da região e produz sete mil peças por mês. É o melhor local para comprar lembrancinhas. Também funciona como pousada e oferece um almoço muito bom.

  • Trilha Hombu

São trilhas para vários perfis de viajantes, que passam por sítios pré-históricos e históricos. Ali ficam a Toca da Invenção, a Toca da Pedra Caída e a Toca da Ema do Sítio do Brás. Não tivemos tempo de fazer essa trilha. “O visitante mais aventureiro pode ainda subir por uma escada em uma fenda da rocha para chegar ao topo da chapada”, explica a Fundação do Homem Americano.

  • Baixão das Mulheres

Os sítios em destaque por ali são o Baixão das Mulheres I e II, a Roça do Clóvis e a Toca dos Coqueiros. Ali foi encontrado um esqueleto que hoje está no Museu do Homem Americano.

Pintura rupestre: dois veados, caça ao tatu e beijo

Os dois veados, duas figuras humanas se beijando e uma cena de caça ao tatu

Dicas de Hotéis em Petrolina e na Serra da Capivara

Em Petrolina nos hospedamos na Orla Guest House, que tem boa localização e excelente custo/benefício. Outra opção por ali, a melhor da cidade, é o Nobile Suites del Rio. Também dá para ficar em Juazeiro, mas Petrolina me pareceu uma escolha melhor. Em todo caso, de uma cidade pra outra dá pra ir a pé – é só cruzar a ponte.

Veja mais opções de hospedagem em Petrolina e Juazeiro

Já na Serra da Capivara a dúvida inicial também é sobre em qual cidade ficar: São Raimundo Nonato, onde estão a maior parte dos poucos hotéis da região, ou Coronel José Dias, que tem opções de hospedagem mais próximas ao parque.

Optamos por São Raimundo Nonato –  ficamos no Hotel Serra da Capivara, que está na beira da rodovia e a uns 10 minutos de caminhada do centro da cidade. Tem estacionamento amplo e piscina, mas anda precisando de uma grande reforma. O Hotel Real, mais perto do centrinho, parece ser uma alternativa melhor, tanto na localização quanto no conforto.

Se optar por ficar numa zona mais rural, em Coronel José Dias, o Albergue Serra da Capivara é excelente. Apesar do nome, tem quartos privativos.

Veja mais opções de hospedagem na Serra da Capivara

Roteiro de 7 dias: Serra da Capivara + Teresina e Petrolina

Não pode ou não quer alugar um carro? Aproveite a oportunidade: nesse caso, minha sugestão é que você compre passagens aéreas separadas ou de múltiplos destinos, chegando por Petrolina e voltando por Teresina. O roteiro seria idêntico ao anterior, mas você substitui um dos dias em Petrolina por um em Teresina.

Detalhe de pinturas rupestres em duas cores, vermelho e branco

Detalhe do Boqueirão da Pedra Furada (Foto: Fellipe Abreu)

Dicas de hotéis em Teresina

Em Teresina, boas opções de hospedagem (para todos os bolsos) são o Sacada Center Hostel, o Jockey Class Hotel, o Portofino Hotel Prime, o Lis Hotel e o Metropolitan Hotel.

Veja mais opções de hospedagem em Teresina

Tem mais dias?

Nesse caso vale a pena incluir outros atrativos do Piauí, como o Parque Nacional Serra das Confusões, que fica pertinho da Serra da Capivara (110 km) – há até um corredor ecológico entre eles, já que os animais circulam de um local para outro. Outra alternativa é o Parque Nacional Sete Cidades (700 km da Serra da Capivara e 215 km de Teresina).

E quem tiver ainda mais tempo pode esticar até o litoral, encerrando a viagem pelo Piauí no Delta do Paranaíba (340 km de Teresina). Além de um local lindíssimo, esse é o endereço em que, segundo a Niède Guidón, há 110 mil anos os primeiros seres humanos desembarcaram no Brasil, vindos da África, e de lá seguiram até o interior do Piauí.

Jornalismo de qualidade tem um custo – e isso é sempre um desafio, ainda mais para um veículo independente como o 360meridianos. É por isso que agradecemos, e muito, aos patrocinadores da série Origens BR: a Seguros Promo e a Passagens Promo. Duas empresas que auxiliam viajantes em busca das férias perfeitas e que investem na cultura e no conhecimento. Vamos conhecer mais o Brasil?

Seguros Promo Seguros Promo


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

17 comentários sobre o texto “Roteiro completo na Serra da Capivara + Petrolina ou Teresina

  1. Parabéns pela matéria!!O parque Presisa de mais informações.e essa matéria ficou excelente
    Obs:próximo a entrada principal do PARQUE NACIONAL SERRA DA CAPIVARA também tem uma pousada e restaurante trilha da capivara q fica pertinho da pousada vc vê os paredões da serra da capivara ,pra quem procura tranquilidade ,fácil acesso @pousada_trilha_capivara

  2. Reportagem ma-ra-vi-lho-sa!!!
    Sou muito fã da pintura rupestre, já visitei as grottas de Lascaux e Chauvet, na França, e aqui no estado de Goiás, onde moro, conheci pinturas na cidade de Serranópolis.
    Tenho muita vontade de visitar a Serra da Capivara, mas sempre ouvi dizer que era de difícil acesso.
    Com essa matéria, estou muito animada a ir.
    Muito grata pelas dicas valiosas.

    Jaelma

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.