Tags:
Atlas: Índia

Como são os (temidos) banheiros na Índia

Nem yoga, nem meditação, nem Bollywood. Um dos assuntos que mais gera curiosidade sobre a Índia é como as pessoas daqui se comportam naquele momento de maior intimidade, quando ficam sozinhas e fazem aquilo que ninguém mais pode fazer por elas. Pode ser escatológico, mas não são poucas pessoas que esbarram no medo de um choque cultural justo naquele momento de atender ao chamado da natureza.

É fácil entender o porquê. As informações que chegam ao ocidente podem assustar qualquer criança criada com Bom Ar. Dizem que por aqui o vaso é um buraco no chão, que eles não usam papel higiênico e que só comem com a mão direita porque a esquerda é usada para limpar a obra.

banheiro na índia

Foto: Stephanie Booth, Creative Commons

E os banheiros na Índia? Como são?

Bom, se você está programando uma viagem para a Índia (e para o sudeste asiático em geral), saiba que isso tudo é verdade. E tem mais: por aqui, a preferência nacional é se aliviar ao ar livre. De acordo com uma pesquisa da Unicef, seis de cada dez pessoas, ou 58% da população indiana, acham que ver o céu e ouvir o som dos pássaros é algo muito interessante para se fazer no momento em que eles arriam as calças. Tanto que esses mais de 600 milhões de pessoas não têm sanitário em casa. Esse número é maior do que o número de pessoas que não têm telefone celular. Com tanta gente assim, você pode imaginar a quantidade de material que é depositado em vias públicas a cada dia.

Plaquinha de banheiro na índia

Essa cultura vem de muito tempo e é difícil de mudar, mesmo com os esforços do governo indiano, que gasta cerca de $438 milhões por ano em construções de banheiros públicos. Talvez por isso essa seja uma grande preocupação dos turistas desde os tempos coloniais, vide o caso da inglesa que planejou vir passar algum tempo na colônia e escreveu ao proprietário da pousada perguntando se o lugar tinha WC. Pode ser pelo fato de que as latrinas eram ainda mais incomuns nessa época, mas ele achou que ela estivesse se referindo a uma Wayside Church (capela). A resposta do senhor foi a seguinte:

“Prezada senhora: tenho extremo prazer em informar-lhe que o WC fica a nove milhas (quase 15 quilômetros) da casa, no meio de um bosque de pinheiros, rodeado por belos jardins. Como se espera que cheguem muitas pessoas nos meses de verão, sugiro que venha logo. Esta é uma situação infeliz, especialmente se a senhora tem o hábito de ir regularmente”, continuou. “Recomendo que planeje uma quinta-feira, quando há acompanhamento de órgão. A acústica é excelente e inclusive os sons mais delicados podem ser ouvidos em todas as partes. A mais nova incorporação é um sino que toca cada vez que alguém entra. Desejo acompanhá-la pessoalmente até o local e fazê-la sentar-se em um lugar onde todos possam vê-la. Atenciosamente, O Professor” Fonte: Comitê da Solidariedade

Algo me diz que essa senhora nunca pisou em solo indiano, mas antes que você também saia correndo para cancelar sua passagem, eu preciso dizer: Não entre em pânico!

Certamente não vão faltar banheiros nos lugares por onde você vai passar. E sim, muitas vezes as privadas vão ser no chão, principalmente em alguns hotéis mais baratos e em rodoviárias, mas você se acostuma com elas. O papel higiênico realmente não entra na lista de compras das famílias indianas, mas isso não significa que seja impossível de encontrar. Eles são vendidos em muitos quiosques e mercearias nas maiores cidades e principalmente naquelas em que há uma grande presença de turistas. Sempre tenha um rolo com você. Essa é a primeira regra do mochileiro na Índia.

É claro que você vai se deparar com muitas pessoas arriando as calças nos cantinhos e esquinas, mas com isso, meu amigo, você vai ter que se acostumar. Afinal, lidar com a sujeira e com situações que parecem estranhas e absurdas para quem está acostumado a usar Neve folha dupla decorado e com cheiro de pêssego faz parte da experiência na Índia.

Clube Grandes Viajantes

Esse texto faz parte do material elaborado para o Clube Grandes Viajantes, criado para você que é apaixonado por viagens, mas também por leitura e história, que são as melhores formas de viajar sem sair de casa.

O Clube de Assinaturas é uma forma de financiamento coletivo recorrente. Ou seja, você ajuda a gente a continuar produzindo conteúdo de qualidade com um pequeno valor por mês, e, em troca, receberá uma série de benefícios especiais. Temos duas faixas de contribuição, que começam com a partir de 9 reais. Clique aqui e faça parte já!

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

27 comentários sobre o texto “Como são os (temidos) banheiros na Índia

  1. Recomendo que Assistam na Netflix o filme indiano TOILET e verá o tamanho do problema enfrentado, principalmente, pelas mulheres na Índia.

  2. Será que é todos Os lugares da Índia, achei interessante, eu converso com um indiano de um site de amizades, e agora pergunto para ele se tem privada na casa dele kkkl

  3. Olá a todos!!!

    Foi um prazer conhecer este site. É impressionante, como tantos países em pleno século 21 ainda não se desenvolveram, e o pior, continuam até os dias de hoje, adotando essas culturas indesejáveis. Eu acredito que DEUS nos concedeu sabedoria para evoluirmos cada vez mais, facilitando os nossos dias e os dias das novas pessoas que estão nascendo. Tudo, precisa de atualização; internet, computadores, whatsapp etc… Temos que evoluir para melhorar. Limpar o “reto” com a mão sem usar um papel adequado, é falta de de higiene e evolução. Todos esses países não evoluídos, deviam se espelhar nos países de primeiro mundo. Jamais permanecer com essas culturas não sábias. Existe pessoas assim também em todo o mundo. Exemplifico: Pessoas supersticiosas, outras que acreditam até hoje em: Saci pererê, lobisomens e por aí a fora vai. TRISTE, sofrem mais… Mas, como diz o velho ditado: “Quando a cabeça não é boa, o corpo e até mesmo terceiros inocentes, padecem.” Meu face é:

    http://www.facebook.com/KIKODOBEM

    Abraços a todos,

    Kiko.’.

    1. Olá,

      Obrigada pelo comentário. Só preciso fazer um contraponto: não é porque um hábito é diferente do que estamos acostumados que ele é antihigiênico e não evoluído. Não há nenhum problema em limpar-se com água, utilizando a mão, como fazem os indianos, se no final tanto mão quanto as partes baixas terminam limpas. Qualquer estranhamento que se possa ter com esse ato é puramente cultural.

      Abraços

    1. Julia, sim, acredito que usam absorventes porque não era difícil comprá-los lá. E os banheiros tem portas sim, na maior parte das vezes.

      Abraços!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.