Tags:
Atlas: Índia

Como são os (temidos) banheiros na Índia

Nem yoga, nem meditação, nem Bollywood. Um dos assuntos que mais gera curiosidade sobre a Índia é como as pessoas daqui se comportam naquele momento de maior intimidade, quando ficam sozinhas e fazem aquilo que ninguém mais pode fazer por elas. Pode ser escatológico, mas não são poucas pessoas que esbarram no medo de um choque cultural justo naquele momento de atender ao chamado da natureza.

É fácil entender o porquê. As informações que chegam ao ocidente podem assustar qualquer criança criada com Bom Ar. Dizem que por aqui o vaso é um buraco no chão, que eles não usam papel higiênico e que só comem com a mão direita porque a esquerda é usada para limpar a obra.

banheiro na índia

Foto: Stephanie Booth, Creative Commons

E os banheiros na Índia? Como são?

Bom, se você está programando uma viagem para a Índia (e para o sudeste asiático em geral), saiba que isso tudo é verdade. E tem mais: por aqui, a preferência nacional é se aliviar ao ar livre. De acordo com uma pesquisa da Unicef, seis de cada dez pessoas, ou 58% da população indiana, acham que ver o céu e ouvir o som dos pássaros é algo muito interessante para se fazer no momento em que eles arriam as calças. Tanto que esses mais de 600 milhões de pessoas não têm sanitário em casa. Esse número é maior do que o número de pessoas que não têm telefone celular. Com tanta gente assim, você pode imaginar a quantidade de material que é depositado em vias públicas a cada dia.

Plaquinha de banheiro na índia

Essa cultura vem de muito tempo e é difícil de mudar, mesmo com os esforços do governo indiano, que gasta cerca de $438 milhões por ano em construções de banheiros públicos. Talvez por isso essa seja uma grande preocupação dos turistas desde os tempos coloniais, vide o caso da inglesa que planejou vir passar algum tempo na colônia e escreveu ao proprietário da pousada perguntando se o lugar tinha WC. Pode ser pelo fato de que as latrinas eram ainda mais incomuns nessa época, mas ele achou que ela estivesse se referindo a uma Wayside Church (capela). A resposta do senhor foi a seguinte:

“Prezada senhora: tenho extremo prazer em informar-lhe que o WC fica a nove milhas (quase 15 quilômetros) da casa, no meio de um bosque de pinheiros, rodeado por belos jardins. Como se espera que cheguem muitas pessoas nos meses de verão, sugiro que venha logo. Esta é uma situação infeliz, especialmente se a senhora tem o hábito de ir regularmente”, continuou. “Recomendo que planeje uma quinta-feira, quando há acompanhamento de órgão. A acústica é excelente e inclusive os sons mais delicados podem ser ouvidos em todas as partes. A mais nova incorporação é um sino que toca cada vez que alguém entra. Desejo acompanhá-la pessoalmente até o local e fazê-la sentar-se em um lugar onde todos possam vê-la. Atenciosamente, O Professor” Fonte: Comitê da Solidariedade

Algo me diz que essa senhora nunca pisou em solo indiano, mas antes que você também saia correndo para cancelar sua passagem, eu preciso dizer: Não entre em pânico!

Certamente não vão faltar banheiros nos lugares por onde você vai passar. E sim, muitas vezes as privadas vão ser no chão, principalmente em alguns hotéis mais baratos e em rodoviárias, mas você se acostuma com elas. O papel higiênico realmente não entra na lista de compras das famílias indianas, mas isso não significa que seja impossível de encontrar. Eles são vendidos em muitos quiosques e mercearias nas maiores cidades e principalmente naquelas em que há uma grande presença de turistas. Sempre tenha um rolo com você. Essa é a primeira regra do mochileiro na Índia.

É claro que você vai se deparar com muitas pessoas arriando as calças nos cantinhos e esquinas, mas com isso, meu amigo, você vai ter que se acostumar. Afinal, lidar com a sujeira e com situações que parecem estranhas e absurdas para quem está acostumado a usar Neve folha dupla decorado e com cheiro de pêssego faz parte da experiência na Índia.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

37 comentários sobre o texto “Como são os (temidos) banheiros na Índia

  1. infelizmente a situação não é um mar de flores, vivi 1 ano na Índia pode ser bonita aos olhos do turista ou mochileiro que vai ficar no máximo 10 dias e gosta de ver miséria, realidade é horripilante seja rico ou pobre, sim culturas diferentes, mas a realidade péssima, hospitais decadentes, sem leitos, seringas jogadas na rua, material biológico, fezes em todos cantos, ar insuportável, odores piores do q imagino q seria Versailes em plena corte de Louis XIV, ng lava mãos,banho , falta água sempre, animais mortos nas ruas, lixo TD canto, restaurantes do mais luxuoso aos simples, entrem na cozinha, comigo no chao, bancadas sujas, esgoto ao lado da comida, fezes, ratos, nunca vi uma cozinha limpa, gordura velha de meses onde fritam as coisas, pessoas com mãos cagadas fedidas de fezes, gente cagando na rua e dejetos aos montes, Taj Mahal é lindo mas fede, bosta, Rio das fezes e lixo ao lado, mortos nós rios, corpos apodrecendo de animais e restos de ossos em Varanasi, ratos, cobras, vacas, macacos em TD lado, pessoas tentam te assaltar sim, vi mulheres estupradas inclusive estrangeiras na rua e ng faz ND, nunca passe mal na Índia pq hospital, é mais miserável do que qualquer país do mundo, povo sujo e sem educação vc encontra 10% de pessoas limpas e educadas, tem locais lindos, espiritualidade a base de sujeira, bota sujeira nisso, a beleza vem da cultura antiga, mas não dá imundice, fora surtos de Tifo febre tifoide comum por lá e cólera, perdi 2 amigos mochileiros brasileiros, por febre tifoide q contraíram na Índia chegaram ao Brasil os médicos não faziam ideia do que era. Mora cá hj em Kyoto sou Russo Brasileiro, mas nem o SUS é tão precário quanto a saúde na Índia, o SUS parece hospital de primeiro mundo, pensei que não haveria coisa pior. Não se encantem e cuidado com que comem na Índia, 13 meses que morei, nunca sofri tanto, nunca vi tamanha pobreza, falta de higiene, imundice como na Índia desde o Sul ao Norte dela,nunca coma na rua pois o Tchai delicioso é as vezes com água de fezes coada.

    1. Olá Aleksey, eu também morei lá na Índia e não acho horripilante. Tem seus problemas e é uma adaptação difícil pois a cultura é mto diferente, mas tem seu lado bom e lado ruim também. Onde eu morei conseguia ter uma boa qualidade de vida bem razoável…

      Abraços e obrigada por mostrar seu ponto de vista

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.