Como funciona uma escavação arqueológica?


“É claro que trabalhar com aquele crânio olhando para você é algo muito bacana, mas a escolha não é simplesmente pelo apelo estético”, me disse Rodrigo Elias de Oliveira, bioantropólogo do Laboratório de Arqueologia, Antropologia Ambiental e Evolutiva da USP. Ele explicava como são escolhidos os pesquisadores que fazem a exumação de esqueletos humanos que têm entre oito e dez mil anos, um trabalho cuidadoso, demorado e que exige, nas palavras dele, muitas “horas de voo” do responsável.

Estávamos na Lapa do Santo, sítio arqueológico que fica numa comunidade de Matozinhos, região metropolitana de Belo Horizonte. Durante um dia inteiro, acompanhamos os trabalhos dos pesquisadores e vimos de perto quando o sepultamento de número 40 daquele sítio começou a se revelar com mais clareza. E era um sepultamento duplo, algo pouco comum mesmo para uma região incomum.

arqueólogo escava crânio na Lapa do Santo

Bioantropólogo Rodrigo Elias de Oliveira trabalha na Lapa do Santo (Foto: Fellipe Abreu)

Este texto faz parte do Origens BR, um projeto do 360meridianos que vai investigar a história – e a pré-história – do Brasil. Do período imediatamente anterior ao desembarque dos conquistadores até milhares de anos atrás. O Origens BR conta com o patrocínio da Seguros Promo e da Passagens Promo, empresas que tornaram essa investigação possível.

“A gente consegue ver o crânio, a cabeça de um dos indivíduos, com a face voltada para leste, enquanto o outro, que a gente consegue ver bem as órbitas e o nariz, como se estivesse virado para vocês, está com a face voltada para oeste”, descrevia Rodrigo, de dentro da área de escavação. Após frisar que testes precisariam ser feitos em laboratório, ele cravou: como tudo naquela área, aqueles esqueletos tinham pelo menos oito mil anos. De pé, a poucos metros dos restos de pessoas que viveram há milhares de anos, foi impossível não me emocionar.

A importância arqueológica dessa região mineira é conhecida desde o século 19, quando o pesquisador dinamarquês Peter Lund começou suas escavações na área. Ao longo de décadas, cerca de duas centenas de esqueletos antigos, datados em média em 10 mil anos, foram encontrados em várias cidades ao redor de Belo Horizonte. Entre eles está Luzia, um ícone da arqueologia no Brasil, que foi exumada na década de 1970 de um sítio próximo, a Lapa Vermelha 4.

Veja também: A incrível história de Luzia e dos povos de Lagoa Santa

Localizada dentro de uma propriedade particular, a Lapa do Santo só foi receber as primeiras escavações no século 21, comandadas pelo bioantropólogo Walter Neves. A equipe dele retirou dali 26 sepultamentos – como alguns sepultamentos têm mais de um indivíduo, esse número não corresponde ao de esqueletos, que é maior. Nos anos seguintes, começaram os trabalhados coordenados por André Strauss e Rodrigo Elias de Oliveira, que encontraram os 14 sepultamentos seguintes. E eles já sabem que há mais esqueletos prontos para serem exumados ali.

Sepultamento duplo na Lapa do Santo

Sepultamento 40, com dois indivíduos, encontrado na Lapa do Santo

“Apesar da gente encontrar, não só no Brasil, mas em toda a América, sítios com datações mais antigas, eles não têm uma quantidade de esqueletos tão impressionante quanto a que existe nessa região. O grande trunfo dessa área é a quantidade de esqueletos humanos relativamente bem preservados. Para quem quer estudar o homem, aqui acaba sendo o principal lugar do país”.

Rodrigo Elias de Oliveira

“Logicamente, por quanto mais tempo se estuda um sítio, mais se sabe sobre ele”, me explicou André Strauss, quando eu perguntei por que tantos esqueletos antigos são encontrados nessa parte de Minas Gerais. E ele seguiu elencando motivos, que envolvem também o tipo de solo e as formações geológicas da área: “você só encontra esqueletos nas cavidades, nas grutas. Não é em qualquer caverna, claro, mas se os sítios são abertos, então não se preserva nada. Por outro lado, mais características são necessárias. (Nessa região) tinha bastante gente, as populações tinham rituais para os mortos, tudo isso ajuda”.

escavação de sepultamento duplo na Lapa do Santo

Rodrigo trabalha no sepultamento 40 da Lapa do Santo (Foto: Fellipe Abreu)

O dia a dia num sítio arqueológico

Por mais que essa região seja conhecida internacionalmente pela quantidade de esqueletos humanos milenares que é capaz de guardar, bastou entrarmos no sítio para a pergunta surgir: como os pesquisadores descobrem exatamente o local que deve ser escavado? “Na verdade tem um pouco de sorte nessa história”, diz Rodrigo. “E tem um pouco do que o Walter Neves gosta de chamar de feeling, de sensação, de sentimento, de você achar que em uma área é possível ou não encontrar algo”, completa ele.

escavação arqueológica

Pesquisador dentro da caverna, na Lapa do Santo (Foto: Fellipe Abreu)

E, claro, há uma técnica detalhada nesse processo. Assim que uma área com potencial arqueológico é encontrada, os pesquisadores começam a sondar o terreno – é a tradagem, em que um recipiente é utilizado para furar o solo e trazer um pouco das várias camadas do que há ali. “Imagine que você tem um bolo. Aí você pega um copo e enfia nesse bolo, e depois tira esse copo com essa parte do bolo dentro dele. Então você tem um tubo de bolo. E se esse bolo é feito por camadas, então o tubo também vai ter essas camadas. Isso no solo se chama tradagem”, explica Rodrigo.

Várias tradagens são feitas no terreno. O passo seguinte depende do que for encontrado. Cinzas de carvão podem ser restos de antigas fogueiras; ossos e materiais que podem ter sido usados pelo ser humano ligam de vez o alerta de escavação. É nesse ponto que é aberta uma quadra, que é exatamente o que o nome indica: uma área quadrada que começa a ser cuidadosamente investigada. “Assim é mais fácil distribuir o espaço. Em quadrados você sempre vai cobrir uma área na união entre eles. Você poderia fazer um círculo, mas como encaixar um círculo e outro vizinho, sem deixar um espaço não escavado? É possível também fazer hexágonos, como os favos de abelhas, mas é bem mais fácil fazer uma área quadrada”, diz Rodrigo.

sítio arqueológico Lapa do Santo

Quadras na escavação da Lapa do Santo (Foto: Fellipe Abreu)

Comum em beira de estradas, quando é usada por topógrafos que medem distâncias e ângulos, a estação total é uma ferramenta importante também em escavações arqueológicas. Usando pontos de referência, nas paredes das rochas ao redor, os pesquisadores conseguem mais tarde localizar virtualmente tudo que for necessário. Rodrigo explica: “Quando eu voltar, com aqueles pontos fixados na parede do abrigo, que são relativamente imóveis, é só colocar a estação total em qualquer área que a gente está escavando. E no futuro eu consigo reorientá-la e determinar aqueles mesmos quadrados que eu fiz em 2019. É fácil de reproduzir isso”.

Arqueólogos determinam coordenadas no campo

Pesquisadores usam estação total para determinar coordenadas no sítio (Foto: Fellipe Abreu)

Enquanto parte da equipe trabalha cuidando de todas as coordenadas de localização do que é escavado, outra fotografa e filma sempre que necessário. Imagens são feitas a cada etapa da escavação e uma impressora, um computador e outros equipamentos eletrônicos, alimentados por um gerador, transformam em escritório o sítio arqueológico. Um do tipo bem empoeirado e com equipamentos protegidos por filme plástico, mas funcional.

Se há um sepultamento na quadra, fotos são obrigatoriamente tiradas a cada alteração na cena ou sempre que algo curioso foi notado – a posição de ossos, por exemplo.

escritório montado em sítio arqueológico

Pesquisadores fazem registro de materiais coletados no sítio (Foto: Fellipe Abreu)

“As fotos oficiais, obrigatórias, são as feitas antes de eu retirar qualquer osso do chão. Eu exponho uma quantidade grande de ossos, vou tirando terra em volta, até o momento em que eu não consigo tirar mais terra, porque vai desmontar; ou então eu não consigo ver o osso debaixo, porque tem um osso em cima. Aí a gente para, bate uma foto, que a gente chama de exposição. Só então eu vou retirar o osso da perna, o osso do braço, o crânio. A gente imprime as fotos, anota tudo e segue a escavação. No final temos foto sobre foto de todos os ossos que foram retirados”.

Rodrigo Elias de Oliveira

Vestindo um macacão cinza e de meias, já que calçados são proibidos para quem entra nas quadras, Rodrigo trabalha pacientemente ao longo do dia, revelando, pouco a pouco, o sepultamento 40. “Sou dentista, né? Já estou acostumado a mexer com coisa pequena, apertada. E eu acho que, óbvio, toda essa lógica já vai te dar uma velocidade de trabalho. O material, os ossos, que são delicados”.

arqueólogo usa pincel para escavar ossos

Com pincel, Rodrigo trabalha para exumar o sepultamento 40 (Foto: Fellipe Abreu)

Rodrigo, dentista e bioantropólogo, conta que caiu na segunda ocupação meio que por acaso, ao visitar um sítio arqueológico no norte de Minas, numa viagem de férias. Depois de voltar para São Paulo, procurou o pesquisador Walter Neves – e desde então se divide entre o consultório e sepultamentos milenares.

Essa variedade de formações e origens é uma das marcas da escavação, que envolve pesquisadores de várias partes do país. Na quadra ao lado, um jovem arqueólogo trabalha calmamente com um pincel, numa área em que não há sepultamento. Dentro da gruta, a poucos metros dali, mais dois pesquisadores se revezam numa quadra.

Lapa do Santo, Matozinhos

Pesquisador trabalha dentro da Lapa do Santo (Foto: Fellipe Abreu)

Alguns metros abaixo da Lapa, outros cuidam de peneiras, que é uma segunda (e atenta) checagem de tudo que é escavado. E há ainda os responsáveis pelas fotos, por auxiliar quem está escavando e por catalogar todo o material que é encontrado. Para isso, André Strauss desenvolveu um sistema de computador específico para escavações. Ele costuma dizer, brincando, que escavar é como ler um livro e logo depois queimar a página – e que por isso mesmo é preciso fazer um registro completo do trabalho.

A escavação foi em julho, mês de férias na graduação e na pós. No fim, o banco de dados indicou 6248 litros de sedimento escavado e 702 itens que os pesquisadores julgaram ter algum valor arqueológico foram registrados. 100 vídeos e 3011 fotos documentaram tudo que ocorreu no sítio. O material encontrado vai para São Paulo, onde os pesquisadores continuam um trabalho que está longe de acabar – vários mestrados e doutorados são feitos com base nos dados colhidos em campo, inclusive por pesquisadores que não participaram da escavação.

material lítico

Pesquisador segura material encontrado durante a escavação (Foto: Fellipe Abreu)

E mesmo para quem escavou os ossos esse detalhamento de dados é fundamental para o desenvolvimento de pesquisas. André Strauss estudou os complexos rituais mortuários dos povos de Lagoa Santa, com base nas muitas informações colhidas nos sepultamentos – as posições de mãos e braços, por exemplo. Já Rodrigo Elias de Oliveira pesquisa a incidência de cáries nos esqueletos, considerada acima da média de povos caçadores-coletores, e relaciona isso com o consumo de frutos típicos do cerrado, como o pequi.

“Somos nós que estamos contando o que vimos lá, que agora não existe mais. Então, saber o que estava lá vai depender de todas as anotações, fotos, registros. Tudo que nós fizemos – e o que não fizemos está perdido para sempre. Acho que é nesse ponto que a gente se preocupa muito em ter um registro fiel, longo, chato”, explica Rodrigo.

escavação arqueológica na região de lagoa santa

Pesquisador mostra ossos encontrados em escavação (Foto: Fellipe Abreu)

Todos os dias, entre 19 e 30 pessoas participaram da escavação na Lapa do Santo, que em 2019 durou cinco semanas. A equipe variou ao longo desse período. Os pesquisadores se hospedaram a alguns quilômetros dali, numa casa na comunidade de Mocambeiro – a mesma onde está o Monumento Natural Vargem da Pedra e o Parque Estadual Cerca Grande, sítios repletos de pinturas rupestres.

Se a riqueza arqueológica da região facilita a localização sepultamentos, também dificulta a escavação, já que é comum que os pesquisadores “trombem” com outro sepultamento enquanto tentam retirar um já conhecido. “Você começa a baixar a terra de um lado e, opa, bateu em outro sepultamento. Começa a baixar do outro e bate novamente. E assim acaba encontrando muitos sepultamentos numa mesma etapa”, diz Rodrigo. Enquanto retiravam o sepultamento 40, os pesquisadores já sabiam a localização de outros quatro, que aguardarão a volta da equipe, nos próximos anos.

Sítio arqueológico Lapa do Santo, MG

Pesquisadores retiram pedra da quadra do sepultamento (Foto: Fellipe Abreu)

A rotina no sítio começa às 7h30, quando o comboio de carros parte do centro da vila para a fazenda onde está a Lapa do Santo. Pouco depois das 8h a escavação começa, com uma rápida pausa para almoço num ponto isolado e distante do sítio, onde alimentos não são permitidos. Em geral, tudo é encerrado pouco antes de escurecer, mas houve dias em que os pesquisadores fizeram hora extra. E o ponto final é mesmo trabalhoso: é preciso tampar tudo com terra e deixar como era antes.

Pensando nos avanços de tecnologia e em pesquisas futuras, um sítio nunca é escavado totalmente. “A gente escava apenas uma parte e obrigatoriamente tem que deixar outra sem escavar. É para que, no futuro, com técnicas distintas, com perguntas distintas, pesquisadores possam voltar no sítio e ter uma nova escavação, novos dados, sem perder esse material para sempre”, diz Rodrigo.

pesquisadores coletam dados em escavação arqueológica

Coleta de dados e coordenadas no sítio arqueológico (Foto: Fellipe Abreu)

Encerramos nossa conversa com uma pergunta, digamos, filosófica: qual a importância de um trabalho tão minucioso, mas que algumas pessoas afirmam não ter importância prática?

“Quando eu olho um esqueleto, não estou vendo apenas um monte de ossos, eu consigo pensar num indivíduo mesmo. E imaginar como era uma pessoa que há 10 mil anos estava andando por aquelas paisagens que a gente vê, que talvez fossem um pouco diferentes, talvez não. Preocupada com o que comer, com a doença dos filhos, com resolver um problema de um braço quebrado, de uma dor de dente… Quais foram as frutas que eles tinham disponíveis? Como eles caçavam e o que eles conseguiam comer? Por que uma pessoa com 35 anos morria? Essa é a minha curtição nesse trabalho. E é obvio que isso tem a ver com a nossa história, com o patrimônio desse país. (…) A gente está montando um desenho e tentando entender essas dores humanas que sempre estiveram caminhando conosco e que também estão lá naqueles esqueletos”.

Rodrigo Elias de Oliveira

Jornalismo de qualidade tem um custo – e isso é sempre um desafio, ainda mais para um veículo independente como o 360meridianos. É por isso que agradecemos, e muito, aos patrocinadores da série Origens BR: a Seguros Promo e a Passagens Promo. Duas empresas que auxiliam viajantes em busca das férias perfeitas e que investem na cultura e no conhecimento. Vamos conhecer mais o Brasil?

Seguros Promo Seguros Promo

Salve essas dicas no seu board do Pinterest:

pin para pinterest escavação arqueológica

 


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.