Tags:
Atlas: Brasil, São Paulo

Avenida Paulista, a história da via que é o coração de São Paulo

Das avenidas de São Paulo, a avenida Paulista é a mais famosa, conhecida, citada, frequentada. É a mais paulistana das vias. Seus pouco menos de três quilômetros de extensão plana em uma das áreas mais altas da cidade abrigam calçadas largas, seis faixas para carros mais duas centrais (para bicicletas) que servem de solo para as jornadas de trabalho, estudo e lazer de milhares de pessoas todos os dias.

A Paulista abriga da sede da Presidência em São Paulo a espaços culturais (incluindo livrarias e cinemas), de faculdades a hospitais, de restaurantes da comunidade japonesa escondidos em galerias à uma igreja católica que celebra missas em ingles para estrangeiros. Com 200 mil moradores, se a avenida fosse uma cidade, estaria entre as 150 maiores do país (segundo a Wikipedia). A Paulista nasceu para expandir a cidade, se tornou o centro financeiro do país e hoje é… o quê? Difícil dizer. A Avenida Paulista, coração e alma de São Paulo, está sempre em transformação. Nessa primeira parte de uma série em que vamos falar sobre diferentes aspectos da avenida, começamos pela sua gênese.

Como nasceu a Avenida Paulista?

Ao contrário de várias vias históricas da cidade, que cresceram naturalmente com o trânsito de pessoas, a larga e plana Avenida Paulista foi planejada. Em 1891, quando a avenida foi inaugurada, São Paulo era uma cidade em expansão. O projeto da Paulista nasceu da necessidade de expandir a cidade para além da região central (Praça da República, Campos Elísios, região do Triângulo), já totalmente ocupada e super valorizada.

avenida_paulista_historia

Inauguração da Avenida Paulista por Jules Victor André Martin

O planalto onde hoje é a Paulista servia de passagem de boiadas a caminho do matadouro e havia ali chácaras, casebres e cocheiras. A ideia era então urbanizar a área, abrindo a via para passagem de bondes e carruagens, e também criar regras no espaço para a construção de palacetes. Esses vieram ao longo do começo do século, construções de famílias da elite, sempre ocupando lotes amplos.

As primeiras casas foram construídas com dinheiro da agricultura e comércio: negociantes, novos-ricos, recém chegados de famílias europeias, fazendeiros de café. A variedade de habitantes se fez ver nos estilos das construções. Quem reclama que hoje a Paulista não tem identidade talvez não saiba que ela nasceu assim: neoclássica, art-nouveau, mourisca, florentina. Para a Associação Paulista Viva, as construções da avenida eram “bizarras às vezes, sóbrias demais outras, apoteóticas, exageradas, suaves, confortáveis, as mansões refletiam fantasias e sonhos, de proprietários e arquitetos.”

serieavenidapaulista

Casa de Horácio Sabino, a primeira construção art nouveau do país, ficava onde hoje é a esquina da Paulista com a Augusta (fonte: SP City)

Apesar da fama de “corredor dos barões do café”, de integrante da nobreza mesmo teve apenas uma moradora: a Baronesa de Arary, cujo casarão ocupava a área onde hoje a avenida encontra a rua Peixoto Gomide, ao lado do Trianon (veja abaixo essa a outras curiosidades da Paulista).

Mas o equivalente paulistano de nobreza também esteve ali, claro, mais especificamente no número 1230, onde hoje é o Shopping Cidade São Paulo. A mansão da família Matarazo sobreviveu na Paulista até 1996, quando o enorme imóvel foi demolido. Não houve falta de gente tentando impedir, inclusive a Prefeita Luiza Erundina tentou instalar ali o Museu do Trabalhador. Dá pra ler essa história inteira no Acervo Estadão.

mansaomatarazoestadao

Demolição da Mansão Matarazo, 1996 (fonte: Estadão)

Uma avenida que muda

A Paulista foi a primeira via da cidade a receber asfalto, em 1909, e foi uma via residencial até meados da década de 1950, empreendimentos comerciais e de serviços começaram a abrir fora da “cidade” (já reparou que os mais velhos chamam o Centro de “cidade”?).

Os modernos “espigões” da Paulista foram resultado de mudanças da legislação de uso e ocupação do solo após a década de 1960. Os edifícios sedes de bancos e de grandes empresas nacionais e internacionais, às vezes com mais de 30 andares, deram a cara urbana e eclética que a Paulista tem hoje. São dessa época também os calçadões com o desenho estilizado do estado, antes feito com mosaico português.

avenida_paulista_calcada_shutterstock

Calçadas de mosaico português, inacioluc via shutterstock

Apesar do MASP estar lá desde 1947, a Paulista reforça sua vocação para polo cultural a partir dos anos 1990, quando as sedes de corretoras de valores, bancos e outras instituições financeiras migram para a região da Avenida Berrini. A abertura do Centro Cultural FIESP (projetado por Paulo Mendes da Rocha), do Sesc Avenida Paulista, do Itaú Cultural, do cinema Reserva Cultural e, mais recentemente, da Japan House e do Instituto Moreira Salles, são os exemplos mais notáveis dessa mudança – e esse é o assunto do próximo post da série.

Essa característica mutável da Paulista é miniatura da história de São Paulo: uma área rural usada como passagem de animais de carga, construída para estender os limites de uma região central que já dava sinais de esgotamento, transformada em símbolo do progresso do país no meio do século passado e enfim abraçada pela população que busca (e também fornece) cultura e lazer.

10 curiosidades da história da Avenida Paulista

  • A Paulista mudou de nome uma vez, nos anos 1920, para Avenida Carlos de Campos, antigo governante do estado. A pressão da sociedade fez com quem ela voltasse para o nome original, que mantém até hoje. (fonte: wikipedia)
  • O uruguaio Joaquim Eugênio de Lima foi o engenheiro responsável pelo planejamento da via e pela compra de terrenos de famílias como os Pamplona e Paim Vieira. Uma das compras mais importantes para formar a área foi a da chácara Bela Vista. Todos esses nomes são familiares a quem trafega pela região. (fonte: Paulista Viva)
  • Até meados da década de 1980 a Casa das Rosas era residência dos herdeiros de Ramos de Azevedo, o arquiteto que desenhou e construiu alguns dos mais belos prédios da cidade, como o Teatro Municipal, a Pinacoteca do Estado e o Mercado da Cantareira. (fonte: Casa das Rosas Institucional)
  • O primeiro McDonalds de São Paulo (segundo do Brasil, o primeiro foi no Rio de Janeiro) foi aberto da Avenida Paulista em 1981. (fonte: O Estado De São Paulo)
  • O Conjunto Nacional começou a ser construído em 1952 e é marca do momento em que a Paulista deixa de ser uma avenida residencial. Projetado para ser um espaço múltiplo, abriu o primeiro endereço do Fasano e hoje é endereço da maior livraria da América Latina: a Cultura. (fonte: Veja SP)

avenida_paulista_conjunto_nacional

Conjunto Nacional por alf ribeiro via shutterstock

  • O Clube Homs, tradicional espaço de eventos da comunidade síria em São Paulo, foi batizado em homenagem à cidade que mais “exportou” sírios para o Brasil. Homs foi totalmente destruída pela guerra no país (fonte: O Globo)
  • O “treme-treme da Paulista”, o condomínio Baronesa de Arary, onde viveram Elke Maravilha, Walmor Chagas e Cacilda Becker, entre outras personalidades artísticas da cidade, foi interditado pela Prefeitura nos anos 1990 por problemas de manutenção e falta de segurança. É ainda hoje o maior edifício residencial da Paulista e tem vista para o Parque Trianon. (fonte: SP City)
  • A antena mais alta da avenida é a da Casper Líbero, em cima do prédio da Fundação Cásper Líbero, onde além da faculdade funciona o teatro, a TV e a rádio Gazeta e o cinema reserva Cultural (onde não se pode comer pipocas!)
  • O Mirante 9 de Julho, onde fica a escadaria e um café, foi construído em 1938 acima do túnel da Avenida 9 de Julho e ficou fechado por mais de 70 anos. Em 2014, numa parceria público-privada, foi reaberto ao público na forma de um café e espaço de eventos. É uma das coisas da Paulista que não fica na Paulista, mas no entorno: exatamente atrás do vão livre do MASP (fonte: São Paulo Antiga e site do Mirante)
  • “Por que a estação Paulista fica na Consolação e a Estação Consolação fica na Paulista?” É porque a Paulista tem três estações de metrô, todas da Linha Verde e abertas com grande pompa em 1991: a Brigadeiro (na esquina da Rua Brigadeiro Luiz Antônio, que liga a Paulista ao Centro Velho), a Trianon-MASP (na quadra imediatamente anterior ao parque e museu) e a Consolação (que bem poderia se chamar Augusta ou Conjunto Nacional). Já a Estação Paulista, da Linha Amarela, fica ao lado do Cine Belas Artes e dá acesso subterrâneo à Paulista.

Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Gaia Passarelli

Gaía Passarelli, 42, tem longa careira no jornalismo cultural brasileiro, foi apresentadora de televisão e hoje escreve para diversas publicações. Tem no currículo trabalhos para companhias internacionais como Avianca, Eurail e Intercontinental Group. Seu livro de crônicas de viagem "Mas Você Vai Sozinha?” foi lançado pela Globo Livros em 2016. Acompanhe pelo Instagram em @gaiapassarelli

  • 360 nas redes
  • Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

3 comentários sobre o texto “Avenida Paulista, a história da via que é o coração de São Paulo

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.