Tags:
Atlas: Estônia, Letônia, Lituânia

Os 80 anos do tratado secreto que apagou países do mapa

Em 19 de agosto de 1989, a manchete na capa do The New York Times dizia: “Após décadas de negações, o Kremlin confirma pela primeira vez hoje que, ‘sem alguma dúvida’, a União Soviética e a Alemanha Nazista secretamente e ilegalmente dividiram o Leste Europeu em esferas de influência antes do começo da Segunda Guerra Mundial.”

manchete nyt 1989Esse reconhecimento foi visto como uma pequena vitória para os três territórios bálticos, Estônia, Letônia e Lituânia, que foram invadidos em 1940, após um curto período da Independência conquistada logo depois da Primeira Guerra e que durou apenas 22 anos. Esses países também enfrentaram uma invasão nazista de 1941 a 1944. Com o fim da guerra, a URSS retomou o controle. Somente em 7 de setembro de 1991, como confirma a manchete na capa do mesmo jornal, “Soviéticos reconhecem a independência dos Bálticos, terminando 51 anos de ocupação das três nações”.

Antes de entrar no processo de como Estônia, Letônia e Lituânia conseguiram finalmente se tornar países independentes, vamos voltar um pouco no tempo e entender o tal pacto secreto.

Visite a história: Roteiro de viagem pelos Países Bálticos

Molotov-Ribbentrop: um acordo de inimigos

No dia 23 de agosto de 1939, quando a Europa assistia inerte a Alemanha Nazista fortalecer seu projeto armamentista e invadir alguns Estados, o Ministro Soviético das Relações Exteriores, Vyacheslav M. Molotov, e o Ministro Alemão, Joachim von Ribbentrop, assinaram um tratado de não agressão. O que os russos negaram, veementemente, até o final dos anos 1980, é que esse tratado também incluía um pacto secreto que não só abriu caminho para os nazistas invadirem a Polônia em 1° de Setembro – causando o início da Segunda Guerra – como também permitiu que a União Soviética invadisse os territórios dos Bálticos.

O tal pacto ou protocolo secreto, que tem o nome dos dois ministros, Molotov-Ribbentrop, dividia o mapa do leste europeu em esferas de influência. Um segundo protocolo foi assinado um mês depois, definindo melhor tais fronteiras. Basicamente, os russos teriam liberdade para anexar Letônia, Estônia, Lituânia, o norte da Romênia, o leste da Finlândia e parte da Ucrânia e da Bielorrússia. A Polônia seria dividida entre as duas potências. Você pode ler o acordo (em inglês) nesse link.

acordo russia e alemanha

Ministros assinando o Tratado de não agressão

O pacto Molotov-Ribbentrop continuou em vigor até 1941, quando a Alemanha quebrou o acordo de não agressão e invadiu a Rússia (e os territórios ocupados por ela). Na confusão da guerra entre as duas potências, os três estados tentaram estabelecer governos nacionais e, inclusive, num movimento anticomunista, chegaram a apoiar os nazistas, mesmo com a Alemanha não reconhecendo a independência dessas nações. Cerca de 90% da população judia desses países foi exterminada durante os anos de ocupação nazista, uma soma que chega a quase 300 mil pessoas.

Segundo uma reportagem do NYT de 1991, os documentos originais sobre o acordo Molotov-Ribbentrop foram queimados pelos nazistas no final da guerra, mas uma cópia de microfilme (forma de armazenamento analógica, em filme fotográfico) acabou preservada, e foi entregue aos britânicos e aos norte-americanos, que divulgaram seu conteúdo. No entanto, o governo soviético da época negou a existência de tais protocolos. Alguns anos depois, os soviéticos  passaram a dizer que não possuíam arquivos do tal acordo secreto. Somente em 1989, como dito no início do texto, o Kremlin confirmou sua existência. E apenas em 2019 eles foram expostos ao público.

Consequências dramáticas

Qualquer expressão nacional dos países bálticos, com a ocupação, foi proibida. Símbolos, cores nacionais, religião, tudo isso precisava desaparecer. Os territórios passaram por um processo de “russialização” econômica e social e muitos russos também imigraram para lá nesse período. Ao mesmo tempo, centenas de milhares de pessoas foram deportadas para áreas remotas na Rússia ou para campos de trabalhos forçados. As estimativas são de que, no período total de ocupação soviética, morreram cerca de 60 mil pessoas na Estônia, 35 mil na Letônia e 45 mil na Lituânia.

lutas guerrilha anti sovietica na lituania

Na Lituânia, foi organizado o principal movimento contra a ocupação soviética. Na primeira década da ocupação, movimentos de guerrilha, chamados de “Combatentes pela Libertação”, conseguiram reunir por volta de 50 mil pessoas, principalmente jovens de menos de 21 anos, contra o exército vermelho. A repressão foi violenta. Mais de 20 mil morreram, segundo o Museu da Luta pela Liberdade (também conhecido como Museu da KGB), em Vilnius.

Caminho para a Independência

Na data que marcou os 50 anos da assinatura do protocolo de Molotov-Ribbentrop, em agosto de 1989, movimentos nacionalistas, na Estônia, Letônia e Lituânia, que foram crescendo ao longo do tempo, organizaram protestos. O maior deles foi uma corrente humana, conhecida como Baltic Way, que uniu cerca de 500 mil pessoas, nos 600 quilômetros que ligam Tallinn, Riga e Vilnius.

Entretanto, as autoridades soviéticas ainda seguiram negando que o protocolo teria determinado de alguma forma o status político e legal desses territórios na URSS. A posição oficial era de que as três áreas teriam se tornado repúblicas soviéticas por livre e espontânea vontade, após seus parlamentos terem votado, em julho de 1940, um pedido de inclusão na URSS. O problema, obviamente, é que tais eleições foram conduzidas imediatamente depois do exército vermelho ter invadido as três repúblicas – e pressionado os governos locais.

O mapa mostra a divisão planejada pelo acordo Molotov-Ribbentrop e as mudanças reais nos territórios (algumas delas – como a fronteira da Rússia e a criação da Moldávia – permanecem até hoje)

Enquanto isso, as manifestações nos Bálticos só cresciam, especialmente na Lituânia, que em março de 1990 declarou sua independência, o que gerou uma série de boicotes econômicos, invasões do exército russo e mortes de manifestantes. Isso acabou inflamando ainda mais os sentimentos nacionalistas dos três estados.

Em agosto de 1991, ocorreu uma tentativa frustrada de golpe em Moscou, que enfraqueceu ainda mais o governo russo de Gorbatchov. Estônia e Letônia se juntaram à Lituânia e declararam independência – dessa vez, com o apoio do resto do mundo, que reconheceu a soberania desses países e, no mesmo mês, os admitiu na ONU. Com isso, a URSS aceitou finalmente a independência dos bálticos. Em 2004, os três países passaram a fazer parte da União Europeia e da OTAN.

Controvérsias que persistem

stalin acordo alemanha russia

Stalin entre os Ministros Ribbentrop e Molotov

Desde o início dos anos 2000 a Rússia vem tentando mudar a percepção pública sobre a assinatura do pacto, buscando reforçar que, naquelas circunstâncias, era sua única forma de defesa contra a Alemanha Nazista e que foi, na verdade, uma vitória em termos de diplomacia. Além disso, os russos acusam os demais países europeus, especialmente França e Inglaterra, de não assumirem suas responsabilidades em acordos semelhantes. Especificamente, citam o tratado de Munique, de 1938, em que franceses e ingleses concordam com a ocupação da Checoslováquia pela Alemanha, acreditando que isso evitaria um conflito de maiores proporções.

Leia também: As memórias da Segunda Guerra Mundial de Winston Churchill

Em agosto de 2019, 80 anos após a assinatura do pacto secreto de Molotov-Ribbentrop, a Russia lançou uma exposição sobre o documento e colocou o acordo original em exibição pública, nos Arquivos Públicos Russos, em Moscou.

Conjuntamente, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia publicaram, na época, uma declaração afirmando que Molotov-Ribbentrop teria “condenado metade da Europa a décadas de miséria”.

“É por isso que nesse dia (23 de agosto), proclamado pelo Parlamento Europeu como um Dia Europeu de Recordação das Vítimas dos Regimes Totalitários, lembramos de todos aqueles cujas mortes e vidas quebradas foram uma conseqüência dos crimes perpetrados sob as ideologias do nazismo e do stalinismo.”


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Os 80 anos do tratado secreto que apagou países do mapa

    1. Oi Mariana,

      Obrigada pela indicação do texto.

      Eu, enquanto estava escrevendo esse post, li e pesquisei algumas coisas semelhantes e tentei integrar a posição russa no texto no último tópico. Eu tenho muitos pensamentos conflituosos com tudo isso. É inegável que a Rússia foi quem garantiu que a vitória contra a Alemanha, que boa parte da ascensão do Hittler foi resultado direto de políticas estúpidas da Inglaterra e França. É errada e até hipócrita a tentativa de colocar nazistas e soviéticos num mesmo cesto.

      Ao mesmo tempo, não dá para negar que a União Soviética invadiu sim alguns países de uma forma ilegal e violenta. Deportou, torturou e matou milhares de pessoas nesses territórios. Foi a única a fazer isso? De forma alguma (inclusive também tentamos trazer aqui no blog críticas ao capitalismo tb)! Mas negar que isso aconteceu também, logo depois de visitar países em que isso tudo aconteceu, seria errado da nossa parte.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.