fbpx
Tags:

Viagem ao redor do meu quarto, a curiosa expedição de Xavier de Maistre

“A infelicidade de um homem começa com a incapacidade de estar a sós, consigo mesmo, num quarto”. É com essa frase, do filósofo francês Pascal, que Alain de Botton abre o último capítulo de seu livro “The Art of Travel”. O final do livro fala sobre hábitos, usando como personagem uma figura que não poderia representar melhor o momento em que vivemos: Xavier de Maistre, um oficial francês de 27 anos que, em 1790, ficou preso num quarto, por seis semanas.

E foi assim que ele ficou famoso por criar uma nova modalidade de turismo: a viagem pelo quarto.

“Viagem ao redor do meu quarto” e sua continuação, o livro “Expedição noturna ao redor do meu quarto”, narram as andanças de uma pessoa presa num único ambiente. Xavier faz uma paródia das grandes jornadas que seus contemporâneos escreviam – como Cook, Banks e Solander -, mostrando que mesmo com pouco espaço, a imaginação pode viajar livremente.

Logo no capítulo de abertura, de Maistre convida: “Todo homem sensato, tenho certeza, irá adotar meu sistema. Quaisquer que sejam suas características peculiares ou temperamento. Seja ele miserável ou pródigo, rico ou pobre, jovem ou velho, nascido numa zona tórrida ou próximo aos polos, ele poderá viajar comigo. Entre a imensa família de homens que lotam a terra, não há um, não, nenhum (quero dizer, daqueles que habitam salas), que, depois de ler este livro, pode recusar sua aprovação do novo modo de viajar que apresento ao mundo”.

Leia também: 
Volta ao mundo em 80 dias: 13 lugares por onde Phileas Fogg passou
14 livros de viagem escritos por mulheres

Xavier_de_Maistre_viagem

Retrato de Xavier de Maistre (1763-1852)

Ao longo dos 42 curtos capítulos, o francês descreve sua cama, seus livros e suas gavetas. Também fala de seus quadros, suas relações com o criado e sua cachorra, faz reflexões filosóficas sobre a vida, relembra histórias do passado. Tudo com o bom humor e a ironia de quem não pode sair de casa. “O mais preguiçoso dos seres não vai ter mais nenhuma razão para hesitar antes de partir em busca de prazeres que não vão lhes custar dinheiro ou esforço”.

Por que sua jornada dura exatamente 42 dias? Ele conta aos leitores que nem ele mesmo sabe responder a essa pergunta. A verdade é que Xavier de Maistre encontra-se em prisão domiciliar em Turim, no norte da Itália, por causa de sua participação num duelo. O livro acabou tornando-se um grande sucesso, que influenciou até mesmo Machado de Assis, que o menciona na abertura de Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Quer viajar pelo quarto ou pela casa como Xavier? Ele deixa dicas sobre os rumos de sua jornada: “quando viajo pelo meu quarto, raramente fico em linha reta. Da minha mesa, vou em direção a uma foto colocada em um canto; daí parto numa direção oblíqua para a porta; e então, embora, ao iniciar, pretendesse retornar à minha mesa, ainda assim, se por acaso caísse com minha poltrona no caminho, imediatamente, e sem a menor cerimônia, assento-me nela. A propósito, que artigo de mobília importante uma poltrona é e, acima de tudo, quão conveniente para um homem pensativo.”

Viagem ao redor do meu quarto livro xavier de maistre

Capa do livro da edição Grund, de 1935 ©Gusman/Leemage

Ele também reflete sobre os pequenos prazeres em seu espaço fechado:

“Ao lado da minha poltrona, quando vamos para o norte, minha cama aparece. É colocada no final do meu quarto e forma a perspectiva mais agradável. Está muito agradavelmente situada, e os primeiros raios de sol brincam nas minhas cortinas. Em bons dias de verão, vejo-os rastejando, à medida que o sol nasce, por toda a parede embranquecida. As árvores em frente às minhas janelas os dividem em milhares de padrões que dançam na minha cama e, refletindo sua cor rosa e branco, exibem um tom encantador. Ouço os pios confusos das andorinhas que tomaram posse do meu telhado e o barulho dos pássaros que povoam os ulmeiros. Então, mil fantasias sorridentes enchem minha alma; e em todo o universo nenhum ser desfruta de um despertar tão agradável, tão pacífico quanto o meu.”

Por que também não viajamos pelos nossos quartos?

As reflexões de Bolton sobre o trabalho de Xavier de Maistre são sobre como o prazer que sentimos ao viajar depende mais da mentalidade do que o destino para o qual vamos. “Receptivos, nós abordamos novos lugares com humildade. Nos portamos sem ideias rígidas sobre o que é e o que não é interessante. Nós irritamos os locais porque paramos o trânsito ou em ruas estreitas e admiramos o que eles consideram pequenos detalhes indignos de nota”.

É muito fácil deixar de apreciar o que é comum e familiar. Segundo o autor da Arte de Viajar, após nos habituarmos a um lugar, nos tornamos cegos aos seus atrativos. Caímos no hábito de considerar chato um universo perfeitamente alinhado às nossas expectativas.

Quantas vezes, lhe pergunto, você já não admirou durante uma viagem algo que na sua própria cidade considera irrelevante? Quantas vezes tentou passear pelo seu próprio bairro com o mesmo olhar inocente e curioso que tem como turista numa cidade estrangeira? E alguma vez já tentou olhar para a sua própria casa com o mesmo olhar de admiração e prazer que sente em um hotel num local desconhecido, rever os cantinhos e momentos prazerosos que o lar te traz?

“Dos confins de seu próprio quarto, Xavier de Maistre estava gentilmente cutucando-nos a tentar, antes de decolar para hemisférios distantes, perceber o que já vimos”, finaliza Botton. 

Leia os livros desse post!

Viagem ao redor do meu quarto, Xavier de Maistre (Capa Comum)

Confinado em seu quarto após se envolver num imbroglio pré-carnavalesco (devidamente seguido de duelo), um oficial de família nobre vinga-se do aperto castrense e do despeito amoroso escrevendo um pequeno prodígio de leveza verbal e garantindo seu posto ― singular, vale dizer ― nas letras francesas. Parece bem contado demais para ser verdade, mas assim nasceu esta Viagem ao redor do meu quarto. Redigido na fortaleza de Turim e publicado pela primeira vez em 1795, o livrinho do tenente (e conde) Xavier de Maistre (1763-1852) é um exercício de risonha subversão de hierarquias, sejam elas militares, metafísicas ou literárias. Saiba mais: https://amzn.to/31ww6tT

A Arte de Viajar, Alain de Botton (Ebook)

Poucas atividades estão tão associadas à busca da felicidade quanto o desejo de viajar para lugares distantes. Embora não faltem publicações que recomendam variados destinos, é raro encontrar na literatura uma reflexão sobre as motivações que levam o viajante a abandonar o conforto do lar e a enfrentar o desconhecido.

O escritor Alain de Botton preenche essa lacuna em A arte de viajar, na boa companhia de nomes como Flaubert, Edward Hopper e Van Gogh. Em seu passeio pelo universo das viagens, ele se desloca por Barbados, Amsterdã, Madri e o deserto do Sinai, examinando o sublime e o comezinho, descobrindo o lado exótico dos aeroportos estrangeiros e o discreto charme dos postos de gasolina de beira de estrada. E assim Alain fornece a bagagem imprescindível para o pensamento e dá sua contribuição para que as jornadas sejam, acima de tudo, mais felizes. Saiba mais: https://amzn.to/2FR3ZOl

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Autor

  • Luiza Antunes

    Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.


Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Um comentário sobre o texto “Viagem ao redor do meu quarto, a curiosa expedição de Xavier de Maistre

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.