A triste realidade do turismo sexual na Tailândia

A triste realidade do turismo sexual na Tailândia


Não é preciso esperar que a noite caia nas ruas de Phuket. A qualquer hora, basta uma volta rápida por ali para entender que o que atraí tantos estrangeiros para a Tailândia vai muito além das praias paradisíacas e das festas que atravessam a madrugada: sexo.

Disponível aos montes, em qualquer esquina, ao alcance do bolso de qualquer turista. Para onde quer que você olhe, meninas usando roupas minúsculas servem em bares, entretendo homens muito mais velhos com conversa (apesar do inglês pobre) e jogos de beber. Outras fazem pole dance em cima dos balcões.

Algumas estão expostas em vitrines ou saltam a sua frente para oferecer uma sessão de massagem. Talvez a atração mais popular seja o Pingpong Show, um show de pompoarismo que envolve uso de bolas, dardos e até mesmo animais pequenos, como pássaros.

Turismo sexual na Tailândia

Foto: Wikimedia Commons/ADwarf

Turismo sexual na Tailândia: os números

Estima-se que a Tailândia receba 15 milhões de estrangeiros a cada ano, três vezes mais que o Brasil. Seis a cada dez turistas são homens, muitos deles em busca de sexo fácil e barato tanto nas praias quanto na capital, Bangkok.

A prostituição é ilegal na Tailândia, mas isto não impede que ela seja praticada de forma escancarada em plena luz do dia. As casas de prostituição que se fantasiam de bares e spas são apadrinhadas por pessoas poderosas e seus donos parecem ser imunes à lei.

De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a atividade gera cerca de US$27 bilhões a cada ano. Dinheiro gerado através da exploração de meninas que têm entre 16 e 25 anos e que foram forçadas pela pobreza a abandonar a zona rural e ir atrás dos euros e dólares que circulam nos grandes centros turísticos.

Para quem paga – europeus entre 25 e 70 anos, na maioria – o valor do sexo é uma mixaria. Para elas, é a garantia de que suas famílias vão ter o que comer. Pelo menos enquanto elas ainda forem jovens e bonitas. A OIT acredita que essas mulheres enviem para casa cerca de US$300 milhões por ano. Esse volume de dinheiro é maior que qualquer programa oficial de assistência social na Tailândia. A alternativa para elas seria se empregar na indústria têxtil, trabalhando 16 horas por dia em condições precárias e ganhando, no máximo, US$150 por mês.

Turismo sexual na Tailândia

Foto: Wikimedia Commons/Kay Chernush para o U.S. State Department

A demanda por sexo e a possibilidade de dar um mínimo de qualidade de vida para suas famílias atraiu também muitos meninos para a prostituição. A Tailândia está entre os países do mundo que mais realizam cirurgia de mudança de sexo. Depois de transformados, os meninos passam a ser conhecidos como Lady Boys e se juntam às milhares de mulheres que brigam pela atenção dos turistas nas ruas, bares e boates espalhados pelo país.

Quando chegamos a Phuket, o nosso maior interesse era conhecer a vida noturna tailandesa. Depois do meu primeiro dia ali, o único adjetivo que eu consegui pensar para descrevê-la foi “triste”.

Quer receber mais dicas de viagem?

Então curta nossa página no Facebook.

 Siga o @360meridianos no Twitter.

Veja nossas fotos no Instagram.

Receba novos posts por email

Larguei o tabuleiro do War e resolvi conquistar o mundo de mochila nas costas. Falta muito, mas ainda chego lá.

80 comentários em A triste realidade do turismo sexual na Tailândia

    • É verdade, Marjury, mas esse post não é sobre a “vida sexual na Tailândia”. É sobre exploração e turismo sexual em áreas com forte presença de estrangeiros, o que são coisas absolutamente diferentes. E me desculpa se eu me intrometi em uma área na qual você é PHD, mas esse post é o relato de coisas que eu vi com meus próprios olhos. Assim como tudo no blog, reflete minha experiência no país.

      E uma dica: que tal que, da próxima vez que você for fazer um comentário em um site, pare de tentar desmoralizar os autores com críticas vazias e apresente seus argumentos de forma educada e inteligente, mostrando os motivos pelos quais você discorda do que foi dito. É mais bonito e mais construtivo pra todo mundo. 😉

      Abraços

  1. nossa que tristeza além de ser obrigado a fazer sexo ainda empresta seu corpo pra vários homens pra eles se tornarem populares? que isso mais respeitos com as mulheres nos somos sensiveis e eles não podem a proveitar da gente,mais obrigada por me ouvirem,obrigada natalia

  2. Olha! Não sou santo, mas sexo é coisa para homem e mulher e não para criança. Na minha opinião só vai ser mudada quando os homens tomarem vergonha na cara e não fazerem programa com menores. Se não houver procura, a oferta acaba. Lei de mercado, simples assim.

  3. Olá, Natália, excelente postagem e debates, esclarecedores sobre a maneira de pensar das pessoas sobre esse assunto. Vim parar nesse site pesquisando prostituição infantil na Tailândia, depois de perceber, pelo Facebook, nos contatos de alguns de meus contatos estrangeiros, uma grande quantidade de perfis com fotos de crianças (pra mim, aquelas carinhas eram de crianças, não sei se as pessoas lá costumam continuar com essa aparência ainda por um bom tempo, mesmo na maioridade; e mesmo se assim for, alguns desses perfis dava pra se perceber claramente que eram crianças mesmo, alguns até com fotos de bebes). Sempre investigo, ao menos um pouco, sobre os perfis de quem me pede add e que eu não conheça, ao menos em um primeiro momento, pois para alguns, depois vamos vendo que, na verdade, os conhecemos de algum lugar. Porém, para outros, se vai percebendo coisas estranhas depois de algum tempo. Coisas até chocantes. Como quando, em alguns desses perfis investigados, a grande maioria masculinos, ia percebendo a grande quantidade de perfis infantis nos contatos deles, e dali vc vai vendo os contatos desses contatos e é a mesma coisa, ou até pior, com crianças e mais crianças, com alguns poucos adultos ali, e com caras de cafetões mesmo. E em muitos desses se vai percebendo a pornografia rolando solta, descaradamente. Quando vejo imagens de pornografia explícita sempre denuncio ao Face. Mas ali nesse universo cheguei a cansar de fazer denúncias e parei, pois é como um câncer incurável, se extirpa um pedaço e logo surgem muitos e muitos outros, chego a pensar que não se tenha mesmo como acabar com isso. De início eu ficava em dúvida: será mesmo? Pois se formos ver nos perfis brasileiros, temos muitas crianças usando o Facebook, e a maioria com o aval dos próprios pais, e creio que eles nem teriam mesmo como evitar, essas crianças podem ter acesso a essas coisas em qualquer lugar hoje em dia. Porém, creio que aqui (Brasil), como a pedofilia é muito mais reprimida, as coisas não sejam assim tão descaradas. Não acredito que na Tailândia essas crianças teriam tantas condições, como aqui, de acesso a internet dessa forma. Penso que esses perfis de lá sejam feitos por exploradores de menores. Fui pesquisar para ver se havia alguma instituição internacional para coibir esses abusos. É, talvez seja muita ingenuidade minha, idealismo, sei lá, em pensar que haja algo no mundo assim, que se preocupe com esse tipo de situação, pois até agora ainda não encontrei nada sobre isso, o que me deixa mais arrasada ainda. No Facebook não encontrei nem a possibilidade de sugerir que esses perfis sejam investigados. Até porque, quase certo, que esses perfis tenham sido feitos pelos exploradores de crianças, e ali, por seus dados, não teriam como comprovar nada. Penso que uma forma de, ao menos, diminuir esse tipo de estímulo, a pedofilia e exploração de menores, seria não permitir fotos de perfis, e capa deles, com fotos de crianças. Mas aí eu vejo as próprias mães, por pura ingenuidade, colocando fotos de suas crianças ali, e até bebes, nus como vieram ao mundo, achando a coisinha mais bonitinha expô-los dessa forma. Penso em alertá-los para que não façam isso, mas, além de, e muito provavelmente, se indisporem comigo, eu acabaria dedicando todo meu tempo só com isso, e ficando cada vez mais deprimida com a situação. Talvez uma campanha nacional ajudasse a alertar os pais para os malefícios desse tipo de coisa, e talvez proibindo mesmo a que isso ocorra. Por hora, era esse meu desabafo. Lamentavelmente, não há muito mais que eu possa fazer, além de lastimar.

    • Olá Hela, obrigada pelo seu desabafo! A situação lá é bem complicada mesmo, pois é tudo feito com a conivência das autoridades. Não cheguei a ver crianças muito novas, mas certamente meninas de 13 ou 14 anos nessa situação. Pelas minhas pesquisas, muitas vezes isso é feito com o aval da família pois é a única forma de ganhar um bom dinheiro para sustentar a todos. É uma situação meio sem saída, mas acredito que tenham sim instituições que trabalhem com isso por lá (eu sei que na Índia tem!) e o mundo precisa de um pouco de idealismo, caso contrário perdemos as esperanças com tantas coisas erradas.

      Abraços!

  4. realmente é muito triste isso.. gosto de ver videos de sexo, mais imagino como deve ser ta no lugar dessas garotas, muitas delas devem estar sendo obrigadas ou ameaçadas, infelizmente nos homens somos carnais ate certo ponto. e a causa de muitas dessas coisas somos nós.
    a Tailândia chega a ser triste porque a pobreza é extrema.. e muitos pais que tem filhos masculinos mudam seu gênero para feminino ainda no nascimento com a desculpa de que um ladyboy trara sorte pra família… a verdade e que a prostituição alimenta muitas casas não só na Tailândia mais em todo mundo… mais realmente lá na Tailândia o caso é mais extremo.. e a prostituição chega a ser pervesa

    • Ei Romário, espero que os vídeos que você assiste sejam com mulheres que estão nessa situação porque querem e não porque foram forçadas pelo contexto ou por algum cafetão. Não acho que os homens são mais “carnais” que as mulheres. Acho que essa visão é cultural muito mais que natural.

      Abraços

  5. Prostituição cada um tem seu ponto de vista, p/ mim é só sexo não passa disso, se há exploração ou não, mas todos somos explorados na vida seja pelo seu patrão ou pelo seu governo, essa é a vida.

    • Me desculpa, san, mas ser explorada sexualmente, ser obrigada a se prostituir, não é nem de longe a mesma coisa que “ser explorado” por um patrão que te contratou por CLT.

      • De fato, a exploração sexual é de longe a mais degradante. Meninas são violentadas e obrigadas a fazer coisas que não fariam normalmente, são tratadas com desprezo e violência. Acreditar que a exploração sexual é só sexo é, no mínimo, inocência.

  6. Falta VONTADE. Onde existe a VONTADE, há solução. Basta querer. Igualmente para a mudança da maioridade penal no Brasil, SÓ NO BRASIL, bandido, assassino, estuprador, ladrão, etc., só pode ser preso se tiver 18 anos. SÓ NO BRASIL, continuam cometendo infanticídio indígena em nome da tradição/cultura. Aqui em nosso país, cultura e tradição vale mais do que uma vida humana. O importante é fazer algo agora, não importa se vai ou não dar certo. Faz agora e pensa em outra coisa melhor depois. VONTADE.

    • Me desculpa, Clark, mas seu comentário é completamente sem propósito! O que o assunto do post tem a ver com maioridade penal no Brasil e tradições indígenas?

      Sobre suas afirmações desinformadas sobre coisas que acontecem “SÓ NO BRASIL!!!!”, sugiro a leitura deste site: http://sonobrazil.tumblr.com/

      (inclusive, acho que vou mandar seu comentário pra eles).

      Abraços!

  7. Uma pergunta: o que tem o Brasil a ver com o assunto em pattaya? a grande maioria das reportagens sempre tem engraçadinhos enfiando o Brasil no meio do assunto, como se fosse o citado país, o centro das atenções e referência no mundo. Aos que puseram os pés em Pttaya meus respeitos e admiração pela experiência de vida, aos que não estiveram: calem a boca e vão estudar alguma coisa que, de fato, saibam do que estão falando.

    • Ei Daniel,
      Não precisa ser agressivo só porque você discorda de alguns comentários. Todo mundo tem o direito a deixar sua opinião.

      abraços

    • Você acha que todos os países são como a Holanda?

      Muito engraçado um homem falar isso quando 75 % das pessoas que se prostituem são mulheres. E a maioria delas são mulheres pobres que se prostituem porque não tiveram outra opção na vida, ou mulheres que são traficadas, ou crianças exploradas sexualmente.

      Muito engraçado mesmo.

    • Ei Ivan, realmente legalizar a profissão ajuda em alguns pontos, mas a situação é bastante complexa. Em países como a Tailândia a maior parte das mulheres não está lá por escolha.

      Abraços!

      • O mais triste destes fotos
        é um pais que com promessa de pessoas
        Que são pagas para procurar meninas com falsas promessa de uma vida melhor na grande cidade
        e termina os pais deixando suas filhas ir com um desconhecido
        Onde as meninas são presas em um lugar murado com segurança
        Onde são obrigada a se prostituir
        é nunca mais terão uma vida como qualquer outra pessoa
        Só sae se pegar HIV ou quando ficam muito velha

        • Verdade, Ivan. Muitas são enganadas e exploradas pelos cafetões. Alguns ficam com a maior parte do dinheiro e elas nunca voltam a ver a família. É uma realidade muito triste.

          Abraços!

  8. olha vejo que Deus não gosta dessa atitude negativa eu como serumano ja estive do lado de quem poderia dar jeito em muitas situassoes desta so que o interesse dos grandes lideres naõ é resolver poriso que o mundo fica desta forma vejo que quando o povo comessar cobrar os grades lideres as coisas irao mudar espero que nao demore
    sem mais beijos áte breve

    • Boa noite.
      Adorei “serumano”, confesso que pesquisei, afinal, poderia ser uma nova palavra. O triste é admitir ter encontrado pérolas semelhantes às suas. A nossa lingua é linda! Tenha um pouco de respeito; se conhece suas limitações utilize o corretor do Microsoft Word.

  9. Olá!

    Esse assunto de prostituição dá muito pano pra manga!
    Acredito que em regiões pobres a prostituição é o unico meio de renda, mas muitas meninas se prostituem por que é mais rentável ao invés de trabalharem decentemente por um salário digno!

  10. Sou brasileira moro na europa, sou casada ha 5 anos com meu primeiro namorado um estrangeiro. Estudei traducao aqui e trabalho num call center. Vou ser franca, nunca fui a Thai mas escutei de colegas de trabalho, absurdos de quem foi( nao do lugar ou das pessoas mas do problema em questao). O problema la e grave, muito mais grave que no Brasil, e eu ja visitei o nordeste posso falar apesar de nao ter visitado a Thailandia, mas ouvi historias. Dizem que e ate pior que a Russia, e olha que a prostituicao na Russia infantil ou nao e mil vezes mais grave do que a que ocorre no Brasil. Sim ! Nao e so o Brasil que enfrenta este tipo de problema, e o mundo. Mesmo nos paises de “primeiro” mundo. E nao estou falando de imigrantes(homens ou mulheres sim porque ha homens que sao vitimas do tal trafico de pessoas e estao se tornando numeros significantes de uns tempos pra ca) que vao la se prostituir, as vezes os propios cidadaos que querem manter um estilo de vida, acabam entrando no meio e nao conseguem sair mais. Passam N documentarios aqui(pais que moro atualmente), mostrando o problema de uma maneira geral sem apontar etnia ou nacao. Acho ridiculo ai no Brasil o esterotipo que circula em torno da mulher brasileira que mora na europa, porque eu ja passei por esse preconceito, aqui na Europa(aqui descofiavam da minha vida ai por causa do esterotipo do carnaval) e ai no Brasil(descofiavam da minha vida aqui, por causa da novela das 8 ou midia em geral), duvidam da minha moral por conta de livros mal escritos de Paulo Coelho ou novelas de quinta da rede globo, como a ridicula propaganda de Carnaval, ou reportagens tedenciosas, esterotipo. Sei que isto e fora do conceito mas vim parar neste Blog por esta questao, queria saber porque o brasileiro trata a prostituicao como topico numero um alem de um esterotipo tedencioso sendo que no nosso pais temos problemas muito mais graves que esse(nao desmerecendo o problema em questao mas nao e o maior de nossos problemas sejamos francos). A prostituicao/turismo sexual infantil/adulta na Thailandia e assustadora, a miseria tambem, o Brasil tem pobreza, muita, mas la a coisa e pior, assim como certas regioes da Russia. E vou mais fundo no assunto ainda, uma vez debatemos na faculdade sobre a pobreza na Africa, e uma colega minha trouxe um documentario que fala da prostituicao masculina que ocorre na Tunisia alem da prostituicao infantil e feminina que circula no Quenia de maneira desumana. Na Tunisia os meninos pobres de 14 a 18 anos se prostitutem para as coroas europeias ou homens europeus, em troca de 5 dolares ou menos. E uma vez que se envolvem no ramo so saem quando mortos. No Quenia, as propias familias, alugam as criancas por 3 dolares semanais, e nao existe uma misera lei para protege las. Assim vale para as filhas adolescentes. Agora nao e por causa disso que deixaria de visitar qualquer um desses paises admirar as suas paissagens e sua cultura, aprender a sua lingua e tudo mais. Nao e por causa disso que vou ficar estereotipando as pessoas dos mesmos ou questionando suas vidas por causa de algumas batatas podres que vao aprontar nos paises alheios, abusando da situacao em questao. Porque no fim das contas nao sejamos hipocritas, se estes absurdos ocorrem e porque a busca pelo tal e exessiva, e os hipocritas europeus, americanos o que quer que sejam, ficam abusando daquela inferioridade colonial e social (nao vou falar economica por que no caso do brasil e uma potencia economica superior ao reino unido mas e um desastre social vide russia) para fazerem o que muitas vezes nao podem fazerem em seus paises. MEu julgamento no meio disto e simples, nao culpe os coitados envolvidos nisso, seja por pobreza de espirito ou pobreza financeira, culpem os que estimulam tais coisas.

    E pra fechar, otimo Blog.

    • Ei Camila, Obrigada pelo comentário. Realmente é muito chato esse preconceito que a brasileira sofre no exterior. E com certeza, a situação na Tailândia é muito mais grave. Basta ir lá para ver como as coisas são feitas com conhecimento e consentimento das autoridades, em plena luz do dia e para todo mundo ver. É um lugar muito triste. Abraços! =)

      • Mas se voces nao me importam de perguntar e sair fora do assunto deixando de lado esta triste realidade num curto post.
        Assim de brazuca para brazuca, qual e a sensacao de visitar todos aqueles templos, meditar, e sentir aquele toque espiritual de Thai? Meus amigos e colegas que foram para la, nao se importaram tanto com isso, foram mais pelo lugar(praia, sol mar, agua cristalina ) e pelo preco, tava em promocao (e eram todos estrangeiros). Mas e este lado espiritual, como e ? Eu acho que nos brasileiros e latinosno geral somos mais apegados a isto do que os demais (pode ser so achismo mesmo, mas todo brasileiro que conheco que visita uma cultura completamente diferente procura saber mais a respeito da espiritualidade e tals)…nunca conheci brasileiros que foram a Thailandia, entao me digam o que voces acharam disto la ?

  11. Quem quiser ver com os próprios olhos turismo sexual no Brasil basta ir ao Ceará, em Fortaleza, principalmente em Iracema ou na Praia do Futuro (dando nome aos bois pra não ter confusão!Rs!). É descarado, pra quem quiser ver. Basta ir a hoteis e restaurantes voltados para negócios em São Paulo. Basta ir ao sambódromo no Carnaval do Rio de Janeiro. Basta ir a um certo hotel 5 estrelas em Belo Horizonte que tem carta (tipo menu, cardápio) de acompanhantes para os hóspedes. Basta ver os cartazes afixados no aeroporto de Cuiabá lembrando aos turistas que sexo com menores de idade é crime!!! E olha… não falo isso de forma pejorativa não, adoro o Ceará, amo BH, o Rio de Janeiro continua lindo, mas simplesmente não tem como negar que esse problema ocorre no nosso país debaixo do nosso nariz!
    E como isso é triste! Triste “here, there and everywhere”!

    Beijo grande Natália! Adorei o post. Triste mas necessário. Que bom que a gente viaja e não enxerga só flores, seja dentro ou fora do nosso país.

    • Ei Marcela! É isso aí, no Brasil também temos muito turismo sexual, mas em pukhet é algo assustador justamente pq não está escondido ou disfarçado. É à luz do dia e isso nos faz enxergar coisas que não queríamos, inclusive sobre o nosso próprio país. é tipo um tapa na cara para quem vai para a tailândia pensando apenas em praias lindas. Abraços!

  12. Caraca, você responde a tudo e a todos. Achei esse espaço muito corajoso. E a matéria é excelente. Parabéns pela persistência de acreditar no veículo blogueiro e a força de aguentar tantas besteiras que escrevem aqui. :-)

    • Oi Saulo,

      Nossa política é de responder todos os comentários, afinal a interação com os leitores é a razão desse espaço. Inclusive, só não é a Natália (a autora do texto) que está te respondendo porque no momento ela está viajando.

      Muito obrigado pelos elogios!

      Abraço!

  13. So quem ja esteve pelas ruas da Tailandia entende este post. Foi muito bem escrito e retrata um pouco da verdade. Quem ja esteve la sabe que e muito pior. Sugiro a alguns leitores que leiam mais sobre Bangla Road em Phuket ou sobre Bangkok. Voces vao encontrar um pouquinho da realidade da Tailandia.
    Natalia, o que me deixava curiosa e que essas meninas/meninos sempre estao felizes e com alto astral. Sempre dispostas a passar a noite em um salto altissimo dancando ou caminhando atras de estrangeiros. Elas parecem inabalaveis e encaram a prostituicao como um trabalho serio, ja que e a unica opcao que todas elas tem. Tambem tem varios europeus que “alugam” elas para ficar la com eles durante o tempo que eles ficam por la. Elas ficam com os turistas nos hoteis. Eles levam elas nos passeios de barco, nos jantarem, pontos turisticos e tudo mais. E elas sempre tem um olhar feliz! Alguns europeus ate casam com ladyboys e levam para casa!

    • É verdade, Daniele, é preciso estar lá para entender a proporção do problema. E sim, eu acho que elas estão sempre sorridentes, mas talvez faça parte do negócio. Afinal, que gringo vaiq uerer uma companhia emburrada? Esse é o trabalho delas: entreter e divertir os clientes, não importando como elas se sentem na verdade. =) Abraços!

      • Eu ja vivi com uma Tailandesa que antes de me conhecer andava na prostituicao e entro na discusao neste blog para rectificar algumas incorrecoes que aqui foram escritas, quanto a extrema pobreza na Tailandia nao sei se ha mais pobreza no Brasil ou em Portugal ( donde sou natural), eu vivi uns tempos no nordeste da Tailandia na provincia de Udon Thani que e uma provincia maioritariamente rural e nesta e na outras provincias rurais os ordenados sao muito baixos mas nao vi mendigos ou sem casa na rua, nas grandes cidades sim como Bangkok, Nova York nao tem milhares vivendo nas ruas ? A grande maioria das prostitutas Tailandesa veem das zonas rurais do norte da Thailandia, depois a mentalidade da mulher Tailandesa e muito diferente da mulher Ocidental, no meu pais uma prostituta quando sai para a rua diz (vou atacar ou vou ver se mato um cabrito) a prostituta Tailandesa diz ( i go try to get one coustumer, vou ver se arranjo um cliente) e ha sempre na maioria um respeito enorme pelo respectivo cliente e quando e feito um contrato a longo termo ate chegam a apresentar o cliente a familia,a grande maioria das prostitutas tailandesas nao sao obrigadas a prostituicao as grandes redes de trafico de mulheres na Tailandia sao provenientes da Russia e de alguns paises limitrofes que sao obrigadas a prostituir-se e os chefes desses gangues sao provenientes desses mesmos paises basta consultar a net, quanto a prostituicao infantil esta localizada principalmente em Bangkok e Pattaia mas neste aspecto acho que o Nordeste Brasileiro nao fica atras.
        Quanto ao comentario do Romario em que ele diz que ha familias com filhos masculinos que lhe mudam o sexo mesmo pouco depois de nascer, so tenho um comentario e a coisa mais absurda que eu ja li neste blog,quanto aos homosexuais parece que na Tailandia ha mais que noutros paises o que e um erro,todo o homosexual na Tailandia nao esconde como nos outros paises, eu vi rapazes jovens irem para a escola vestidos de menina e nimguem levanta qualquer preconceito mesmo os professores.
        Para acabar, eu vivi dois anos com uma tailandesa que conheci na prostituicao,o pai tem um terreno com umas dezenas de hectares (com o terreno que ele tem eu era milionario no meu pais) onde cultiva cana de acucar, beterraba e arroz a filha fez uma casa nova para os pais e comprou um trator com o dinheiro ganho na prostituicao durante um ano num pais do Golfo, neste momento deixou a prostituicao e esta com os pais, mas ha um ditado na tailandia que e verdadeiro ( podes tirar uma tailandesa do bar mas nuncas tiras o bar da tailandesa).
        Peco desculpa quanto a pontuacao o meu teclado e ingles e nao tem a pontuacao para o Portugues.
        Este comentario nao foi escrito de acordo com porcaria do acordo ortografico.

      • Eu ja vivi com uma Tailandesa que antes de me conhecer andava na prostituicao e entro na discusao neste blog para rectificar algumas incorrecoes que aqui foram escritas, quanto a extrema pobreza na Tailandia nao sei se ha mais pobreza no Brasil ou em Portugal ( donde sou natural), eu vivi uns tempos no nordeste da Tailandia na provincia de Udon Thani que e uma provincia maioritariamente rural e nesta e na outras provincias rurais os ordenados sao muito baixos mas nao vi mendigos ou sem casa na rua, nas grandes cidades sim como Bangkok, Nova York nao tem milhares vivendo nas ruas ? A grande maioria das prostitutas Tailandesa veem das zonas rurais do norte da Thailandia, depois a mentalidade da mulher Tailandesa e muito diferente da mulher Ocidental, no meu pais uma prostituta quando sai para a rua diz (vou atacar ou vou ver se mato um cabrito) a prostituta Tailandesa diz ( i go try to get one coustumer, vou ver se arranjo um cliente) e ha sempre na maioria um respeito enorme pelo respectivo cliente e quando e feito um contrato a longo termo ate chegam a apresentar o cliente a familia,a grande maioria das prostitutas tailandesas nao sao obrigadas a prostituicao as grandes redes de trafico de mulheres na Tailandia sao provenientes da Russia e de alguns paises limitrofes que sao obrigadas a prostituir-se e os chefes desses gangues sao provenientes desses mesmos paises basta consultar a net, quanto a prostituicao infantil esta localizada principalmente em Bangkok e Pattaia mas neste aspecto acho que o Nordeste Brasileiro nao fica atras.
        Quanto ao comentario do Romario em que ele diz que ha familias com filhos masculinos que lhe mudam o sexo mesmo pouco depois de nascer, so tenho um comentario e a coisa mais absurda que eu ja li neste blog,quanto aos homosexuais parece que na Tailandia ha mais que noutros paises o que e um erro,todo o homosexual na Tailandia nao esconde como nos outros paises, eu vi rapazes jovens irem para a escola vestidos de menina e nimguem levanta qualquer preconceito mesmo os professores.
        Para acabar, eu vivi dois anos com uma tailandesa que conheci na prostituicao,o pai tem um terreno com umas dezenas de hectares (com o terreno que ele tem eu era milionario no meu pais) onde cultiva cana de acucar, beterraba e arroz a filha fez uma casa nova para os pais e comprou um trator com o dinheiro ganho na prostituicao durante um ano num pais do Golfo, neste momento deixou a prostituicao e esta com os pais, mas ha um ditado na tailandia que e verdadeiro ( podes tirar uma tailandesa do bar mas nuncas tiras o bar da tailandesa).
        Quanto a um comentario em que se diz que viram em Chiang Mai meninas com 14 e 16 anos num bar com Ocidentais deve ter havido um erro com a idade das meninas pois nos bares a idade das meninas e muito controlada pois ha grandes penelidades para os prevericadores, fora dos bares sim mas nao em sitios expostos.
        Peco desculpa quanto a pontuacao o meu teclado e ingles e nao tem a pontuacao para o Portugues.
        Este comentario nao foi escrito de acordo com porcaria do acordo ortografico.

  14. OLá Natália.
    Mostro total gratidão por esta reportagem publicada no seu site, ficou muito bem explicitada e muito convicentes sobre a prostituição na Tailandia.Gostei muito do seu texto,PARABÉNS! Agora criticando um pessoa que usa nickname para tentar esconder que no nordeste do bRasil não existe prostituição está enganada,pois nesta região é onde se encontra o maior indice de prostituição,inclusive infantil do Brasil. O nordeste está na lista internacional de um dos principais pontos de turismo sexual mundialmente,onde se atrai muito estrangeiros em busca da satisfação sexual. Quanto a São Paulo e Minas Gerais,existe sim a prostituição,mas esta se caracteriza de forma regional, onde prostitutas atraem caminhoneiros, ou Homens da região,enquanto o nordeste tem como principal foco os estrangeiros o que acaba alarmando o alto índice de prostituição nesta região. Enquanto São Paulo, onde ocorreu uma migração excessiva de nordestinos está na lista também,o que justifica as argumentaçãoes do “CRIADOR”, que anda desinformado sobre o turismo sexual Brasileiro. Grato

    • Ei Rodrigo! Obrigada! Com certeza, existe uma diferença entre prostituição e turismos sexual. Infelizmente esse último acontece muito no nordeste, até porque essa é uma região muito turística no país e onde existem muitas pessoas em situação de risco que acabam sendo exploradas dessa forma. Tanto aqui quanto na Tailândia é muito triste.

      Abraços!

    • Primeiro, parem de falar do Nordeste como se ele fosse uma coisa só. A região Nordeste tem nove estados e não pode ser tratada como se uma coisa que acontece em um estado fosse fato para todos.

      Eu sei que vocês (sulistas e sudestinos) estão acostumados a fazer isso, fica muito mais cômodo e fácil, mas dá a impressão de desconhecimento e preguiça de pesquisar e se informar para falar com embasamento. Fica a dica.

      Se quer argumentar alguma coisa seja específico e aponte dados que provem o que você está falando.

      Segundo lugar, o que você quis dizer com “Enquanto São Paulo, onde ocorreu uma migração excessiva de nordestinos está na lista também…”

      Então foi a migração “excessiva de nordestinos” que levou a prostituição pra maravilhosa cidade de São Paulo? Do contrário isso nem existiria lá?

      Comentário desnecessário, para dizer o mínimo. Mas como eu não gosto de dizer o mínimo, digo que é um comentário risível e patético mesmo.

      Grata.

      • Olá Juliana. Sei muito bem que o Nordeste é formado por 9 estados. A utilização do nome é mesmo para simplificar, caso contrário ficaria muito difícil conversar tendo que citar o nome de cada estado, não é? É uma divisão com base em características socio-economicas semelhantes. Você mesmo faz a mesma coisa quando fala de nós, sulistas e sudestinos: tratam todos como se fossem uma coisa só pq facilita sua argumentação. Quando aos dados que apontam embasamento quando ao turismo sexual no nordeste, eu já enviei diversos links de matérias da impressa alguns comentários acima.Pode passar lá para ler se te interessa. Sou jornalista, não gosto de fazer comentários sem pesquisa de dados. Já quanto ao fato de relacionar o turismo sexual em SP com a migração de nordestinos, concordo com você, não tem nada a ver. São Paulo tem turismo sexual por causa do turismo de negócios que também é forte por aqui. Atrai empresários com dinheiro e a procura de companhia. Mas não fui eu que fiz esse comentário, então não me senti atingida por essa colocação

          • Respondendo sua pergunta anterior, no qual não havia visto, quero declarar que não foi somente a migração nordestina que causou a distal prostituição, mas o excesso de pobreza dessas famílias que alavancou o bum neste local. Se tiver dúvida e não quiser acreditar, faz um levantamento estatístico por sua própria conta,pq as reportagem da televisão, rádios e revistas comprovam que a maioria são descendentes ddo nordeste.Quanto a generalização da região, foi explicado acima pela autora do blog. Espero que compreenda que eh preciso mudar esta triste realidade que acomete todo o Brasil, mas depende de nós passarmos a aceitar a realidade da nossa região.

  15. PARABENS PELA MATÉRIA NATALIA, EU JÁ CONHECIA O PROBLEMA DESTE PAIS POR OUTRAS MATÉRIAS JÁ DIVULGADAS NO PASSADO POIS O PROBLEMA NÃO É RECENTE JÁ VEM DE MUITO TEMPO, É LOGICO QUE EM TODOS OS PAISES TEM MULHERES QUE SE PROSTITUEM POR QUE QUEREM, MAS NÃO FECHEMOS OS OLHOS E NÃO VENHAMOS DIZER QUE LÁ EXISTE PROSTITUIÇÃO POR QUE ELAS QUEREM OU GOSTEM, POIS A PROPORÇÃO É MUITO GRANDE, E QUANDO VEMOS UMA DESTAS MULHERES AGRADANDO O CLIENTE É POR QUE SE ISSO NÃO ACONTECER APANHAM, OU TEM OUTROS TIPOS DE AMEAÇA, TUDO É FATO A GRANDE MISERIA QUE VIVEM ESSAS MULHERES NESTE PAIS, VEJAM RAPAZES POBRES REALIZAM CIRURGIA PARA TENTAREM A VIDA NO PROSTITUIÇÃO E SUSTENTAM AS SUAS FAMILIAS, ISSO DEMONSTRA QUE NÃO EXISTE ALTERNATIVAS SUFICIENTES PARA A SUBSISTENCIA DO POVO SENDO ESSA A SAÍDA, COMO DIZ NA REPORTAGEM É TRISTE.

  16. Ano passado fui à Thailand e realmente é evidente o grande número de mulheres envolvidas com a prostituição. Também é um país com uma natureza belíssima, com forte apelo turístico, o que felizmente traz outras opções de trabalho às jovens, que conseguem seu sustento trabalhando nos restaurantes, hotéis, lojas, casas de massagem (sem sacanagem), quiosques e outras atividades ligadas ao turismo. No entanto, é um país realmente carente de infra-estrutura, com uma política corrupta (conhecemos bem isso) e que sofre muito com as chuvas e inundações, que atingiram Bangkok enquanto estávamos lá. Gostei muito do povo, que embora sofrido, mantém-se alegre, esperançoso e hospitaleiro (também sabemos o que é isso). Em resumo, acho que esse grande número de prostitutas demonstra que a Tailandia possuí sérios problemas sócio-econômicos, mas atualmente é a maneira que essas mulheres encontram para sobreviver e manter a esperança em dias melhores. Mesmo estranho, observei que muitas delas parecem felizes enquanto cuidam dos seus clientes e esses cuidados vão além do sexo, levando bebida e comida para eles, ouvindo-os (talvez até sem entender o que dizem), secando o suor do rosto, entretendo-os como podem. Talvez porque esse povo sofrido sinta o Chaplin já dizia:
    That’s the time you must keep on trying
    Smile, what’s the use of crying?
    You’ll find that life is still worthwhile
    If you’ll just smile.

  17. Triste realidade não, realidade que ocorre em TODOS os lugares do mundo. Alias, qualquer trabalho que não pague impostos sempre são lucrativos, bizarro não?

    Oque te faz pensar, se algumas estão realmente necessitadas, o que faz as outras, de lugares ditos melhores tambem seguirem o mesmo caminho?

    • É verdade que a prostituição ocorre em qualquer lugar, o problema é a intensidade com a qual ela ocorre na Tailândia. Já o turismo sexual, esse é característica principalmente de países pobres (vide nordeste brasileiro). Não estou dizendo que não existem meninas que tomem essa decisão por conta própria, mas mesmo em lugares mais ricos, você vai encontrar muitas imigrantes de lugares pobres entre as prostitutas.

  18. Parece que as pessoas esquecem q atras de uma prostituta tem um cafetão e o mesmo explora o quanto pude das suas digamos funcionarias sendo na maioria forçadas a fazer coisas quem ñ querem e quando querem sair do ramo ñ conseguem pois são ameaçadas de morte porque eles ñ querem se desfazer da sua galinha dos ovos de ouros por isso discordo quando dizem q elas em sua maioria estão lá porque querem, finalizando tem a questão da pedofilia a maioria delas começaram desde de crianças neste ramo e garanto que uma criança ñ sabe fazer esse tipo de escolha vão porque são obrigadas.

    • É exatamente isso que eu quis dizer no post. A prostituição não é uma opção da Tailândia, mas sim a única alternativa para muitas meninas. Abraços

  19. O fato da prostituição existir é imutável, o errado neste caso me parece a apropriação indevida da prostituição, que fere o direito da liberdade individual na medida em que se coloca o domínio da atividade nas mãos dos poderosos, estes por sua vez defendem apenas o interesse do lucro próprio.
    A constituição deveria permitir que as mulheres maiores de idade vendessem o próprio corpo e ministrassem essa atividade sem interferência dos poderosos, em qualquer lugar do mundo.
    E o Rodrigo viajou motivado pela putaria, aposto.

    • Leandro, concordo com você. O problema está na exploração. Eu tenho minhas dúvidas se a prostituição existiria em um mundo ideal, mas como estamos muito longe dele, seria bom se as mulheres pelo menos pudessem escolher fazer isso sem serem exploradas por pessoas poderosas e se elas tivessem uma alternativa viável para ganhar a vida. Abraços!

  20. Ninguém aponta uma arma em suas cabeças e obrigam a se prostituir. Elas fazem e ganham dinheiro com isso, uma troca justa. Em qualquer momento estão aptas a sair e voltar pra casa. Como a própria matéria diz: se trabalharem em fábricas textis, serão mais miseráveis ainda, ou seja, é notório que a prostituição no local é um gerador de renda e ativador do mercado. Não existe “triste realidade” em duas pessoas maiores de idade fazerem um negócio lucrativo para ambas as partes. Agora, obviamente, quando a menores de idade, isso é ilegal, e cabe ao governo tomar as medidas corretas.

    • Olá Queijinho, o problema da prostituição na Tailândia, assim como em outros países mais pobres, é que, além das meninas começarem a se prostituir aos 15 ou 16 anos, não existe nenhuma alternativa para elas conseguirem sustentar a família. Eu acho que quando você tem que decidir entre passar fome e se prostituir, essa não parece uma escolha legítima, não é? Se elas tivessem acesso à escola, educação, saúde e outras coisa, eu concordo que seria uma opção delas, mas infelizmente, esse não é o caso. Obrigada por comentar! Abraços!

    • Olá Rodrigo, obrigada por deixar um comentário tão embasado e por contribuir de forma tão consistente para a discussão. Boas férias e aproveite a Tailândia.

      Abraços.

  21. Não fui à Phuket, e já fiquei apavorada com o que vi em Chiang Mai. O que achei triste não foi a prostituição de mulheres, mas de garotas de 12/13 anos. Lá não vi o turismo sexual na cara dura, mas muitas menininhas pagando de namoradinha de homens que tem idade para ser avô delas nos bares, nos restaurantes, em todo lugar. Umas meninas tão lindinhas e com carinha de bebe com velhos babões ao lado. A série da Tailândia está ótima!

  22. Eu acho um pouco complicado falar sobre prostituição em lugares pobres (e sobre os clientes desse negócio), sempre fico com a impressão de que se demoniza o fato da mulher poder vender o corpo. Isso acaba vitimizando a figura da mulher, que, no final das contas, parece ser o que há de mais forte no sistema – no sentido de que é ela quem está se sacrificando para o sustento da família (ou para as futilidades próprias, não importa). O problema da prostituição forçada não acaba com a fiscalização ou a interdição desses lugares que exploram a mão de obra feminina (como se os teares não explorassem), mas sim com (blablabla) o desenvolvimento econômico, políticas de educação direcionadas à capacitação das mulheres, políticas públicas de distribuição de renda, etc. (o que a gente ainda está vendo acontecer aqui no brasil). Assim, a escolha pela prostituição em um futuro muito muito distante pode se tornar uma das opções válidas (e não a única)para as mulheres por lá. (ps. tb não acharia divertida a noite)

    • Prostituição é um tema polêmico. Eu acho que se a pessoa teve um milhão de outras possibilidades na vida e escolheu vender o próprio corpo, é uma decisão dela e deve ser respeitada. Agora, se as opções eram isso ou passar fome, eu não acho que a pessoa teve realmente uma escolha. E essa é a maior parte dos casos, não é verdade? O turismo sexual na Tailândia é fruto de um governo que é ineficiente em levar boas condições de vida para a população. Não é atoa que coisas muito parecidas acontecem no nordeste brasileiro, mas a gente não escuta falar tanto sobre isso nas praias do sul, não é? A prostituição, na maioria das vezes, anda junto com a pobreza e com a exploração. (não apenas dos clientes/cafetões, mas de todo o sistema – pq sim, o tear tbm explora)

      Eu concordo com vc que a fiscalização por si só não resolveria o problema. O que eu quis dizer é que os cafetões estão infiltrados no alto escalão da política tailandesa, eles tem poder e isso explica um pouco porque o governo não está nem um pouco preocupado em fazer alguma coisa para ajudar essas meninas.

      Quando eu estava lá eu ficava pensando em como elas foram parar ali e se (não tenho nenhum dado que comprove isso) algumas não eram vítimas do tráfico sexual, ou se eram exploradas/abusadas pelos cafetões, enfim. O clima todo do lugar me deixou bastante pra baixo.

      • Natália,
        Onde foi que você viu, em que jornal, em que site ou em qual veiculo de comunicação que no Nordeste Brasileiro acontece coisas desse tipo? Muito mal informada Sra. Natália, no nordeste brasileiro não existe a prática do sexo com a frequência que existe na Tailândia, agora no Sul do Pais sim, em são paulo principalmente existe esse tipo de prática bem mais que no nordeste ! Não falei o que não sabe Sra.Natália, não se passe por ridícula !

        • Sr. O Criador, antes de criticarmos alguém é preciso ter certeza do que se fala, ainda mais assim ,de forma pública e tão arrogante, porque senão quem acaba passando por ridículo é você mesmo. Conforme solicitado, seguem alguns links de matérias publicadas em veículos de comunicação nacionais que retratam a questão do turismo sexual no nordeste brasileiro. Lembrando que eu nunca disse que aqui acontece na mesmo proporção com a qual acontece na Tailândia, mas esse é sim um problema do nosso país. Favor se informar melhor antes de abrir a boca:

          Reportagem do R7: http://noticias.r7.com/videos/nordeste-encobre-turismo-sexual-e-pedofilia/idmedia/6a6ecb4bd6093afef00d76b33c3c520b.html

          Reportagem do Fantástico: http://www.youtube.com/watch?v=sWYXSPtDSjs

          REportagem da Folha de São Paulo: http://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u5441.shtml

          • Sra. Natália Becattini,

            O turismo e a exploração sexual é um problema social brasileiro, se formos fazer levantamentos, em outras regiões do pais existe a pratica do turismo sexual muito maior do que no Nordeste Brasileiro, assim te citei o exemplo do Sul do pais, porém no nordeste existe muitas praias lindas, muitos pontos turísticos, e é isso que o turista procura, praias, e por conta das praias e dos lugares exóticos do Nordeste Brasileiro a influência no turismo sexual. Mais quando você citou o Nordeste como sendo a principal região do Brasil no Turismo Sexual, você poderia ter evitado falar apenas de uma região quando você mesmo sabe que o problema e em todo o pais ! assim te deixo exemplos como você deixou pra mim !

            http://g1.globo.com/brasil/noticia/2012/05/rodovias-do-pais-tem-1776-pontos-vulneraveis-exploracao-de-menores.html

            http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/conheca-o-mapa-da-prostituicao-em-sao-paulo-20120625.html

            bjim ! rsrs

          • Caro O Criador,

            Agora sim vc deixou um comentário consistente que estimula a discussão, e não apenas uma agressão gratuita. Concordo com você que o turismo sexual e a exploração é um problema sexual brasileiro. Citei o nordeste como exemplo porque, como você pode comprovar com as matérias que eu enviei, é a região do Brasil que está na rota do turismo sexual. Quando digo isso não estou dizendo que não existe prostituição em outras regiões. Os links que você me enviou tratam do problema da prostituição em geral e não especificamente da questão do turismo sexual, como tratam os links que eu enviei. A matéria do G1 trata da exploração nas rodovias de Minas, a do R7 trata das prostitutas de São Paulo, que não necessariamente atendem clientes estrangeiros que vieram para o Brasil em busca de sexo (apesar de que isso com certeza também aconteça). A questão é que o nordeste, talvez por ter as praias mais bonitas, atrai muitos estrangeiros em busca de sexo fácil e barato, está na rota dos turistas sexuais. As matérias que enviei dão um bom panorama do assunto e todas elas citam as praias do nordeste como maior (e não único, óbvio) destino desse pessoal. Não foi minha intenção ofender o nordeste ou o povo nordestino, apenas dar um exemplo de um problema sério que infelizmente acontece em nosso país.

        • Olha, meus pais tem um abrigo aqui em Fortaleza-CE. E temos 17 crianças nesse abrigo, a maior parte são meninas, de 6 a 12 anos. Praticamente todas, tirando umas 3 ou 4, já praticaram sexo oral, vou falar no português rasgado, crianças de 6 a 12 anos já chuparam um pinto de um estranho por 1 real e isso é totalmente natural aqui nas favelas de Fortaleza. Eu falo de uma realidade que eu acompanho de perto. Muitas meninas já adolescentes, não querem vir para uma casa lar como a nossa, que é como um lar (pois meus pais moram com as crianças), não querem largar a prostituição pq é rentável pra elas. Vão deixar de ganhar a graninha pra entrar em uma casa, q não vai poder ir a festas e nem vai ganhar dinheiro, não querem nem a pau. Vc não tem noção do quanto isso é forte no Nordeste. Temos 2 casas na Bahia, 2 no Maranhão, outra em Natal e uma aqui em Fortaleza, isso sem contar as mais de 15 espalhadas pelo Brasil (nosso site: http://www.mcmpovos.com.br/site/Portugues/Pagina002.aspx?cod=56&seca=25). Algumas meninas fogem de nossas casas, pq preferem ser prostitutas ou viverem de qualquer forma na rua, doq estarem dentro de uma casa aprendendo a ter princípios e limites. Isso pq são tratadas da melhor forma possível, mas infelizmente preferem a liberdade do que uma vida digna. Acho que quem está falando de algo que não sabe, é vc meu querido(a). Espero que agora esteja por dentro do assunto! 😉

          • Obrigada por seu comentário, damaris. Essa realidade é muito triste, mas não podemos fechar os olhos para ela.

            Abraços.

          • Quando estive em em Fortaleza-CE, Fiquei chocada com a quantidade de criancas se prostituindo…em um famoso lugar ai chamado Forró do Pirata, nao me senti nada bem.. vi que onibus vinham lotados de italianos e portugueses, pra esse lugar e ficavam na rua mesmo..nas praia do Futuro tambem nao foi diferente..fiquei decepcionada com Fotaleza..

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem