Tags:
Atlas: Inglaterra, Londres, Reino Unido

A Rainha da Inglaterra e o turismo em Londres

E lá estávamos nós, em um dos maiores programas de turistão em Londres, nos espremendo entre pais com crianças sobre os ombros e tentando nos desviar das câmeras fotográficas. Poucos minutos antes, conhecemos uma velhinha simpática num posto de informações e ela nos alertou que a troca da guarda começaria em vinte minutos.

Consultei meu arquivo mental sobre a Inglaterra e me lembrei de ter ouvido algumas vezes que essa era uma atração que ninguém que estivesse de passagem por Londres poderia perder. Também lembrei de ouvir algo sobre furtos durante o evento e de rir da possibilidade de sair do Brasil para ser roubada na Europa. Por via das dúvidas, liguei o modo de segurança “você-está-próxima-à-rodoviária-de-BH” enquanto corríamos em direção ao famoso Palácio de Buckingham, nossa primeira atração na terra da rainha.

bandeira inglaterra

Juro que não achei que ia estar tão cheio. Não era cheio do tipo insuportável, mas cheio do tipo que você não consegue ver nada sem ter umas vinte cabeças na sua frente. E tinha gente, muita gente, do outro lado da rua, onde imaginei que se conseguisse ver menos ainda, e gente que chegava o tempo todo, desorientando o guarda que deveria manter a ordem na plateia. Foi no meio de tudo isso que eu ouvi um banda tocando em um rua próxima. E em poucos instantes, começou o espetáculo da monarquia.

Leia também: Onde ficar em Londres: os melhores bairros para se hospedar 

Multidão Troca da Guarda Londres

Para mim, o espetáculo durou uns oito minutos. Esse foi o tempo que eu levei até ficar de saco cheio de tentar ficar nas pontas dos pés para ver alguma coisa. Nos poucos momentos que eu consegui, vi um monte de homens de roupa vermelha e chapéu engraçado repetindo ações milimetricamente ensaiadas que não eram um espetáculo de beleza, nem de criatividade, nem chocante ou interessante.

Saímos de lá tão rápido quanto chegamos com aquela interrogação em nossas mentes.

Troca da Guarda Palácio Buckingham

Why the hell as pessoas vêm pra Londres e perdem tempo tentando ver isso?

Mas aquela seria a primeira demonstração do espetáculo da monarquia inglesa para esses pobres brasileiros. Apenas alguns dias antes, estávamos em outra monarquia, a espanhola. No entanto, senti que, se não tivéssemos chegado em pleno feriado de orgulho nacional, talvez nem nos déssemos conta disso. Londres, assim como fez com as referências culturais, transformou a família real em uma atração turística.

Eu me lembro que, quando criança, perguntava para o meu pai o que era a tal monarquia que passava na propaganda da televisão. Ele me disse que se aquela opção ganhasse a eleição, o Brasil teria reis e rainhas. Com os olhos brilhando, tentei convencê-lo a votar na monarquia e ele riu da minha cara.

Na minha cabeça, se o Brasil tivesse reis e rainhas talvez eu poderia ser princesa, talvez um príncipe se apaixonasse por mim e talvez eu tivesse uma fada madrinha para me dar o que eu desejasse. Mas foi em uma terra de conto de fadas modernos que eu fui me meter uns vinte anos depois. Para todo o lugar que olhássemos, tinha um souvenir do último casamento real, uma foto dos noivos apaixonados estampada em uma caneca, chaveiro ou camiseta. E então surgiu a segunda interrogação:

– Que tipo de pessoa visita Londres e leva de souvenir uma caneca com a foto do Willian e da Kate? (Provavelmente o mesmo tipo de pessoa que visita Porto Seguro e leva uma camiseta “Alguém que me ama esteve na Bahia e se lembrou de mim”. Mas isto não vem ao caso).

Souvernir do casamento de Willian e Kate

 Se você for a Londres, não leve um destes para casa. É brega. 

 Mas essa interrogação foi substituída assim que encontramos souvenirs com os dizeres “God save the queen”.

– Espera aí, a revolução francesa não acabou em 1799? Onde esse pessoal aqui estava mesmo? Ah é, deram um golpezinho de estado qualquer! Que falta fazem umas guilhotinas, hein?

O último espetáculo (e o mais caro de todos) foi a Torre de Londres, lugar que muito me interessava pela história e pouco pela principal atração: as joias da coroa. E era lá justamente que as pessoas paravam e ficavam admirando o monte de ouro e diamante que enfeitou a cabeça de gente que jurava ter o sangue azul. A interrogação da vez foi: –  Quanto tempo vão demorar para perceber se eu quebrar esse vidro e fugir com essa coroa? Mas a divagação insana foi substituída por: – Não é possível que alguém acredite no direito divino desse povo de viver melhor que os outros. Então porque, meu deus, eles ainda mantém essa farsa?

Torre de Londres Rainha da Inglaterra

A Rainha da Inglaterra e o turismo

Podem vir com todas as explicações. Eu já ouvi muitas delas. Podem dizer que é turismo, podem dizer que acontece a mesma coisa no Brasil, podem dizer que, ao invés da gravidez da Princesa Kate, as revistas de fofoca brasileiras publicam factóides sobre a Luana Piovani. Não importa. Depois de ter sobrevivido à troca da guarda, aos souvenirs e às joias da coroa,  dentro de um avião que ia para Nova Delhi, só havia uma coisa que eu conseguia pensar sobre aquilo tudo: Como é babaca essa tal de monarquia. E certos foram os franceses, que arrancaram umas cabeças a tempo e acabaram com a festa.

Torre de Londres Corvos Rainha da Inglaterra

PS: Quero deixar claro que não sou a favor da matança de nenhum membro das famílias reais que sobreviveram ao século 18.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “A Rainha da Inglaterra e o turismo em Londres

  1. Ótimo!! Morrerei com as mesmas interrogações!

    Perguntei isso ao longo da viagem pra 50 diferentes ingleses e, no máximo, 5 deles concordaram que a realeza é uma grande bobagem e que estão vivendo uma vida pra lá de mansa com dinheiro público. A grande maioria disse que não liga muito, que é turismo e tb parte da “identidade nacional”. Os ingleses ainda vivem a ilusão de superioridade do período vitoriano, é incrível tanta tolice (aliás, tolice não é privilégio de país nenhum)! Pra mim, é como dizer que político roubar é parte da “identidade nacional brasileira” e deixar a farra rolar solta… Sem cabimento.

    Abraços pra vcs e boa sorte pela Índia!

    Fred

  2. Gente, é uma delícia ler os textos do 360! É uma delícia também pelos dados e informações sobre os lugares por onde vocês estão passando mas, principalmente, por conseguir, por meio dos textos, matar a saudade de vocês. Começo cada post tentando adivinhar quem escreveu esse – e acerto sempre – e logo começo a ouvir suas vozes pronunciando as frases. Naty, neste post consegui realmente escutar sua frase apressada, entrecortada por risos e acompanhada da cara-de-naty que você faz quando fala certas coisas. Tô adorando, gente!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.