Tags:

Você já se hospedou em um hotel-muquifo?

Nós éramos jovens recém-formados com uma viagem muito longa pela frente e pouco dinheiro no bolso. Como qualquer mochileiro pelo mundo, tínhamos que cortar gastos aqui e ali. Entre atrações turísticas, locomoção entre cidades e atividades como rafting e esqui, escolhemos gastar o mínimo possível com hospedagem e alimentação. Foram meses de fast food e comida de rua, de quartos feios em hotéis ruins, de banheiros compartilhados e dormitórios com pessoas estranhas. Faz parte da vida do viajante econômico, eu acho.

No entanto, algumas vezes esses hotéis abusavam do direito de serem ruins. Nem o mais apertado dos orçamentos justifica certas situações, meus amigos. Como no dia em que ficamos presos numa vila no Himalaia porque estava nevando e, sem outra alternativa, resolvemos ficar bêbados.

Mas, como todo líquido que entra tem que sair, era preciso enfrentar a nevasca para chegar até o bendito banheiro, que não só ficava do lado de fora do quarto, como da casa. Vamos ignorar também que não tinha água na casa inteira, porque os encanamentos estavam congelados. E que os lençóis fediam a cigarro. O foco é no fato de que o lugar tinha uma vista deslumbrante e que o preço da diária era só R$1,50 (!!!) por pessoa.

Quarto de hotel em Jaisalmer Índia

Quarto de hotel em Jaisalmer. Boa parte da bagunça era nossa culpa.

Alguns meses mais tarde, também na Índia, aprendemos a incluir “hotéis com gerador de energia” na nossa lista de itens de primeira necessidade. É porque várias cidades indianas sofrem com racionamento de energia e a luz é cortada várias vezes por dia. No inverno não faz tanta diferença, já que eles não têm sistema de calefação mesmo, mas no verão seu hotel pode facilmente se tornar uma filial do inferno.

Nosso quarto em Hyderabad sequer tinha janelas, o que tornava a situação mais tensa. Toda vez que a luz acabava durante a noite, eu instantaneamente abria os olhos e começava a assar. Corria para o banheiro para tomar uma ducha gelada, mas a refrescancia só durava alguns minutos. Rapidamente acabamos com todas as garrafas d’água que tínhamos e, no desespero, pegamos uma na geladeira do hotel. Esse foi o maior erro que cometemos: passamos tão mal que achamos que tínhamos contraído cólera.

Pode não ter sido muito divertido na hora, mas vendo assim de longe, até que é engraçado. E foi rindo dessas situações que surgiu a ideia de medir o grau de espelunca dos lugares por onde nossos leitores já se hospedaram por aí. O teste foi criado tendo como base essa e outras experiências que vivemos em hotéis ao redor do mundo. Longe de querer encontrar qualquer resultado científico, espero que pelo menos seja divertido!

 Clique aqui para fazer o teste dos hotéis-muquifo!

Hotel em Khajuraho

 Varanda e vista do nosso hotel em Khajuraho, Índia

Foto destacada: Brian Kerls Photography


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

22 comentários sobre o texto “Você já se hospedou em um hotel-muquifo?

  1. Por 2 vezes, uma em Poços de Caldas e outra em Montevideo, já tive q colocar o colchao no chao do quarto para dormir, pois a cama não parecia q iria aguentar meu peso a noite toda (e peso 75k, não eh nada muito fora da curva). As camas pareciam estar lá antes da fundação das cidades.
    Mas o pior foi em Buenos Aires, onde tive q mudar de hostel, pois o cheiro de cigarro no quarto e o nível de higiene nos banheiros não permitiram a estadia.

  2. Parece que a Argentina ta ganhando aqui nos comentários. Também no meu caso de 3 hotéis muquifo que já me hospedei, 2 foram na Argentina. Numa das vezes foi num hotel em Buenos Aires no Centro. Tinha pulgas ou percevejos. Eu mal dormia e ficava me coçando o tempo todo. Da outra vez tambem em Buenos Aires em Palermo Viejo numa Guest houve. Eu e meus amigos ficamos em 2 quartos que davam para o canil da casa. um mal cheiro de fezes e urina dos cães. As portas não fechavam direito e o aquecedor não funcionava. O jeito foi sair pra beber pra ficarmos bêbados e dormir logo. Mas quando voltamos os cachorros tinham entrado nos quartos e nos riamos muito pois já estávamos completamente bêbados. Tenso…

  3. eu fiquei em um hotel que para as pessoas nao sairem sem pagar eles deixavam dois caes da raca rottweiler na recepcão! o quarto tinha que deixar a porta aberta para o ventilador do corredor ventilar… isso foi na argentina kkkkk
    logo nao podia sair nem entrar se nao tivesse ninguem na recepcão …um dos 3 dias que fiquei nao pude sair do quarto pois o cachorro avancava em nos!

    1. Ei Monique,

      muitos hostels tem lavanderia, e quando não tinha a gente madava para uma lavanderia na cidade mesmo. O bom é que na maior parte dos países é bem barato. Tomar banho a gente tomava no hostel mesmo, mesmo que algumas vezes o banheiro fosse horrível!

      Abraços!

  4. ahahhahh!!!! Esses dias fiquei num hostel (nacional mesmo – Salvador – BA) que o dono (!) me disse que não havia lençóis pra gente se embrulhar, e que o jeito era tirar a coberta do colchão e se enrolar… isso sem contar que não havia água nos vasos sanitários, as tomadas elétricas todas descapadas, não havia luz nos corredores e meu quarto compartilhado estava em reformas. Cada hóspede precisava passar por cima, por baixo e pelo meio de um monte de ripas de madeira para chegar até a porta… Um verdadeiro malabarismo estilo “Cirque de Soleil” ahhahahah!!!! TENSOOOO!!!

    1. A coisa que eu mais tenho pânico quando me hospedo num hotel-muquifo são pulgas, percevejos e afins. O problema é que às vezes não dá para saber até deitar na cama, né?

      O que você fez? Continuou dormindo ou tentou trocar de quarto?

  5. Rindo demais!Eu fiquei no maior muquifo da história em Agra, e talvez ele tenha me feito odiar ainda mais a cidade. Tinha um buraco na janela do banheiro que era tão grande que o meu maior pavor era entrar um macaco por ela,hahaha. Acho que passava até um gorila! Mas na Polônia eu fiquei num muquifão bem estilo asiático também. Foram muitos na minha vida, na verdade. Pelo menos essas histórias me fazem rir quando lembro.

    1. Em Jaipur tinha um aviso gigante em todos os quartos dizendo que macacos podiam entrar pela janela e roubar nossos pertences. O importante é encarar o muquifo de braços abertos e manter o bom humor.

      Abraços!

    1. Nossa Rafael, eu sei bem como é essa sensação de olhar pra cama e ter vontade de ter levado um colchonete! Mas aí a gente lembra da diária e tudo fica bem, rs!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.