5 Reflexões sobre viajar sozinha

57 dias, 7 países e 24 cidades. Cá estou eu, em Praga, meu último (e breve) destino antes de embarcar de volta para Portugal. Foi uma aventura e tanto, a primeira vez que viajei tanto tempo sozinha, mesmo descontando os momentos que encontrei com amigas durante o trajeto. Em primeiro lugar, os motivos para comemoração: Yeey, completei a tal meta de visitar os 30 países antes dos 30 anos! Mas essa, certamente, não foi a grande conquista dessa viagem.

Eu já escrevi alguns posts sobre viajar sozinha, mas depois dessa jornada, fiz mais algumas reflexões sobre o assunto.

1. Você vai descobrir mais coisas sobre você: boas e ruins

Sabe quando você viaja com outra pessoa e descobre várias coisas sobre ela, como aquelas manias irritantes ou coisas do gênero? Pois é, viajar sozinha é um exercício excelente de autoconhecimento e introspecção, todo mundo já deve estar careca de ouvir isso. Mas, de fato, você se dá conta daquelas coisas sobre você que podem irritar os outros. Ou coisas que você sempre tentou negar sobre si mesma, mas quando está só com a sua própria companhia durante tanto tempo, passou a ter que aceitar.

Por exemplo, eu tento ser mais autossuficiente e independente que o necessário. Do tipo: eu evito o máximo possível pedir ajuda para alguém sobre como chegar num lugar. Eu sempre fiz isso em viagens acompanhada, onde acabo sendo a guia (ou o mapa) da galera, mas isso acaba parecendo ser bem autoritário e irritante da minha parte. Estando sozinha, eu percebi isso com mais clareza, principalmente porque eu vi que não faz mal pedir ajuda, que eu não preciso saber tudo sozinha. Essa viagem foi um exercício de, acreditem ou não, tentar ser menos independente e mais aberta a ouvir outras pessoas.

Mas se tem uma coisa que eu continuo não querendo pedir ajuda é para tirar fotos. Gente, que desastre! Isso até gerou uma discussão bem legal no Instagram, com dicas de como tirar fotos melhores ao viajar solo. A maioria das fotos de viagem que tenho são selfies ou fotos com o timer da câmera. 

Viajar Sozinho Foto de Estranhos

Foto que pedi pra alguém tirar pra mim

Viajar sozinho Vienna

Foto tirada com o timer da câmera

2. Meu estilo de viagem é só meu e não devo julgar os outros

Eu tenho meu estilo de viagem: gosto de planejar meu roteiro prévio antes de embarcar, mas nunca planejo o que fazer nas cidades até chegar lá. Gosto de ficar muito tempo numa cidade como base e fazer vários bate-voltas nos lugares ao redor. Gasto algumas horas por dia, ou um dia inteiro, trabalhando – afinal, viajar não é desculpa para eu não trabalhar. Por isso, acabo ficando mais tempo em alguns lugares que o necessário.

Nesses quase dois meses viajando, me deparei com pessoas com estilos de viagem completamente diferentes: gente que não tem trajeto nem nada reservado e decide aonde vai só no dia seguinte. Gente que acha que viajante de verdade só viaja de carona. Gente que faz todo o roteiro a pé ou de bicicleta. Gente que fica um dia num lugar e já pega o avião no final da tarde para outro.

Viajar Sozinha Selfie Luiza

Apesar de alguns desses estilos de viagem me causarem estranheza a princípio, eu aprendi, depois de breves conversas com essas pessoas, que o trajeto de cada um só é da conta de si próprio. Não cabe a mim ou a ninguém julgar o estilo de viagem ou o que as outras pessoas querem fazer das suas férias, do seu período sabático ou da sua vida na estrada.

Leia mais: Clichês de viagem que merecem um tapa na cara

Isso até mudou um pouco a minha forma de responder comentários aqui no blog. Às vezes, percebi que posso me expressar mal ao dar minha opinião sobre o itinerário de uma pessoa (mesmo que essa opinião tenha sido solicitada!). Eu tenho um estilo de viagem, que funciona muito bem para mim, mas pode não ser as férias ideais de muita gente. Não existe Copa do Mundo das viagens. Ninguém vai ganhar prêmio por ser o melhor turista ou viajante ou qualquer outro rótulo que inventarem amanhã. Ser mais aberta a essas diferenças foi algo que eu aprendi nesse trajeto.

3. As pessoas acham que você é muito corajosa, mesmo que você não se sinta assim

“Mas você está aqui sozinha?” A frase, seguida de uma cara de incredulidade, foi ouvida algumas vezes durante o trajeto. Quando eu dizia: Sim. Eles respondiam: “nossa que legal, como você é corajosa!” Esse espanto foi bem maior na Romênia e na Bulgária, países que os europeus consideram perigosos (leia-se, têm certo preconceito).

Eu, em geral, sorria e dizia que não era nada de mais. A verdade é que eu não estava mentindo. Sim, eu me sinto orgulhosa por viajar sozinha para países que eu não falo a língua e mal consigo interpretar os hieróglifos que eles chamam de alfabeto, mas não me sinto muito corajosa e nem especial por isso. Tem um monte de viajantes fazendo a mesma coisa, basta ir em um hostel para conhecê-los.

Eu não me meto em grandes aventuras, não pulo de lugares altos e certamente evito a maior parte dos perigos que eu posso, como andar sozinha em lugares escuros ou entrar em ruas ou florestas sinistras. A minha tal coragem vem de não seguir os padrões supostos para uma mocinha, de sair por aí com uma mochila nas costas e uma mala de rodinhas, do tamanho de cabine, e me propor a explorar os lugares o máximo que puder. Sem ninguém para me acompanhar.

Viajar sozinho selfie Luiza

Então, mesmo que na minha cabeça não tenha nada de mais eu pegar um ônibus local para cruzar um país, para muita gente eu sou o sinônimo da loucura e de uma alma intrépida. E, quer saber? Tudo bem! Se nesse processo eu inspirar mais alguém a embarcar nesse tipo de aventura, mesmo que não seja uma aventura tão cheia de adrenalina como os outros imaginam.

4. Nada contra hostels, mas gente me cansa

Durante essa viagem, eu tentei balancear os hostels e hotéis, além da casa de amigas, de forma que meu orçamento não ficaria muito comprometido, mas eu também teria períodos de descanso. Meu problema com hostels é que sempre tem muita gente. E várias vezes, depois de um dia inteiro explorando uma cidade sozinha, tudo o que eu quero é ficar sozinha.

Eu assassinei mentalmente muitos grupos de australianos, argentinos e coreanos que ficavam conversando alto do meu lado enquanto eu tentava trabalhar, ler, comer ou fazer qualquer coisa que não envolvia conversar com pessoas. Quem aí também cansa de conversar, levanta a mão nos comentários! 

E vocês lembram que eu fiquei bastante tempo em quase todas as cidades que me hospedei? Em geral, sempre mais do que três noites. Isso quer dizer que, nessas cidades, eu acabava saindo beeem mais cansada do que chegava. Então, meu aprendizado nesse caso – além do fato óbvio que eu estou ficando velha e chata – é que eu preciso evitar dormitórios pela minha própria sanidade. O problema é que quartos individuais, na maioria das vezes, são muito caros ou inexistentes. Deviam criar um site de busca chamado Room Alone. Se alguém quiser investir na minha ideia, manda um email. 😉

Luiza na Grécia

Ps. Mas se você quiser amigos durante a viagem, invista em hostels, É o jeito mais fácil de conhecer outros viajantes.

5. Tem muito mais gente viajando sozinho (a) do que você pensa

Depois do tópico anterior, deu para perceber que eu não sou exatamente extrovertida, mas até que fiz alguns amigos de um dia em vários lugares, em hostels ou Free Walking Tours. Todos viajantes solos. Conheci muita gente trabalhado com o Workaway também. Em minhas conversas com essas pessoas, um dos tópicos sempre era: E aí, você está curtindo viajar sozinha/sozinho? E a resposta era sempre um enorme sim.

Todo mundo que eu conversei exaltou as coisas que eu falo neste post: como é libertador não ter que comprometer suas vontades com outra pessoa, como é relaxante poder simplesmente acordar e fazer o que te der na telha, sem ter que pensar duas vezes, como é empoderador conseguir fazer as coisas por conta própria, sem a ajuda de alguém.

Então, se você ainda está na dúvida se deve ou não viajar solo, dê ouvidos aos meus breves companheiros de viagem e junte-se aos bons.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

85 comentários sobre o texto “5 Reflexões sobre viajar sozinha

  1. Me identifiquei com absolutamente tudo que você escreveu. Tenho 24 anos e fiz um mochilão sozinha pela Europa (passando, inclusive, por Porto). Foi a melhor experiência da minha vida! Viajar sozinha é realmente viciante… A cada país que passava as pessoas diziam : “nossa, como vc é corajosa! ” ou “vc é louca por viajar sozinha ” , “deve ser muito chato viajar sem companhia, eu não faria” . Mas como vc falou, não me sinto corajosa por isso, no caminho conhecemos pessoas fazendo o mesmo.. A verdade é que viajar sozinha se torna algo tão natural, pq é quando vc mais se conecta com quem vc é, é o melhor exercício de autoconhecimento.

  2. Adorei a leitura. E me vi enqto lia. Tb gosto de viajar sozinha , mudar tudo que planejei para aquele dia é fazer completamente diferente. É tb adoro no fim do dia curtir meu quarto, rever as fotos tiradas e até jantar , sozinha. Gosto da minha companhia rs. Bjs.

  3. Cara, que post real! Depois de andar o dia todo ainda dar de cara com farra no hostel é complicado. E no dia antes de voltar pra casa que você quer dar aquela espalhada nas coisas pra planejar o espaço da mala/mochila e só tem a cama de solteiro do hostel? Fora a questão de fazer o que quer sem ter ninguém preferindo “ir no shopping ver se tem perfuminho com preço bom”.

    Viajar sozinha é uma oportunidade maravilhosa de descobrir uma série de qualidades que te servirão em diversos momentos, de diversão ou seriedade.

    Viajei sozinha pela primeira vez para Lima no Peru. Peguei um Uber pra ir embora e o motorista fez um tour comigo e me levou pra tirar fotos em locais que não imaginei que existiam lá. Me ajudou com as malas no (caótico) aeroporto em Callao. A gente trocou os contatos. Ficamos amigos. Em julho de 2017 eu volto pra lá para batizar a primeira filha dele 🙂

    Seu blog é sensacional!

  4. Maravilhoso post!

    Esse ano fiz minha primeira viagem internacional solo 🙂 Fiz Montevideo – Colônia – Buenos Aires e nunca me identifiquei tanto com um post como agora! Em todos os itens super me vi, até mesmo no tópico sobre hostels, que eu gosto, mas que, por algumas vezes, eu tinha que dar uma fugida pra ficar mais sozinha. Mas, pesquisando muito, tanto em Montevideo quanto em Buenos, consegui ficar num hostel mais tranquilo, sem festa ou muita badalação. Mas, claro, sempre tem aquele grupo introsado demais com todo mundo.

    No mais, é muito difícil encontrar um quarto de hotel que se encaixe numa viagem de baixo custo, amaria um site nesse formato que você propôs!

    Enfim, admiro o seu poder de resumir coisas essenciais sobre viajar só e já estou me planejando pra próxima!

  5. Bom eu tinha uma viagem para Santiago hj. Perdi o vôo, eu ia sozinha e me enrolei pq n sabia se ia ou n ia..medo de me decepcionar, de não me surpreender.. seria a primeira vez q eu iria ver neve.
    Fiz uma viagem para Argentina ano passado meu cartão de crédito, apesar de eu ter desbloqueado no banco, não funcionou. Fiquei com medo que acontecesse algo parecido

    1. Cláudia, esse tipo de perrengue acontece, mas não é motivo para parar de viajar. E não é porque aconteceu uma vez que vai acontecer de novo. Perder esse medo bobo ou vai com medo mesmo, as coisas parecem muito maiores na nossa cabeça do que quando estamos vivendo elas na realidade.

      Abraços

  6. Que maravilhoso esse texto por reforçar que 1. a gente realmente não se sente muito corajosa mas sempre acaba ouvindo isso, 2. tem muito mais gente viajando sozinha do que a gente sabe (boas surpresas pelo caminho) e 3. é normal se cansar das pessoas! hahaha Eu sempre me canso das pessoas, mas viajando sozinha a gente acaba se “cobrando” mentalmente de conhecer gente, né?
    Vou embarcar na minha primeira aventura sola em Junho e curti as reflexões 😉

  7. Comecei a viajar sozinha acerca de 3 anos e só tem uma coisa que acho ruim: não ter começado a fazer isso antes! Já viajei por várias cidades no Brasil, Argentina e Chile. E essas foram as melhores experiências de viagem que já tive. E, como você Luiza, eu adoraria um site de hospedagem mais em conta para viajantes solo. Eu também não curto muito quarto coletivo, mas a diferença de preço de um hostel para hotel é enorme. E, sério: eu topo muito contribuir/investir num projeto de hospedagem para viajantes solo.

  8. Olá!

    É muito bom ler sobre as impressões de outra viajante solo!
    Ainda causamos espanto, mas, a verdade é que depois que se viaja sozinho uma vez se sabe o quanto isso é uma coisa importante para o nosso crescimento pessoal!

    Parabéns pelo post!

  9. Oi Luiza,
    Conheci seu blog ontem e já estou adorando suas dicas. Apesar de já estar meio velhinha, fiz 58, só agora vou começar meu sonho de viajar que tive que guardar por todos esses anos bem no fundo da gaveta. E ainda por cima, vou começar sozinha! Tenho que confessar que apesar de estar planejando a viagem só pra abril, já sinto vários friozinhos na barriga, só no planejamento. Rsrs estou pensando em começar por Portugal, pois li em outro blog que eles incentivam a ida de brasileiros aposentados para que possam viver lá. Acho que poderia ser uma experiência interessante! Então começo por lá e depois saio visitando outros países. Não consigo me imaginar num quarto coletivo e dividindo o banheiro.rs você indica algum hostel em Lisboa que tenha quarto com banheiro privativo e que fique num bom ponto da cidade? Um abraço.

  10. Eu de novo! rsrsrs

    Minha viagem está chegando e começando a dar um frio giganteee na barriga, Luiza!
    Tenho uma duvida que está me consumindo: segurança nos hostels, por mais que a classificação dele seja muito boa, coloquei a doleira e senti o passaporte, docs e dinheiro meio que me incomodando..rsrs.
    Como tem as praias no entorno de lisboa, como faço então se preciso ficar com ele 24 horas do tempo por segurança?

    Beijos

    1. Cris, prefiro não arriscar. Uma vez no Stayokay Voldelpark eu um canadense deixamos notebook e Smartphone carregando, havia um asiatico no quarto que durante a madrugada entrava e saia do quarto diveeeersas vezes, fato que nos deixou desconfiado e acabamos perdendo a paciencia e recolhendo nossos aparelhos, magicamente ele parou com as entradas e saidas! Ou seja, pessoas mal intencionadas tem em todos os lugares… Lookers, podem ser violados, principalmente aqueles que temos que colocar cadeados.

      Tambem não vai ficar para cima e para baixo com toda a sua grana da viagem. Eu gerelmente compro um courrency card nas lojas de cambio e pago tudo com ele (como se fosse um cartão de debito em conta. Se perder o cartão basta ligar para um numero (0800) e vão te indicar um lugar para pegar um novo cartao e cadastrar uma nova senha. Para pequenas despesas voce pode usar este cartão e sacar dinheiro em especie … deixa sempre uns 150 eur em dinhero vivo com voce quando acabar voce saca de novo em qualquer ATM.

    2. Oi Cris,

      Tem muitos hostels que oferecem um cofre, em geral na recepção. Caso você não se sinta segura de deixar no locker do quarto, essa pode ser a solução.

  11. Boa!!

    Concordo com tudo. Amo viajar sozinho … o chato é o lance das fotos (kkk). Não sou fân de Hostels, muito pior sozinho, sem a sua turma para preencher o quarto. Me hospedei tres vezes em hostels e sinceramente prefiro diminuir dias de viagem, ficar mais afastado…qualquer negocio.

    Quem nunca viajou só, faz uma experiencia!

      1. Gente, fica em airbnb. É uma maravilha. Viajo sozinha direto e DE-TES-TO hostel e tb não suporto aquela conversação…kkkk
        Só ficava em hotel, mas como já tinha feito algumas viagens ao exterior este ano e queria fazer mais uma (Acabei de voltar de uma viagem de 40 dias pelo Reino Unido, Islandia e sul da França) e a $$$ estava apertada, optei pelo airbnb e, na maior parte das vezes, me dei bem.
        Tb viajo muito sozinha. Já conheço 54 países, mas pós-30…rs..
        Acho um pouco mais chato viajar sozinha pelo Brasil. Tô querendo ir para o Rio e para Trancoso e Pipa nas proximas ferias. Gostaria de ficar em airbnb no Rio e hotel nos demais, mas ao mesmo tempo gostaria de conhecer pessoas para sair a noite. Acho meio chato sair a noite sozinha no Brasil.
        Meu dilema atual é: como conhecer pessoas sem ter que encarar um hostel?

        1. Airbnb é coisa linda mesmo Paty.

          Mas aqui, porque você acha chato viajar sozinha no Brasil? É o país mais fácil para você conhecer pessoas durante a viagem, não?

  12. Olá Luiza! Eu sempre te leio e fico admirado com seu sonho/plano que era de chegar a 30 países antes dos 30. De verdade, isso foi o que sempre me tocou mais. (e o fato de morar em Portugal, que é onde desejo morar o mais rápido possível…) – antes de ir para um hostel (copenhagen) eu jurava que gostava de pessoas… além de não ter saco para bêbado, maluco, e gente que acorda com cara de “eu te odeio”, foi uma experiência que não curti mesmo. Trabalho com teatro, dou aulas, então tenho um certo traquejo com pessoas, mas ser obrigado a estar com elas muitas horas, é algo que eu não quero mais. rsrsrsr
    Eu fiquei muito curioso sobre seu trabalho – e o que você faz em Coimbra, se não é universitária.

    Abraços, e parabéns pela sua conquista! Eu realmente fiquei feliz por você!

  13. Me identifiquei litros! hehe. Isso de pedir ajuda é algo que tenho tentado trabalhar há um bom tempo. Na última viagem que fiz, as pessoas que conheci fizeram toda a diferença, mas ao mesmo tempo percebi que às vezes me canso de gente também – e de certos desconfortos de compartilhar quarto em hostel que antigamente não me incomodavam nem um pouco. #velha 😛 Sobre o estilo de viagem, além de acabar julgando os outros, acho que a gente corre o risco de colocar pra nós mesmos um certo padrão que determinamos como nosso, né? Rótulos e comparações são ruins até a nível individual, mas é vivendo e aprendendo! E imaginei que tinhas que passar mais tempo em cada lugar mesmo, dois meses de viagem na correria seriam uma canseira sem tamanho! Cadê o roteiro da viagem completa? Já rolou? 😀 Beijo!

  14. Depois de viajar bastante sozinho, eu acho que viajar acompanhado é mais difícil. Lidar com pessoas dá muito trabalho. Mas, por outro lado, ter alguém especial pra compartilhar novas experiências é fantástico.
    O que me incomoda qdo viajo sozinho são as mesmas conversas superficiais a cada novo contato.

    1. Concordo. O que mais senti falta quando estava viajando foi compartilhar experiências com as pessoas que amo. Mas as redes sociais têm ajudado muito a diminuir isso.

  15. Sempre viagem com os filhos, agora eles já estão maiores e fiz minha primeira viagem sozinha para Paris e Londres. O medo maior é antes de ir. Quando se está lá, é bom, com alguns momentos ruins de estar sozinha. No geral, impossível se arrepender de qualquer viagem. Vou fazer de novo, várias vezes!

    1. Oi Yeda,

      Eu acho que esse medo antes de ir é normal. Ele só não pode te dominar e te impedir de fazer coisas enquanto estiver viajando..

  16. Adorei seu post! Já viajei sozinha algumas vezes, mas sempre no Brasil. Desta vez estou planejando uma pequena viagem para Santiago e Mendoza e estou super animada!!!! Também já ouvi sobre a minha “coragem”, mas não acho que seja isso! É apenas a vontade de viajar!!!!

  17. Eu adorei o post! Estou viajando sozinha e como vc, não gosto muito de gente que fala muito e a toda hora, parece carência e eu aprendi a gostar de estar só e amo viajar assim. Valeu o post!

  18. Muito boas dicas! Só viajei uma vez sozinha e durante menos de uma semana e para visitar amigas entre várias cidades. Um dia quero fazer uma viagem assim!

  19. Oi Luiza! Estou mto aliviada de conhecer mais alguém que precisa de some time alone pra sobreviver kkkk vc já tentou achar um quarto individual no Airbnb ao invés de hotel? Os preços podem ser mais em conta dependendo do caso. Beijo!

  20. Já fiz algumas viagens solo e,para ser bem sincera,não me stressei em momento algum,aliás até prefiro pois conheço aquilo que eu realmente quero.

  21. To indo amanhã para a Europa sozinha! todo mundo tem me falado que sou corajosa.. mas também não me sinto assim.. a única coisa que eu tenho certeza é que viajar sozinha é para poucas mulheres!
    #megaansiosa
    adorei o blog!

  22. Maravilha!! Amei o post!
    Viajar é uma das melhores coisas da vida! E se for sozinha, melhor ainda! rsrs
    E sim, também preciso dos meus silêncios depois de um dia de passeios e descobertas!

  23. Oi Luiza =)

    Acompanhando o site, a página e lendo esse teu texto, minha dúvida ficou ainda maior.
    Gostaria de saber o que exatamente você quer dizer com “finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”.

    Você, a Natália e o Rafael se sustentam financeiramente de anúncios do blog? Escrevem pra outros sites e veículos? Fazem freelas?

    Também sou jornalista, mas no momento não atuo na área. Mas quero uma vida assim, mais livre, e gostaria de saber como é isso, de trabalhos que nos permitem trabalhar remotamente.

  24. Adorei o texto Luísa, acho que ele reflete muito sobre o que nós viajantes solos sentimos, parabéns!Ah, ter te conhecido pessoalmente só me provou mais ainda que o 360 é tudo de bom 🙂 Sucesso sempre!

  25. Fiz uma eurotrip ano passado por 3 meses sozinha e foi um marco na vida! As vezes sinto muitas saudades daquele periodo e fico fazendo planos para o próximo mochilão. XD

  26. Minha primeira experiência de viajar sozinha foi pra Madrid num reveillon!!! Eu queria mesmo esse tempo sozinha, mas fiquei num hostel maneiríssimo e conheci muuuita gente legal todos os dias. Tanto que dei um perdido num grupo de conhecidos bem na hora da virada e outro numa ida a um museu, porque a ideia era não esperar ninguém, andar sozinha pra onde quisesse a hora que quisesse. Foi libertador. hahaha

    Tive dias de passear sozinha e outros acompanhada. Curti os dois. Entendo perfeitamente o que você quer dizer. É bom, né?

  27. Sempre fui antissocial e as viagens com mais de 4 pessoas sempre me cansavam.Nos últimos anos comecei a experimentar a viajar sozinho e percebi que comecei a aproveitá-la melhor.Escolher passeios sem se preocupar com outras opiniões, comer onde quiser, viver o lugar onde está visitando de forma mais plena.

    Parabéns pelo site.

  28. Ei, Luiza, super me identifiquei! Especialmente nos quesitos: ser muito independente, gostar de estar só, não me ver como “muito corajosa” por encarar viagens solo. Eu tento sempre melhorar minha auto suficiência, não gosto de depender de ninguém, mas sei que isso não é bom e pode passar uma impressão de uma certa soberba ou orgulho. Porém, isso não me impede de pedir a um “estranho” que tire fotos minhas. Taí, não vejo isso como dependência! Não costumo me hospedar em hostels, prefiro buscar hotéis mais em conta e mesmo quando viajo em grupo, de amigos ou família, fico em um quarto single, tal é a minha necessidade de ficar sozinha. Muito embora, me considere muito extrovertida é fácil de me enturmar ou de conversar com estranhos. É claro, o mundo com 7 bilhões de pessoas, existem milhares delas viajando só! Somos apenas mais uma…

  29. Ei, Luiza, também sou de BH e também adoro viajar sozinha. Concordo com a maioria do que você disse, mas adoro ficar em quarto coletivo. Acho que a maioria das pessoas é respeitosa, e eu fico sozinha o quanto eu quero.
    Mas, como alguém falou em cima, nunca fico em party hostels, sempre procuro os que falam na descrição que é um lugar calmo. To querendo tentar couchsurfing na próxima.

    1. Ei Julia,

      É você que costuma comentar muito lá no Instagram tb, né?

      Você é uma das poucas leitoras que realmente gosta do quarto coletivo, hehe. Eu gosto de hostels, mas detesto os dormitórios. Só fico por uma questão de economia mesmo.

      Couchsurfing é muito legal. Vale a pena experimentar!

      1. Sou eu sim, to adorando as fotos da República Tcheca. To notando pelos comentários que a maioria das pessoas não gosta de quarto coletivo, acho que eu tive mais sorte. To escrevendo de um agora mesmo, haha.

  30. Ótima reflexão, é impressionante a quantidade de gente que se espanta quando fica sabendo que nós, mulheres, também viajamos sozinhas.

    Ah e sou totalmente a favor do Room Alone! hahaha
    Quando não tem como fugir dos hostels, acabo procurando aqueles que parecem não ter a menor vibe festeira. O meu preferido foi um que as camas pareciam cápsulas, com cortininha e tudo rs!

    To longe de ser a pessoa mais extrovertida do mundo, mas a única coisa da qual eu sinto falta (além de ter alguém que tire as fotos hehe) é ter com quem compartilhar aquele momento especial quando a gente chega em um lugar que quis muito conhecer… hoje em dia basta voltar pro hostel e usar o skype né, mas não é a mesma coisa.
    Guardo até hoje o recalque de não ter tido a chance de liberar a minha criança interior da primeira vez que vi a neve hahaha

    1. Oi Camila,

      Amo esses hostels com cortina. Mais amor, porém, são para hostels com cama que não são beliches. Isso para mim é o ápice do luxo no dormitório! haha

      Eu às vezes sinto falta também de ter com quem compartilhar. Porém, eu sou um pouco louca e várias vezes comemoro sozinha ou solto exclamações para mim mesma. hahaha ou seja, minha criança interior é bem liberada, mesmo sem ninguém por perto!

  31. Na primeira (e por enquanto, única) vez que viajei sozinha pro exterior, senti isso tudo junto e misturado 😀

    Sobre a hospedagem… desta vez vou experimentar o homestay. Vamos ver como que é, mas tbem estou ficando sem paciência pra hostel… 😀

  32. Ei, Luiza! Leio tudo aqui do 360! Sou de BH também, estou morando em Madri e vou mudar para o Porto esse mês. Já mudei sozinha de país para estudar, mas nunca viajei sozinha. Vou para a Andaluzia 4 dias sozinha e estou bem animada, esse post veio em boa hora. Já tinha lido os outros e também foram ótimos. Obrigada! 😀

  33. Que post maravilhoso!
    Tem pouco tempo que descobri o 360 e estou adorando acompanhar os textos e as reflexões de vocês 🙂
    Me identifiquei muito com o item 4 também, hahaha o/
    Aliás, acho que esse é um dos clichês com que já me deparei viajando sozinha. Parece que tem uma certa pressãozinha pra sempre ficar em hostel, sempre ficar em dormitório, sempre ter que fazer novos amigos… mas às vezes você simplesmente não tá a fim, seja por cansaço ou por ser mais introvertido mesmo. No fim é aquilo que você também falou: cada um tem seu jeito de viajar e curtir os lugares, e o que importa é respeitar as escolhas de cada um.

  34. Que reflexão maravilhosa! Concordo com tudo.
    Acho engraçado as pessoas me acharem a pessoa mais independente do mundo só pq viajo (e faço tantas outras coisas) sozinha! Como as pessoas são dependentes dos outros..
    Tenho um lema: melhor ir sozinha do que não ir!
    Afinal, viajar sozinha não costuma ser a MINHA primeira opção.
    De fato, talvez não seja algo atribuído aos homens que viajam sozinhos, talvez eles estejam apenas seguindo seus instintos másculos e independentes (hahaha).
    Outra coisa, HOSTEL CANSA! Nem sempre você está na vibe daquele povo festeiro conversador que costuma se hospedar nesses lugares.
    Apesar de quase sempre me hospedar em HOstel, estou começando a repensar minhas hospedagens (talvez seja a idade .. )
    Adorei o post! :*

    1. Que nada! Tem muito homem que não suporta a ideia de viajar só. Na verdade, conheço poucas pessoas que (como eu) viajam só.
      E também sigo o seu pensamento: melhor viajar só que não viajar.
      Quase todas as minhas viagens “solo” eram projetos em grupo, que as pessoas combinavam e quando chegava na hora do “vamos ver”, desistiam. Ai eu acabava indo só mesmo…

      Diferentemente de vocês, eu adoro hostels =D.
      Mas consigo entender porque muita gente odeia, há grupos de viajantes que simplesmente são insuportáveis e acabam contaminando o ambiente.

      1. É, Felipe, acho que o problema está mesmo nessa dependência que temos dos outros (eu também tenho as minhas).
        Viajar só para os meus amigos (e amigas) é quase coisa de outro mundo.
        :*

      2. Aee, mais um que curte quarto coletivo! Vocês não estão sozinhos nesse blog, haha Acabei de responder a Júlia, que também é #teamdorm

        Eu não tenho nada contra hostels, mas realmente gosto de ter um quarto só para mim para dormir ou fazer o que quiser em paz.

    2. Melhor lema!

      Eu acho que homens que viajam sozinhos também são julgados, mas bem menos. De qualquer forma, a nossa sociedade não sabe lidar direito com pessoas sozinhas…

      1. A sensação de viajar sozinha é maravilhosa, quando você começa não quer mais parar…rs Depois que fiz minha primeira viagem sozinha, minha missão se tornou encorajar outras mulheres a fazerem o mesmo através de meu blog.
        Lizandra Telles
        roteirosparaviajantes.com.br

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.