5 Reflexões sobre viajar sozinha

57 dias, 7 países e 24 cidades. Cá estou eu, em Praga, meu último (e breve) destino antes de embarcar de volta para Portugal. Foi uma aventura e tanto, a primeira vez que viajei tanto tempo sozinha, mesmo descontando os momentos que encontrei com amigas durante o trajeto. Em primeiro lugar, os motivos para comemoração: Yeey, completei a tal meta de visitar os 30 países antes dos 30 anos! Mas essa, certamente, não foi a grande conquista dessa viagem.

Eu já escrevi alguns posts sobre viajar sozinha, mas depois dessa jornada, fiz mais algumas reflexões sobre o assunto.

1. Você vai descobrir mais coisas sobre você: boas e ruins

Sabe quando você viaja com outra pessoa e descobre várias coisas sobre ela, como aquelas manias irritantes ou coisas do gênero? Pois é, viajar sozinha é um exercício excelente de autoconhecimento e introspecção, todo mundo já deve estar careca de ouvir isso. Mas, de fato, você se dá conta daquelas coisas sobre você que podem irritar os outros. Ou coisas que você sempre tentou negar sobre si mesma, mas quando está só com a sua própria companhia durante tanto tempo, passou a ter que aceitar.

Por exemplo, eu tento ser mais autossuficiente e independente que o necessário. Do tipo: eu evito o máximo possível pedir ajuda para alguém sobre como chegar num lugar. Eu sempre fiz isso em viagens acompanhada, onde acabo sendo a guia (ou o mapa) da galera, mas isso acaba parecendo ser bem autoritário e irritante da minha parte. Estando sozinha, eu percebi isso com mais clareza, principalmente porque eu vi que não faz mal pedir ajuda, que eu não preciso saber tudo sozinha. Essa viagem foi um exercício de, acreditem ou não, tentar ser menos independente e mais aberta a ouvir outras pessoas.

Mas se tem uma coisa que eu continuo não querendo pedir ajuda é para tirar fotos. Gente, que desastre! Isso até gerou uma discussão bem legal no Instagram, com dicas de como tirar fotos melhores ao viajar solo. A maioria das fotos de viagem que tenho são selfies ou fotos com o timer da câmera. 

Viajar Sozinho Foto de Estranhos

Foto que pedi pra alguém tirar pra mim

Viajar sozinho Vienna

Foto tirada com o timer da câmera

2. Meu estilo de viagem é só meu e não devo julgar os outros

Eu tenho meu estilo de viagem: gosto de planejar meu roteiro prévio antes de embarcar, mas nunca planejo o que fazer nas cidades até chegar lá. Gosto de ficar muito tempo numa cidade como base e fazer vários bate-voltas nos lugares ao redor. Gasto algumas horas por dia, ou um dia inteiro, trabalhando – afinal, viajar não é desculpa para eu não trabalhar. Por isso, acabo ficando mais tempo em alguns lugares que o necessário.

Nesses quase dois meses viajando, me deparei com pessoas com estilos de viagem completamente diferentes: gente que não tem trajeto nem nada reservado e decide aonde vai só no dia seguinte. Gente que acha que viajante de verdade só viaja de carona. Gente que faz todo o roteiro a pé ou de bicicleta. Gente que fica um dia num lugar e já pega o avião no final da tarde para outro.

Viajar Sozinha Selfie Luiza

Apesar de alguns desses estilos de viagem me causarem estranheza a princípio, eu aprendi, depois de breves conversas com essas pessoas, que o trajeto de cada um só é da conta de si próprio. Não cabe a mim ou a ninguém julgar o estilo de viagem ou o que as outras pessoas querem fazer das suas férias, do seu período sabático ou da sua vida na estrada.

Leia mais: Clichês de viagem que merecem um tapa na cara

Isso até mudou um pouco a minha forma de responder comentários aqui no blog. Às vezes, percebi que posso me expressar mal ao dar minha opinião sobre o itinerário de uma pessoa (mesmo que essa opinião tenha sido solicitada!). Eu tenho um estilo de viagem, que funciona muito bem para mim, mas pode não ser as férias ideais de muita gente. Não existe Copa do Mundo das viagens. Ninguém vai ganhar prêmio por ser o melhor turista ou viajante ou qualquer outro rótulo que inventarem amanhã. Ser mais aberta a essas diferenças foi algo que eu aprendi nesse trajeto.

3. As pessoas acham que você é muito corajosa, mesmo que você não se sinta assim

“Mas você está aqui sozinha?” A frase, seguida de uma cara de incredulidade, foi ouvida algumas vezes durante o trajeto. Quando eu dizia: Sim. Eles respondiam: “nossa que legal, como você é corajosa!” Esse espanto foi bem maior na Romênia e na Bulgária, países que os europeus consideram perigosos (leia-se, têm certo preconceito).

Eu, em geral, sorria e dizia que não era nada de mais. A verdade é que eu não estava mentindo. Sim, eu me sinto orgulhosa por viajar sozinha para países que eu não falo a língua e mal consigo interpretar os hieróglifos que eles chamam de alfabeto, mas não me sinto muito corajosa e nem especial por isso. Tem um monte de viajantes fazendo a mesma coisa, basta ir em um hostel para conhecê-los.

Eu não me meto em grandes aventuras, não pulo de lugares altos e certamente evito a maior parte dos perigos que eu posso, como andar sozinha em lugares escuros ou entrar em ruas ou florestas sinistras. A minha tal coragem vem de não seguir os padrões supostos para uma mocinha, de sair por aí com uma mochila nas costas e uma mala de rodinhas, do tamanho de cabine, e me propor a explorar os lugares o máximo que puder. Sem ninguém para me acompanhar.

Viajar sozinho selfie Luiza

Então, mesmo que na minha cabeça não tenha nada de mais eu pegar um ônibus local para cruzar um país, para muita gente eu sou o sinônimo da loucura e de uma alma intrépida. E, quer saber? Tudo bem! Se nesse processo eu inspirar mais alguém a embarcar nesse tipo de aventura, mesmo que não seja uma aventura tão cheia de adrenalina como os outros imaginam.

4. Nada contra hostels, mas gente me cansa

Durante essa viagem, eu tentei balancear os hostels e hotéis, além da casa de amigas, de forma que meu orçamento não ficaria muito comprometido, mas eu também teria períodos de descanso. Meu problema com hostels é que sempre tem muita gente. E várias vezes, depois de um dia inteiro explorando uma cidade sozinha, tudo o que eu quero é ficar sozinha.

Eu assassinei mentalmente muitos grupos de australianos, argentinos e coreanos que ficavam conversando alto do meu lado enquanto eu tentava trabalhar, ler, comer ou fazer qualquer coisa que não envolvia conversar com pessoas. Quem aí também cansa de conversar, levanta a mão nos comentários! 

E vocês lembram que eu fiquei bastante tempo em quase todas as cidades que me hospedei? Em geral, sempre mais do que três noites. Isso quer dizer que, nessas cidades, eu acabava saindo beeem mais cansada do que chegava. Então, meu aprendizado nesse caso – além do fato óbvio que eu estou ficando velha e chata – é que eu preciso evitar dormitórios pela minha própria sanidade. O problema é que quartos individuais, na maioria das vezes, são muito caros ou inexistentes. Deviam criar um site de busca chamado Room Alone. Se alguém quiser investir na minha ideia, manda um email. 😉

Luiza na Grécia

Ps. Mas se você quiser amigos durante a viagem, invista em hostels, É o jeito mais fácil de conhecer outros viajantes.

5. Tem muito mais gente viajando sozinho (a) do que você pensa

Depois do tópico anterior, deu para perceber que eu não sou exatamente extrovertida, mas até que fiz alguns amigos de um dia em vários lugares, em hostels ou Free Walking Tours. Todos viajantes solos. Conheci muita gente trabalhado com o Workaway também. Em minhas conversas com essas pessoas, um dos tópicos sempre era: E aí, você está curtindo viajar sozinha/sozinho? E a resposta era sempre um enorme sim.

Todo mundo que eu conversei exaltou as coisas que eu falo neste post: como é libertador não ter que comprometer suas vontades com outra pessoa, como é relaxante poder simplesmente acordar e fazer o que te der na telha, sem ter que pensar duas vezes, como é empoderador conseguir fazer as coisas por conta própria, sem a ajuda de alguém.

Então, se você ainda está na dúvida se deve ou não viajar solo, dê ouvidos aos meus breves companheiros de viagem e junte-se aos bons.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

92 comentários sobre o texto “5 Reflexões sobre viajar sozinha

  1. Certa vez perguntei ao meu filho: Tu vai sozinho no show? E ele respondeu: Vou, não nasci grudado em ninguém!
    Aprendi com ele a delicia de fazer muitas coisas sozinha!
    Teatro, festas, shows… e viajar. Mas gosto de hostel porque adoro conhecer as pessoa no café da manhã kkk e saber sobre seus motivos para estarem ali.
    Fiz pelo menos 5 amigos quando fui a Brasilia para a posse do presidente e em breve estarei visitando um deles no nordeste, só não fui ainda para o exterior sozinha, talvéz a insegurança se deve ao fato de eu não dominar nenhum outro idioma, mas quem sabe um dia me aventuro em outras terras de idioma português, espanhol ou italiano.
    Gostei muito de ler sua matéria.

    1. Oi Verusca

      Que bom que você descobriu esse seu lado e tem aproveitado a vida. É uma delícia viajar pelo Brasil. Para além do nosso país, vários destinos são fáceis para quem não fala inglês, como toda a América Latina e também, claro Portugal, Espanha e Itália.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.