Um país chamado Pará

Um país chamado Pará

Foi só dentro do avião que me dei conta do óbvio: eu estava a caminho da Amazônia. Quando garanti minhas passagens para Belém, numa promoção de milhas aéreas, pensei que iria visitar uma cidade histórica e de traços culturais e gastronômicos fortes. Muito fortes. Mas não pensei na maior floresta tropical do globo.

Até que o avião se preparou para pousar, não em Belém, mas no Aeroporto de Carajás, a escala tradicional desse voo. Durante 10 minutos, enquanto o comandante se preparava para o pouso, o mundo inteiro ficou verde.

amazônia, Pará

Uma imensidão sem fim, aquela imagem típica da Amazônia – faltava apenas um rio serpenteando por entre as árvores. Era tanto verde que achei que pousaríamos no meio da floresta. E foi quase. O aeroporto surgiu no último minuto, quando o avião, já quase tocando o solo, escapou das copas das últimas árvores.

Amazônia, prazer te conhecer.

Mas aquilo não era nada. Depois que os funcionários da empresa aérea fizeram uma rápida limpeza no avião, seguimos viagem. Não demorou 40 minutos para que um novo cenário amazônico provasse que aquela seria uma viagem incrível. Dessa vez a janelinha do avião virou camarote de frente para o rio.

amazonia-para

E foi só sair do avião para sentir aquela lufada de ar amazônico. Belém é quente o ano inteiro. Além de tornar o ar-condicionado num item obrigatório de vida, transformar os passeios ao ar livre num convite para ficar todo breado (para usar uma expressão local) e dispensar a utilidade do chuveiro elétrico, o calor também faz parte do combo Amazônia.

Fiz check-in no hostel, tomei o primeiro de muitos banhos frios e fui conhecer Belém. Para isso, tive a ajuda da Cândida, leitora do 360 e que, da forma mais simpática possível, se ofereceu para me mostrar a cidade dela. Cândida, não precisei nem de duas horas para me apaixonar por Belém. Acho que foi no passeio de barco, enquanto observava o pôr do sol num rio que mais parece mar. Ou então ao caminhar pela Estação das Docas, um exemplo de planejamento turístico de áreas antes degradadas.

Estação das Docas, Belém

Estação das Docas

Mentira. Isso tudo foi legal. Fantástico. Mas a verdade é que o Pará me conquistou pelo estômago. Que sabores são esses? Como entender o significado de tantas palavras novas? Tucupi e jambu, Maniçoba e Tacacá.  Como compreender uma comida que faz a língua tremer ou uma cachaça que faz tudo balançar?

E já que o assunto é culinária, é impossível não falar do Ver-o-Peso. Eu adoro mercados públicos e já vi alguns incríveis mundo afora, mas nada como o Ver-o-Peso, maior feira ao ar livre da América Latina. Do desembarque do açaí, que ocorre toda madrugada, às barracas que vendem os mais variados produtos: o Ver-o-Peso é um lugar para ir uma, duas, várias vezes. E descobrir coisas e sabores novos em cada visita.

Açaí com peixe no Ver-o-Peso

O Pará, com sua vastidão de temperos e tradições, é um estado único. Todo estado brasileiro tem seus traços marcantes, veja bem. Mas poucos te dão tantas diferenças quanto o Pará, que é quase um país. Até em área, afinal o estado tem o segundo maior território do Brasil – só perde para o Amazonas. Maior que Angola e que todos os estados da região sudeste juntos, se o Pará fosse um país, seria um dos maiores do mundo: o 22º, na frente de África do Sul, Colômbia e Egito. E com atrações para nação nenhuma botar defeito.

Belém, Pará

No domingo, meu segundo dia no Pará, fomos na Ilha do Mosqueiro, que fica perto de Belém. Água a perder de vista, nenhum sinal da outra margem, ondas e gente praticando esportes náuticos. “E isso é um rio”, disse a Cândida. Por mais que ela não tivesse razões para mentir, confesso que truquei.

 “Ahh, tá. Rio. Cadê a outra margem então?”.

Se Tomé só acreditava vendo, eu só acreditei ao caminhar pela praia, vencer as ondas e perceber que a água, sim, era doce. Não é que melhoraram o mar?

viagem pará

Dias depois, a caminho da Ilha do Marajó, tive mais uma prova da imensidão dos rios do Pará. Foram 3h30 de navegação fluvial. E em muitos momentos não era possível ver as margens – só o mundo em estado líquido.

A Ilha do Marajó é outro lugar fantástico, embora os brasileiros ainda não saibam disso. Os estrangeiros – sobretudo os franceses – já descobriram o local e estão por todos os lados. Praias, mangues e árvores retorcidas, fazendas e búfalos. Milhares de búfalos.

Ilha do Marajó

Segundo a lenda, os animais chegaram na Ilha do Marajó após um naufrágio. Eles nadaram até a terra firme, se adaptaram ao clima local e passaram a fazer parte do cenário. São seiscentos mil, o maior rebanho de búfalos do Brasil. Tudo na ilha está ligado aos simpáticos animais – da Polícia Militar, que faz rondas não em cavalos, mas em búfalos, ao lixo, que conta com a ajuda do bicho para ser recolhido. E ainda tem o queijo do Marajó. Esse eu não consigo nem descrever.

Ilha do Marajó, Pará

Pensa que acabou? Nós oito dias que fiquei por lá, o Pará me envolveu completamente. Jurei que vou voltar, quem sabe para conhecer lugares como Alter do Chão e Algodoal. Ou para testemunhar a força do Círio de Nazaré, um dos maiores eventos religiosos do mundo. Motivos não faltam.

Em época de dólar nas alturas, é hora de olharmos para as belezas do Brasil. Que tal sair da rota tradicional e conhecer o Pará? Eu garanto que você não vai se arrepender. Já passou da hora do brasileiro conhecer a Amazônia.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

86 comentários em Um país chamado Pará

  1. Amei o texto, e contente por minha terra estar comentada grandemente nele.
    O meu Pará é tudo sim o q tu viste e escreveste, mas te garanto tem muito mais.
    Deus é maravilhoso por nos abençoar com esse terra rica e bela por natureza.
    Volte sempre.

  2. Olá Rafael! Parabéns pelo texto! ainda não conheço Pará, mas compartilho da sua opinião que devemos nos permitir mais e explorar o Brasil em suas regiões não tradicionais para o turismo, mesmo sabendo que viajar pelo país ainda é tão caro!
    Pará e Amazonia, estão na minha lista!!!!!
    Abraços!

    • É caro, não discordo, Renata. Mas não é tão caro assim não. Pra Belém, o maior complicador é a passagem aérea. Mas comprando com antecedência, por conta própria e em promoções, fica em conta.

      E vale muito a pena. 🙂

      Abraço.

  3. Meu Parazão é lindo mesmo. Temos muito mais além da bela paisagem e comida. Temos arte, times rivais de longa data, um jeito de falar diferente, tão diferente que dentro do mesmo Estado você vê vários sotaques. Venham conhecer o Pará!

  4. Oi Rafael,
    Uma pena não termos nos esbarrados por aqui por Belém. Provavelmente somos parentes! Vi no Face que pelo menos o meu primo Alexandre é seu amigo. Eu sou mineiro e moro em Belém do Pará a mais de 35 anos. Tenho um projeto que divulga as belezas do Estado. Dá uma olhadinha quando puder em http://www.expedicaopara.com.br
    E quando apareceres por aqui. Me manda uma mensagem para podermos trocar umas ideias.

    Show sua matéria!!!

    • Oi, Fernando. Olha que engraçado: vi seu comentário e num primeiro momento achei que era meu pai, que se chama Fernando também. haha

      Não conheço o Alexandre seu primo pessoalmente (por sinal, o Alexandre Sette Câmara de BH é meu avô), apenas por Facebook mesmo.

      Da próxima vez que eu passar por aí entro em contato com vocês. E faço questão de conhecer seu projeto sim!

      Abraço e desculpa pela demora na resposta.

  5. Eu não nasci no Pará, mas cheguei aqui aos sete anos e até esqueço que não sou paraense. Não me imagino longe daqui, sem meu açaí verdadeiro, minha farinha de tapioca, meu pato no tucuxi, minha maniçoba, meu tacacá, meu doce de cupuaçu, minha graviola, meus sorvetes da Cairu, meu Mosqueiro, e todas as coisas lindas e gostosas. Obrigada por descrever meu estado com tanta poesia!! Volte outras vezes, pra descobrir outras belezas e outras delícias!

  6. Ahhhh Rafael, obrigada por descrever minha terra com tanto carinho. Você me emocionou e me encheu de orgulho. Venha mais vezes. Nós, os paraenses, sabemos receber bem e ficamos muito felizes quando gostam da nossa terra.

  7. Amei ver minha terra sendo bem comentada aqui. É pra mim uma verdadeira honra ter nascido e continuar vivendo num lugar tão belo e rico em história e cultura.
    Acrescentaria a ilha do Cotijuba ao roteiro de viagem de quem pretende conhecer nosso estado, realmente vale a pena curtir cada pedacinho encantador dessa terra quente de povo quente.
    Abraços

    • Pode encarar como uma honra mesmo, Silvia. O Pará é lindo.

      Obrigado pela sugestão, tentarei conhecer essa ilha numa próxima viagem.

      Abraço.

  8. Gosto muito de textos que exploram os lugares desconhecidos e as vezes até ignorados. Tenho vontade de conhecer o Pará. E obrigado pelo texto…é difícil encontrar informações sobre o local!

  9. Olá Rafael!
    Cheguei ontem da minha terrina, fui passar uma semana e acompanhar o Círio de Nazaré, moro em Brasília a 17 anos, mas não dá para ficar sem ir pelo menos uma vez por ano em Belém, como pode notar, Belém tem muitos encantamentos e nosso povo é hiper enraizados com nossa cultura, logo, quem sai, volta, com certeza! Fiquei muito feliz em ler seu texto sobre nosso estado, conheço muitos lugares, mas acredito que nosso Pará é o estado com maior diversidade de riquezas naturais, temos tudo que imaginar, cachoeiras, igarapés, praia de água doce, praia de água salgada, serras, florestas, etc…volte para conhecer mais de nossas riquezas! Lindo ver nosso estado ser divulgado dessa forma! Abraço fraterno.

    • E como foi o Círio, Gladys? Vi fotos e achei tudo muito bonito e interessante.

      Vou tentar ir no ano que vem.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

  10. Que texto incrível, morei dois anos no Pará e sou apaixonadaaaaa por tudo de la, caso ainda não tenha ido para Algodoal e Alter do Chão retorne logo para conhecer pois são os lugares mais incríveis do PA.

  11. Vim para oa Pará visitar o filho de uma amiga. Minha amiga morava como eu em sp, o filho dela em Cametá-pa, conheci belem, amei, conheci cameta, me apaixone.Nunca maosa votei para SP.

  12. Sempre que bate aquela vontade de viajar, dou um pulinho aqui no 360 pra acalmar o coração (ou acelerá-lo em alguns casos…rs). Me emocionei com a matéria, achei linda. Sou de Fortaleza e nunca fui ao Pará, mas deu uma vontade imensa de conhecer! Obrigada pelo post 🙂

    • Fico feliz pelo seu comentário, Ligia. Esse era justamente o objetivo: mostrar que o Pará é um lugar fantástico, que merece muito a visita.

      Abraço.

  13. Nossa sou Paraense, e fiquei emocionada em ler seu post, me deparei com ele no Facebook de uma colega, vc descreveu minha cidade, meu estado com riqueza de detalhes, confesso que li com lagrimas nos olhos,e volte mesmo, ainda tem muita coisa pra conhecer pode ter certeza, nunca sair da meu estado e confesso que ñ tenho vontade, vivo em uma cidade com mazelas como qualquer outra, mas onde ainda posso sair, me divertir, ver o pôr do sol no portal da amazônia, tomar uma água de coco no foste castelo, ver o voo das garças no mangal das garças, come uma caldeirada em Icoaraci a água de coco de lá também é perfeita, fora vista de frente para o rio, e se quiser ainda pode sair de Icoaraci e ir parar em Cotijuba uma ilha linda com praias paradisíacas, são tantos locais bem pertinho da cidade q

  14. Obrigada Rafael pelo carinho com nosso Pará. Pessoa como vc serão sempre bem-vindas.
    Acabei de chegar de Alter-do-Chão e confesso que mais apaixonada pelo estado…
    Obrigada pelo texto lindo. Deus te abençoe!

  15. Ola Rafael!! Parabéns pela matéria maravilhosa,sou paraense mas moro no Japão há quase 20 anos…morro de saudades da minha terra,do cheiro,das comidas,das belezas,das praias,da cultura…meu estado e lindo!!! Se puder volte la no Círio de Nazare,vc irá ver uma das maiores demonstração de fé do mundo,uma festa linda!!! Saudades imensas da minha “Cidade Morena”,”Cidade das mangueiras”,da minha “Perola da Amazônia”!!!!
    Abraços

    • Vi fotos e relatos do Círio. Deu muita vontade de ir mesmo, Margareth. 🙂

      Volta para matar suas saudades! Nem que seja por uns dias só. haha

      Abraço.

  16. Rafael, tu chegastes a visitar a Ilha do Combú no outro lado de Belém? Tem vários restaurantes lá. Coisa de louco de tanta beleza! Amazônia pura!

    O Pará é enorme mesmo, se quiser conhecer ao menos a metade tem que voltar várias vezes hahahahahahah

    Algodoal é a minha praia predileta e é bem roots tem que atravessar de barco (Lá é mar).
    Salinas é uma praia mais ‘glamourosa’ e é mar. Mar também tem Ajuruteua na região Bragantina.

    Agora não deixa de conhecer o Rio Tapajós em Santarém, nunca fui, mas irei ano que vem. Veja as fotos e as praias e se apaixone… Sim, tudo aquilo é Rio <3

    Obrigada por divulgar nosso estado!

    • Visitei sim. Almocei lá e achei lindo! Vista incrível.

      Pois é, uma viagem só não dá. Tem que conhecer aos poucos. hehehe

      Abraço e obrigado pelo comentário.

  17. Olá meu querido. Muito feliz em sabe q existem pessoas como VC q respeitam nossa terra. Obg pela linda matéria. Vc n sab como tenho orgulho desse lugar maravilhoso. Volte sempre! Bjos no coração!!!

  18. Oi Rafael, achei de um cuidado incrível o seu texto. Muito obrigada pelo carinho para com a minha terra que ainda hoje é alvo de tantos preconceitos. Moro em Brasília hoje mas tenho o maior orgulho de ser de Belém. Abraço,

  19. Rafael, amei sua reportagem, sua exposição foi maravilhosa uma verdadeira declaração de carinho. Ao ler parece que estou vivenciando com você cada momento. Recordei meus passeios, idas e vindas do Marajó, Salvaterra e Soure, lugares energéticos em que você vai e volta energizado por suas belezas diversificadas. Volte sempre!
    Um grande abraço.

    2gmail.com

    • Considere o abraço dado e retribuído, Romena. 🙂

      E estou adorando receber tantos comentários carinhosos de gente do Pará. E também ver gente que não é do Pará pensando em viajar para lá.

      Abraço.

  20. Rafael, que bom que vc fez essa matéria maravilhosa divulgando o nosso estado do Pará para o mundo. Vc não só precisa, como deve voltar ao Pará e contar mais das belezas desse estado, que tal depois de conhecer Alter do Chão, dar uma voltinha em Juruti, Almeirim, Gurupá, Altamira, Alenquer, Uruará, São Felix do Xingú, em fim Conhecer as belas cachoeiras, igarapés e lagos no meio da Floresta é tudo muito lindo, eu só não vou garantir se vc vai querer voltar para sua terra depois que conhecer esses lugares, brincadeiras a parte mais tenho certeza que vas gostar.

  21. Foco feliz que você gostou do nosso Pará. Queria saber se tomou tacacá bem quente com pimentas! Com nosso costume tomar tacacá com muito calor!!
    Obrigada Rafael. Boa sorte

  22. Genteeeeee!!!! Não acredito que vcs vieram na minha terra!!!! Eu AMO esse blog e acompanho faz tanto tempo!!! Que bom que vc gostou Rafael!!! Mas tem muita coisa ainda que não te vi escrever: tomou sorvete? Curtiu a noite? Dançou vários ritmos misturados numa festa só? Passeou na Cidade Velha? srsrrsrsr!!! 🙂 😀 Tô brincando viu? Faça tudo no seu ritmo! Isso é só uma brincadeira pra te deixar com gostinho de quero mais! Abraços e até breve!

    • Oi, Mila! Sim, estive aí em agosto. 🙂 E fiz (quase) tudo isso que você falou.

      Vou escrever sobre tudo em breve. Esse é só o primeiro texto.

      Abraço.

  23. Sou estudante de Turismo na Universidade Federal do Pará e fico radiante com textos assim! Além dos comentários positivos dos seus leitores. O turismo agradece!! Obrigada e volte sempre!

    • Oi, Camila.

      Eu que agradeço pela simpatia e recepção que tive por aí. O Brasil é um país incrível. Já passou da hora de nós, brasileiros, começarmos a viajar mais por aqui.

      Os gringos adoram nossa terra. Temos muitos motivos para fazer o mesmo.

      Abraço.

  24. Só uma correção, a sua primeira parada no Pará se deu em Parauapebas, onde se situa a Serra dos Carajás, futura segunda maior mina de ferro a céu aberto do mundo, mesma cidade onde um vereador disse que o salário de vereador de aproximadamente 10 mil reais mal dá pra viver.

    • Agradeço pela correção, João. 🙂 A questão é só de nomenclatura de aeroporto mesmo. A própria Gol chama de Aeroporto dos Carajás.

      Imagino que seja algo igual ao que acontece com o aeroporto de Confins/ Tancredo Neves/ de Belo Horizonte.

      Abraço.

  25. Rafael, parabéns pela bela reportagem sobre o Para. Impressionante sua percepção de toda essa riqueza 💎 existente nesse estado que mais parece um país. Aproveito e faço um convite formal para você visitar a nossa bela Amazônia atlântica com as suas belas praias oceânicas. Um Para de praias lindas em especial a cidade de Salinópolis o famoso destino de sol e praia com as famosas praias do atalaia, farol velho dentre outras. Estamos lhe aguardando.
    Jean barbosa
    Sec. de turismo de Salinópolis

    • Quero muito fazer isso, Jean. Pode ter certeza que voltarei ao Pará em breve, com mais tempo, para conhecer os outros atrativos e lugares fantásticos do estado.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraço.

  26. Parabéns Rafael, sou paraense nato e tenho que te dizer que são pessoas como você quando visitam nossa querida Belém, fazem toda a diferença, adoramos acolher a essas pessoas que chegam para conheçer um pouco mais da nossa diversidade que é muito rica. Na próxima conheça algodoal, mosqueiro, salinas, bragança dentre outros. Grande abraço.

    • Oi, Alexandre. Obrigado.

      Mosqueiro eu conheci e adorei. Ouvi falar muito bem de Algodoal e Salinas. Pretendo voltar ao Pará em breve, provavelmente no ano que vem. E com certeza conhecerei esses lugares.

      Obrigado pelas dicas e pelo comentário.

      Abraço.

  27. Foi muito bom te ciceronear em Belcity, Rafa! Fico à espera do teu retorno, espero que com as meninas. Círio de 2016 é uma data deveras auspiciosa! O sorvete de açaí da Cairu está a tua espera!

    • Pelo sorvete de açaí eu volto é hoje, Cândida. Vou comprar minha passagem. haha

      Muito obrigado novamente. Foi uma experiência única, fantástica. 🙂

      • Égua da turma legal!!! Só gente bacana nesse blog, com textos muito legais e simpáticos. Sou paraense com orgulho e amo viajar, conhecer os lugares incríveis que Deus fez para nós. Tô muito feliz de ter encontrado o blog, parece que achei uma parte da família. Quando comecei a leitura desse artigo, me preocupei logo se alguém tinha feito as honras da casa, e fiquei grato pela vida da Cândida, que pelo jeito fez com maestria. Mas não monopoliza não Cândida, Kkk. Quando vc vier de novo quero estar junto te dar um abraço e bater papo sobre nossas cidades e viagens. Se precisar de mais uns guias, minha família ta a sua disposição para te acompanhar na linda alter do chão e outros lugares daqui, afinal amamos viajar. Vou aguardar vcs, Rafa, Cândida e as meninas para recebê los em casa, nem que seja para um bom almoço paraense. Vamos?

    • É tipo o destino que mais quero conhecer no Brasil neste momento, Sulene. Só esperando a primeira promoção de passagens pra lá.

      Tenho certeza que vai aparecer.

      Abraço.

      • Só não deixa de ir na “época certa” quando as águas do rio baixaram o suficiente pra exibir as praias.
        Eu sou do Pará e de certo modo estou acostumada com o tipo de paisagem, mas me senti especialmente emocionada e surpreendida comais o por do sol que assiste em um barquinho no meio do Tapajos. Foi incrivelmente lindo.
        Quando for não deixe de ficar na Pousada do Tapajos Hostel que é muito bom, e já vi nas listas entre os melhores do país (o dono acordou às 5 da manhã pra se despedir e entregar um café da manhã kit viagem e eu achei esse tipo de atenção sensacional).

  28. Ótimo posto! Realmente me deixou com muita vontade de conhecer o Pará, e olha que já moro na Amazônia. Por falar nisso, aproveito pra te convidar para conhecer Manaus.
    Se você gostou do Pará, Rafael, certamente vai se encantar com a nossa terrinha também (apesar do calor, que é ainda mais intenso).
    Toda a equipe do 360 será muito bem-vinda, pois o trabalho de vcs já me inspirou MUITO! Se quiserem podem se hospedar no meu apto (moro com meu marido e minha filha, mas gostamos muito de receber)
    Abs

    • Sempre fico grato por convites assim, Raquel. Mostra como o 360, por mais que vá crescendo, não perdeu a alma de blog, de lugar de encontro de pessoas e bate-papo entre leitores.

      Quase comprei uma passagem pra Manaus em Outubro, mas não deu certo. Mas em breve apareço por aí. 🙂

      Abraço.

  29. Ótimo post! Realmente me deixou com muita vontade de conhecer o Pará, e olha que já moro na Amazônia. Por falar nisso, aproveito pra te convidar para conhecer Manaus.
    Se você gostou do Pará, Rafael, certamente vai se encantar com a nossa terrinha também (apesar do calor, que é ainda mais intenso).
    Toda a equipe do 360 será muito bem-vinda, pois o trabalho de vcs me inspira MUITO! Se quiserem podem se hospedar no meu apto (moro com meu marido e minha filha, mas gostamos muito de receber).
    Abs

  30. Poxa Rafael, assim você acaba comigo nessa sexta-feira!
    Estava ansioso pelo relato do Pará, que a anos já vem me fazendo o convite de visitá-lo!
    Agora, quero ainda mais 🙂

  31. Já passei o ano novo no Algodoal. Foi o melhor da minha vida;o lugar é mágico.
    Quem não conhece o Pará não pode dizer que conhece o Brasil. Aquilo é outro país, com suas leis próprias, comidas, danças e música muito diferentes do que estamos acostumados.
    Sem dúvidas, vale a pena conhecer o Pará.

  32. Adorei tua visão da minha terra =)
    E concordo contigo, a paisagem é linda e exótica, os passeios são legais, mas é principalmente pelo estômago que o Pará ganha a gente! E nessa época agora então, a cidade já começa a cheirar a tucupi e maniçoba por causa do círio =)

  33. Gente sou paraense mas confesso que o estado do Pará tem mais atrativos para os os turistas como Salinas praia de água salgada, vale ressaltar que Mosqueiro tem as únicas praias de água doce no Brasil com ondas uma surpresa à parte, faltou incuir o Mangal das Garças, Museu de bichos da Amazônia, Bosque, Museu de Artes Sacras, Casa das Onze Janelas e outros mas só sei que vale a pena venha conferir.

  34. Confesso que apesar de já ter lido algumas coisas sobre o Pará nunca pensei em coloca-lo em prioridade como destino turístico no Brasil. Mas depois de ler esse post é impossível não ficar com vontade de fazer as malas agora mesmo!

    Ótimo texto! Parabéns

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: