14 livros de viagem escritos por mulheres

14 livros de viagem escritos por mulheres

Assim como ocorre em outras áreas da cultura e também na ciência, a literatura de viagens parece ser um universo dominado por homens. Talvez isso nunca tenha passado pela sua cabeça, tão acostumados que estamos a ver apenas nomes masculinos nas livrarias, entre os diretores indicados ao Oscar, entre as listas do Nobel e nos Top 10 da vida. Mas basta uma análise mais cuidadosa para constatar que a arte é território masculino.

Pegue essa lista do Viajeaqui, por exemplo. Entre os 10 livros de viagem citados, nenhum foi escrito por uma mulher. Essa outra, do site Nômades Digitais, conseguiu incluir uma escritora. Quem se saiu melhor foi o Catraca Livre: de 10 indicações, duas (e meia) são femininas. Ainda assim, resultados longe de serem representativos.

Mas será que essa falta de representação indica que as mulheres não escrevem tanto ou que a qualidade do que produzem não alcança o topo das paradas de sucesso? Claro que não. Elas estão lá, fazendo muito bem o que se propõem a fazer, viajando, vivendo aventuras, produzindo, sendo criativas. E, como prova, segue uma lista de livros e relatos de viagem escritos apenas por mulheres para aguçar sua vontade (e a coragem) de sair pelo mundo. Boa leitura! 😉

*Se os títulos aparecerem em inglês ou espanhol é porque eu não encontrei versão em português desse livro. Se você conhecer a versão em português de algum deles, por favor, me informe nos comentários.

The Nomad: The Diaries of Isabelle Eberhardt

The Nomad - Isabelle Eberhardt

Mesmo não tendo vivido muito, Isabelle Eberhardt teve tempo suficiente para desafiar todos os padrões de comportamento para mocinhas do século 19. Filha ilegítima de um aristocrata russo, nascida e criada na Suíça, ela era cross-dresser, tinha uma vida sexual ativíssima e um apreço pouco saudável por drogas.

Leia também: A história de Isabelle Eberhardt na nossa série Grandes Viajantes

Para completar, ela ainda foi se aventurar lá pelas bandas do deserto do Saara, adotando a identidade de um homem árabe e muçulmano. Ela morreu aos 27 em uma enchente em Ain Sefra, cidade onde vivia na Argélia, mas antes deixou diversos relatos riquíssimos de suas andanças, nos quais ela também expressava suas fortes ideias contra a colonização europeia na África. É ou não é incrível essa garota?

Destemida, Jessica Watson

Destemida - Jéssica Watson

Aos 16 anos, a australiana Jéssica foi a pessoa mais jovem a dar a volta ao mundo em um veleiro sozinha, sem ajuda e sem paradas. Ela passou 210 dias no mar e percorreu 24.285 milhas náuticas antes de voltar ao porto de Sidney. Vinda de uma família de velejadores, já sabia navegar aos oito e chegou a morar em um barco durante parte de sua vida. No livro, ela conta de sua infância, suas aspirações, das experiências no meio do mar e do que aconteceu depois de seu grande feito.

Full Tilt, Dervla Murphy

Full Tilt - Dervla Murphy

Quando ganhou sua primeira bicicleta, aos 10 anos, a irlandesa Dervla imediatamente começou a planejar uma viagem para a Índia. Foi preciso 21 anos para que o plano ganhasse vida e, em 1963, armada de um revólver que a ajudou a defender-se de lobos e homens, ela percorreu sozinha a Pérsia, o Afeganistão e atravessou os Himalaias até o Paquistão e a Índia, sempre sem medo e lidando muito bem com as adversidades do caminho. Os relatos dessa viagem foram compilados em seu livro mais conhecido, Full Tilt, mas muitas outras estradas e relatos vieram depois desse.

A Field Guide to Getting Lost, Rebecca Solnit

A Field Guide to Getting Lost - Rebecca Solnit

Rebecca Solnit já escreveu sobre a necessidade inerente do ser humano de caminhar e se deslocar, uma experiência política e cultural. Também já usou a fotografia para refletir sobre as transformações espaciais nos Estados Unidos durante o século 19. Ela já escreveu até um ensaio sobre como os homens adoravam explicar as coisas para ela e outros textos importantes na história do feminismo. Em A Field Guide to Getting Lost, no entanto, Solnit usa o deslocamento para fazer uma investigação sobre a perda, sobre perder-se e sobre o mergulho no desconhecido.

West With The Night, Beryl Markham

West with the night - Beryl Markham

Beryl Markham teve uma vida memorável. Rompeu com padrões sociais de sua época, viveu amores intensos e aventuras pouco usuais. Britânica criada no Quênia, aprendeu a pilotar um avião e, em 1936, foi atrás de seu sonho: cruzar sozinha o Atlântico de leste a oeste, no sentido contrário do que fez Amelia Earhart anos antes. Os relatos dessa viagem foram compilados nesse livro. Ah, vale a pena dizer também que Hemingway disse que ficou envergonhado de se dizer escritor depois que leu Markham.

El Síndrome de Paris, Aniko Villalba

El Sindrome de Paris - Aniko Villalba

Aniko é uma blogueira argentina que começou a viajar o mundo depois da morte inesperada de uma amiga. Às vezes sozinha, às vezes acompanhada, ela já explorou diversos países da América do Sul e da Europa, acreditando que as viagens eram a solução dos seus problemas.

Na França, escutou de um motorista de ônibus sobre uma tal Síndrome de Paris, um transtorno psicológico transitório que afeta os japoneses em sua primeira visita à cidade. De tanto imaginarem e idealizarem a capital francesa, sofrem um choque de realidade e de normalidade ao chegarem ali. A distância entre suas expectativas e o que encontram é tão grande que muitos começam a sentir ataques de ansiedade e desilusão. E é a partir disso que Aniko começa suas reflexões sobre viagens como estilo de vida.

Almost Somewhere, Suzanne Roberts

Almost Somewhere - Suzanne Roberts

Em 1993, após terminar a faculdade, Suzanne Roberts aceitou a proposta de uma amiga para que fossem percorrer juntas a John Muir Trail, na California. A ideia parecia perfeita para quem queria fugir dos problemas familiares e de um futuro ainda incerto (quem já se formou sabe como essa época é terrível).

A aventura, que mudou sua vida, é relatada em Almost Somewhere, que mistura suas memórias, descrições da natureza e relatos de viagem. No caminho, elas enfrentaram ursos, equipamentos quebrados, lesões e homens bizarros, mas também encontraram seu caminho como mulheres e aprenderam um pouco sobre a vida.

Queria ter ficado mais, coletânea Lote 42

Queria ter ficado mais - Livro

Foto: Divulgação

A coletânea reúne 12 textos autorais de escritoras e viajantes brasileiras que passaram por diferentes lugares do mundo, como Buenos Aires, Paris, Roma, Berlim, Nova York, Londres, Tóquio e Cisjordânia. Organizado em forma de cartas, os relatos possuem a mesma sensibilidade que colocamos quando escrevemos para um amigo querido.

Portas abertas, Aline Campbell

Portas Abertas, Aline Campbell

Aos 24, Aline Campbell deixou o Rio de Janeiro rumo à Europa sem levar consigo um centavo sequer – e apenas com uma mochila bem pequena. Pegando caronas, dormindo na casa de estranhos, Aline pretendia mostrar que o importa nesta vida, nas viagens ou fora delas, não é aquilo que a gente tem, mas sim os encontros, as pessoas e as histórias que vivenciamos no caminho.

Six Months in the Sandwich Islands, Isabella L. Bird

Six months in the sandwich islands - Isabelle Bird

Viajante incurável, Isabella Bird construiu sua fama por ser uma mulher viajante no século 19. Em seu livro Six Months in the Sandwich Islands, ela conta sobre o tempo que passou no Havaí. Composto por 31 cartas escritas para sua irmã, o relato é considerado um dos mais fascinantes e ricos sobre o arquipélago. Ali, ela descreve a vida no Havaí durante o século 19, acompanha a história local acontecer, fala com membros da nobreza, missionários, vaqueiros e gente comum que habitava as ilhas.

Four Corners, Kira Salak

Four corners - Livro de viagens

Percorrendo sozinha uma das áreas mais remotas de Papua-Nova Guiné, a pé ou em canoa, Kira Salak confrontou perigos e maravilhas ainda intocadas pelo mundo ocidental no século 19 e se tornou a primeira mulher a cruzar esse país. Ela se hospedou em vilas onde o canibalismo ainda era praticado, visitou curandeiros e fez amizade com o líder da guerrilha Papua Livre, que lutava contra a ocupação indonésia no arquipélago. Não é a toa que o New York Times a chamou de Lara Croft da vida real.

Livre, Cheryl Strayed

Livre - Cheryl Strayed

Aos 22 anos, Cheryl via sua vida desabar. A morte inesperada de sua mãe a jogou em uma espiral descendente que acabou afastando-a do resto de sua família, arruinando seu casamento, levando-a a uma vida de drogas e relações vazias e auto-destrutivas.

Quatro anos mais tarde, ela resolveu que iria fazer, sozinha e sem muito preparo, a Pacifc Crest Trail, um trilha de 1.770 quilômetros na costa oeste dos Estados Unidos. No caminho ela passou por muitas dificuldades, conheceu pessoas incríveis, viu paisagens deslumbrantes, mas principalmente se fortaleceu e teve tempo para digerir seus pensamentos, entender o que sentia e recomeçar.

Miles from Nowhere: a round-the-world bicycle adventure, Barbara Savage

Miles from nowhere - Barbara Savage

Em dois anos, Barbara percorreu 23.000 milhas e 25 países montada em uma bicicleta ao lado de seu companheiro Larry. No caminho, puderam comprovar a amabilidade das pessoas em todas as partes do mundo, enfrentaram desastres naturais, animais selvagens, doenças e várias alegrias da estrada.

Trilhas, Robyn Davidson

Trilhas - Robyn Davidson

Já imaginou cruzar um deserto montada em um camelo? Robyn Davidson se jogou nessa aventura acompanhada de quatro desses animais e sua cadelinha de estimação, ao longo de 3 mil quilômetros do deserto australiano. Ela teve que aprender a se proteger do sol, da sede, das cobras e dos homens que encontrou na estrada, perseguir e cuidar de seus camelos, entender melhor a cultura aborígene do país e se livrar de antigos vícios e traços de personalidade. O livro foi adaptado para o cinema com a atriz Mia Wasikowska no papel da protagonista.

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma. Siga @natybecattini no Instagram

47 comentários em 14 livros de viagem escritos por mulheres

  1. Olá! Conheci o blog pelo podcast do Conexão Feminista e, ao acessar a página pela primeira vez, já dei de cara com essa lista. Adorei!!

    Aproveito para deixar uma indicação também. “Amazônia, a Viagem Quase Impossível”, da Louise Sutherland. É sobre a viagem que essa neozelandesa fez de bicicleta pela Transamazônica em 1978, aos 52 anos. O livro é meio difícil de achar porque está esgotado na editora, mas encontrei num sebo.

  2. Um dos livros mais legais que li na vida é de uma viajante inglesa que conheceu a Patagônia chilena há mais de um século. Ela se chama Florence Dixie e o livro é ‘A través de la Patagónia’. Conheço esse em espanhol da editora da Univerdad de Magallanes, mas deve ter em inglês tbm. Recomendo muito!

  3. Dias atrás li que um desabafo da Liz Gilbert, autora do Comer, Rezar, Amar, sobre a desnecessária rivalidade entre as leitoras dela e da Cheryl Strayed. Acho que diz muito sobre a falta de conhecimento de historias de outras mulheres que inspiram mulheres comuns. Obrigada por compartilhar tantas sugestões. Abraços!

    • Ei Márcia, obrigada por comentar. Não sabia que havia essa rivalidade. Acho que tem a ver com isso que você apontou, e também com a desnecessária rivalidade feminina que insistem em criar sempre. :/

      Abraços

  4. “Ele se hospedou em vilas onde o canibalismo ainda era praticado”

    corrigir para ela hihi incrível como a gente essa dificuldade em colocar “ela” quando falamos de autores ou mesmo de falar “elas” no plural mesmo num lugar que só tem mulheres. Sempre acontece comigo.

    Arrasou na temática 🙂
    O blog de vocês tem me dando muita inspiração para começar o meu sobre feminismo e viagens, pode não parecer, mas as temáticas tem tudo a ver.

    sucesso pra voces 🙂

  5. Esses livros são demais, li “Livre” e me inspirei tanto que resolvi fazer uma trilha com uma grande amiga, nada como a PCT mas a verdade é que também estamos precisando de um recomeço.

  6. O blog de vocês é sempre bacana. Sempre pautas interessantes e bons posts. Sucesso pra vocês.
    “comer, rezar e amar” é de uma autora tbm, ñ? Eu gosto muito.
    Acompanho sempre, e ultimamente ainda mais, vasculhando tudo o que postaram sobre a India. Estou indo pra lá em Julho, pela Aiesec, trabalhar também.
    Já vasculhei sobre visto, civp, e sobre os roteiros da Asia pra estender e fazer logo um mochilão. Já vi os conselhos para mulheres (já que vou sozinha, aos 22) mas o frio na barriga ñ passa. Blog bem completo e interessantíssimo. Parabéns aos envolvidos 🙂

    • Sim, Comer, rezar e amar poderia entrar. Nunca li o livro, só vi o filme e gosto muito.

      Qualquer dúvida sobre a Índia e a Ásia pode perguntar!

      Abraços!

    • Fabiane, tem muitos outros livros para ler! Quem sabe nos comentários o pessoal não compartilha suas dicas e com o tempo eu atualizo a lista com mais indicações.

      Abraços!

  7. Muito legal! Vou procurar para ler! Temos um muito bacana também da brasileira Maíra de Freitas, relatando sua experiência de 1 ano morando do Timor Leste. Chama Destino: Timor Leste. Tem disponível na biblioteca24horas.com

  8. Legal !!! Eu li Full Tilt, estou me informando mais sobre como viajar de bicicleta, inclusive quero assistir o documentário do Danilo Perroti Machado que está saindo ! Vou colocar as opções na minha lista, com certeza! Obgada e um abrs

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: