fbpx
Tags:

Sobre pressões sociais, família, filhos ou escolhas diferentes

Há alguns meses, recebi um comentário aqui no blog que me rendeu risadas infinitas. Depois de rir muitos minutos sozinha, fiz algo que não é de costume e publiquei o dito comentário no meu Facebook, onde diversos amigos e conhecidos puderam rir comigo. A questão é que esse comentário não era uma piada, para tanta gente achar graça. Duvida? Compartilho aqui com vocês também:

“VC SÓ VIAJOU, NÃO FEZ MAIS NADA NA VIDA, FAMILIA ,PROCRIAÇÃO,,,ETC”

Isso, deixado num texto sobre um destino, daqueles bem práticos, que não tem nada de muito pessoal escrito. Mas esse indivíduo achou que era de bom tom entrar num blog, ler as dicas que eu dei, ler o meu perfil lá embaixo e decidir dar palpite na minha vida.

pressões sociais luiza casa porto

Enfim, eu só deixei esse comentário para vocês darem umas risadas também. Agora vou fazer uma reflexão sobre um assunto que considero ainda mais sério do que trolls na internet. O papo aqui é sobre as expectativas da sociedade com as pessoas – eu diria as mulheres especialmente, mas sei que homens também sofrem e muito com isso.

O assunto ainda casou bem com um livro que eu estou lendo, “Modern Romance”, do Aziz Ansari. No capítulo que li ontem, enquanto curtia a brisa da praia no Algarve, Ansari – comediante daquela série Master of None, da Netflix – se juntou com um sociólogo para investigar as questões de relacionamentos, amor, etc, nos dias de hoje.

Uma questão que fica bem clara é que, durante centenas de anos, o casamento era a instituição que fundamentava boa parte da vida das pessoas e até garantia a sobrevivência de muitas. Até, sei lá, os anos 60, muita gente ainda estava casando para sair da casa dos pais, entrar na vida adulta e seguir os passos obrigatórios: comprar uma casa, ter filhos, prover essa casa – se você fosse homem – ou cuidar dessa casa com as crianças – se você fosse mulher.

Saiba mais: Como viajar pelo mundo por um ano

Bem, o mundo mudou, para o bem ou para o mal. Há mais possibilidades na vida do que se casar. Não que você não possa ou deva se casar se quiser e bem entender. Mas claramente as pessoas estão fazendo isso mais tarde. Se minha avó se casou aos 19 e com a minha idade já tinha tido 5 filhos; se minha mãe casou-se aos 24 e na minha idade já tinha duas filhas e logo teria a terceira. Eu e minhas irmãs claramente não seguimos o mesmo caminho. Mas certamente não estávamos fazendo “nada” das nossas vidas. 

pressões sociais luiza preto e branco

Sei lá, mas a vida é muito longa e cheia de possibilidades para limitarmos tudo a se casar ou “procriar”. E por mais que o nosso amigo do comentário pareça completamente absurdo e muito engraçado, tem muuuita gente que reproduz esse tipo de pensamento sem usar palavras tão comicamente eloquentes.

Levante a mão aí todo mundo que já ouviu insistentemente de algum parente, distante ou não, onde estavam os namorados(as). Aí se tem namorado(a), ficam perguntando quando será o noivado. Depois, pressionam para saber quando será o casamento. Uma vez casados, logo vem a cobrança pelos filhos… E assim vamos nós. Ai de quem, em qualquer um dos momentos desse ciclo, tomar uma decisão fora das expectativas alheias.

Como assim você é solteira? Como assim vocês não vão se casar depois de X anos de relacionamento? Como assim vocês não querem ter filhos nunca? Esses são só alguns exemplos óbvios. Porque há infinitas possibilidades, como sugere Ansari, até viver sozinho com 7 iguanas. Ninguém tem nada a ver com essas decisões, mas as pessoas acham que sim. Acham que seguir essa cartilha é o certo na vida. Acham que você não será inteiro e feliz se decidir não ser do jeito programado pela expectativa social.

E vou ser sincera, mesmo a mais bem resolvida e decidida das pessoas vai, em algum momento, ficar abalada com tantas cobranças. Porque parece que todo mundo, sua família, a televisão, os filmes, o pessoal ao seu redor, todo mundo está seguindo um script muito antigo, você começa a se sentir um peixe fora d’água. Começa a pensar: será que tem alguma coisa errada comigo? Não importa se você decidiu dar a volta ao mundo, se quer focar na sua carreira, se decidiu chegar no pós-doutorado ou seja lá o que as pessoas queiram se dedicar e conquistar.

pressões sociais luiza matosinhos porto

A verdade é que a única coisa errada são essas pressões absurdas para que todo mundo tenha a mesma vida. Não tem nada de errado em querer namorar, casar, ter filhos ou 7 iguanas. Não tem nada de errado em não querer isso. Ou querer isso para mais tarde na sua vida. Ou até querer agora, mas não encontrar a outra metade disposta. Talvez não existam metades para todas as laranjas, talvez existam, mas elas deixam de ser compatíveis depois de um tempo. Ou talvez a laranja decidiu que se basta sendo meia. Tá, parei com as metáforas toscas.

A questão aqui é um grito de cansei, igual ao que a Jennifer Aniston deu outro dia. Sociedade, pare de achar que só casar e ter filhos é fazer alguma coisa da vida. Pare de achar que pessoas são incompletas, infelizes ou não-realizadas porque não encontraram um marido ou esposa ou não tiveram filhos. Já passou da hora do pessoal assimilar o fato de que romance e príncipe encantado não salvam ninguém de nada e que há muito mais coisas para fazer na vida do que ter isso como único foco.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Autor

  • Luiza Antunes

    Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.


Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Be the first to write a review

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

116 comentários sobre o texto “Sobre pressões sociais, família, filhos ou escolhas diferentes

  1. cada homem machista e ainda frustrado viu! só porque somos livres e quer saber, muitas vezes até nos bastamos.
    E quanto mais livres e independentes… longe de conceitos, perfis e enquadramentos
    e ainda se fugir à carga em que sempre fomos submetidas por ser mulher,
    somos incompreendidas e violadas moralmente e fisicamente.
    Não se deixa ser mulher apenas por ser mulher como indivíduo (em sua essência pessoal)
    ao que parece o papel que desempenhamos tem mais valor para a sociedade.
    calha bem a música do grupo francisco, el hombre “ela desatinou (…) mulher, você é seu próprio lar” 😉
    https://www.youtube.com/watch?v=lKmYTHgBNoE&list=RDJuRkzzZnOeA&index=17

    vamos gargalhar Luiza, parabéns pelo blog.

  2. O depoimento foi bem pessoal, convicto e interessante. Mas ao contrário do que disse que achou o comentário engraçado, parece que a colunista se ofendeu e estourou. Pessoas realmente têm dificuldade em compreender outras apenas porque são diferentes do padrão tradicional de família. E no balaio de opiniões da internet a reação é igual à ação.

    1. Oi Natanael,

      Achei seu comentário meio contraditório. Como eu posso ter estourado e sido convicta e interessante ao mesmo tempo?

  3. Cada dia fico mais apaixonado por esse blog! Indico fortemente sempre aos meus amigos!
    Todos os colunistas tem um cuidado muito grande ao criar conteúdos, e são sempre bem conduzidos, cheio de detalhes.
    É como se estivesse lendo capítulos de um livro, toda vez que leio um novo post de vocês! *L*

    Continuem assim! Continuem sendo luz para a sociedade viajante! S2

    Parabéns pelo blog 😀

    PS.: esse conteúdo veio na hora certa! 😉

  4. Olá Luiza! Já passei por essa fase e hoje estou numa fase light, qual seja, as pessoas ao meu redor parece que desistiram de cobrar para que eu e meu marido (com 7 anos de casados) tenhamos filhos. Nunca lidei bem com essa cobrança, tamanha a crueldade da sociedade. Tudo tem sua hora, não preciso ter uma vida exatamente igual ao da maioria, não somos robôs, somos seres humanos, cada um com sua particularidade. Pessoas muito próximas comentavam que eu não queria ter filhos porque não queria deixar de viajar. Chocada é pouco para o que eu senti com essa revelação. Além do que as pessoas me induziam a sentir: “tenha filhos antes que fique velha e não tenha pique para brincar com seus filhos” ou ao sugestionar a possibilidade de filhos gêmeos as pessoas falavam: “você é louca, você não sabe o trabalho que dá cuidar de um bebê, quanto mais dois”, ou seja, me cobravam ter filhos, mas ao mesmo tempo me desencorajavam tê-los, que loucura né? Hoje curto esse momento, em que temos certeza das nossas escolhas e no qual lutamos para realizar nossos sonhos (e aí cada um tem o seu e ninguém está nos nossos corações para saber o que realmente almejamos e o que é melhor para nós!)

  5. Nossa…que texto libertador!!! Eu tb me sinto assim, já passei dos 30 anos e sempre sou cobrada pelos parâmetros da sociedade. De acordo com a minha família, eu só sirvo pra viajar, por isso que não tenho reserva de dinheiro, uma família, filhos, etc…Mas estou tão feliz assim!! E no final das contas eu percebo que liberdade combina muito com felicidade!!!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.