fbpx
Tags:

A vida precisa de um ctrl f

A vida é como o Windows: trava quando não pode, exige atualização quando não estamos preparados para isso e parece ainda mais lenta numa segunda-feira chuvosa. Mas se a vida pudesse ser só um pouquinho mais parecida com o sistema operacional, muita gente pediria um comando para desfazer as coisas. Fez merda? Aperta ctrl z e vai fazer um café para se acalmar.

Eu não recusaria a possibilidade de desfazer as bobagens da vida, mas seria ainda mais feliz se o universo tivesse instalado um ctrl f, não por acaso o atalho que mais uso no dia a dia virtual. Só assim para encontrar qualquer coisa na bagunça que é meu computador. Ou melhor, na área de trabalho do meu computador, já que, para facilitar as coisas, taco tudo lá e depois me viro para buscar o que quero em meio a 300 documentos.

ctrl z, ctrl z, ctrl z, ctrl z from gifs

Como a vida imita o vídeo, tendo a me perder na minha própria bagunça. Mas no mundo real não tem ctrl f que me salve, ou então eu não teria tanta dificuldade para encontrar as chaves de casa. Os óculos, necessários somente para dirigir, também são perdidos com frequência, junto com guarda-chuva e, claro, o controle remoto da TV. Que nunca está no mesmo cômodo que a TV. Pelo menos o telefone é fácil de ser encontrado – basta ligar para achá-lo soterrado por mil almofadas ou do lado da pilha de louça suja, a única coisa que eu nunca consigo fazer desaparecer. E olha que já tentei.

Tirando o guarda-chuva, objeto que compro frequentemente, uso duas ou três vezes e esqueço na primeira oportunidade em algum lugar, assim que para de chover, raras vezes perco algo para sempre. Tudo acaba aparecendo de volta, normalmente depois que paro de procurar. Meu maior problema, na realidade, não é perder as coisas. É achar que eu perdi.

Já nem sei quantas vezes perdi meu celular justamente enquanto falava ao telefone. Eu começo o papo e, minutos depois, bato a mão no bolso e percebo que o celular não está mais lá – preciso de alguns segundos para controlar o desespero e perceber que ele está colado ao meu ouvido. Já cheguei ao ridículo de falar ao telefone que alguém tinha furtado meu telefone, para perplexidade do meu interlocutor.

Mas a mais célebre das perdas ridículas, campeã do ctrl f desnecessário, foi durante uma viagem de trem entre Varanasi e Calcutá, na Índia, com mais de 13 horas de duração. Em minha defesa, entrei no trem sabendo que aquele era um dos trechos com maior frequência de furto de bagagem do país, o que pode ter me deixado ainda mais atrapalhado.

Para evitar furtos, o conselho da polícia indiana é que todo viajante compre uma corrente e prenda suas bagagens ao pé da cama. Com cadeado. Não chegamos a usar correntes, mas eu passava bastante tempo amarrando as mochilas umas às outras, para depois amarrar uma delas ao pé da cama. O ladrão poderia até levar alguma coisa, mas teria trabalho.

A única mochila que eu não amarrava era a menor, onde estavam guardados objetos importantes, como o computador, o celular, a câmera e os documentos, entre eles o passaporte. Essa mochilinha dormia comigo, como travesseiro. Só pra garantir – o ladrão poderia até levar alguma coisa, mas teria que conseguir fazer isso sem me acordar.

Veja também: Histórias de uma viagem de trem pela Índia

Viagem de trem Índia

Trem Indiano 

No meio da noite, acordei com um movimento na cabine. Me levantei desesperado e fui verificar as bagagens que estavam amarradas no chão – todas permaneciam lá. Em seguida, revirei os lençóis em busca da mochilinha-travesseiro. Ela tinha desaparecido. Olhei de novo, acordei toda a cabine, mas não localizei a mochila. Desesperado, percorri o vagão de um lado ao outro e imaginei que o ladrão já tinha pulado do trem.

Pensei em pular atrás. Idiotice. Pensei em avisar a polícia. Idiotice maior ainda. Desolado, voltei para a cabine só para perceber que a mochilinha permanecia na cama, exatamente no mesmo lugar que tinha passado a noite inteira. No surto do sono, achei que tinha perdido algo que nem se moveu. Eu perco até o que não perco. E ainda passo vergonha. Pensando bem, tem horas que o ctrl z, atalho para desfazer bobagens, seria útil.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “A vida precisa de um ctrl f

  1. Esse texto…. \o/\o/\o/
    Sempre lembro daquele dia dia em que fiquei desesperada berrando: “meu Deus, cadê meus óculos?”, para ouvir a resposta meio desconfiada do interlocutor: “Qual? Esse que tá na sua cara?” Sim, eu sou esse tipo de pessoa tapada….

  2. Acho que nunca me identifiquei tanto com um texto, Rafa. E essa é minha maior preocupação em viajar sozinha. Perco o telefone 3 vezes por dia, já até “roubaram” ele propositalmente pra que eu parasse de perdê-lo mas é impossível…a síndrome de procurando Dory é real!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.