Lampião, Maria Bonita e a história do Cangaço

Lampião, Maria Bonita e a história do Cangaço

“Eu mesmo matei Maria Bonita com dois tiros e arranquei a cabeça dela”, disse José Panta Godoy, numa entrevista publicada pela Folha de São Paulo, em 1996. Então um octogenário, o ex-cabo também afirmou ter dado o último tiro em Lampião, mas garantiu que só soube quem era porque ‘um companheiro da volante (a polícia) que conhecia o cangaceiro o alertou para não destruir aquela cabeça’. Essa entrevista está exposta no pequeno Museu do Sertão, em Piranhas, cidade às margens do rio São Francisco.

Lampião e seu bando foram derrotados em julho de 1938, na Grota do Angico, atual município de Poço Redondo, em Sergipe. O assassinato de Lampião colocou um ponto final no cangaço, fenômeno de banditismo que ocorreu no nordeste brasileiro por décadas. E que, como a frase que abriu este texto deixa claro, foi violento.

Naquela manhã de 1938 e logo após a hora da reza, o bando de Lampião foi pego de surpresa pelas forças oficiais, que mataram onze cangaceiros. Virgulino foi um dos primeiros a morrer, o que fez com que parte do bando fugisse. Apenas um soldado morreu. Os cangaceiros tiveram as cabeças cortadas e exibidas como troféus em várias cidades brasileiras.

Em Piranhas, que fica a poucos quilômetros da Grota do Angico, as cabeças foram cuidadosamente colocadas na escadaria da prefeitura e fotografadas, num dos registros mais famosos e brutais do cangaço. Os corpos dos cangaceiros foram deixados para os urubus e mais tarde enterrados, mas suas cabeças continuaram a macabra peregrinação pelo Brasil. Foram objeto de pesquisa em universidades e durante três décadas foram expostas em Salvador, até que, após muita pressão dos familiares, foram enterradas, já na década de 1960.

lampião / degola

Imagem, de autor desconhecido, feita em Piranhas, em 1938

Não que Lampião fosse um santo. Muito longe disso. O Rei do Cangaço espalhou o terror pelo sertão nordestino, tendo participado de saques em diversas fazendas e cidades, atos que também terminaram em selvageria. Assassinatos, marcação de inimigos com ferro quente, estupros, sequestros e castrações eram acontecimentos corriqueiros no cangaço. Mesmo assim, Lampião se tornou uma figura controversa: se muitos o temiam e o governo o queria morto, outros o admiravam e o viam como uma espécie de Robin Hood brasileiro.

Para entender o cangaço é preciso se lembrar do coronelismo, que existia desde os tempos coloniais e teve seu papel durante a República Velha. Os jagunços estão inseridos nesse contexto, seja de revolta contra os coronéis e seus desmandos, mas muitas vezes como mão armada deles, que protegiam determinados grupos de cangaceiros, davam armas e definiam áreas, normalmente de inimigos políticos, em que eles podiam agir.

lampião história

Até o governo, em determinado momento, teria requisitado Lampião. O objetivo? Pedir que os cangaceiros enfrentassem a Coluna Prestes, que se aproximava do nordeste. Aí a história fica cheia de nuances, mas o que se sabe é que Lampião e seu bando entraram em Juazeiro do Norte, onde foram tratados como heróis e recebidos por Padre Cícero, de quem Lampião era devoto. O religioso pediu que os homens largassem o cangaço, embora exista uma polêmica aí: alguns dizem que Padre Cícero chamou Lampião para proteger Juazeiro; outros garantem que ele foi pego de surpresa e só dançou conforme a música.

Fato é que Lampião deixou a cidade com a patente de capitão e incorporado às forças oficiais, além de ter uma anistia pelos crimes passados e a missão de enfrentar a Coluna Prestes. Antes de ir embora, porém, deu entrevistas, autógrafos, tirou fotografias e atirou dinheiro pela janela do sobrado onde estava hospedado, para a alegria da multidão que esperava do lado de fora. Tudo bem que a patente não tenha tido valor real, mas serviu para reforçar o mito do Capitão Virgulino.

Sobre isso, inclusive, vale outra história, a de como Virgulino Ferreira da Silva se tornou Lampião. Aos 19 anos, o pai dele foi assassinado por um tenente, numa disputa de terras que já durava mais de uma década. Ele e os irmãos resolveram então entrar para o cangaço – queriam vingança, garante a versão oficial, embora alguns historiadores lembrem que esse tipo de pretexto era usado por quase todos os cangaceiros.

O apelido veio da habilidade de Virgulino com um rifle, que ele disparava enlouquecidamente, iluminando a noite da caatinga: “Espia, Levino! O rifle de Virgulino virou um lampião!”, disse um de seus irmãos, batizando para sempre aquele que seria o nome máximo do cangaço.

Por quase duas décadas, Lampião saqueou, entrou em centenas de combates, derrotou policiais inúmeras vezes e acumulou dinheiro e fama. Seus irmãos morreram no cangaço antes dele, que também esteve perto de bater as botas várias vezes, seja por tiro, seja por incêndio, seja por faca, seja por envenenamento. Muitas vezes, o boato da morte de Lampião se espalhou pelo país, para logo ser desmentido por mais um ataque do bando. Com isso, não é difícil imaginar por que muita gente jurava que o cangaceiro não tinha morrido. E por que as cabeças eram expostas de vila em vila.

Lampião história

Em 1931, ao parar em Paulo Afonso, na Bahia, Lampião conheceu Maria Déia, que tinha vinte anos e era casada. Maria Bonita, como a chamava o cangaceiro, deixa a família para trás e se une a Lampião e ao seu bando. Juntos eles lutam por oito anos e têm pelo menos uma filha, Expedita, que é criada por amigos. Outras versões cogitam a possibilidade do casal ter tido mais filhos, mas que, por conta da dureza da vida no cangaço, teriam sido criados pela mãe de Maria, como se fossem irmãos da cangaceira.

No fim da vida, Lampião tinha um olho só (“Ter dois olhos é luxo”) e mancava de uma perna. Por insistência de Maria Bonita, operou o olho ruim. Para isso, se internou por um mês num hospital, fingindo ser um fazendeiro rico. “Doutor, o senhor não operou fazendeiro nenhum. O olho que o senhor arrancou foi o do Capitão Virgulino Ferreira da Silva, Lampião”, teria escrito ele na parede do quarto, ao deixar o hospital. O teria é necessário porque, se tratando de Lampião, é difícil dizer o que é lenda e o que é fato.

Quase um século depois, Lampião e Maria Bonita ainda estão no sertão. Agora eles habitam museus, centros culturais e até lojas de suvenires – os dois viraram símbolos de uma época. E levam, diariamente, uma multidão de turistas até a Grota do Angico, na chamada Rota do Cangaço, que parte da prainha de Piranhas, percorre o rio São Francisco e chega até o ponto em que os cangaceiros mais temidos, símbolos do banditismo dos séculos 19 e 20, foram emboscados, mortos e degolados.

Se você parar para pensar, o ritual turístico é macabro – eu mesmo, já em Piranhas e ao refletir sobre o assunto, acabei evitando a Grota do Angico. Mas é fácil entender a curiosidade que Lampião e Maria Bonita despertam nas pessoas, história que foi contada em filmes, livros, novelas, peças de teatro e, claro, na literatura de cordel. No auge, Lampião chegou a ter um fotógrafo oficial e a dar entrevistas, documentos que ajudam a recontar uma parte dessa história. Benjamin Abrahão, fotógrafo nascido no Líbano, conviveu com Lampião e chegou a coletar imagens para fazer um filme sobre os cangaceiros. O material foi apreendido e censurado pelo governo Vargas, mas sobreviveu e pode ser visto no vídeo acima.

Ao caminhar pelo sertão nordestino, é impossível não pensar em como tudo aquilo aconteceu. O sertão é luta. É sobrevivência. Ou, como escreveu Guimarães Rosa, “Sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado.”.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

37 comentários em Lampião, Maria Bonita e a história do Cangaço

  1. Amei seu texto RAFAEL eu esta pesquisando essa historia para um trabalho e achei uma perfeita e bem explicada valeu por escrever essa historia

  2. Sempre fui curioso desde moleque para saber algo mais sobre Lampião e Maria,gostei muito dessa pequena parte da historia deste homem que pra uns era robin wood e para outros era simplesmente lampião o matador do Sertão.

  3. Rafael, maravilhoso seu texto! Estou trabalhando a tipologia argumentativa/dissertativa no Ensino Médio e montaremos uma peça teatral julgando Lampião herói ou bandido, sei que será um trabalho difícil já que são tantas opiniões divergentes, mas seu texto me ajudará muito.Parabéns!

  4. Muito rica a história de Lampião. O triste é saber qa história do Brasil é construída com base no positivismo: ordem e progresso, portanto não há espaço para aqueles que foram subversivos, que lutaram contra os regimes de sua época, contra injustiça social, essas análises diferentes das análises “definidas” nos livros escolares são de certa forma um olhar mais curioso, um olhar que apresentam outros caminhos e se distanciam do senso comum de uma história contada pelo governo, tendenciosa e condicionada, isso não foi só com Lampião, Tiradentes( passou de vilão a símbolo de luta pela independência) Antônio Conselheiro, até aos que lutaram contra o regime militar de 64, também são desprezados pela história contada segundo aos mandos governamentais, heróis do Brasil é questão de construção, a ordem é para anestesiar a sociedade e nunca para dispertar o nosso interesse.

  5. Gostaria de saber o por que da crueldade de Lampião para com os homens, se era só uma vingança contra a morte do seu pai,o que o levou a ser cangaceiro.

    Obrigada

    • Acho que todo o contexto pessoal dele, com a morte do pai, mas também o contexto histórico e social do nordeste naquela época. É bom entender que o mundo era outro e que a existência de grupos de justiceiros, como os cangaceiros, não se restringe ao Lampião ou ao nordeste.

      Abraço, Jane.

  6. Me lembrei dessa história agora e resolvi procurar… em meu livro na escola tinha exatamente essa foto das cabeças deles expostas. Lembro que, naquela época, fiquei chocada e não conseguia parar de olhar. Não sei muito bem o que pensar sobre o cangaço mas o final deles foi um pouco cruel demais. A sua análise foi a mais imparcial e completa que já li, parabéns !!

  7. e triste saber que tantas familias foram delaceradas por este grupo pervesso e sanguinario que deixaram tanta coisa ruim como exemplo justiça de deus um dia
    e

  8. Lampião tinha muita intimidade com padre Cícero que abençoava em tudo que ele fazia e recebia grandes ofertas para sua igreja como pode um sacerdócio aceitar ofertas de sangue e ficar bem
    Aí eu me pergunto será que pode ser chamado de Santo um homem desse sabendo das crueldades de lampião e Maria Bonita.

    • De fato, é um capítulo curioso e polêmico esse que envolve Padre Cícero e Lampião, Valentina.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

  9. lampiao foi um lutador contra as injustiça e a miseria que todos os brasileiro passam todos os dias contra o poder desses politicos empresario rouba tudo que e nosso portanto nao acho que serja bandido

  10. Sou recifense, trabalhei em Serra Talhada-PE, durante uns 3 anos, conheço grande parte do sertão nordestino (Bahia, Ceará, Paraíba e Pernambuco) e, na minha humilde opinião, LAMPIÃO não pode ser considerado nem herói nem bandido, Lampião é história de uma região que sempre foi e continuará sendo desprezada pelos poderes públicos, marginalizada pelas “elites” das outras regiões mais desenvolvidas, ainda persiste de forma acentuada e terrível as INJUSTIÇAS SOCIAIS em todos os aspectos, sacrificando a qualidade de vida daquele obstinado POVO que, heroicamente sobrevive inclusive, às intempéries climáticas constantes e duradouras.

  11. Rafael, sou NORDESTINO da cidade de Triunfo-PE. Lugar que também foi registrada a passagem do bando, e segundo as noticias, ele era apoiado por um “coronel”, segundo a história e relatos de nossa cidade. Gostei da sua matéria, no qual vc nem idolatra nem condena aquele que foi sem duvida uma dos maiores mitos do Brasil, em uma época em que o nordestino era dizimado pela fome, e pelos coronéis daquele tempo! Acredito que ele era bandido, porém, cada um que tenha a sua opinião… Forte abraço!

  12. Amo a história é as estórias de Lampião e Maria Bonita.Seubtexto foi perfeito.Pense num livro.Obrigada por nós elucidar um pouquinho mais.

    • Basta pesquisar, Cléber. 🙂 E daí tirar suas próprias conclusões. Mas, no fundo no fundo toda história, de qualquer país, contém informações questionáveis a partir de determinado ponto de vista.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: