As Drags são as donas de Nova York

Na primeira cena de “Paris is Burning” (disponível na Netflix, corre), a drag Pepper LaBeija entra no salão com um vestido dourado pomposo, e a plateia vai à loucura. Lançado em agosto de 1991, o documentário sobre os “bailes” de drags nova-iorquinas nos anos 1980 se tornou um marco para a comunidade queer de todo o mundo ao mostrar a cultura tão viva e resistente da comunidade LGBTQI+. E, pasme, secular!

Os primeiros bailes de montação aconteceram no Harlem, em 1869(!), como conta o livro “Gay New York: Gender, Urban Culture, and the Making of the Gay Male World (1890-1940)”, de George Chauncey. Ótima leitura para quem se interessa no assunto além das passarelas do reality RuPaul’s Drag Race, como eu falei nessa coluna aqui. Ao reunir a comunidade LGBTQI+ da época, foram chamando atenção e, com o tempo, passaram a incomodar. Adivinha o que aconteceu? Foram reprimidos, como sempre, mas resistiram até chegar aos dias retratados no documentário, mais de um século depois.

Cultura Drag em NY

Foto: Shutterstock, por Lukas Maverick Greyson

“Paris is Burning” também tem tudo a ver com resistência. Esses bailes undergrounds aconteciam no bairro do Bronx, na periferia de Manhattan e vizinho do Harlem, onde tudo começou. Eram comandados por jovens negros, latinos e trans, com atitude que não cabia na ilha. Desfiles, poses e batalhas de danças aconteciam em frente a um júri que elegia as melhores em cada categoria (não sem muito bafafá, faz parte do show).

Os bailes oficializaram o “Voguing”, um estilo de dança que se mistura com desfile e carão, inspirado nas poses da revista de moda. Sim, Madonna absorveu essa cultura para a música e o clipe dos anos 1990. A edição anual do Latex Ball é um dos eventos mais importantes da cidade para ver tudo isso acontecer, e aulas da dança podem ser agendadas no Broadway Dance Center. Também saiu daí a maioria das gírias do reality de RuPaul e as “casas”, tipo de irmandades de onde nascem representantes das famílias Xtravaganza, LaBeija e Ninja, só para citar as mais famosas. Família mesmo, que se protege, se empurra para frente.

Lançado no aniversário de 25 anos de “Paris”, o documentário “Kiki” atualiza o cenário, mostrando o cotidiano de sete personagens. Retrata, também, um lado triste da história: a contaminação do HIV continua alta nos círculos de jovens negros e periféricos, quase 40% deles são moradores de rua, e o número de homicídios contra essa população segue batendo recordes. Mas, mais importante ainda que esses bailes continuem existindo como forma de acolhimento.

Kiki é o nome do circuito júnior para aspirantes aos grandes bailes. Muitas drags gostam de se aprimorar para escapar do “shade” (os comentários ácidos). Dizem que o clima é de mais experimentação, e assim acabaram caindo no gosto dos gays novaiorquinos. Parte da cena se deslocou para a Christopher Street, em Greenwich Village, perto do monumento de Stonewall Inn. Procure eventos em sites como o Performance Space New York, que costuma postar com antecedência sobre Kiki Balls. E não deixe de visitar os bares que recebem Drag Queens mainstream, a maioria na região de Hell’s Kitchen, em Lower East Side, como o Barracuda, o Therapy e o Pieces. Drag é arte e cultura, mas, acima de tudo, sobrevivência.

Crédito foto destacada: Shutterstock, por John Arehart


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Victor Gouvêa

Meu pai sempre me disse que a melhor coisa da vida era viajar. Eu acreditei. Misturei as formações em Turismo e Jornalismo para viver de viajar e contar tudinho. Parti de uma cidadela de 30 mil habitantes para morar em SP, EUA e Alemanha, visitar mais de 40 países (e contando) e acumular as histórias mais malucas.

  • 360 nas redes
  • Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.