Tags:

Destinos aquáticos de um viajante que não sabe nadar

Sabe aquela história de que sua vida inteira passa diante dos seus olhos quando a morte se aproxima? No dia em que eu quase me afoguei, descobri que isso é mentira. Mas é verdade que o tempo passa de um jeito diferente, porque em menos de dez segundos debaixo d’água, deu tempo de eu pensar em mil coisas, que foram desde “tá, boiar não deve ser difícil, bora tentar”, passando por “não deu certo, qual o plano B?” até chegar em “cuidem do meu cachorro. Até a próxima encarnação!”.

Eu não sei nadar. E essa falta de habilidade já me colocou em situações bem inconvenientes. O episódio do parágrafo anterior, numa cachoeira da Chapada dos Veadeiros, foi apenas o mais recente. E teria sido o último, caso eu não tivesse sido salvo pelo Rafa (um dos autores deste blog).

Décadas antes, outra cachoeira – na Serra do Cipó, em MG – quase foi cenário de uma situação parecida. Escorreguei na beirada do rio perto da queda d’água e não sei direito como não fui levado pela correnteza. Dizem que até hoje uma pedra na qual me agarrei tem as marcas das minhas unhas.

Acho água um negócio lindo de se ver. Acho lindo piscina, rio, cachoeira, mar. Até a cidade mineira onde fui criado leva lagoa no nome. Mas prefiro ver de longe mesmo. Devo essa fobia à minha mãe, que já perdeu parentes num acidente de barco e sempre foi muito resistente à ideia de ver os filhos entrando na água. Não fiz natação na infância e só fui conhecer o mar aos 19 anos, numa viagem solitária até o litoral do Espírito Santo.

Com o tempo, me acostumei com a ideia de que eu e a água não formamos um bom casal. Eu não sei mergulhar nesse relacionamento e ela parece instável demais para eu ter vontade de me jogar. O problema é que as pessoas não aceitam bem a ideia de ir à praia e não entrar no mar (coisa que frequentemente faço, desde aquelas miniférias em Vila Velha).

E olha que eu tentei. Um dia, no mar do Parque Tayrona, em pleno Caribe Colombiano, um conhecido ficou indignado com essa minha falha de caráter e tentou me ensinar a boiar. Afinal, ali do ladinho, em Taganga, davam cursos de mergulho e esse seria um ótimo jeito de aproveitar os últimos dias de férias. Ou ele não era o melhor dos professores ou eu era um péssimo aluno, porque não deu certo.

O Mar do Caribe não é exatamente o melhor lugar do mundo para se aprender a nadar.

Não saber nadar já me fez perder o bonde da diversão várias vezes. Deixei de lado uma visita às 48 quedas d’água de Akame, no Japão; desisti de me jogar em um toboágua colossal no Beach Park; frustrei meus amigos ao me recusar a cruzar um túnel submerso numa caverna no Petar, no sul de São Paulo; e não mergulhei no mar na parada do passeio de barco em Florianópolis. Na última vez que fui ao Rio de Janeiro, nem sequer encostei o pé na água.

Mas uma hora isso vai mudar. Na mesma viagem à Colômbia em que eu não consegui aprender a boiar, conquistei duas enormes vitórias relacionadas à água. Na primeira, atravessei um rio com água corrente fortíssima batendo no ombro para chegar até uma parte mais bonita da praia de Palomino. Na segunda, cheguei vivo ao final do trajeto de um bóia-cross, passando por momentos tensos.

Nenhuma das duas envolveu estar, de fato, submerso. Mas é um começo.

Eu e a água: um dia a gente ainda vai se dar bem.

Acho que minha relação com a água reflete um pouco um jeito de levar a vida. Gosto mais de ficar no raso, onde não falta o ar e meus pés encostam no chão. Mas está nas minhas metas de 2019 aprender a não afundar (Também estava na lista de 2018, mas deixa pra lá). Talvez eu até faça um cruzeiro este ano. Acho que passou da hora de perder o medo de navegar. Na água e na vida.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Otávio Cohen

Cresci lendo muitos livros e assistindo a muitos filmes. Deu nisso: hoje vivo de contar histórias. Por coincidência, algumas das melhores acontecem longe de casa. Por isso, de vez em quando, supero o medo de avião e a saudade do meu cachorro para ir em busca de uma nova história.

  • 360 nas redes
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

3 comentários sobre o texto “Destinos aquáticos de um viajante que não sabe nadar

  1. Não se preocupe Otávio, você não é o único. Eu também não sei nadar e já deixei de fazer algumas coisas em viagens por conta disso. Todo ano prometo que vou fazer aulas de natação para ao menos aprender o básico, e sempre deixo a ideia de lado rsrsrs. Passeios de barco eu faço, mas entrar em águas profundas muitas vezes evito, mesmo de colete. Mas viagens muitas vezes trazem momentos de superação. Eu tive desses momentos numa trip que fiz sozinha pra Tailândia. Fiz snorkel, entrei na água à noite para o passeio dos plânctons (com medo e agarrada num casal brasileiro) e tb fui convencida a fazer mergulho de cilindro em Phi Phi por novos amigos brasileiros que fiz. Quase entrei em pânico quando entrei na água com o equipamento, mas no fim foi tudo tranquilo hahaha. Então posso dizer que te entendo perfeitamente rsrs.

  2. Hahahaah, Otavio, não se sinta só: tou nesse mesmo time que vc!!!
    Não consegui aprender, apesar de ter tentado… nem boiar eu sei! 🙁
    (mas, né, sonho que é sonho, de pelo menos aprender a boiar) 😉

  3. Caramba! Tem certeza que esse texto não foi escrito por mim?!!! Gente! Tão eu! Você me representou na categoria turista com medo de água ha ha ha graças a Deus não estou só!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.