Tags:
Atlas: Brasil

Black Bird: por um mundo com mais viajantes e destinos negros

Durante dez anos, Luciana Paulino viveu voando. Em sua carreira como relações públicas, ela viajou a trabalho para lugares como Suíça, Portugal e Estados Unidos, para ajudar a promover as ações turísticas desses destinos. Só tinha um problema. Nas salas de embarque, principalmente nas internacionais, Luciana raramente via pessoas que se pareciam com ela. Luciana é negra. Mas a gigantesca maioria dos brasileiros que viajam para fora é branca. A constatação virou um incômodo. O incômodo gerou uma questão: se viajar é uma experiência transformadora, por que não pode ser também uma experiência inclusiva? E a questão virou projeto.

black bird- turma de amigos na praia, ceu azul

Em contato com outras pessoas que também sentiam falta de rostos negros nos aviões, Luciana idealizou o Black Bird, uma plataforma de turismo e representatividade.

Como engajar viajantes negros?

Vamos por partes. Apesar de ser comumente associada à pobreza, a população negra (que, vamos lembrar, é mais que a metade do total de brasileiros) está inserida no mercado consumidor e tem poder aquisitivo. Eles têm grana para comprar produtos de beleza, roupas, eletrodomésticos, automóveis. Mas, por algum motivo, no geral, eles não investem em viagem.

Se os consumidores das classes C e D estão no foco das agências que vendem pacotes, porque não há tanta gente de pele escura fazendo compras em Miami ou tirando foto segurando a Torre de Pisa? Para Luciana, é porque o negro brasileiro ainda não se vê como turista.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Black Bird (@blackbird_viagem) em


É isso que o Black Bird vem mudar. O conteúdo da plataforma coloca pretos e pardos como protagonistas de narrativas de viagem, para que outras pessoas negras consigam se considerar também capazes de conhecer novas paisagens, viver experiências longe de casa e postar fotos incríveis no Instagram. A tendência é internacional. Nos Estados Unidos, o Black Travel Movement incentiva negros a viajarem e mostrarem que, além de empoderados, eles também podem ser endinheirados.

Além da questão econômica, Luciana acredita que o turismo é uma forma de conexão com a ancestralidade. Conhecer destinos negros é também desvendar um pouco da história do povo negro, algo que se vê pouquíssimo nos livros da escola. Pensando nisso, a Black Bird também está por trás de um city tour que passa por diversos pontos do centro de São Paulo por onde passaram personagens negros históricos. E a ideia é ir bem mais além.

Expedição Palmares

 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Black Bird (@blackbird_viagem) em

Está marcada para Novembro de 2019 a Expedição em grupo do Black Bird para União dos Palmares, em Alagoas, região onde ficava o Quilombo dos Palmares de Zumbi. Também está nos planos de Luciana uma viagem coletiva para o Afropunk, o incrível festival de cultura negra que acontece em Nova York em dezembro. E passou da hora de se acostumar: vai ter cada vez mais pessoas negras do Brasil na fila do embarque em Guarulhos rumo ao Harlem, Soweto, Kingston, e também Paris, Veneza e Orlando. O Black Bird não vai mais parar de voar.

Conheça o projeto e siga eles no Instagram e no Facebook.

A Vozes

A Vozes é uma newsletter especial, enviada quinzenalmente, onde nós contamos histórias de pessoas e projetos extraordinários, que usam o universo das viagens para transformar o mundo. Se quiser receber o conteúdo em primeira mão, assine a nossa newsletter:

 

Se quiser acompanhar o que nós já fizemos, veja o que já postamos:

#1 – Um intercâmbio feminista que arrecadou 12 mil reais

 


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Otávio Cohen

Cresci lendo muitos livros e assistindo a muitos filmes. Deu nisso: hoje vivo de contar histórias. Por coincidência, algumas das melhores acontecem longe de casa. Por isso, de vez em quando, supero o medo de avião e a saudade do meu cachorro para ir em busca de uma nova história.

  • 360 nas redes
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.